Arquivo da tag: vasectomia

Igreja Universal é processada sob a acusação de forçar pastores a fazer vasectomia

A Igreja Universal do Reino de Deus responde a processos de ex-pastores que afirmam ter sido forçados ou pressionados a fazer vasectomia para permanecer ou ascender na instituição, informa na edição deste domingo o jornal Folha de São Paulo.

Segundo eles, não ter filhos implicaria mais facilidade de mudar para templos em outras cidades.

Em um dos casos, a Justiça fixou pagamento de R$ 115 mil por danos morais a um ex-membro.

Um dos pastores que entraram com ação judicial declara ter saído porque era humilhado. “Chegaram a marcar reuniões com minha filha e dizer que o pai não crescia na igreja por causa dela.”

A Universal nega as acusações e afirma que tem obtido vitória na maioria das causas trabalhistas movidas pelos religiosos – as condenações mais recentes são tratadas como exceções, ainda conforme o jornal.

*fonte: folha

 

 

Existe relação entre vasectomia e câncer de próstata?

vasectomiaA mais recente pesquisa sobre a relação entre a vasectomia e o câncer de próstata foi realizada, recentemente, pelo Instituto Americano do Câncer e pela Associação Americana de Urologia, e o que já era consenso entre as autoridades no assunto, foi comprovado mais uma vez: a vasectomia não foi associada ao aumento do risco de câncer de próstata. A pesquisa reuniu uma seleção criteriosa de 10 grandes estudos, com mais de 7 mil pacientes vasectomisados e 430 mil participantes não vasectomisados, americanos e europeus.

A reversão da vasectomia também não parece interferir em aumento ou diminuição do risco para se desenvolver o câncer de próstata, os fatores de risco mais importantes ainda são idade, etnia e hereditariedade.

Um breve entendimento do trato genital masculino: os espermatozoides são produzidos nos testículos e são capacitados em um órgão que se localizada atrás do testículo, o epidídimo. Quando por excitação sexual ocorre o orgasmo, os espermatozoides caminham pelos ductos deferentes até a uretra prostática. O líquido seminal é composto por duas glândulas que produzem sêmen, a próstata e a vesícula seminal, sendo que os espermatozoides se juntam a estas secreções glandulares na uretra prostática. A partir daí, o sêmen é eliminado por contrações que se iniciam no colo vesical, localizado na próstata (junto a bexiga) até a uretra. Portanto, a sensação do orgasmo masculino ocorre por contrações sequenciais que acontecem da uretra prostática até a uretra distal, expulsando em jatos o sêmen.

A vasectomia é uma cirurgia que visa obstruir o ducto deferente, impedindo a passagem do espermatozoide. Normalmente é feita com anestesia local por abordagem na bolsa testicular, com uma ou duas pequenas incisões. Este ducto é seccionado (dividido por um corte com bisturi) e uma ligadura com fio cirúrgico é realizada para obstruí-lo. Desta forma, interrompe-se a passagem dos espermatozoides, eliminando-os do sêmen. O homem então, passa a ejacular durante o orgasmo, sem espermatozoides. O detalhe, porém, é que o volume dos espermatozoides corresponde a menos de 1% do sêmen, não havendo, portanto, percepção do paciente com relação à diminuição do volume ejaculado após a vasectomia.

Em alguns casos especiais, como em pacientes com bolsa testicular pequena, a abordagem aos ductos deferentes é mais difícil e o urologista pode usar outra via para realizar a vasectomia. Nestes casos pode-se operar sob anestesia geral realizando uma pequena incisão na virilha de cada lado para se atingir o cordão espermático e seccionar o ducto deferente, tornado o homem estéril.

Confirmação por espermograma

Após a cirurgia, a esterilidade deve ser confirmada por espermograma, exame realizado após dois meses da vasectomia. É recomendável que o casal use algum método contraceptivo até esta prova final da esterilidade. E o paciente deve ficar pelo menos uma semana sem ejacular após a cirurgia.

A vasectomia é eficiente em mais de 99% das vezes, porém, há casos em que a técnica pode falhar. Casos como esses são raros, mas podem acontecer quando ocorre uma passagem mínima de espermatozoides entre os cotos dos deferentes seccionados. O pior de tudo é que o marido pode realizar um espermograma e confirmar a azoospermia, ou seja, a ausência de espermatozoides no sêmen. Neste caso, a vasectomia deverá ser refeita, é claro.

São mistérios vistos raramente na vida do urologista. O risco de gravidez após vasectomia é de aproximadamente 1 em 2.000 para os homens que têm azoospermia ou com – raros espermatozoides imóveis no espermograma pós-vasectomia. Os médicos devem conhecer estes fatos para não criar maior constrangimento familiar.

A reversão da vasectomia também não interfere com a próstata

A reversão não parece interferir em aumento ou diminuição do risco para se desenvolver o câncer de próstata, os fatores de risco mais importantes ainda são idade, etnia e hereditariedade.

O sucesso do procedimento de reversão, quando possível, é maior que 90% nos homens que se submeteram a vasectomia em até 10 anos. Por esta razão deve-se discutir com o casal a intenção da vasectomia antes da sua realização. Hoje é muito importante que o médico discuta com seu paciente em que consiste a cirurgia, quais são as etapas e as possíveis complicações relacionadas ao ato operatório. Vale lembrar que neste procedimento o médico deverá conversar com o casal, para que ambos entendam o caráter permanente da vasectomia. Hoje existem normas para que o casal passe em avaliação psicológica para que, então, a cirurgia possa ser realizada depois de três meses. O casal deve estar absolutamente consciente dos prós e contras do procedimento. Antes da cirurgia o consentimento informado deve ser assinado pelo paciente.

minhavida

Acompanhe mais notícias do FN nas redes sociais: FacebookTwitterYoutube e Instagram

Entre em contato com a redação do FN:  WhatsApp (83) 99907-8550. 

E-mail: jornalismo@focandoanoticia.com.br