Arquivo da tag: valorizar

Aprovação da MP da Liberdade Econômica sinaliza necessidade de “valorizar quem produz”

O Senado Federal aprovou, na noite desta quarta-feira (21), a Medida Provisória 881/2019, conhecida como MP da Liberdade Econômica. O texto propõe a desburocratização e simplificação de processos, principalmente para abertura de empresas consideradas de baixo risco.

A medida é vista como uma solução para melhorar o ambiente de negócios e facilitar os processos legais. Para um dos defensores do projeto no Congresso Nacional, o senador Efraim Filho (DEM-PB), as mudanças previstas na MP devem diminuir o impacto de regras sobre a atividade dos empreendedores.

“A MP da Liberdade Econômica traz um sentimento de simplificação de procedimentos. Acredito que é uma sinalização muito positiva de que o Brasil, o governo e a sociedade, juntos, precisam valorizar mais quem produz, quem gera emprego, renda e oportunidades”, conclui Filho.

Durante a votação do texto, o líder do PSL no Senado, Major Olímpio (SP), lembrou que as mudanças propostas na MP têm como objetivo final a geração de empregos. “Essa medida provisória vai, entre outras coisas: provocar a extinção de alvarás de licença para atividades de baixo risco; liberar a definição de preços, salvo restrição em lei; equiparar documento digital ao físico (carteira de trabalho digital); dar segurança e preservação jurídica dos contratos; afastar o abuso regulatório”.

Após ser aprovada na Câmara e no Senado, a medida seguirá para sanção do poder Executivo. A MP 881/2019 prevê menos interferência do Estado como forma de destravar o ambiente de negócios no país. Entre outros pontos, o texto retira a burocracia de atos governamentais que exigem licenças, alvarás e autorizações de funcionamento para atividades de baixo risco, como pequenos comércios.
A principal mudança aprovada pelos senadores em relação ao texto da Câmara foi a retirada dos artigos que autorizavam trabalho aos domingos e feriados, com regras diferentes da Consolidação das Leis do Trabalho (CLT).

Abertura

Dados do Sebrae-PB mostram que 166.772 microempresas estão em funcionamento no estado. O tempo médio para se abrir um empreendimento de baixo risco é de cinco dias. Os principais entraves apontados pela instituição são a burocracia e a alta tributação.

O gerente da Unidade de Desenvolvimento Territorial e Políticas Públicas do Sebrae-PB, Luciano Holanda, explica que os três primeiros anos de um empreendimento são “críticos”. Para ele, a aprovação da MP da Liberdade Econômica contribuirá para manter os negócios ativos durante esse período. “É quando o empresário enfrenta dificuldades no campo da gestão, para acessar mercados. É nesse momento que ele precisa de um apoio maior. E uma medida como essa – uma forma regulatória – proporciona condição para superar esse momento”, explica.

Para o especialista em economia do Instituto Brasileiro de Mercado de Capitais (Ibmec) Roberto Dumas, além de diminuir a burocracia, a MP da Liberdade Econômica é um importante passo para a simplificação de negócios da iniciativa privada, ao estabelecer garantias para o livre mercado.

“O Brasil ocupa um dos últimos lugares, ou seja, é um dos piores lugares do mundo em relação à burocracia para se uma pequena empresa. A MP vai, justamente, ao encontro de tirar a presença do Estado de onde, absolutamente, ele não é necessário”, explica.

A medida também avança ao trazer procedimentos e documentos que hoje ainda são analógicos para a era digital. Um trecho, por exemplo, prevê a criação da Carteira de Trabalho Eletrônica, que será emitida pelo ministério da Economia e acionada por meio do CPF do trabalhador. Também prevê que documentos que hoje precisam ser armazenados em papel possam ser guardados em suas versões eletrônicas, com assinaturas eletrônicas.

A burocracia vai diminuir, também, no transporte de cargas de caminhões, com a criação de um documento eletrônico de transporte que substitui os papéis exigidos nos postos de fiscalizações.

Segundo a Secretaria de Política Econômica do Ministério da Economia, a modernização nas relações econômicas prevista na MP 881 pode contribuir para a criação de 3,7 milhões de empregos nos próximos 15 anos. Ainda segundo o órgão, o PIB per capita, ou seja, a riqueza produzida no país por habitante, pode crescer em mais de 0,5% no período.

 

agenciadoradio

 

 

Tião Gomes nega convite do G11 a Inácio Falcão e diz que ele quer se valorizar

Após o deputado estadual Inácio Falcão (PCdoB) declarar nesta sexta-feira (09) que teria sido convidado para integrar o bloco G11 na Assembleia Legislativa, o deputado Tião Gomes (Avante) que é integrante do grupo, negou a informação e afirmou que Inácio não tem perfil para integrar o G11.

“Essa informação não procede. Acredito que Inácio Falcão está tentando se valorizar perante o governo e usou o nome do G11 no intuito de conseguir algo, ou como moeda de troca. Falo em nome de todos os deputados do bloco e afirmo que ele nunca foi procurado, muito pelo contrário, se ofereceu várias vezes e pedia para deixar a vaga dele quando o mesmo tentava defenestrar o secretário Geraldo Medeiros do cargo de Secretário de Saúde. Inácio não tem o perfil do G11 e nunca existiu nenhuma conversa com ele”, afirmou o parlamentar do Avante.

Ainda de acordo com Tião Gomes, é até incoerente o deputado que foi expulso do partido Avante ser convidado para fazer parte de um bloco onde todos os quatro deputados do partido estão inseridos e são maioria, além do líder ser do Avante. “Seria muita incoerência convidar um deputado que foi expulso do partido para fazer parte de algo que tem a liderança do Avante e tem a maioria dos deputados do Avante. Portanto, a informação não procede”, disse.

Finalizando, Tião Gomes destacou que vem observando que existe uma campanha muito bem patrocinada para desqualificar o G11 e alguns deputados, através de notas totalmente infundadas plantadas na imprensa. “Há uma onda de Fake News na imprensa para desqualificar nosso grupo que está mais unido e mais forte. Quanto mais bate, mais o G11 cresce”, reforçou.

Portal WSCOM

 

 

Em alta, Diego Souza põe futebol do Nordeste na seleção e prega respeito: ‘tem que valorizar’

diego souzaNenhum jogador foi mais decisivo para um clube na Série A da última temporada que Diego Souza: ao todo, foram 14 gols e sete assistências na campanha que assegurou o Sport por mais uma temporada na primeira divisão.

O meia de 31 anos tem alçado desde então voos mais altos em sua carreira e coroou a sua excelente fase com a convocação na última sexta-feira para defender a seleção brasileira nas Eliminatórias da Copa do Mundo de 2018. É o primeiro jogador do futebol nordestino a ser chamado desde o volante Leomar em 2001 com Emerson Leão.

O camisa 87 do rubro-negro pernambucano reacende o debate sobre a suposta falta de prestígio da região nas listas.

“A gente ouve muita coisa de muita gente e temos que tentar abstrair isso”, afirmou, em entrevista ao ESPN.com.br.

Diego Souza abriu, sim, mão de dinheiro ao deixar o Fluminense após pouco mais de três meses para retornar ao Sport. Um caminho que deve se tornar mais recorrente com os concorrentes locais movimentando cada vez mais dinheiro no mercado.

Ele se apresenta junto ao grupo comandado por Tite no próximo dia 19, em São Paulo, para enfrentar o Uruguai, em Montevidéu, no dia 23, e depois o Paraguai, na Arena do Corinthians, na capital paulista, no dia 28.

ESPN – Você já esperava ser convocado? Como é representar o Sport depois de 16 anos em uma Eliminatória?
Diego Souza –
A expectativa era boa por causa da convocação contra a Colômbia, mas a gente nunca tem certeza de nada nessas horas. Eu estava com minha família no momento da convocação e foi uma emoção muito grande. Meu filho era muito pequeno quando fui convocado na última vez e ele não entendia direito essa grandeza de vestir a amarelinha. Agora, ele está um pouco mais velho e sabe o que representa para todos nós ser convocado, para o amistoso e agora para esses dois jogos das Eliminatórias.

A sensação de representar o Sport é algo que é difícil de descrever, mas que o torcedor pode ter certeza de que farei com muita honra. Se estou de novo na seleção, é por tudo que o Sport me proporcionou nesses últimos anos.

ESPN – Sempre que se conversa com dirigentes, falam que jogador bom só deixa o ‘eixo Rio-São Paulo’, como dizem, para ganhar mais no Nordeste. Seria esse mesmo o custo de supostamente se ‘esconder’?
Diego Souza –
A gente ouve muita coisa de muita gente e temos que tentar abstrair isso. Acredito que essa convocação serve para demonstrar aos atletas e profissionais que trabalham no mundo da bola que o futebol nordestino tem muita força e deve ser mais valorizado.

ESPN – Sonha disputar a Copa também?
Diego Souza –
Agora o sonho reacendeu! Era um gigante que estava aqui dentro adormecido, mas que, aos poucos, está se levantando. Ainda falta muito para a Copa do Mundo e preciso subir degrau a degrau para garantir meu lugar entre os 23. Vamos deixar para pensar nisso mais pra frente. Vai depender do meu desempenho, não só no Sport como também na seleção. Empenho não vai faltar. Isso só me dá mais ânimo para trabalhar.

ESPN – Palmeiras, Fluminense, Flamengo, Vasco, Atlético-MG, Grêmio e Cruzeiro. Você passou por todos esses clubes, mas em nenhum deles teve a identificação que conseguiu hoje no Sport. Por que isso?
Diego Souza –
Recife foi um lugar que sempre me abrigou com muito carinho e respeito. Sou muito grato ao Sport por ter aberto as portas e por ter me dado alegria de voltar a jogar futebol. Sou muito feliz aqui, minha família adora a cidade e vejo um futuro de muita alegria com essa camisa.

ESPN – Para marcar de vez a sua passagem, confia que falta apenas a conquista do título pernambucano?
Diego Souza –
A gente está sempre em busca de títulos e é isso que nos coloca na história dos clubes. Meu objetivo no dia-a-dia é trabalhar cada vez mais e melhor para escrever meu nome na galeria de craques desse clube.

ESPN – Conforme apurado, você ligou para Arouca, Rafael Marques e André para convencê-los a jogar pelo Sport. O seu papel hoje no clube, pela importância que tem, extravasa o vestiário?
Diego Souza –
Conversei algumas vezes com o André para passar a ele como era a cidade, o clube e tudo que ele encontraria aqui. Nada além do normal que um amigo faria pelo outro para ajudá-lo aqui no Recife. Eu, claro, como todos aqui, quero o melhor para o Sport e ajudo da maneira como posso. Mas eu jamais me meteria em negociação da diretoria para reforçar o elenco. Estou aqui para ser decisivo dentro de campo, que é minha principal função e, se um dia pedirem meu conselho sobre algum atleta, posso dar, mas não atuo diretamente nisso.

ESPN – Você apoiou a eleição de Arnaldo Barros, ex-vice de futebol, para presidente. Chega a bater papo com ele sobre a melhora do clube?
Diego Souza –
O Sport já tem uma estrutura excelente entre os clubes do Brasil. O Arnaldo é um cara que me recebeu muito bem aqui no clube e fizemos uma amizade bacana. Nossa conversa não avança muito além disso.

ESPN – Você disputou três Brasileiros pelo Sport. Todos em alto nível. Em 2016, o melhor. O que contribuiu para isso?
Diego Souza –
Eu trocaria todos os meus gols pelo título do Campeonato Brasileiro para o Sport. Ganhar premiações pessoais é sempre bacana, mas o futebol é um esporte coletivo e é isso que colocamos sempre em primeiro plano. Difícil explicar um motivo único para o bom ano de 2016, mas devo ao crescimento de toda a equipe e, claro, a ajuda dos companheiros foi importante.

ESPN – É verdade que você criou as Séries A e B de dominó no vestiário?
Diego Souza –
Dominó é uma paixão que tenho desde cedo. Sempre que posso chamo alguém para um desafio e raramente perco. Aprendi a jogar em casa e não larguei nunca mais. É uma brincadeira bacana que foge um pouco da tela do celular ou do vídeo game.

ESPN – Fala-se muito em demagogia ao analisar a relação de jogador e clube. É algo que passa longe de sua relação com o Sport?
Diego Souza – O Sport é um clube que eu aprendi a amar. É um dos maiores clubes do Brasil, com uma história linda no futebol e poucos sabem da honra e responsabilidade que temos de vestir essa camisa. Desde o primeiro dia que pisei aqui, eu só cresci e isso é um motivo de orgulho para mim.

ESPN – Sendo revelado no futebol carioca, como foi para você receber a camisa 87 e toda história envolvendo o Brasileiro?
Diego Souza – Foi uma honra vestir o número que representa um título importante na história do Sport. A responsabilidade só aumentou quando me deram essa opção e aceitei, porque acredito que seria um peso gostoso de se vestir em cada partida. Me sinto muito bem vestindo a 87 aqui.

ESPN – Você chegou até mesmo a defender o gol do Sport uma vez.
Diego Souza –
Costumo brincar com amigos e com meus companheiros que, pelo Sport, jogo em qualquer posição, até mesmo de goleiro. Foi uma situação diferente, mas que acreditei que poderia ser feita por mim. Já tinha brincado algumas vezes de ser goleiro nos rachões e achei que naquele momento eu seria o mais preparado para colocar as luvas. Felizmente, deu certo, não perdemos e consegui ajudar mais uma vez o Sport.

ESPN

Acompanhe mais notícias do FN nas redes sociais: FacebookTwitterYoutube e Instagram

Entre em contato com a redação do FN:  WhatsApp (83) 99907-8550. 

E-mail: jornalismo@focandoanoticia.com.br

 

 

7 dicas para valorizar seu carro na hora da venda

revistaautoesporteConseguir um bom negócio na hora de vender um veículo usado não é uma tarefa das mais fáceis. Pequenos detalhes podem fazer o comprador desvalorizar seu carro no momento da negociação. Para reduzir as chances de isso ocorrer, alguns cuidados podem ser tomados. Com ajuda de Ilídio Santos, Presidente da Federação Nacional das Associações de Revendedores de Veículos Automotores, preparamos uma lista com dicas que podem te ajudar a conseguir um bom negócio. Confira:

1. Cuide bem do seu veículo

A primeira recomendação é a mais óbvia, mas vale ser lembrada. Procure manter seu veículo sempre bem conservado, pois o comprador pode desvalorizá-lo se ele tiver algum tipo de imperfeição visual ou mecânica. Se possível, evite deixar seu carro exposto ao sol e chuva, para não estragar a pintura, e garanta que as manutenções estejam em dia.

2.  Mantenha peças e equipamentos originais

Procure deixar seu automóvel o mais original possível, evitando vendê-lo com equipamentos e incrementos não originais. Por mais que você tenha investido muito em um acessório caro – como uma roda de aro maior – itens que não são originais do veículo tendem a jogar o valor de venda para baixo.

3. Remova as customizações

Para conseguir uma venda mais rápida, tire todas as customizações que você realizou no seu carro. Os veículos que possuem engates, rodas grandes e outros adereços normalmente demoram mais para serem comercializados.

4. Deixe o interior bem limpo

O interior do veículo deve estar sempre limpo e bem conservado. Os estofamentos, por exemplo, não podem estar ressecados, especialmente os de couro. Sujeira, então, nem pensar. Vale dar uma geral no interior do carro antes de apresentá-lo ao possível comprador.

5. Não faça pequenos reparos na pintura

Se for negociar o carro com uma revenda, deixe o reparo de pequenos detalhes por conta do comprador. Normalmente as concessionárias têm parcerias com funilarias e podem fazer os reparos sem problema. Além disso, repinturas podem até mesmo desvalorizar o carro, já que os lojistas preferem que a pintura seja original.

6. Não perca o manual e a chave reserva

Se o veículo ainda estiver no período de garantia do fabricante, apresente o manual do proprietário, onde devem constar os carimbos de todas as revisões obrigatórias nas Concessionárias. Ter a chave reserva do veículo também é um diferencial importante na hora da venda.

7. Guarde os comprovantes das manutenções

Quanto mais comprovantes das manutenções você tiver, mais segurança oferecerá ao futuro comprador, podendo pedir mais no momento da venda.

 

 

revistaautoesporte

Relacionamento: saiba como se valorizar

casalSou fácil demais. Como me valorizar no relacionamento?

O medo de perder o outro pode se associar à desconfiança ou ao ciúme, que se vivido de forma exagerada, pode provocar brigas e discussões e trazer um desgaste desnecessário para o relacionamento.

Sempre sou favorável à construção de uma estrutura de relacionamento baseada em bons sentimentos, prazer e satisfação em estar a dois.

Como me entregar no relacionamento sem parecer fácil?

1ª) Um relacionamento precisa ser vivido em sua essência e profundidade e não são joguinhos provocativos ou despertar sentimentos de medo e insegurança que permitirão o desenvolvimento dessa relação;

2ª) É preciso muito entendimento, disposição, carinho e amor;

3ª) Para ela ficar mais antenada no relacionamento, é preciso que ele seja importante e desejado pela parceira. Portanto, se quiser realmente que o relacionamento dure e se perpetue, deixe isso muito claro;

4º) Não hesite em demonstrar seus sentimentos. Se ela não for receptiva, talvez não seja a pessoa que você procure ou queira estar;

5ª) Avalie sempre os seus interesses e expectativas, converse sempre que sentir que não esteja sendo correspondido;

6ª) Num relacionamento um não pode se dedicar mais que o outro, a reciprocidade é fundamental.

O que fazer para o relacionamento durar?

É muito comum o relacionamento começar de forma intensa e surgir certa acomodação com o passar do tempo e a paixão naturalmente esfriar.

É possível não deixar a peteca cair, evitar o desencanto e, consequentemente, uma possível ruptura?

É importante que o casal estimule sempre a novidade como experimentar um restaurante diferente, um motel novo, um passeio ou uma situação romântica; ou mesmo situações conhecidas, mas que são pouco vividas e muito desejadas e aproveitadas quando acontecem, como por exemplo, viajar para lugares aprazíveis e que despertem o interesse de ambos ou ainda dar um presente desejado.

Também é importante buscar o positivo, a motivação, a ousadia, fazer elogios, reforçar virtudes, provocar desafios e objetivos futuros para o relacionamento.

CURTA o FOCANDO A NOTÍCIA no Facebook

Uol