Arquivo da tag: Treze

Treze perde para o Remo e vê Botafogo-PB diminuir vantagem na briga contra a degola

Na noite deste domingo (08), o Treze visitou o Remo, no estádio Mangueirão, pela décima quarta rodada do Grupo A da Série C do Campeonato Brasileiro. Em um jogo bastante brigado e sem tantas oportunidades de gol, os paraneses fizeram valer o mando de campo e se aproveitaram de um lance infantil que gerou pênalti no começo da partida para construir a vitória por 1 a 0.

O lance que definiu o jogo ocorreu logo cedo. Aos 10 minutos, Gilberto Alemão sofreu pênalti bobo cometido por Robson, que nem esboçou reclamação. Salatiel foi para a bola e mandou no canto esquerdo de Andrey, que pulou para o outro lado, e abriu o marcador no Mangueirão para o Remo.

A partida era bastante truncada e o Galo, em desvantagem, buscava as jogadas ofensivas para ir para o intervalo pelo menos com o resultado igual. E em algumas oportunidades se aproximou do gol.

Já no fim da primeira etapa, aos 44, Vinícius Barba cruzou na cabeça de Danilo Bala, que escorou para o gol. A bola chegou a balançar as redes, mas foi pelo lado de fora. Nos acréscimos, aos 47, Douglas Packer cruzou, Nilson Júnior também de cabeça mandou para o gol, mas o arqueiro paraense fez grande defesa e manteve a vantagem para os donos da casa.

Segundo tempo

Durante o intervalo, o técnico Márcio Fernandes fez algumas alterações no Treze. Saíram Gilvan e Danilo Bala para dar lugar a Polegar e Edson Carioca. Mas quem voltou assustando foram os donos da casa.

Já aos 6 minutos, Andrey foi obrigado a fazer grande defesa em chute de Salatiel após passe açucarado de Tcharlles. Três minutos mais tarde Charles foi quem arriscou de fora da área, a bola quicou no chão e explodiu na trave do goleiro trezeano, assustando o time da Paraíba.

Só dava Remo. Aos 12, Ricardo Luz avançou em velocidade pela direita, invadiu a área e cruzou. Gilmar cortou, mas quase mandou contra a própria meta. A bola acabou indo para escanteio. Na cobrança, a defesa afastou e, no rebote, Dudu Mandai pegou de canhota e acertou o poste esquerdo de Andrey.

O Treze chegou com perigo aos 21 minutos. Gustavo cruzou da esquerda, a bola resvalou na defesa e chegou livre em Neto Baiano, que se esticou para tocar na fora, mas bateu nela sem dar direção, e ela foi para fora, em uma oportunidade clara de empate.

Já perto do fim do jogo, da entrada da área, Bruno Mota chutou firme de esquerda. A bola ia no cantinho do goleiro Vinícius, que se esticou todo e conseguiu, com a ponta dos dedos, desviar a bola para a linha de fundo.

Com a derrota, o Treze segue na oitava colocação, com 16 pontos, um a mais que o Botafogo-PB, primeiro time na zona de rebaixamento. O Remo, vice-líder, chega aos 26 pontos e fica muito perto da vaga para a próxima fase. Na sexta-feira (13), o Leão recebe o Santa Cruz, novamente no Mangueirão, enquanto o Galo vai enfrentar o Manaus, no Amigão, no sábado (14)

Ficha técnica

Remo 1 x 0 Treze

Campeonato Brasileiro da Série C 2020
Grupo A – 14ª rodada
Estádio: Mangueirão (Belém)

Arbitragem: Rodrigo Batista Raposo; Kleber Alves Ribeiro e Lucas Costa Modesto, todos do Distrito Federal.

Gols: Salatiel (R)
Cartões amarelos: Tcharlles (R)

Remo: Vinícius, Ricardo Luz, Gilberto Alemão, Mimica, Dudu Mandai (Lailson); Charles, Lucas Siqueira (Ronald), Eduardo Ramos (Carlos Alberto); Tcharlles, Hélio (Gustavo Ermel) e Salatiel (Walace). Técnico: Paulo Bonamigo.

Treze:Andrey, Gustavo, Ítalo, Nilson Júnior, Gilmar (Douglas Lima); Robson (Cláudio Murici), Vinícius Barba, Douglas Packer (Bruno Mota), Danilo Bala (Polegar), Gilvan (Edson Carioca) e Neto Baiano. Técnico: Márcio Fernandes.

 

VozDaTorcida

 

 

Treze perde para o Santa Cruz-PE e segue fora do G4

O Treze não conseguiu reeditar as boas atuações dos jogos anteriores, e acabou perdendo para o Santa Cruz-PE por 1 a 0, em pleno Estádio Amigão, em Campina Grande. pela décima rodada da Série C do Brasileiro.

O único gol da partida, foi marcado por Lourenço, aos sete minutos do segundo tempo. Com o resultado, o Tricolor do Arruda segue líder do Grupo A, com 24 pontos. Já o Galo permanece na quinta colocação, com 13, mas pode perder posição caso os outros concorrentes vençam seus jogos.

Na próxima rodada, o Galo vai enfrentar o Paysandu. sábado, às 17h, no Estádio Amigão. Por sua vez, o Santa pega o Botafogo-PB no domingo, às 18h, no Arruda.

O JOGO

A primeira oportunidade do jogo veio para o time do bairro São José. Destaque dos últimos jogos, o zagueiro Ítalo, aos 11 minutos experimentou Jordan, que estreava com a camisa do Santa, em um chute forte de fora da área, mas o arqueiro fez bem o movimento para defender e espalmou a pelota.

A resposta do tricolor veio aos 19. Toty bateu cruzado de direita e Andrey espalmou nos pés de Pipico, que virou e chutou, mas Ítalo evitou o gol e afastou o perigo.

Em novo chute de fora da área o Galo voltou a assustar com Vinícius Barba, que bateu firme da intermediária, de canhota, e a bola passou muito perto do travessão do Santa Cruz.

As duas equipes trabalhavam para não dar espaços ao adversário, e na hora de criar sentiam alguma dificuldade. Pouquíssimas vezes os times conseguiram entrar na área do rival com a bola trabalhada e em chance de finalizar.

Foto: Leonardo Silva/Paraibaonline

Segundo tempo

Logo depois do intervalo o Treze parecia que iria se arriscar mais no ataque e, aos 2 minutos, Gilmar foi até a linha de fundo e cruzou na área. A bola desviou em Danny Morais e foi na rede pelo lado de fora.

Mas em um lance de bola parada, aos 8 minutos, quem abriu o placar foi o Santa Cruz. Didira cobrou falta da esquerda na área e Lourenço desviou de cabeça, desviando a bola que caiu no canto esquerdo de Andrey e morreu no fundo do gol.

O jogo ficou muito brigado e, em um lance polêmico, muita confusão aconteceu. Aos 27 minutos, Gilvan driblou Jordan e caiu. Os jogadores do Treze pediram pênalti e o tumulto começou. Bruno Menezes, no banco de reservas, subiu o tom nas reclamações e recebeu cartão vermelho.

Perto do apito final, aos 48, Ermínio teve a melhor chance de empatar. Ele invadiu a área e chutou cruzado de direita, mas a bola subiu demais.

Ficha Técnica
Treze
Andrey; Gustavo (Ermínio), Italo, Nilson Jr. e Gilvan; Robson, Vinicius Barba, Douglas Lima (Maycon Paixão depois Murici) e Douglas Packer (Bruno Mota); Frontini e Gilvan. Técnico: Márcio Fernandes.
Santa Cruz
Jordan; Toty, Danny Morais, Célio Santos e Perí; André, Bileu e Didira (Tinga); Lourenço (Jaderson), Leonan (Paulinho) e Pipico (Caio Mancha). Técnico: Marcelo Martelotte.
Gols – Lourenço (S), aos 7min do 2ºT
Cartão amarelo – Bileu, André, Marcelo Martelotte-treinador (S), Gustavo, Vinícius Barba, Maycon Paixão, Murici, Gilvan (T)
Árbitro – José Henrique de Azevedo Júnior (MA)
Assistentes – Djavan Costa da SIlva e Raphael Max Borges Pereira (MA)

Com Vozdartorcida

 

 

Treze e Campinense jogam neste sábado pelas séries C e D; veja detalhes

Os principais times de Campina Grande entram em campo neste sábado (17) representando a Paraíba no Campeonato Brasileiro. O Treze enfrenta o Santa Cruz pela Série C, e o Campinense pega o Globo na Série D.

O jogo da Raposa ocorre a partir das 15h, no estádio Barrettão, em Ceará-Mirim, a partir das 15h. A transmissão será feita através da plataforma Mycujoo.

O Campinense é vice-lanterna do Grupo 3 e vem de tropeços. A equipe precisa do resultado positivo para seguir sonhando com a classificação para a próxima fase.

Já o  Treze recebe o Santa Cruz, no Amigão, a partir das 19h. A  partida é válida pela 11ª rodada da competição.

Em fase de recuperação, o Galo vem de três vitórias seguidas, deixou a zona de rebaixamento e já mira o G-4 do Grupo A, estando em 5º lugar.

 

Portal WSCOM

 

 

Treze vence clássico tradição contra o Botafogo-PB e conquista a 1ª vitória na Série C

O Clássico Tradição válido pela Série C do Campeonato Brasileiro terminou com a vitória do Treze, pelo placar de 2 a 0, sobre o Botafogo-PB na tarde deste sábado (3), no Estádio Amigão, em Campina Grande. A partida foi válida pela 9ª rodada da competição nacional. Os gols foram marcados ainda no primeiro tempo de jogo, com Ítalo, aos 10 minutos, e Ramon, que anotou contra o patrimônio, ao 32 minutos.

Esta foi a primeira vitória do Treze na Série C 2020. O Galo da Borborema conquista três pontos importantes na luta contra o rebaixamento e, com um jogo a menos, respira na competição. Já o Belo sofreu a terceira derrota e ficou muito próximo de entrar na zona da degola.

O Treze volta a campo para cumprir jogo atrasado da primeira rodada, contra o Imperatriz-MA, na próxima quinta-feira (8), às 20h, no Estádio Amigão, em Campina Grande.

Já o Botafogo-PB entra em campo no sábado (10), às 17h, contra o Ferroviário-CE, no Almeidão, em João Pessoa.

 

Portal WSCOM

 

 

Treze e Botafogo fazem Clássico Tradição em busca de reação na Série C

O Estádio Amigão será palco de um Clássico Tradição para lá de importante no Brasileiro da Série C. Lutando contra o rebaixamento no Grupo A, Treze e Botafogo-PB se enfrentam às 17h deste sábado, pela nona rodada da primeira fase.

Ainda sem vencer no torneio, o Galo soma quatro pontos e forma a zona de rebaixamento com o Imperatriz-MA, que tem apenas um. O primeiro time fora da faixa de descenso é justamente o Belo, com oito, a mesma pontuação do Manaus-AM, sétimo – a diferença está no saldo de gols (-1 contra -2).

O Treze teve uma semana agitada no mercado da bola. Afinal de contas, liberou o volante Dedé e o goleiro Paulo Wanzeler, que pouco vinham sendo aproveitados na Série C, e contratou o zagueiro Jairo, ex-Perilima-PB, e os atacantes Matheus Lu, ex-Rio Claro-SP, e Maycon Paixão, ex-Juventus-SP.

No Botafogo, o time ainda não poderá contar com o goleiro Felipe, cumprindo gancho imposto pelo STJD, e o meia Rodrigo Andrade, que ficará de fora por ter tomado o terceiro cartão amarelo.

Além disso, o atacante Lohan, autor de dez gols em 27 partidas na temporada com a camisa botafoguense, assinou com o América-MG, que disputa a Série B.

Ficha Técnica
Treze
Andrey; Léo Pereira, Alisson Cassiano, Nilson Júnior e Gustavo;
Robson, Vinicius Barba e Bruno Mota; Ermínio, Gilvan e Douglas Lima. Técnico – Márcio Fernandes
Botafogo-PB
Samuel; Marcos Martins, Marcelo Xavier, Luís Gustavo e Christiano; Juninho, Vitinho, Higor Leite e Erivelton; Ramon e Diego Rosa. Técnico – Rogério Zimmermann
Árbitro – Vinicius Gonçalves Dias Araújo (SP)
Assistentes- Anderson José de Moraes Coelho e Vitor Carmona Metestaine (SP)

 

Futebol Interior

 

 

Após baixa na direção, Treze procura novo técnico para a sequência da Série C

Após o empate do Treze sem gols contra a Jacuipense/BA,  e com o clube ainda na zona de rebaixamento, o técnico Moacir Júnior entregou o cargo e não vai mais comandar o Galo, para a sequência da Série C do Brasileiro.

Em entrevista, Moacir Junior agradeceu a diretoria e a torcida do Treze e lembrou o título do Campeonato Paraibano.  Ele lembrou que o Treze estava há quase 10 anos sem conquistar o título,  e este ano montou um time desacreditado e mesmo assim levantou a taça.

Ele disse que o alvinegro não conseguiu reforçar o time para a Série C e por isso, a campanha tem sido decepcionante.

No comunicado, a direção alvinegra lembrou do feito do treinador, que foi a conquista do Campeonato Paraibano deste ano em cima do rival Campinense.

“O Treze Futebol Clube agradece toda colaboração de Moacir, enaltecendo sua importância na arrancada alvinegra que levou o Galo ao título estadual. E parabeniza sua postura nos momentos de glórias e resultados negativos”, diz a nota.

O Galo deve anunciar nesta semana o nome do novo treinador, mas por enquanto o time será comandado por Marcelinho Paraíba, que retornou ao clube como assistente técnico.

Na Série C, o treinador Moacir Júnior obteve três empates e três derrotas, deixando o time na penúltima colocação do Grupo A, com três pontos.

Severino Lopes

PB Agora

 

Série C: Treze não sai do 0 a 0 com o Jacuipense e continua na zona de rebaixamento

O Treze empatou em 0 a 0 com o Jacuipense, no estádio Amigão em Campina Grande na tarde deste sábado (19). Com o resultado, o galo continua na zona de rebaixamento, enquanto o time de Riachão de Jacuípe se mantém em quarto na tabela de classificação do Grupo A.

O clube paraibano tem três pontos, conquistados em três empates em seis jogos. No próximo sábado (26), o Treze enfrenta o Vila Nova, em Goiás.

A equipe tem um jogo a menos, devido à contaminação de jogadores do Imperatriz, válido pela primeira rodada.

 

Foto: Divulgação / Treze FC

paraiba.com.br

 

 

Goleiro do Treze agride policiais, que reagem com cassetete e spray de pimenta na Série C

O empate em 1 a 1 entre Manaus e Treze-PB, nesta segunda, na Arena da Amazônia, pela sexta rodada da Série C do Campeonato Brasileiro, acabou em uma briga generalizada após o time da casa empatar o placar com o atacante Matheusinho aos 52 minutos do segundo tempo – o árbitro Ilbert Estevam da Silva deu 10 minutos de acréscimos.

Os atletas do time paraibano, assim que a bola entrou, partiram para cima do assistente, reclamando acintosamente de um possível impedimento no lance. Depois de cinco minutos de bate-boca, e ainda com os ânimos exaltados, o batalhão de choque entrou em campo para intervir qualquer reação mais brusca. E foi aí que a confusão começou.

Ao entrar em fila indiana, tentando separar os jogadores mais exaltados da arbitragem, é possível ver o goleiro Andrey, do Treze, empurrando e dando socos e pontapés nos policiais. A PM, no entanto, revida, inicialmente, com cassetete. Depois, jogam spray de pimenta em direção aos jogadores. Toda briga durou mais de 10 minutos, e o árbitro foi forçado a encerrar o jogo, sem que a bola voltasse a rolar.

Ao fim do jogo, ainda no vestiário da Arena da Amazônia, o zagueiro Breno Calixto, do time da Paraíba, postou imagens em suas redes sociais mostrando marcas de vermelhidão em seus companheiros que, segundo ele, foram causadas por causa da ação policial. “Agressão da polícia despreparada de Manaus. Vergonha, vergonha, e como sempre nada vai acontecer”, disse o atleta. Veja abaixo.

Com GE

 

Campeão paraibano 2020, Treze conquista 16º título estadual

Fim do jejum. O Treze é o campeão paraibano 2020. O Galo levantou a taça do Estadual, mesmo perdendo por 1 x 0 para seu maior rival Campinense na tarde deste sábado (15), no estádio O Amigão em Campina Grande. Este foi o 16.º título do alvinegro que não comemorava um campeonato há nove anos. Na partida deste sábado, o Campinense venceu por 1 x 0, mas o placar não foi suficiente para tirar o título do Treze. Como venceu o primeiro jogo por 2 x 0, o Galo levantou a taça de campeão.

Para conquistar o Paraibano 2020, o Treze disputou 14 partidas, das quais, venceu 8, perdeu quatro e empatou duas. Na primeira fase, o Galo terminou com a melhor campanha da Chave A com 20 pontos. Nas semifinais, o Galo enfrentou o Botafogo-PB e após dois resultados iguais — 2 a 0 para o Belo na ida e 2 a 0 para o Galo na volta – conseguiu a passagem para a final nos pênaltis.

Na final, conquistou o título em cima do maior rival. No primeiro duelo, venceu por 2 x 0, e neste sábado, perdeu por 1 x 0 mas arrancou outro triunfo.

Como já era previsto, o jogo deste sábado entre rubro-negro e alvinegro foi duro, equilibrado e com muitas faltas. O Galo começou melhor, criou algumas oportunidades mas não conseguiu convertê-las em gols.
O alvinegro perdeu chances em um chute de longe, de Léo Pereira e depois com , Douglas Lima.
A primeira oportunidade clara do Campinense veio aos 35 minutos, quando Alex Travassos cruzou da direita e, livre na entrada da pequena área, Fábio Júnior bateu de direita e chutou por cima do gol.

Aos 44, Léo Pereira fez jogada em velocidade pela direita e mandou para a área, onde Douglas Lima desviou, Wellington Lima fez outra ótima defesa e, no rebote, sem goleiro, Alexandre Santana chutou na rede pelo lado de fora, desperdiçando a chance de deixar o Treze na frente do marcador no fim do primeiro tempo.

No segundo tempo, o Campinense voltou melhor e pressionou o alvinegro, já que precisava tirar uma vantagem de dois gols.
Em jogada de habilidade, Rafael Ibiapino por pouco não faz um golaço.
Aos 21, finalmente a rede balançou. Rafael Ibiapino fez ótima jogada pela direita e cruzou para a área. Juliano aproveitou o rebote da defesa e encheu o pé direito para estufar a rede de Jeferson e deixar a decisão em aberto.

Rafael Ibiapino quase marcou o segundo gol quando bateu de direita da entrada da área e obrigou ao goleiro trezeano a espalmar a bola para o meio.

A Raposa se empolgou e continuou indo para cima. Aos 32, Juliano bateu do meio da rua, com violência, e Jeferson se esticou todo para desviar a bola para escanteio. O Galo segurou atrás, passou a tocar a bola e esperou o tempo passar.

Ficha Técnica

Treze
Jeferson, Léo Pereira, Breno Calixto, Nilson Júnior e Gilmar; Robson, Vinícius Barba (Alisson Cassiano,) Alexandre Santana (Bruno Mota) e Douglas Lima (Gustavo); Tales (Edson Carioca) e Frontini (Ermínio). Técnico – Moacir Júnior
Campinense
Welligton Lima, Alex Travassos (Matheus Silva), Rômulo, Breno e Matheus Camargo; Elielton (Wagner Querino), Caio Breno (Aleffe), Juliano e Bismarck (Pedro Maycon); Rafael Ibiapino e Fábio Júnior (Reinaldo Alagoano). Técnico – Hélio Cabral
Gols – Juliano (C), aos 20min do 2ºT
Cartão amarelo – Juliano, Rômulo, Elielton (C), Jefferson, Alexandre Santana, Robson, Vinicius Barba (T)
Árbitro – Marcelo Aparecido de Souza (SP)
Assistentes – Kildenn Tadeu e Ruan Neres

Severino Lopes
PB Agora

 

Treze e Campinense decidem neste sábado, título da 110ª edição do Campeonato Paraibano

Clássico dos Maiorais 412. Vale a taça. Será conhecido neste sábado (15), o campeão paraibano 2020. O segundo e decisivo duelo entre Treze e Campinense acontece a partir das 16h no estádio O Amigão. Por ter vencido o primeiro clássico por 2 x 0, o Galo tem vantagem e pode perder até por 1 gol de diferença, que mesmo assim levanta a taça de campeão do Estadual, e quebra o jejum de títulos que já dura 9 anos.

Já a Raposa tem uma missão complicada e precisa tirar a vantagem do rival construída no primeiro duelo. Caso o Campinense vença com diferença de dois gols, a decisão será nos pênaltis. A Raposa só será campeã no tempo normal se conseguir vencer o rival por três gols de diferença.

Serão 90 minutos para deixar o torcedor dos dos clubes aflitos e com o coração batendo forte. Afinal, doze anos depois da última vez em que protagonizaram uma final de estadual, Galo e Raposa estão frente a frente novamente em uma partida que vale título. Em campo, estarão as duas maiores rivalidades do Campeonato Paraibano, e 36 títulos estaduais, sendo 21 conquistados pela Raposa contra 15 pelo Galo.

Para esse jogo decisivo, o técnico do Treze, Moacir Júnior praticamente tem todo elenco a sua disposição, e deve escalar o time com a força máxima. A única baixa continua sendo o volante Rezende, que, com diagnóstico positivo para Covid-19, já está afastado do elenco desde o último fim de semana. Sendo assim, a tendência é mesmo que a escalação do Galo seja a mesma, sem nenhuma alteração.

No Campinense, a missão é dura. Sem ter conquistado uma vitória sequer em três jogos contra o arquirrival até aqui na temporada – foram um empate (1 a 1) e duas derrotas (1 a 0 e 2 a 0) -, a Raposa vai precisar se desdobrar, ser mais efetiva nas finalizações e cometer menos falhas defensivas se quiser desbancar o agora favorito Treze e levar o título para o Renatão.

O técnico Nei Júnior foi demitido no dia seguinte à derrota no jogo de ida desta final do Paraibano. A Raposa será comandada por Hélio Cabral, que é auxiliar fixo do Campinense. Para o jogo mais importante do rubro-negro na temporada, Hélio não poderá contar com o zagueiro Uesles que segue em tratamento de uma lesão na coxa direita, assim como o volante Pêu, que cumpre suspensão automática. O goleiro Rodrigo Dias, que vinha tratando uma lesão no ombro direito, até voltou a treinar, mas não tem escalação confirmada. A tendência é que Elielton, Caio Breno e Juliano apareçam entre os titulares. o meia Juliano e o volante Caio Breno, entraram no decorrer do último duelo e deram mais movimentação ao meio de campo da Raposa e por isso, vivem a possibilidade para iniciar entre os 11 neste sábado.

Mandante do jogo, o Treze deve ir a campo com Jeferson, Léo Pereira, Breno Calixto, Nilson Júnior e Gilmar; Robson, Vinícius Barba, Alexandre Santana e Douglas Lima; Tales e Frontini. Técnico – Moacir Júnior.
Já o Campinense deve começar com Welligton Lima, Alex Travassos, Alex Maranhão, Breno e Matheus Camargo; Elielton, Caio Breno, Juliano e Bismarck; Rafael Ibiapino e Reinaldo Alagoano. Técnico – Hélio Cabral.

Galo e Raposa sempre fazem um duelo acirrado, duro e com emoções. Dos 410 confrontos, o Treze venceu 142 vezes, contra 109 do Campinense. O Clássico dos Maiorais já terminou empatado 162 vezes. Na artilharia dos Maiorais, a vantagem também é trezeana: até agora, são 503 gols a favor do Alvinegro, contra 451 para o Rubro-Negro.

A rivalidade entre Campinense e Treze pode ser medida em jogos válidos pelo Campeonato Paraibano. Até o momento, os dois clubes se enfrentaram 232 vezes no Estadual. A vantagem também é do Treze. Ao todo, o Galo venceu 76 partidas, contra 71 triunfos da Raposa.

O equilíbrio de Campinense e Treze no Paraibano, se mede no número de empates. Os dois terminaram a partida em igualdade no placar 98 vezes. O Galo marcou 259 gols contra 242 da Raposa.

Após o apito final do árbitro, Marcelo Aparecido de Souza (SP), Treze ou Campiense vai comemorar o título estadual, e a volta para Campina Grande da hegemonia do futebol paraibano.

Severino Lopes
PB Agora