Arquivo da tag: UFCG

UFCG, entidades estudantis e ALPB repudiam professor universitário por comentário ‘machista’ e ‘misógino’ nas redes sociais

A Universidade Federal de Campina Grande (UFCG), entidades representativas dos estudantes e até a Assembleia Legislativa da Paraíba (ALPB), da através da Comissão de Direitos da Mulher e da Comissão Parlamentar de Inquérito do Feminicídio (CPI do Feminicídio), divulgaram notas de repúdio contra comentário, publicado nas redes sociais, considerado machista, misógino e desrespeitosa contra as mulheres. O autor é professor do departamento de engenharia elétrica da (UFCG).

Em comentário postado em uma rede social, o professor escreve palavras pesadas com palavras de baixo calão em postagem de outra pessoa. “Quem vai fazer os trabalhos mais pesados, perigosos e insalubres? Homi ou muié? Quem vai construir pontes, arranha-céus, estradas, represas, cultivar plantações, explorar minas subterrânas, poços de petróleo, o carai, cacete? Ai ficam essas quengas latindo e reclamando o tempo todo. Então vai, porra! Assume essa merda aí. Sustenta a casa, porra!!! Eu fico cuidando dos menino em casa, fazendo a comida e te esperando de pomba dura [sic] á noite. Topas?”, escreveu.

REITORIA DA UFCG

A UFCG divulgou nota de repúdio assinada pelo  reitor Vicemário Simões; pelo diretor do Centro de Engenharia Elétrica e Informática, Jorge César Abrantes de Figueiredo, e pelo coordenador Administrativo da Unidade Acadêmica de Engenharia Elétrica.

Leia na íntegra:

“A Universidade Federal de Campina Grande é plural em todos os sentidos e, por isso mesmo, convive com as mais variadas posturas políticas, ideológicas, culturais e religiosas, esperando de toda a sua comunidade acadêmica uma harmoniosa convivência democrática em que as diferenças são respeitadas.

O respeito às diferenças não dá lugar a nenhuma forma de manifestação racista, sexista ou alguma forma outra de apontamento preconceituoso contra qualquer coletivo.

Desta forma, a Reitoria da Universidade Federal de Campina Grande vem a público, manifestar o seu repúdio a qualquer expressão de preconceito e de ataque aos inegociáveis princípios dos direitos humanos, notadamente àquelas recentes manifestações, registradas em rede social, por docente da Instituição, que se mostrou desrespeitoso na convivência com as diferenças.

A Reitoria, zelando os princípios e valores que embasam a Universidade Federal de Campina Grande, não apenas repudia o ato desrespeitoso como também manifesta solidariedade às pessoas e aos coletivos que foram desrespeitados pelas mencionadas manifestações.

E por entender que, mesmo no âmbito da vida privada, a liberdade de expressão não pode ferir a dignidade alheia, e considerando a legislação a que está submetido qualquer servidor público, uma comissão de sindicância foi tempestivamente constituída, para apurar o caso, que será matéria de análise também pela Comissão de Ética da Universidade Federal de Campina Grande”.

ENTIDADES ESTUDANTIS

Em Carta de Repúdio o Grupo de Afinidade IEEE WIE UFCG, o Centro Acadêmico de Engenharia Elétrica e o PET Engenharia Elétrica da UFCG, entre outras entidades representativas repudiaram a atitude de um professor do Departamento de Engenharia Elétrica da UFCG, que, em uma rede social, fez uma declaração machista, misógina e totalmente desrespeitosa, utilizando palavras de baixo calão.

“Este tipo de atitude é inaceitável vindo de qualquer pessoa, mas especialmente de um professor de um curso de engenharia, que é referência no país e um orgulho para a Paraíba, e que há mais de 40 anos forma engenheiras, MULHERES, que hoje são profissionais de renome nos mais diferentes segmentos e empresas do país e do mundo”, diz trecho da carta.

Confira mais detalhes:

ASSEMBLEIA LEGISLATIVA

A Assembleia Legislativa da Paraíba, através da Comissão de Direitos da Mulher e da Comissão Parlamentar de Inquérito do Feminicídio – CPI do Feminicídio, também repudiou o comentário misógino publicizado na rede social pelo professor do Departamento de Engenharia Elétrica da UFCG.

“A luta pela emancipação da mulher é, hoje, objeto de discussão, estudos e ações em diversos espaços, inclusive nas universidades públicas, visando a mudança social e eliminação de todas as formas de opressão. Todavia, a manifestação do professor é reveladora ao destacar a ignorância sobre a questão de gênero.

É mister destacar que este apedeutismo, associado a uma cultura patriarcal, reproduz a misoginia em todos os setores da sociedade, independente do grau de escolaridade, renda ou idade.

O comentário repudiado revela, além do obscurantismo histórico e político forjado pelo patriarcado, a objetificação da mulher e a violência preponderante nas mentes dos que ainda não conseguiram se emancipar, nem minimamente, do machismo.

Ademais, desconsidera o trabalho como um fazer coletivo, na atividade doméstica e não doméstica, remunerada e não remunerada.

Com a luta feminista, a divisão social do trabalho vem passando por transformações significativas.

Hoje estamos presentes nas mais diversas áreas, ocupando cargos de chefia, de liderança política, entre outros, seja a labuta intelectual ou braçal.

Nós, como representantes no Legislativo Estadual da batalha pela eliminação de qualquer forma de discriminação contra a mulher, expressamos nossa total indignação e repressão à esta publicação.

As palavras impertinentes, misóginas e vergonhosas proferidas pelo professor são de profunda desconsideração à dignidade das mulheres, ecoando um discurso que permite, sanciona e incentiva a violência doméstica, o feminicídio e todas as formas de abuso, psicológico ou físico, que insistem em diminuir a nossa existência e a nossa moral.

Deputada Cida Ramos e deputada Camila Toscano”.

 

WSCOM

 

 

UFCG adia para 9 de agosto provável retorno às atividades presenciais

A Universidade Federal de Campina Grande (UFCG) prorrogou até o próximo dia 9 de agosto a suspensão das aulas e outras atividades acadêmicas presenciais, com o objetivo de garantir a segurança em saúde e prevenir a disseminação do novo coronavírus na comunidade acadêmica.

O Protocolo de Ações Institucionais da UFCG, que define os procedimentos administrativos e acadêmicos a serem adotados neste período de pandemia, também foi prorrogado pelo mesmo período.

A medida foi tomada após reunião realizada por videoconferência na manhã desta segunda-feira (6), com gestores de instituições de ensino superior públicas e privadas sediadas em Campina Grande. O retorno das atividades estava previsto para o próximo dia 13 de julho.

Essa nova data para um provável retorno progressivo das atividades presenciais, ao absorver os prazos finais do calendário acadêmico 2020.1, fez com que a Pró-Reitoria de Ensino (PRE) decidisse desconsiderar as atividades realizadas nos oito dias iniciais do período letivo 2020.1, antes das medidas protetivas adotadas pela reitoria.

Procedimentos acadêmicos

No próximo dia 13, a Câmara Superior de Ensino do Conselho Universitário se reunirá para deliberar sobre um conjunto de atividades acadêmicas não presenciais e a oferta de um período suplementar (2020.3) – o que resultou de propostas dos cursos e das unidades acadêmicas, analisadas pela PRE e organizadas por uma comissão relatora da própria câmara superior.

O chamado Regime Acadêmico Extraordinário (RAE) teve sua minuta de resolução formatada a partir das contribuições dos principais interlocutores do projeto pedagógico institucional – especialmente, os coordenadores de curso – e das discussões no Colégio dos Pró-Reitores de Graduação (COGRAD) da Andifes.

Rotina administrativa

 Os serviços considerados essenciais ou estratégicos, como protocolos, telefonia, segurança patrimonial, sistema de bibliotecas e SIASS, estão preservados, bem como estão mantidas as defesas de dissertação e teses. A jornada de trabalho dos servidores técnico-administrativos, em turnos alternados de revezamento ou trabalho remoto, continua sendo estabelecida a critério da chefia imediata.

Estão desobrigadas de trabalho presencial as pessoas com suspeita ou confirmação de doença pelo coronavírus ou consideradas vulneráveis: idosos a partir de 60 anos, imunodeficientes ou com doenças preexistentes crônicas ou graves, e responsáveis pelo cuidado de uma ou mais pessoas com suspeita ou confirmação de diagnóstico de infecção pela Covid-19.

Antes de encerramento do novo prazo, uma nova reunião será realizada para que seja reavaliada a possibilidade de prorrogação do retorno das atividades, de acordo com o quadro em saúde pública no Brasil e no Estado da Paraíba, e com as recomendações dos órgãos de Saúde e Vigilância Sanitária.

 

portalcorreio

 

 

UFPB e UFCG estão entre as 10 melhores universidades do NE em ranking internacional

A Paraíba tem duas universidades entre as 10 melhores do Nordeste e 50 melhores do Brasil, de acordo com o World University Rankings 2020-21, divulgado nesta segunda-feira (8), pelo Center for World University Rankings. O ranking conta com 2 mil instituições de ensino superior de todo o mundo, sendo 57 do Brasil.

De acordo com o ranking mundial, a Universidade Federal da Paraíba (UFPB) está na posição 1.241, com 69 pontos em uma escala que vai até 100. Entre as instituições de ensino do país, a UFPB ocupa a 31° posição, sendo a 5ª melhor do Nordeste.

Já a UFCG tem 66.8 pontos e ocupa a posição de 1.740 no mundo, estando em 49° entre as universidades do Brasil e em 8° entre as instituições do Nordeste.

Em relação à performance das pesquisas, para a qual também foi elaborado um ranking internacional, a UFPB ocupa a posição número 1.177, enquanto que a UFCG está na 1.661.

Para desenvolver o ranking, conforme o Centro, foram avaliados fatores como a qualidade do ensino; a empregabilidade dos ex-alunos; a quantidade de acadêmicos que ganharam prêmios e medalhas internacionais; e o total de trabalhos de pesquisa realizados.

Além disso, é considerado o número de pesquisas publicadas em revistas de “primeira linha” e influentes, assim como o número de trabalhos altamente citados.

O primeiro lugar geral foi ocupado pela Universidade de Harvard, pelo nono ano consecutivo. Entre as instituições brasileiras, a Universidade de São Paulo ficou em primeiro lugar.

Com Jornal da Paraíba

 

Reitores da UEPB e UFCG explicam decisão de prorrogar retorno até 12 de julho

Por conta da pandemia do novo coronavírus, a Universidade Federal de Campina Grande (UFCG) e Universidade Estadual da Paraíba (UEPB) prorrogaram até o dia 12 de julho, a suspensão das aulas.

Diante desse quadro, o reitor da UFCG Vicemário Simões e da UEPB, Rangel Júnior, explicaram em entrevista a Rádio Cariri FM, os motivos da decisão tomada após uma reunião por videoconferência, na última sexta-feira, 05.

O reitor da UFCG destacou que uma nova reunião foi agendada para o dia 03 de julho para reavaliar a decisão.

– Já agendamos uma nova reunião para o dia 03 de julho, para que possamos analisar como estará a situação do nosso Estado em relação à pandemia do coronavírus- disse.

Além disso, na reunião devem ser discutidas as estratégias que estão sendo colocadas em prática por cada uma das instituições.

“Vamos socializar como faremos a acolhida dos alunos e também de todos os profissionais das instituições”, disse.

Já o reitor da UEPB, Rangel Júnior, disse que os reitores sempre pensaram em proteger a comunidade acadêmica durante a pandemia, visto que a prioridade é a preservação da vida.O objetivo de estender a suspensão das atividades é justamente para garantir a segurança em saúde da comunidade universitária, de modo a evitar concentração de pessoas e, com isso, prevenir a infecção pelo novo coronavírus.

“Sempre pensamos em como proteger a comunidade acadêmica e preservar seus direitos e interesses, principalmente, no tocante à preservação da vida”, afirmou.

Conforme o reitor, as recomendações emitidas pelos profissionais de saúde são de muita importância para todos.

Rangel também destacou as ações que já foram desenvolvidas pela instituição para combater a disseminação do novo coronavírus.

A UEPB atualmente, tem atuado com assistência psicológica para os profissionais da saúde, bem como na produção de equipamentos de proteção individual (EPIs).

– O que fizemos agora, além do trabalho regular de enfrentamento à Covid-19, foi uma tentativa de fortalecer estes laços com a comunidade. Mas, principalmente, no sentido de cumprir um papel essencial que a universidade tem, que é dar respostas a problemas sociais no que se refere a inovação, produção de equipamentos, dispositivos e protocolos que venham a resolver problemas da população. Foi isso que fizemos, recentemente, com a pandemia da Covid-19 – concluiu.

As instituições, de forma conjunta, trabalharão, ainda, nas próximas semanas, na elaboração de um protocolo único, debatido com autoridades sanitárias e de saúde, para ser aplicado quando do retorno das atividades presenciais. Participaram da videoconferência que recomendou a prorrogação da suspensão das atividades nas IES os gestores da UEPB, da Universidade Federal de Campina Grande (UFCG), do Instituto Federal da Paraíba (IFPB), da Unesc, Unifacisa, Uninassau, Faculdade Cesrei, Faculdade Rebouças e Faculdades Integradas de Patos (FIP).

SL
PB Agora

 

 

Publicada a quarta e última chamada da lista de espera da UFCG

A Universidade Federal de Campina Grande (UFCG) divulgou na manhã desta terça-feira, dia 3, a quarta e última chamada da Lista de Espera do Sistema de Seleção Unificado (SiSU) 2020.1. Estão sendo convocados 1.293 candidatos, dos quais 350 classificados e 943 suplentes. 

Classificados e suplentes 

Os candidatos estão sendo convocados em até cinco vezes o número de vagas remanescentes de cada curso, respeitando-se a classificação para vagas livres e reservadas (cotas). 

Está listado como “classificado” o candidato convocado no limite das vagas disponíveis para cada curso, enquanto que está listado como “suplente” o candidato convocado além do limite de vagas ofertadas. 

Por exemplo: se um determinado curso tem três vagas remanescentes, foram convocados 15 candidatos: três classificados e 12 suplentes. 

Veja aqui a Quarta Chamada. 

Cadastramento e matrícula 

Na terminologia oficial da UFCG, cadastramento e matrícula são procedimentos diferentes. O cadastramento (registro acadêmico) é o procedimento por meio do qual o candidato selecionado se torna aluno da UFCG. Já a matrícula é o procedimento por meio do qual o aluno define as disciplinas que irá cursar em cada período letivo. Os dois procedimentos são obrigatórios para garantir a vaga na UFCG. 

Os classificados na Quarta Chamada deverão realizar o cadastramento (registro acadêmico) e a matrícula em disciplinas na mesma ocasião, na próxima quinta, dia 5, e sexta, dia 6, das 8h às 11h e das 14h às 17h, na coordenação do curso para o qual foram selecionados. 

Os suplentes também deverão realizar o cadastramento nos dias 5 e 6 – na coordenação do curso para o qual foram selecionados, das 8h às 11h e das 14h às 17h -, para que sejam habilitados para concorrer à vaga. A confirmação da conquista da vaga ficará condicionada à desistência de classificados na Quarta Chamada ou desistência de outros candidatos já cadastrados. 

A divulgação da relação de suplentes efetivamente vinculados será feita no dia 12 de março. Eles deverão realizar a matrícula em disciplinas no dia 16 de março. 

Quarta chamada contém cursos não incluídos na Terceira Chamada 

A Quarta Chamada está convocando novamente candidatos às vagas em vários cursos que não constaram na Terceira Chamada devido ao preenchimento de todas as vagas nas chamadas anteriores. 

As novas vagas são decorrentes da não realização da matrícula em disciplinas por parte de alunos já cadastrados. A matrícula em disciplinas é obrigatória e o aluno ingressante que não realizou a matrícula nessa segunda, dia 2, perdeu o direito à vaga, mesmo já tendo realizado o cadastramento. 

Validação de Autodeclaração 

Todos os candidatos convocados na Quarta Chamada, classificados e suplentes, que concorrem às vagas reservadas às cotas raciais (Pretos, Pardos ou Indígenas – PPI) e de Pessoas com Deficiência (PcD) deverão passar pela Validação de Autodeclaração, procedimento anterior ao cadastramento, também nos dias 5 e 6 de março. O horário de funcionamento das comissões é das 8h às 11h e de 14h às 16h. 

Os classificados em cursos de graduação nos campi Campina Grande (que têm como centros de Ensino o CH, CCT, CTRN, CEEI e CCBS), Cuité (CES) e Sumé (CDSA) devem se apresentar no Bloco BG, no campus Campina Grande. Já os classificados nesta condição para vagas nos campi Patos (CSTR), Pombal (CCTA), Sousa (CCJS) e Cajazeiras (CFP) devem se apresentar no campus Cajazeiras. 

Os candidatos deverão obrigatoriamente apresentar-se à Comissão de Validação de Autodeclaração apresentando documento oficial de identificação com foto.

Os candidatos que se autodeclararam Pretos ou Pardos serão avaliados com base exclusivamente no fenótipo, enquanto que os autodeclarados Indígenas deverão apresentar o Registro Administrativo de Nascimento de Indígena (RANI), oficialmente emitido pela Fundação Nacional do Índio (FUNAI). 

Candidatos que se autodeclararam com deficiência passarão por análise documental do laudo médico. Candidatos com deficiência que se autodeclararam pretos ou pardos também devem se apresentar à Comissão de Validação da Autodeclaração. 

Nos dias de funcionamento das comissões de Validação de Autodeclaração, é publicada a lista de candidatos cotistas (PPI e PcD) validados, constantemente atualizada ao longo do dia. Só após ter sua autodeclaração validada é que o candidato cotista deve realizar o cadastramento. 

Veja aqui o calendário e outras informações. 

Veja no edital toda a documentação necessária.

PB Agora com Assessoria

 

 

UFCG divulga 1ª chamada da lista de espera do Sisu 2020.1

A Universidade Federal de Campina Grande (UFCG) divulgou a primeira chamada para candidatos da lista de espera do Sistema de Seleção Unificada (Sisu) 2020.1, nesta segunda-feira (10). Já o Instituto Federal da Paraíba (IFPB) informou que deve fazer a publicação na terça-feira (11), a Universidade Federal da Paraíba disse que a relação será divulgada até a sexta-feira (14) e a Universidade Estadual da Paraíba (UEPB) justificou que aguarda o recebimento do documento do Ministério da Educação para divulgar os nomes dos candidatos convocados.

A publicação da relação foi suspensa pela UFCG na sexta-feira (7), após recomendação do MEC. A instituição havia publicado a lista de espera na quinta-feira (6) e retirou o documento após notificação do ministério.

O G1 entrou em contato com o MEC por telefone e foi informado pela assessoria de comunicação do órgão que o prazo final de chamamento e efetivação da matrícula segue cronograma próprio de cada instituição. O cronograma disponível no site do ministério informa que a publicação seria feita nesta segunda-feira (10).

Com a publicação dos nomes dos candidatos contemplados, 1.713 alunos foram chamados. Deles, 701 em ampla concorrência e mais de 1.012 em cotas de ações afirmativas.

A instituição informou também que até a terça-feira (11), um novo cronograma de convocação do Sisu deve ser divulgado no site da unidade educativa.

A UFCG possui 96 cursos, distribuídos em todos os campi, localizados nos municípios de Campina Grande, Cuité, Sumé, Patos, Pombal, Sousa e Cajazeiras.

G1

 

UFPB, UFCG e UEPB paralisam aulas em protesto pela educação

Professores da Universidade Federal da Paraíba (UFPB), Universidade Federal de Campina Grande (UFCG) e da Universidade Estadual da Paraíba (UEPB) vão parar as atividades nesta terça-feira (13) em adesão ao Dia Nacional de Greve da Educação, que se manifesta contra o programa Future-se, do Governo Federal, e a favor de pautas sociais.

Em João Pessoa, os professores da UFPB vão promover uma manifestação a partir das 14h em frente ao Lyceu Paraibano, Centro da Capital.  Do Lyceu, os manifestantes vão seguir em passeata pelo Centro até o Ponto de Cem Réis. Estão programadas apresentações culturais com a participação de artistas locais.

UFCG e UEPB

Em Campina Grande, professores e estudantes da UFCG e da UEPB vão promover uma manifestação conjunta a partir das 8h em frente ao portão principal da UFCG. Em seguida, ocorrerá um ato público em frente a Reitoria da universidade e às 9h30 sairão em marcha até a Praça da Bandeira, para uma manifestação a partir das 10h30.

 

portalcorreio

 

 

Novo corte na Educação proposto pelo Governo Bolsonaro penaliza em cheio UFCG; Veneziano reage e endurece tom

Membro da Comissão de Educação (CE) do Senado Federal, o Senador Veneziano Vital do Rêgo (PSB-PB) rechaçou a decisão do presidente da República, Jair Bolsonaro, de enviar ao Congresso Nacional o Projeto de Lei N° 18, DE 2019, que estabelece remanejamento de recursos, retirando da Universidade Federal de Campina Grande (UFCG) quase R$ 2,3 milhões em verbas para seu custeio. Veneziano lamenta que, mais uma vez, o presidente Bolsonaro mostre seu descompromisso com a educação pública, fazendo esse remanejamento de verbas para atender emendas de parlamentares.

“Hoje pela manhã os meios de comunicação do país trouxeram que o presidente Jair Bolsonaro fez um remanejamento orçamentário de R$ 3 bilhões, sendo que R$ 2 bilhões foram utilizados para pagamentos de emendas parlamentares. R$ 1 bilhão desses recursos remanejados foram retirados do Ministério da Educação. Ou seja, além dos bloqueios e contingenciamentos para com as universidades, Institutos Federais, etc, tivemos esse prejuízo a mais e que esses (prejuízos) serão mais impostos ao Nordeste. No nosso caso, aqui em Campina, mais de R$ 2,2 milhões foram retirados da UFCG, além de R$ 13 milhões que estavam alocados para o centro de Convenções de Campina Grande”, disse Veneziano. Veja o depoimento completo: https://youtu.be/B6eu0JWBGTg

Como defensor do ensino público gratuito e de qualidade, Veneziano repudiou a atitude e disse que o governo do presidente Jair Bolsonaro deveria rever esse posicionamento nocivo e fortalecer as universidades federais, destinando mais recursos para o ensino, a pesquisa e a extensão.

Ao lembrar que foi contra a Emenda Constitucional 95, que limitou recursos para áreas como Saúde e Educação, Veneziano garantiu continuar na defesa de uma formação superior de qualidade e um ensino capaz de tornar o Brasil uma referência na América.

 

 

Assessoria de Imprensa

 

 

 

Secretário confirma: sem recursos, UFCG vai parar

Recentemente o reitor da Universidade Federal de Campina Grande (UFCG), Vicemário Simões, falou que o prazo máximo previsto para que a instituição funcione é o mês de setembro. O motivo da paralisação das atividades seria o contingenciamento de recursos feito pelo governo federal.

Em entrevista concedida à Rádio Correio FM, o professor e secretário de planejamento da UFCG, Camilo Farias, contou que se não houver a reposição dos R$ 27 milhões, que equivalem, segundo ele, a 30% da verba da instituição, as atividades realmente vão ser interrompidas.

O professor falou também que essa porcentagem é utilizada em atividades de capital e custeio da universidade, que são, respectivamente, os recursos aplicados no patrimônio como obras, mobiliário, livros e computadores; e os recursos que impactam os serviços de conservação como limpeza, vigilância patrimonial, além de água e energia.

O secretário explicou que todas essas atividades serão afetadas, mas que os chamados recursos obrigatórios, como auxílio-alimentação, auxílio-moradia, auxílio-transporte não serão atingidos. Por fim, ele contou também que o objetivo agora é mobilizar os parlamentares para que o governo federal reveja a decisão.

“Conseguimos uma reunião junto ao ministro, com os reitores das universidades e com os parlamentares, a bancada paraibana inteira. Infelizmente nem todos puderam comparecer, mas a reunião foi capitaneada pelos parlamentares. Nessa reunião, infelizmente, a gente não teve uma sinalização que esse desbloqueio aconteceria o mais rápido possível”,finalizou.

 

paraibadebate

 

 

UFCG inscreve para concurso público com 86 vagas para técnico-administrativo nesta segunda

A Universidade Federal de Campina Grande (UFCG) inscreve a partir desta segunda-feira (1°), para o concurso público com 86 vagas para cargos de técnicos administrativos. Das vagas oferecidas, 36 são para cargos de nível Médio, Técnico e Superior.

Confira o edital

As inscrições estarão abertas a partir das 15h do dia 1º de julho até às 23h59min do dia 23 do mesmo mês. Serão realizadas exclusivamente pela internet, no site da Comissão de Processos Vestibulares (Comprov), com taxas de inscrição nos valores de R$ 48 (classe C), R$ 61 (classe D) e R$ 104 (classe E).

A aplicação da prova escrita objetiva está prevista para ser realizada no dia 15 de setembro, nas cidades de Campina Grande, Patos e Cajazeiras, das 9h às 12h (horário local). A divulgação do resultado final para os cargos sem prova prática está marcada para o dia 22 de novembro.

De 30 a 31 de novembro, serão realizadas as prova práticas para os cargos de Tradutor e Intérprete de Linguagem de Sinais e de Revisor de Textos Braille.

Para o cargo de Técnico em Música-Viola, a prova prática será realizada em duas etapas: na primeira, o candidato deverá gravar e enviar/entregar, entre os dias 21 e 23 de outubro, a execução da peça de confronto Johann Sebastian Bach – Suite Nº 2 BWV 1007, I- (Prelude e Allemanda), que servirá para a Banca Examinadora avaliar a performance do candidato. A execução deverá ser gravada com o som e a imagem do candidato.

A segunda etapa da prova prática será presencial, nos dias 12 e 13 de novembro.

 

clickpb