Arquivo da tag: Sindicato

Preço do gás de cozinha sofre novo reajuste e Sindicato revela que valor pode chegar a R$ 100 até o final do ano na Paraíba

O preço do gás de cozinha vai sofrer um novo reajuste neste sábado (07), na Paraíba. Com o novo reajuste de 5%, o gás poderá ser encontrado no valor de R$ 85, dependendo da forma de pagamento até um pouco mais alto.

O presidente do Sindicato dos Revendedores de Gás de Cozinha (Sinregás), Marcos Antônio Bezerra, disse ao ClickPB na manhã desta sexta-feira (06), que o valor pode chegar a R$ 100 até o final do ano no estado.

Ainda segundo Marcos novos reajustes são esperados, porém ainda são incertos.

“Não sabemos ainda o dia, nem os valores, mas estamos aguardando sim, novos reajustes”, afirmou o presidente.

Este é o 9º aumento do gás de cozinha em 2020, em sua maioria o reajuste foi realizado pela Petrobrás e um aumento pelo dissídio coletivo.

 

clickpb

 

 

‘Quem trabalhar no feriado vai receber abono salarial de até R$ 45,60’, diz Sindicato

O Sindicato dos Comerciários de Campina Grande fez um comunicado nesta sexta-feira (04) de que receberá um abono salarial de até R$ 45,60 o empregado que trabalhar no comércio na próxima segunda-feira (7 de setembro), feriado do Dia da Independência. O estabelecimento comercial que não cumprir com essa norma pode ser notificado e pagar multa.

O presidente José do Nascimento Coelho, do Sindicato dos Comerciários de Campina Grande, não vê problema alguma nas lojas abrirem suas portas durante o feriado, desde que os empregadores paguem abonos salariais aos trabalhadores de R$ 38,50  (empresa com até 10 empregados) e R$ 45,60 (empresa com mais de 10 empregados).

Além disso, Coelho lembra que os patrões devem conceder uma folga no prazo de até 30 dias, conforme estabelece o acordo coletivo da categoria em vigor.

O regime não se aplica aos trabalhadores das farmácias, vez que até o momento, segundo a entidade, o sindicato patronal (SINDIFARMA) não assinou nenhum acordo garantindo os direitos de seus funcionários, porém os empregadores do segmento ficam na obrigação de  pagar, por Lei,  aos seus funcionários escalados para trabalhar no dia 7 de setembro. O valor em dobro referente a um dia de trabalho inserido na folha de pagamento do mês em curso, ou conceder folga na mesma semana, conforme explica o presidente José do Nascimento Coelho.

O sindicato laboral, conforme Coelho, estará vigilante na semana que sucede o feriado para receber as reclamações, caso algum trabalhador venha se sentir prejudicado com o não recebimento dos abonos e a liberação da folga no prazo determinado. “Esperamos que os empresários façam jus ao compromisso com seus trabalhadores, para evitar ações junto ao Ministério Público do Trabalho”, diz o sindicalista.

 

assessoria

 

 

Banco faz nova cobrança indevida a servidores da PB, e sindicato orienta que prejudicados acionem o Procon

Os Servidores do Estado da Paraíba, por meio do Sindicato dos Trabalhadores e Trabalhadoras em Educação do Estado da Paraíba (Sintep-PB), denunciaram o banco Bradesco por cobrança indevida de parcelas de empréstimos consignados em suas contas bancárias pela segunda vez, na manhã desta segunda-feira (29). Os valores dos dois descontos já foram estornados. De acordo com a diretoria executiva do Sintep, os servidores prejudicados devem acionar o Procon, já que temem que na terça-feira (30), dia de pagamento dos profissionais ativos, os valores sejam novamente debitados de suas contas.

Segundo a lei estadual nº 11.699, que determina a suspensão da cobrança dos empréstimos consignados por 120 dias, entretanto, o banco que é responsável pelo pagamento dos funcionários, efetuou os descontos do mês de junho antes mesmo de os servidores receberem o salário do mês. Segundo o sindicato, os servidores ativos recebem somente na terça-feira (28) e tiveram valores descontados e depois devolvidos.

G1 tentou novamente entrar em contato com o banco Bradesco por telefone, mas até a publicação da matéria, não obteve respostas para saber qual motivo da cobrança e quando os valores seriam estornados.

No sábado (27), após a primeira cobrança, uma liminar foi deferida pelo juiz João Machado de Souza Junior, obrigando o banco Bradesco a devolver todos os valores indevidamente descontados, a título de empréstimos consignados, dos servidores públicos associados à Associação de Defesa das Prerrogativas dos Delegados de Polícia do Estado da Paraíba (Adepdel-PB) e determinando a abstenção de descontos futuros.

Os valores de todos os servidores foram estornados na tarde do mesmo dia, mas voltaram a ser cobrados na manhã desta segunda-feira (29) e também foram estornados horas depois.

De acordo com texto da lei, a suspensão da cobrança vale para todas as instituições financeiras, de todos os empréstimos consignados contraídos por servidores públicos civis, militares, aposentados, inativos e pensionistas do Estado da Paraíba.

Segundo nota do Sintep-PB, o banco Bradesco será novamente acionado para que os descontos dos empréstimos consignados não sejam efetivados. Informam também que o departamento jurídico do sindicato já foi acionado para tomar todas as providências necessárias no intuito de que a previsão de débito constante dos extratos bancários não ocorra.

A Secretaria de Administração da Paraíba informou que está cumprindo a lei desde que entrou em vigor e que os contracheques dos servidores não estão sendo emitidos com a cobrança das parcelas dos consignados. O Estado orienta os servidores a procurarem a instituição financeira.

G1

 

Preço do botijão de gás de cozinha aumenta 5% na PB a partir desta segunda (22), diz sindicato

A partir desta segunda-feira (22), o botijão de gás de cozinha vai sofrer um aumento de 5%. O Sindicato dos Revendedores de Gás da Paraíba (Sinregás) informou que, em dinheiro, o reajuste significa um aumento entre R$ 2 e R$ 3. O último aumento aconteceu no dia 22 de maio e ainda há a previsão de um novo aumento para o dia 1º de julho, conforme o presidente da Sinregás, Marcos Antõnio.

O Procon-JP divulgou no início do mês, uma pesquisa sobre o preço do botijão de 13 kg variando entre R$ 65 (à vista) e R$ 75 (à vista ou no cartão), a mesma encontrada no último dia 21 de maio.

O presidente do Sinregás-PB, Marcos Antônio Bezerra, disse que somente na Grande João Pessoa existem 500 estabelecimentos revendedores de gás, com 300 instalados somente em João Pessoa. Ele alertou que os consumidores precisam prestar atenção no momento da compra do botijão, para que isso seja feito apenas em locais regulamentados e exigindo sempre o cupom fiscal na hora em que estiver adquirindo o produto.

Jornal da Paraíba

 

Presidente do Sindicato das Escolas Particulares diz que irá recorrer do reajuste de mensalidades: “Decisão apressada”

O presidente do Sindicato das Escolas Particulares de Campina Grande (SINEPEC), Paulo Loureiro, em entrevista a uma emissora de rádio de Campina Grande, manifestou sua inquietação em relação à aprovação ontem (06), por parte da Assembleia Legislativa da Paraíba, da medida que visa intervir nos contratos firmados entre as escolas privadas e as famílias que mantêm o sistema de ensino privado no Estado. Ele disse esperar que o governador João Azevêdo vete o projeto e que caso seja aprovado, o sindicato vai recorrer na justiça, por considerar a matéria ilegal.

Segundo Paulo, medidas semelhantes foram tentadas por assembleias de 15 estados brasileiros, sem sucesso, tendo inclusive sendo barrada na Comissão de Constituição e Justiça da Assembleia Legislativa de Pernambuco. “O momento é de extrema gravidade e decisões apressadas, tomadas no calor do momento, sem observância ao princípio do contraditório, podem deixar sequelas irreparáveis a uma atividade econômica que vem prestando relevantes serviços ao nosso estado, ao nosso país. Nosso intuito é oferecer uma singela contribuição ao debate. Consideramos que medidas de caráter geral para empresas inseridas em contextos completamente específicos precisam ser repensadas e discutidas em profundidade”, disse o presidente do SINEPEC.

Ele entende que tais medidas vão de encontro às orientações do Ministério da Justiça que, por meio da Secretaria Nacional do Consumidor, emitiu a Nota Técnica n.º 14/2020, em 25 de março de 2020.

A referida nota do Ministério da Justiça versa sobre os efeitos jurídicos nas relações de consumo em função da pandemia – sobretudo no tocante aos direitos dos consumidores que pactuaram serviços com instituições de ensino – considerando que essas relações foram profundamente abaladas por conta de medidas adotadas pelos poderes públicos, especialmente no que se refere à realização de aulas presenciais.

Como orientação geral, o Governo Federal recomenda a construção de soluções negociadas, que evitem quebra de contratos e seu efeito danoso para a segurança jurídica. Necessário também se faz alertar sobre as consequências graves que esses rompimentos podem acarretar na subsistência das empresas e na manutenção de milhares de empregos.

Recomenda, ainda, o executivo federal que as negociações tenham por base dois fundamentos: garantir a continuidade da prestação dos serviços, ainda que de forma alternativa, no caso ensino a distância, ou, como segunda hipótese, oferecer as aulas presenciais em período posterior, adequando o calendário escolar.

“Não faz sentido, assim, reduzir ou suspender o pagamento das mensalidades em um momento específico em função da interrupção das aulas, pois elas deverão ser repostas em momento posterior e o custo ocorrerá de qualquer forma. Vale a pena ressaltar que, quando da reposição, à luz da normativa legal vigente, haverá aumento de custos com professores e funcionários. Ora, o MEC reduziu o número de dias letivos e manteve a carga horária; para fechar essa equação, necessário se faz trabalhar mais horas em menos dias. Suprimir receitas por decreto ou recomendação, sob alegação de desequilíbrio contratual, em um momento que a inadimplência tende a se agravar, levará a eventual insolvência muitas escolas, principalmente as que compõem o elo mais frágil da cadeia e que geram a maior parte dos empregos”, afirmou Paulo.

pbagora

 

 

Sindicato mostra preocupação com exposição de carteiros nas ruas

O Sindicato dos Trabalhadores na Empresa de Correios, Telégrafos e Similares da Paraíba (Sintect-PB), manifestou preocupação com os carteiros que estão realizando o serviço de entregas normalmente durante o período de isolamento social na pandemia do novo coronavírus. Os representantes da categoria questionam as condições de trabalho e a falta de kits de prevenção.

O Sintect-PB afirma que, sem medidas de proteção, está em risco a vida de aproximadamente 530 carteiros que trabalham em todo o estado e da própria população, uma vez que estes poderão servir de vetores de transmissão comunitária da Covid-19 nos 223 municípios onde atuam.

O secretário do Sintect-PB, Tony Sérgio, afirma que os funcionários inclusos nos grupos de risco foram afastados temporariamente das funções, mas que os carteiros estão nas ruas normalmente e sem a proteção necessária, o trabalho fica mais difícil.

“Já foi comprovado que o vírus sobrevive por tempo considerável no papelão e no plástico, esses são os principais materiais transportados nas cartas e encomendas. Não nos forneceram equipamentos de proteção individual ou álcool em gel necessários para a manutenção da atuação dos trabalhadores que estão nas ruas e no atendimento nas agências ao público”, disse o secretário.

Tony também disse que os materiais e equipamentos de proteção individual já foram solicitados à Superintendência dos Correios na Paraíba, ao Governo do Estado e à direção da Empresa Brasileira de Correios e Telégrafos (ECT), com o apoio de alguns deputados, mas a demanda não chegou.

Além da falta dos equipamentos, os trabalhadores dizem que são prejudicados com a suspensão do transporte coletivo em João Pessoa. Para chegar a alguns bairros, eles precisam recorrer a táxi ou aplicativo de transporte. Por enquanto, o serviço de ônibus está disponível de forma reduzida, apenas para profissionais de saúde.

Correios

A assessoria de comunicação dos Correios informou ao Portal Correio que a empresa segue a determinação do Decreto nº 10.282/2020 da Presidência da República, que define os serviços postais como essenciais.

“A empresa está atenta à proteção de empregados e clientes, com protocolos operacionais e profiláticos já disseminados, baseados nas orientações do Ministério da Saúde. Entre as medidas já adotadas pela estatal, destacam-se o envio de orientação a todos os empregados quanto aos cuidados básicos de higiene, conforme recomendado pelo Ministério da Saúde; a disponibilização de álcool gel 70% em locais próximos às estações de trabalho; a intensificação de procedimentos de higienização e limpeza do ambiente e equipamentos”, disse.

Segundo os Correios, as entregas estão ocorrendo normalmente e, conforme as iniciativas de prevenção adotadas a partir do dia 20 de março, algumas agências sofreram ajuste temporário no horário de funcionamento, sem prejuízo da continuidade e da oferta de serviços e produtos à população.

 

portalcorreio

 

 

Sindicato dos Jornalistas lamenta decisão do deputado Wallber Virgolino de buscar assinaturas para CPI contra a imprensa

O Sindicato dos Jornalistas Profissionais do Estado da Paraíba distribuiu nota pública em que “lamenta profundamente” a iniciativa do deputado estadual Wallber Virgulino (Patriotas), que anunciou a coleta de assinaturas para a abertura de uma Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) contra a imprensa estadual, na Assembleia Legislativa da Paraíba (ALPB).

“A entidade entende que se o parlamentar tem queixas em relação à atuação de algum profissional ou veículo de comunicação deve citar os nomes e os fatos desabonadores cometidos por um ou outro para que sejam apurados no Conselho de Ética do Sindicato ou mesmo pela FENAJ [Federação Nacional de Jornalismo]”, pontua trecho da nota.

ENTENDA

Neste domingo (17), o deputado estadual se manifestou pelas redes sociais demonstrando descontentamento com alguns veículos de comunicação da Paraíba, que cometeram a chamada “barrigada” – jargão usado no meio jornalístico para configurar uma informação veiculada com erros graves – ao noticiar o seu envolvimento em confusão registrada em desfile de um bloco de Carnaval, na última sexta-feira (14), no Folia de Rua, em João Pessoa. O que, de fato, não aconteceu.

O parlamentar garantiu que buscará assinaturas entre os demais deputados para instalar a Comissão, denominada por ele como “CPI do Toco/Imprensa”. “Não é de hoje que os maus profissionais dessa área precisam de enquadramento”, escreveu.

Nesse item, o Sindicato dos Jornalistas endossa a fala do deputado e “repudia totalmente as práticas não condizentes com o Código de Ética e a responsabilidade social dos jornalistas e defende que estas sejam apuradas com amplo direito à defesa e, caso procedentes, punidas exemplarmente”.

Veja na íntegra a nota do deputado

 

Infelizmente, alguns sistemas de comunicação da Paraíba que se acostumaram com o dinheiro farto e fácil da CALVÁRIO, se transformaram num valhacouto de vagabundos inclinados a marginalizar quem não é marginal e a transformar corruptos em inocentes mediante paga.

Não sou de briga e se me virem agarrado com homem: são meus filhos. Sou adepto da teoria de que homem não se desmoraliza, não troco tapas, troco tiro!!!

Terça-feira irei começar a colheita das assinaturas para instaurar a CPI DO TOCO/IMPRENSA, não é de hoje que os maus profissionais dessa área precisam de enquadramento.

Terão que justificar contratos de pessoas jurídicas e físicas com entes públicos e o patrimônio incompatível com o que recebem.

Confira a nota do Sindicato dos Jornalistas:

SINDICATO DOS JORNALISTAS PROFISSIONAIS DO ESTADO DA PARAÍBA

NOTA

O Sindicato dos Jornalistas Profissionais do Estado da Paraíba lamenta profundamente a iniciativa do deputado estadual Wallber Virgulino que anunciou a coleta de assinaturas para uma CPI da Imprensa da Paraíba. A entidade entende que se o parlamentar tem queixas em relação à atuação de algum profissional ou veículo de comunicação deve citar os nomes e os fatos desabonadores cometidos por um ou outro para que sejam apurados no Conselho de Ética do Sindicato ou mesmo pela FENAJ.

Por outro lado, o Sindicato repudia totalmente as práticas não condizentes com o Código de Ética e a responsabilidade social dos jornalistas e defende que estas sejam apuradas com amplo direito à defesa e, caso procedentes, punidas exemplarmente.

A DIRETORIA

 

Portal WSCOM

 

 

Conflito EUA X IRÃ deve refletir no preço dos combustíveis na PB, afirma sindicato

EUA X IRÃ, vem promovendo uma aflição no mundo, não só pelo fato disso poder desencadear mais um conflito armamentista no mundo, mas também pelo fator econômico, tendo em vista a grande influencia no setor petroleiro que o Irã tem ainda no mundo. E os efeitos disso podem elevar os preços dos combustíveis na Paraíba é o que prever os representantes do Comércio Varejista de Derivados de Petróleo do Estado da Paraíba (Sindipetro/Paraíba).

Segundo o Sindipetro/PB, a Petrobras ainda não anunciou nenhuma alteração, o mesmo acontece em relação às distribuidoras. A Sindipetro informou ainda que segue acompanhando o desenrolar dos fatos entre Estados Unidos e Irã. Ainda assim, caminhoneiros, motoristas e empresários de postos de gasolina estão apreensivos com essa situação, pois pode afetar os preços dos combustíveis no Brasil e, consequentemente, na Paraíba.

A estatal divulgou uma nota na última sexta feira (3) que seguirá acompanhando o mercado e decidirá oportunamente sobre os próximos ajustes nos preços. “Estava previsto um aumento do combustível do diesel e gasolina no final de janeiro, ou início de fevereiro, com a ameaça de guerra a Petrobras está aguardando as consequências e consolidação dos fatos”, afirmou.

 

pbagora

 

 

Sindicato de auditores do TCE-PB repudia notícias com delação Livânia: ‘cautela’

O Sindicato dos Profissionais de Auditoria do Tribunal de Contas do Estado da Paraíba (SINDCONTAS) enviou, na tarde desta segunda-feira (06), uma nota à imprensa reagindo às recentes citações à integrantes do TCE-PB, incluindo a esposa do atual presidente, Arnóbio Viana, Georgiana Cruz.

As citações apareceram na delação da ex-secretária Livânia Farias, no âmbito da Operação Calvário. No documento, ela acusa a esposa de Arnóbio de distribuir R$ 50 mil em propina dentro do TCE para que auditores fiscais resolvessem as contas do ex-governador Ricardo Coutinho.

“Nesse ponto, vemos com muita preocupação, notícias na imprensa local a respeito de delações que envolveriam parentes de membros do TCE e sobre uma possível distribuição de propina para auditores. […] É preciso ter responsabilidade e cautela na missão de informar, sob pena de manchar a trajetória de profissionais que cumprem o seu devido papel”, diz a nota.

Confira texto na íntegra:

O Sindicato dos Profissionais de Auditoria do Tribunal de Contas do Estado da Paraíba – SINDCONTAS, vem, em face dos fatos revelados pela imprensa sobre a “Operação Calvário”, se manifestar e esclarecer o que segue.

No âmbito do Tribunal de Contas do Estado da Paraíba existem três pilares que constituem o “Processo de Contas”, a fim de se cumprir o exercício do controle externo, nos termos da Constituição Federal: A Auditoria, o Ministério Público de Contas e o Órgão de Julgamento (Conselheiros). Cada um é responsável por uma etapa do processo, que deve preservar a autonomia de cada um desses atores, sem qualquer interferência que possa macular a respectiva atuação.

O trabalho dos profissionais de Auditoria, servidores que foram aprovados através de concurso público, é o exercício da fiscalização. Nessa fase são coletados todos os subsídios probatórios necessários à análise da utilização de recursos públicos e a sua compatibilidade com os mandamentos legais, bem como a observância dos preceitos legais em relação a outros atos praticados no âmbito da Administração Pública.

O Ministério Público de Contas, por meio dos seus membros, emite parecer sobre a matéria posta a partir de elementos trazidos pela instrução dos profissionais de Auditoria e outras perspectivas inerentes ao Parquet, enquanto Fiscal da Lei.

A última etapa desse processo é o julgamento, realizado pelos Conselheiros, por simetria constitucional do art. 73, escolhidos uma parte pelo Governador do Estado e a outra pela Assembleia Legislativa. São esses os responsáveis pelo resultado do processo, no tocante à decisão sobre a regularidade ou não da gestão dos recursos públicos, a partir do seu livre convencimento motivado, que poderá se alinhar ou não às manifestações da Auditoria e do Ministério Público de Contas.

Esta entidade sindical, que tem por função representar os profissionais de Auditoria do TCE-PB, esses que estão diretamente ligados à instrução de processos que envolvem a gestão de recursos públicos no âmbito do Estado da Paraíba, espera que as autoridades competentes possam, por meio das investigações em curso, trazer todos os esclarecimentos dos fatos e eventuais responsabilizações.

Não emitiremos juízo de valor sobre as condutas que estão sendo investigadas ou sobre nomes envolvidos em investigações, diante da responsabilidade dessa entidade e da certeza de que as autoridades competentes, no exercício de suas funções e garantindo-se o devido processo legal, o contraditório e a ampla defesa, trarão, no momento oportuno, todas as informações a respeito das condutas e as respectivas responsabilizações.

Imperioso destacar que, atualmente, todos os relatórios de auditoria, inclusive os relativos às Organizações Sociais, estão disponíveis ao público no portal do TCE-PB. A Auditoria tem, apesar das dificuldades, cumprido a missão que foi conferida pela sociedade.

Nesse ponto, vemos com muita preocupação, notícias na imprensa local a respeito de delações que envolveriam parentes de membros do TCE e sobre uma possível distribuição de propina para auditores. Entendemos pela necessidade do aprofundamento das investigações a fim de apurar as responsabilidades por qualquer conduta que se afaste da legalidade. Ao mesmo tempo, imperioso frisar que não admitiremos ilações genéricas que maculem a imagem dos profissionais de Auditoria, que ao longo de muitos anos vêm prestando serviços à sociedade paraibana e apontando em seus relatórios diversas irregularidades que, não raramente, subsidiam outros órgãos de controle. É preciso ter responsabilidade e cautela na missão de informar, sob pena de manchar a trajetória de profissionais que cumprem o seu devido papel.

Por fim, reafirmamos o compromisso desta entidade e dos Profissionais de Auditoria do TCE-PB com um trabalho sério e imparcial, que visa a boa e correta aplicação dos recursos da sociedade paraibana.

João Pessoa, 6 de janeiro de 2020.

A Diretoria do Sindcontas

Assessoria

 

 

Sindicato de trabalhadores da Energisa anuncia greve a partir da próxima quarta

O Sindicato de Trabalhadores Nas Indústrias Urbanas da Paraíba (STIUPB) anunciou a deflagração de uma paralisação por tempo indeterminado a partir desta quarta-feira (11).

A paralisação foi decidida em Assembleia Geral Extraordinária realizada entre os dias 21 e 26 de novembro, após a rejeição da proposta de Acordo Coletivo de Trabalho apresentada pelas empresas.

Confira abaixo:

AVISO DE GREVE O SINDICATO DOS TRABALHADORES NAS INDÚSTRIAS URBANAS DA PARAIBA – STIUPB, CNPJ 09.368.580/0001-49, localizado à Rua Tavares Cavalcante, 199 – Centro – Campina Grande – CEP: 58.400-150, por seu Presidente abaixo assinado, conforme o Estatuto Social da Entidade e para cumprimento das exigências da Lei nº 7.783/89 e o Art. 9º da Constituição Federal, avisa às empresas Energisa Paraíba e Energisa Borborema, aos usuários de seus serviços e à população em geral, que os empregados pertencentes a estas empresas na base territorial deste Sindicato, em todo Estado da Paraíba com exceção da cidade de João Pessoa, realizaram Assembleia Geral Extraordinária entre os dias 21, 22, 25 e 26 de Novembro de 2019, onde deliberaram pela deflagração de paralisação por tempo indeterminado, a partir do dia 11 de dezembro de 2019, em razão da rejeição da proposta do Acordo Coletivo de Trabalho 2019/2020 apresentada pelas empresas, no que diz respeito aos seguintes pontos: 1 – Reajuste salarial; 2 – Reajuste do valor do ticket alimentação e; 3 – Coparticipação no plano de saúde dos dependentes.

Campina Grande-PB, 04 de dezembro de 2019

Wilton Maia Velez

Presidente