Arquivo da tag: telefone

Informações sobre coronavírus podem ser obtidas por telefone

Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel) disponibilizou o código de acesso 196 como serviço de utilidade pública de emergência por telefone, gratuito à população, a fim de auxiliar as ações do Ministério da Saúde relativas ao coronavírus, causador da Covid-19. Na Paraíba, além desse novo número, há três números de WhatsApp que podem esclarecer sobre a doença.

Trata-se de uma alternativa ao Ministério da Saúde caso opte por um tridígito específico para as ações voltadas ao combate e à prevenção do Covid-19. Desta forma, além dos serviços já prestados no Disque Saúde – 136, esse novo recurso e facilidade permitirá, caso oportuno, um canal exclusivo para demandas do coronavírus (Covid-19).

O objetivo da iniciativa da Anatel é permitir que o governo tenha um canal exclusivo para prestar informações, esclarecimentos, orientações, atendimentos, dentre outras, bem como facilitar a coordenação das autoridades públicas da área da saúde no combate à pandemia causada pelo Covid-19 em território brasileiro, além do Disque-Saúde 136.

O 196 está centrado nos mecanismos de endereçamento das comunicações que podem ser utilizados pelas autoridades nas políticas públicas a serem adotas à propagação do Covid-19. O recurso também permitirá que Ministério coordene o compartilhamento do 196 pelos diversos órgãos de saúde, otimizando e centralizando os esforços.

Telefones na Paraíba

O Governo do Estado disponibiliza telefones para a população obter informações adicionais. Os números são: 99146-9790/99146-9250/99147-0810.

 

portalcorreio

 

 

Ligações de telefone fixo para celular ficam mais baratas em todo Brasil

telefoneAs chamadas locais e interurbanas de telefones fixos para móveis ficarão mais baratas a partir deste sábado (25). A redução das ligações locais vai variar entre 16,49% e 19,25%. Já para as chamadas interurbanas a queda dos valores será de 7,05% a 12,01%.

Estão previstas novas reduções das tarifas cobradas dos consumidores em 2018 e 2019. A queda vai acontecer por conta da redução das tarifas de interconexão, pagas pelas empresas que utilizam a rede de outro grupo.

O cálculo das tarifas é feito pela Anatel utilizando o ‘Modelo de Custo’, que permite verificar com mais precisão os custos das empresas com equipamentos e estrutura administrativa.

Ao mesmo tempo em que a tarifa é reduzida, as empresas de telecomunicações do país devem aumentar os investimentos na ampliação das suas redes, na melhoria da qualidade de serviços e no atendimento aos consumidores, conforme determinações da Anatel. As tarifas de interconexão foram usadas inicialmente para subsidiar a instalação de redes das operadoras móveis.

A redução das tarifas vai beneficiar os cerca de 41,8 milhões de assinantes de telefone fixo, segundo dados da Anatel até dezembro do ano passado.

Portal Correio

Acompanhe mais notícias do FN nas redes sociais: FacebookTwitterYoutube e Instagram

Entre em contato com a redação do FN:  WhatsApp (83) 99907-8550. 

E-mail: jornalismo@focandoanoticia.com.br

Anatel autoriza aumento nas ligações entre telefone fixo e celular

telefoneAs ligações feitas de telefone fixo para celulares vão ficar mais caras a partir de próxima semana. A Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel) deu nesta quarta-feira (25) autorização para que as operadoras reajustem a tarifa em, em média, 1,33%.

Para que os novos valores possam ser aplicados, as prestadoras devem fazer ampla propaganda do aumento nas cidades onde atuam com pelo menos dois dias de antecedência.

A Vivo pode aumentar o preço em 2,28%; a Oi, em 1,67%; e a Claro, em 0,88%.

A Anatel aprovou ainda reajustes de 1,35% na tarifa fixo-móvel da Sercomtel, e de 0,10% para a Algar Telecom.

O valor da tarifa das chamadas de telefone fixo para aparelhos de comunicação por rádio também sofrerá reajuste. Neste caso, segundo a Anatel, a Vivo poderá aumentar o valor das chamadas em 2,28%, a Sercomtel em 1,35% e a Algar Telecom em 0,10% e a Oi em 1,03%. A agência reguladora não estabeleceu reajuste desse tipo de serviço para a Claro.

Os reajustes serão aplicados apenas para as linhas do plano básico da telefonia fixa em chamadas locais ou de longa distância nacional.

De acordo com a Anatel, o último reajuste aplicado ao plano básico de serviço das concessionárias de telefonia fixa para chamadas para telefonia móvel ou truking (comunicação por rádio) foi em 29 de setembro de 2015.

(Com agências)

Uol

Acompanhe mais notícias do FN nas redes sociais: FacebookTwitterYoutube e Instagram

Entre em contato com a redação do FN:  WhatsApp (83) 99907-8550. 

E-mail: jornalismo@focandoanoticia.com.br

 

 

Cresce em 29,6% o número de clientes que trocaram de operadora de telefone celular

celularSete em cada dez clientes que fizeram o pedido de portabilidade do número de telefone no país, no primeiro semestre deste ano, fizeram a troca de linhas móveis para aparelho celular. São 1,56 milhão dos 2,18 milhões de pedidos registrados, segundo a ABR Telecom (ABR Telecom).

Na comparação com o mesmo período do ano passado, o volume de pessoas que levou o número para outra operadora de celular aumentou 29,6%. O crescimento é de 357 mil pedidos a mais do que os 1,2 milhões de 2015.

A portabilidade do número de celular é garantida por lei e existe desde setembro de 2008. Até agora, foram 32,5 milhões de transferências efetivadas, sendo que 20,4 milhões foram de linhas móveis de celular (63% do total).

A competitividade entre as operadoras e a busca dos clientes pela melhor relação custo-benefício estão impulsionando a portabilidade.

 A pesquisa feita pela Proteste, entidade de Defesa do Consumidor, com diferentes perfis de uso, mostra uma diferença grande entre os valores das mensalidades. No Rio de Janeiro, por exemplo, a diferença anual chega a R$ 1.811,88, entre o plano mais barato (R$139 por mês) e o mais caro (R$ 289,99 por mês).  Na cidade de São Paulo, o preços dos planos com maior volume de dados, varia entre R$ 169  por mês e R$ 289,99 por mês. A economia anual com a troca do mais cara pelo mais barato é de R$ 1.451,88.

 

Nos planos mais popular, com oferta de dados que variam entre 50 minutos e 1GB (gigabyte) e 150 minutos e 2 GB (gigabytes), o valor mais barato é R$ 39,99 no Rio de Janeiro e R$ 44,90 em São Paulo.  Já os mais caros, para este perfil, custam R$ 79,99 por mês nas duas cidades. A vantagem na troca é de R$ 480 por ano no Rio de Janeiro.

“Os clientes estão mais atentos e querem economizar. Os planos ainda são caros no Brasil e o preço varia entre uma operadora e outra”, disse Maria Inês Dolci, coordenadora institucional da Proteste.

R7

 

Acompanhe mais notícias do FN nas redes sociais: FacebookTwitterYoutube e Instagram

Entre em contato com a redação do FN:  WhatsApp (83) 99907-8550. 

E-mail: jornalismo@focandoanoticia.com.br

 

PM detém suspeitos de passar trotes para telefone de emergência na PB

troteDois homens foram presos e um adolescente foi apreendido, na noite de quinta-feira (19), no momento em que realizavam um trote para o Corpo de Bombeiros, através do telefone de emergência 193.

De acordo com o capitão Túlio Ramalho, comandante da 4ª Companhia Independente, os três suspeitos estavam em um orelhão na Avenida Engenheiro de Carvalho, em Bayeux. “A coordenadora do Ciop conseguiu rastrear o orelhão de onde eles estavam ligando e avisou aos policiais da Companhia. Enquanto isso, o atendente dos Bombeiros manteve os suspeitos na linha para dar tempo da PM chegar no local, o que aconteceu, resultando na detenção em flagrante do trio”, contou o capitão.

Os três  foram levados para a 6ª Delegacia Distrital, em Santa Rita, e apresentados com os registros das chamadas realizadas na mesma noite, o que somava mais de dez. Eles foram autuados por perturbação de serviço telefônico e comunicação falsa de crime, condutas previstas no Código Penal nos artigos 266 e 340, respectivamente.

ACOMPANHE O FOCANDO A NOTÍCIA NAS REDES SOCIAIS:

FACEBOOK                TWITTER                    INSTAGRAM

No último dia 13, a Secretaria de Estado de Segurança informou que iria intensificar o combate aos trotes para números de emergência na Paraíba. Somente em fevereiro, segundo a polícia, foram registrados 14 mil trotes.

 

Do G1 PB

Anatel aprova redução de 22% para custo de ligações de telefone fixo para móvel

telefoneAs ligações locais e interurbanas de telefone fixo para celular ficarão mais baratas para o usuário. As mudanças, aprovadas nesta quinta-feira (5) pela Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel), resultará em uma redução média de 22% no valor das ligações de telefone fixo para móvel em que os DDDs são iguais. As novas tarifas devem entrar em vigor no próximo dia 24 de fevereiro.

CURTA o FOCANDO A NOTÍCIA no Facebook

A queda é consequência da redução dos valores de referência para tarifas de remuneração de redes móveis e abrange chamadas da telefonia fixa para celular, sejam ligações locais ou de longa distância, originadas das redes de concessionárias da telefonia fixa (Oi, Telefônica, CTBC, Embratel e Sercomtel) e destinadas a operadoras móveis.

O valaor homologado para a Oi, no Rio de Janeiro, por exemplo, cairá de R$ 0,36 por minuto para R$ 0,28. No caso de São Paulo, também no caso de chamadas fixo-móvel com o mesmo DDD, o valor da tarifa da Telefônica reduzirá de R$ 0,35 por minuto para R$ 0,27.

Nas chamadas de fixo para móvel em que os DDDs dos telefones de origem e de destino da ligação têm apenas o primeiro dígito igual (DDDs 61 e 62), haverá queda média de 14%. O valor homologado para Oi da tarifa de conexão para esse tipo de chamada cairá de R$ 0,80 por minuto para R$ 0,69.

Nas ligações em que os primeiros dígitos dos DDDs dos telefones fixo e móvel são diferentes (DDDs 31 e 41), a redução média será 12%. O valor homologado da tarifa no caso Vivo/Telefônica, por exemplo, cairá dos atuais R$ 0,93 por minuto para R$ 0,82.

Fonte: Agência Brasil

Estudo comprova irritação de adultos com crianças quando estão usando telefone

mae-com-celularSe um novo big brother filmasse você à mesa com seus filhos em casa ou em restaurantes durante semanas a fio, que imagens surgiriam?

Não precisa responder agora.

Pesquisadores do Boston Medical Center fizeram isso e constataram o óbvio: a interação entre pais e filhos está definitivamente prejudicada por esses aparelhos, celulares, tablets e outra variações. O estudo, divulgado recentemente, é um alerta de constrangimento geral.

Ao observar de perto – e anonimamente – a dinâmica entre 55 adultos acompanhados de uma ou mais crianças em restaurantes fast-food, eles flagraram crianças tentando desviar o olhar da mãe com as mãos no rosto dela, levando bronca de pai irritado e outras criancices típicas de quem precisa chamar a atenção dos adultos. Registraram mãe chutando filho por baixo da mesa para “deixar de ser chato”. Entre o silêncio absoluto e a reação negativa, havia um invisível laço se desfazendo. A vida real tinha se transformado num lamentável reality.

Jenny Radescky, pesquisadora em comportamento e desenvolvimento pediátrico do Boston Medical Center, comenta: “O que chamou atenção nessa amostra de responsáveis ocupados com seus aparelhos quase durante toda a refeição foi o quanto uma interação com os filhos nessas circunstâncias pode ser negativa”. O estudo foi publicado dia 10 de março. Sua intenção é elaborar teorias para jogar luz num tema hoje praticamente percebido de forma intuitive. E minha intuição diz que não está nada legal.

O assunto é tão sério e está tão amplamente disseminado que a Academia Americana de Pediatria decidiu elaborar um guia sobre como usar sensatamente o celular na frente das crianças, com a colaboração de Radescky.

Chegamos ao ponto de precisar de um guia?

Celulares são aparelhos úteis, não duvido disso. Podem ser usados para o bem da família e também para o mal. Como acesso a material educativo e de lazer, busca de informação e diversão conjunta, une. Fica claro que a intenção primeira do adulto é o interesse da criança, saber o que ela gosta. Como diversão individual, enquanto uma criança está ao lado aguardando atenção, só atrapalha.

Já abordei numa coluna sobre esse pernicioso hábito das pessoas não interagirem mais quando se sentam à mesa enquanto aguardam a refeição chegar . Crianças jogam, adultos escrevem ou leem. Tudo muito civilizado, tudo muito pacífico. Aparentemente mais educado do que eu pedindo pela enésima vez para minhas filhas pararem de se jogar embaixo da mesa ou ficarem sentadas comigo e meu marido enquanto tentamos entabular um assunto de interesse comum para idades que variam de 4 a 48 anos. Mas ninguém se olha! O puxão de orelha vale também para babás, candidatas fortíssimas à distração online enquanto tomam conta dos filhos dos outros. Ficou muito fácil também ser acompanhante de idoso. Basta deixar o velho quieto dormindo ou vendo televisão enquanto se distrait com algo melhor. Óbvio que nem todo mundo age com tanta irresponsabilidade, mas, infelizmente, é uma cena cada vez mais comum.

Sob pressão, muitas vezes, cedemos. Quem nunca? Para a criança silenciar, passa o celular. É a chupeta tecnológica. Deixa ela jogar um pouco, o que que custa? Não sei dizer. Quando alguém medir a frequência dessa desculpa e quantificar o custo do vazio numa relação me diga. Só sei que ele é alto, muito alto e não me deixa à vontade. Nem um pouco.

Nada substitui o olho-no-olho, a conversa, a discussão. Eu preciso estar um pouco à toa para ser surpreendida por colocações inesperadas, perguntas difíceis. A criança não anota numa agenda mental aquilo que quer falar para sair aproveitando muito bem os 20 minutos que damos para ela de lambuja. O tempo afeta a qualidade dessa relação e se eu gastar parte dele com distrações, como a gente fica?

De todas as revoluções modernas, essa nova configuração familiar de pais-filhos-celulares merece realmente muitos estudos. Antigamente o drama era saber quanto de televisão por dia faria mal para nossos filhos, compromentendo o interesse por atividades mais lúdicas e estimulantes. E pensar que a coitada da televisão pelo menos fica em casa quando a gente sai.

O faça-o-que-eu-digo-mas-não-o-que-faço agora é reproduzido nessa esparrela de proibir o joguinho, esse “vício insuportável”, enquanto se usa aplicativos urgentes a todo instante: whatsapp, messenger, twitter, facebook, email. É uma invasão tecnológica que não respeita fronteiras. Basta um aviso, um sinal, uma musiquinha, e lá estamos conectados na distração novamente.  O salão me avisa que na terça-feira eu posso cortar, colorir e hidratar meus cabelos por “apenas” R$ 160. Eu só fiz a unha lá. Não precisava desta mensagem. Nem de várias outras que lentamente vão consumindo meu tempo, sorvendo meu olhar no automatismo imperceptível das ondas virtuais. Só me resta evitá-las tanto quanto possível.

Eu tento me policiar. Desativei avisos desnecessários e ainda me pergunto se os demais são realmente úteis. Não quero que minhas filhas me vejam toda hora no celular por um motivo bem simples: não quero que elas façam isso comigo nem ninguém depois. Se, por acaso, eu chegar em casa com alguma pendência, aviso: “daqui a pouco eu vou ter que checar o celular, é coisa que ficou do trabalho, mas depois eu paro”.

E corro para responder ou falar como quem vai dar um trago escondido no cigarro que deveria largar.

Sou desta geração que passou a depender de celular e isso me angustia. Meu grito de liberdade vem em pequenos atos de rebeldia, deixando de olhar os apps e, sobretudo, não permitindo que interfiram no momento sagrado em que estou com minhas filhas pequenas.

É um trabalho diário, requer disciplina e, por que não, a leitura de estudos óbvios como este do Boston Medical Center para nos darmos conta do ridículo da situação.

Época

Brasileiro troca telefone fixo pelo celular

celularPela primeira vez no Brasil, mais da metade das casas com telefonia usa celular em vez do telefone fixo. A conclusão é do Pnad 2012 (Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios), divulgado nesta sexta-feira pelo IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística).

Dos 57,3 milhões de domícilios avaliados pelo estudo, 32,3 milhões mantinham apenas a linha móvel para se comunicar, alta de 2% em relação à pesquisa de 2011. Já a linha fixa, no entanto, teve queda de 1% e caiu de 2,1 milhões para 1,8 milhão.

CURTA o FOCANDO A NOTÍCIA no Facebook
Os jovens que passam a morar sozinhos e mantêm apenas um celular na casa nova ajudam a explicar a inversão de papéis na telefonia. “Esse é um padrão que tende a aumentar”, analisa a gerente da Pnad, Maria Lúcia Vieira. Além disso, a popularização dos smartphones e as ofertas de novos planos das operadoras impulsionam o serviço móvel.

Segundo o IBGE, o número de domicílios com algum tipo de telefone pouco mudou em relação aos últimos anos e passou de 89,9% para 92,2%. Com isso, esta foi a primeira vez que o país superou a barreira dos 90% de casas equipadas permanentemente com serviço telefônico.

Olhar Digital

Anatel quer mudar cobrança dos pacotes com telefone, TV e internet

tv-internet-telefoneA Anatel (Agência Nacional de Telecomunicações) quer simplificar as regras de atendimento e cobrança dos chamados “combos” vendidos pelas empresas que ofertam serviços de telefonia fixa e móvel, internet e TV por assinatura. Uma das principais reclamações dos usuários ao órgão regulador é a dificuldade em resolver problemas nesse tipo de serviço.

Entre os itens que fazem parte da proposta da Anatel está a consolidação das centrais de atendimento. Os locais deverão ter pessoal qualificado para atender qualquer demanda de prestadoras pertencentes a um mesmo grupo econômico, independente do tipo de serviço.

CURTA o FOCANDO A NOTÍCIA no Facebook

Segundo o conselheiro Marcelo Bechara, a ideia é que o atendimento ao consumidor seja “convergente”, a exemplo do que é feito na venda do pacote. Ao rescindir o contrato, a cobrança dos serviços também terá de ser unificada – a operadora responsável será aquela que emite a fatura.

— Se na hora de comprar o combo o consumidor fala com uma só central, na hora de resolver os problemas também deve ser. Ele não pode ser jogado de uma central para outra.

Cobrança

A Anatel vai fiscalizar as ofertas das prestadoras para impedir que o preço isolado de um serviço seja mais alto que dentro de um pacote – a chamada venda casada.

— As ofertas convergentes são bem-vindas, o usuário quer isso, faz parte da dinâmica do setor, mas a Anatel quer criar garantias para o usuário.

A agência também quer criar um canal que permita aos clientes comparar os pacotes das diferentes companhias conforme seu perfil de consumo – a exemplo dos sites que fazem cotações de preços de hotéis e passagens aéreas. O usuário também poderá avaliar a qualidade dos serviços.

— Isso faz diferença, porque as empresas querem ficar bem avaliadas nesse sites, e queremos isso também no setor de telecomunicações.

O órgão regulador quer ainda que as companhias ofereçam atendimento ao consumidor pela internet e em lojas físicas. As operadoras terão de cumprir normas como prazos máximos de atendimento, gravação de chamadas e cancelamento de serviços. A agência passará a emitir um certificado de qualidade que vai ranquear as empresas que mais atendem os direitos do usuário.

— Isso fomenta competição saudável das empresas.

A proposta já foi aprovada pela Anatel e ficará aberta a contribuições durante consulta pública, a partir de segunda-feira (18), por 30 dias, antes de entrar em vigor.

 

R7

Homem mata a mulher enforcada com fio de telefone

fioUm homem matou a própria mulher enforcada com um fio de telefone por volta das 3h desta segunda-feira (4) na Ponte Alta Norte, no Gama, região administrativa do DF. Em seguida, ele cometeu suicídio.

A PMDF (Polícia Militar do DF) informou que o homem teria ligado para a família avisando que tinha acabado de assassinar a mulher e que, por conta disso, também se mataria.

CURTA o FOCANDO A NOTÍCIA no Facebook

Os familiares acionaram a polícia pedindo ajuda, mas quando os militares chegaram ao local ele também estava sem vida. Ele usou uma corda para se enforcar em uma árvore.

O crime aconteceu na DF-475, dentro de uma chácara perto do clube dos Correios.

A perícia foi feita no local e os resultados mostrando como tudo aconteceu devem ficar prontos em até 30 dias.

A ocorrência está registrada na 20ª DP (Gama), que investiga o caso.

Outros casos

Na manhã da última sexta-feira (1º) Vitor Gabriel Medeiros, de 29 anos, invadiu um shopping no Sudoeste, região administrativa do DF, e matou a ex-mulher Fernanda Grasielly de Almeida Alves, de 25 anos, com uma facada no pescoço dentro da loja em que ela trabalhava.

O circuito interno de câmeras de monitoramento do shopping registrou o momento em que Vitor Gabriel Medeiros, acusado do crime, tentava fugir depois de esfaquear a ex-companheira.

O corpo da vendedora foi enterrado no fim da tarde deste sábado (2), em Taguatinga, região administrativa do DF. Pelo menos cem pessoas entre amigos e familiares estiveram presentes na cerimônia.

O assassinato reacendeu o debate sobre a Lei Maria da Penha. Mulheres ouvidas pelo R7, que trabalham no local, revelaram que não se sentem seguras pela legislação e que o Estado poderia ter evitado a morte da jovem, que deixou um filho de quatro anos.

Dados da SPM/PR (Secretaria Nacional de Políticas para Mulheres da Presidência da República) apontam que o Distrito Federal ocupa o 1º lugar no ranking de denúncias de violência contra mulher feitas pelo Disque 180. A central de atendimento recebeu 303,14 ligações a cada grupo de 100 mil mulheres do DF, nos dois primeiros meses do ano.

R7