Arquivo da tag: respira

Maranhão segue na UTI, mas já respira sem ajuda de aparelhos

Internado desde o dia 29 de novembro para se tratar da Covid-19, o senador José Maranhão (MDB) já está consciente e respirando sem ajuda de aparelhos, conforme novo boletim médico divulgado nesta quinta-feira (17) pelo Hospital Vila Nova Star, em São Paulo.

CONFIRA

São Paulo 17 de dezembro de 2020 – O senador José Targino Maranhão, 87 anos, permanece internado na Unidade de Terapia Intensiva (UTI) do Hospital Vila Nova Star, em São Paulo, em tratamento de insuficiência respiratória devido à Covid-19. O paciente está consciente, com quadro clínico estável e em respiração espontânea. Ainda não há previsão de alta da UTI.

Dra. Ludhmila Hajjar
Cardiologista-Intensivista
Coordenadora da equipe clínica

Dr. Esper Kallas
Infectologista

Dr. Marcelo Amato
Pneumologista

Dr. Antonio Antonietto
Diretor técnico

Dr. Paulo Hoff
Diretor clínico’

 

PB Agora

 

Atlético de Cajazeiras vence pela primeira vez e respira na Série D

Atlético de Cajazeiras triunfou pela primeira vez na Série D do Campeonato Brasileiro neste ano. A equipe venceu por 1 a 0 contra o Guarany de Sobral, na tarde deste domingo (4), no Perpetão, em Cajazeiras.

O gol do Trovão Azul foi marcado aos 29 minutos do primeiro tempo. Pachu mandou um bomba de fora da área e acertou o ângulo da meta defendida pelo time cearense.

Com a vitória, o Atlético somou seus primeiros pontos, mas ainda divide a lanterna do Grupo 3 com o Guarany de Sobral. No entanto, o time cearense tem um jogo a menos na competição.

O próximo jogo do Trovão Azul é contra o Campinense, no próximo domingo (11), também em casa.

 

Foto: @gabrielasavio / Atlético-PB

Portal WSCOM

 

 

Com show de Messi, Argentina bate a Colômbia e respira nas Eliminatórias

Messi no melhor estilo Messi. Foi dessa forma que a pressionada Argentina conseguiu reagir nas Eliminatórias da Copa 2018. O time de Edgardo Bauza venceu a Colômbia em casa por 3 a 0, com apresentação memorável do camisa 10 – o craque abriu o placar em cobrança de falta e deu duas assistências no duelo para Lucas Pratto marcar de cabeça e Di María empurrar para as redes na pequena área.

Com a vitória no estádio Bicentenário, em San Juan, a Argentina ultrapassou dois adversários, terminando a rodada na zona de classificação, em quinto lugar. Os argentinos superaram a própria Colômbia. Agora, a equipe argentina soma 19 pontos, um a mais que os colombianos.
O resultado também ameniza a crise argentina depois de quatro jogos sem vitórias. Com dois empates e duas derrotas, a seleção bicampeã do mundo caiu do primeiro para a sexta posição na tabela.
Messi abre vantagem sobre Batistuta
Enrique Marcarian/Reuters

O camisa 10 da argentina voltou a balançar a rede pela equipe nacional. Com isso, o craque abriu uma vantagem de três gols em relação a Batistuta, o segundo maior artilheiro da seleção. Agora, são 57 gols em 116 jogos. Em três partidas sob o comando de Edgardo Bauza, Messi marcou o segundo gol – ele também fez na vitória da Argentina sobre o Uruguai por 1 a 0.
Messidependência?
Natacha Pisarenko/AP

A Argentina venceu pela segunda vez sob o comando de Bauza. Na primeira, logo na estreia, a equipe bateu o Uruguai por 1 a 0, gol de Messi. Nos três jogos seguintes, o craque do Barcelona desfalcou o time por lesão. A Argentina somou apenas dois pontos sem o camisa 10. No retorno à Argentina, Messi viu o Brasil vencer por 3 a 0 no Mineirão, com atuação apagada. Nesta quinta-feira, ele voltou a decidir.
Erros defensivos
Embora tenha sido mortal no ataque, com dois gols em 22 minutos, a Argentina voltou a apresentar problemas na defesa. Em duas oportunidades, por exemplo, Falcao García conseguiu cabecear sem marcação. Os colombianos também viveram perigosamente. No começo do segundo tempo, uma falha dupla dos zagueiros quase resultou em um gol de Pratto.
Falcao García titular novamente
Eitan Abramovich/AFP Photo

A estrela colombiana voltou à seleçao colombiana na rodada passada das eliminatórias ao entrar no segundo tempo da partida contra o Chile. Dessa vez, o camisa 9 foi escalado como titular pelo técnico Jose Pekerman. O fato não ocorria desde junho de 2015, na Copa América disputada no Chile. Em campo, o atacante levou perigo à Argentina, principalmente nas bolas altas.
Pratto em alta, Higuaín em baixa
Natacha Pisarenko/AP

Bauza fez uma alteração no ataque argentino para receber a Colômbia em San Juan. O ex-treinador do São Paulo tirou Higuaín do time depois de escalá-lo como titular nos últimos três jogos. E deu certo. Com Lucas Pratto no comando ofensivo, a Argentina melhorou – o centroavante do Atlético-MG marcou o segundo gol com a camisa da seleção argentina (ele também fez no empate por 2 a 2 com a Venezuela). Ao ser substituído na etapa final, Pratto foi aplaudido, com seu nome cantado, pelos torcedores argentinos.
Ataque portenho reage em San Juan
Eitan Abramovich/AFP Photo

A Argentina entrou em campo com o segundo pior ataque das eliminatórias, superando apenas a Bolívia, que fez dez gols em 12 rodadas. Com os gols marcados nesta terça-feira, a seleção de Bauza soma agora 14 gols no torneio, três a mais que o Paraguai. Dessa forma, o saldo de gols da equipe é, agora, positivo (dois gols).
Dificuldades 
Juan Mabromata/AFP

O meio-campo da Colômbia sofreu para conseguir criar jogadas de ataque. Sozinho no setor, James Rodríguez pouco ficou com a bola. Quando a teve nos pés, mostrou desenvoltura. Em uma das jogadas, o camisa 10 deixou Falcao García sozinho para concluir de cabeça. No segundo tempo, o atleta do Real Madrid teve mais espaço, mas não ajudou os colombianos a diminuírem o placar. No fim, o meia acertou a trave em cobrança de falta.
Pausa nas eliminatórias
Eitan Abramovich/AFP Photo

A corrida pelas quatro vagas diretas para a Copa do Mundo voltará à tona somente em março do ano que vem. No dia 23, a Argentina recebe o Chile em casa, em disputa direta. Cinco dias depois, os argentinos vão a La Paz medir forças com a Bolívia. Já a Colômbia enfrentará os bolivianos em seus domínios na 13ª rodada. Na sequência, vão ao Equadror enfrentar os donos da casa.
FICHA TÉCNICA
ARGENTINA 3 X 0 COLÔMBIA
Local: Estádio Bicentenário, em San Juan (Argentina)
Data: 15 de novembro de 2016
Horário: 21h30 (de Brasília)
Árbitro: Roddy Zambrano (Equador)
Assistentes: Byron Moreno e Christian Lescano (ambos do Equador)
Cartões amarelos: Pratto, Mercado, Banega e Funes Mori (Argentina); Arias, Balanta, James Rodríguez e Cuadrado (Colômbia)
Gols: Messi, aos dez, Pratto, aos 22 minutos do primeiro tempo, e Di María, aos 39 minutos do segundo tempo.
ARGENTINA: Romero; Mercado, Otamendi, Funes Mori e Mas; Mascherano, Biglia, Banega (Pérez), Di María (Acuña) e Messi; Pratto (Higuaín). Técnico: Edgardo Bauza
COLÔMBIA: Ospina; Arias, Davinson Sánchez, Murillo e Balanta; Carlos Sánchez, Torres (Copete), Barrios (Macnelly Torres), James Rodríguez e Cuadrado; Falcao García (Bacca). Técnico: José Pekerman
Uol

Acompanhe mais notícias do FN nas redes sociais: FacebookTwitterYoutube e Instagram

Entre em contato com a redação do FN:  WhatsApp (83) 99907-8550. 

E-mail: jornalismo@focandoanoticia.com.br

 

 

Chevrolet Classic respira por aparelhos nas lojas

chevrolet-classicO Chevrolet Classic não faz mais parte dos planos da montadora no Brasil. O sedã emplacou apenas 1.728 unidades em julho e 10.023 no acumulado do ano, segundo dados da Fenabrave. Com apenas uma configuração, motor 1.0 etanol de 78 cv de potência e 9,7 kgfm de torque e preço sugerido de R$ 32.670, o Classic foi o 28º carro mais vendido no ano e o 5º da GM. O fim da produção já se deu há algum tempo, contudo, somente agora os estoques estão terminando.

Em contato com concessionárias Chevrolet de São Paulo, Rio de Janeiro, Brasília, Manaus, Salvador e Porto Alegre, a Autoesporte pode apurar que poucas unidades do Classic zero quilômetros ainda podem ser encontradas – apenas Manaus e Salvador reportaram terem disponibilidade do modelo. Em Brasília, já se vão cinco meses  sem que as revendas recebam novas unidades do carro. No Rio de Janeiro e em Porto Alegre se diz ainda haver interesse no sedã mesmo sem veículos disponíveis para venda.

Em 2003, o até então Corsa Classic, mudou de nome para apenas Classic, enquanto o Corsa seguiu com uma linha totalmente renovada. O sedã de entrada foi um dos carros mais vendidos pela GM no Brasil, mas já vinha perdendo espaço nos últimos anos com o crescimento do Onix e do Prisma.

revistaautoesporte

Acompanhe mais notícias do FN nas redes sociais: FacebookTwitterYoutube e Instagram

Entre em contato com a redação do FN:  WhatsApp (83) 99907-8550. 

E-mail: jornalismo@focandoanoticia.com.br

 

De virada, Palmeiras vence o Grêmio, conquista a trinca e respira na tabela

palmeirasO Palmeiras engrenou na árdua missão de fugir do rebaixamento. Na base da raça, da sorte e também da evolução técnica e tática, o Alviverde venceu o Grêmio por 2 a 1, de virada, no Pacaembu, pela 28ª rodada do Brasileirão, e chegou a três vitórias seguidas – antes tinha batido Chapecoense e Botafogo. O Tricolor Gaúcho, por outro lado, teve mais uma vez sua arrancada brecada. Mesmo assim segue bem colocado. O time de Felipão teve Barcos expulso e cedeu a vitória. O argentino foi quem abriu o placar. Mouche e João Pedro viraram.

CURTA o FOCANDO A NOTÍCIA no Facebook

A ascensão do Verdão na classificação segue de vento em popa. Lanterna até pouco tempo atrás, o time do técnico Dorival Júnior chegou agora aos 34 pontos e saltou, mesmo que provisoriamente, para a 11ª colocação, a cinco pontos do Z-4. Já a equipe gaúcha, com os mesmos 46, segue na quarta colocação após essa derrota.

Na próxima rodada do Campeonato Brasileiro, o Palmeiras tem um clássico com o Santos pela frente. No domingo, dia 19, às 16h, o Verdão recebe o Peixe no estádio do Pacaembu. O Grêmio, por sua vez, joga no sábado. Mais uma vez fora de casa. A equipe gaúcha encara o Goiás, às 18h30, no Serra Dourada, em Goiânia.

João Pedro gol Palmeiras x Grêmio (Foto: Marcos Ribolli)Abraçado a Henrique, João Pedro comemora o gol da vitória do Palmeiras (Foto: Marcos Ribolli)

O jogo

Inacreditável Futebol Clube. Cristaldo pode muito bem ser escolhido para o time pelo gol que perdeu logo aos dois minutos de jogo no Pacaembu. Após boa jogada pela direita e ajeitada com estilo de Valdivia, o argentino mandou para fora. Sinal de que o jogo seria quente. E foi. Não só nos lances, mas também nas discussões. Barcos e Lúcio se desentenderam. O gremista, aliás, teve boa chance para o Tricolor. Prass defendeu.

Barcos gol Grêmio x Palmeiras (Foto: Marcos Ribolli)Barcos: um gol e um cartão vermelho na partida
(Foto: Marcos Ribolli)

No final da primeira etapa, Henrique quase fez de cabeça para o Palmeiras. Mas o atacante parou em boa defesa de Tiago. Os donos da casa ainda reclamaram de mão na bola de Pedro Geromel na grande área. O árbitro nada marcou no lance. No geral, o Verdão foi mais ofensivo, enquanto o time gaúcho apostou no contra-ataque.

Se o árbitro Sandro Meira Ricci não interpretou como toque de mão o lance do gremista Pedro Geromel, ele teve visão diferente em relação ao palmeirense Valdivia. Aos oito minutos, o chileno saltou para cabecear com os braços para cima e a arbitragem marcou pênalti, convertido por Barcos aos dez minutos.

O autor do gol gremista vacilou sete minutos depois. Ele já tinha amarelo desde o primeiro tempo e foi expulso por falta em Cristaldo. Com um a mais, o Verdão foi para cima. E chegou ao empate com Mouche, aos 22. Valdivia bateu falta para área, Henrique desviou e o argentino completou, meio sem jeito. O gol fez o Palmeiras crescer. E, aos 29, João Pedro, em chute de fora da área, virou o jogo, concretizando a terceira vitória seguida do time.

Mouche gol Palmeiras x Grêmio (Foto: Marcos Ribolli)Jogadores do Verdão vibram com o argentino Mouche o primeiro gol da equipe (Foto: Marcos Ribolli)
Globoesporte.com

Bahia vence a Portuguesa na Fonte Nova e respira na briga contra o Z-4

bahiaEm jogo onde o resultado é fundamental, o espetáculo fica em segundo plano. Às vezes ele sequer aparece, como neste domingo, no confronto entre Bahia e Portuguesa, pela 36ª rodada da Série A. Na Arena Fonte Nova, em Salvador, as jogadas de efeito foram renegadas em nome das disputas de bola. Os erros apareciam em maior número que os acertos. Nessas condições, o gol não poderia acontecer de outra forma. Graças a uma falha da defesa da Lusa, o Tricolor venceu o confronto pelo placar de 1 a 0, com gol do artilheiro Fernandão, que já soma 15 tentos no Campeonato Brasileiro.

– Cara, é muito difícil jogar contra a Portuguesa. Jogo muito disputado, é um time que também precisa da vitória. Mas tentamos de todas as formas e consegui marcar – disse o goleador tricolor, que continua na briga pela artilharia do campeonato, três gols atrás de Éderson, do Atlético-PR.

CURTA o FOCANDO A NOTÍCIA no Facebook

– Fui tentar dar o passe no meio de campo, mas o Talisca, que é alto, conseguiu interceptar. Falha nossa – tentou justificar o volante William Arão, autor da falha que originou o gol do Bahia.

O triunfo mantém o Bahia vivo na luta contra o Z-4 do Brasileirão e em situação bem mais confortável que antes. O Tricolor sobe para a 13ª colocação com 45 pontos, três a mais que o Coritiba, primeiro time da zona de rebaixamento. Na próxima rodada, a equipe baiana pode selar de vez a permanência na elite do futebol nacional no duelo contra o Cruzeiro, no Mineirão. A partida está marcada para domingo, às 17h (horário de Brasília) e marca a entrega das faixas e do troféu de campeão brasileiro para o time mineiro.

Enquanto isso, a Portuguesa volta a ficar em situação delicada. O time paulista cai para a 14ª colocação, com 44 pontos, dois acima do Z-4. A Lusa volta a campo também no domingo, às 17h, para enfrentar a Ponte Preta, no estádio Moisés Lucarelli, em Campinas.

Tensão, erro e gol

Antes da bola rolar, os jogadores dos dois times sentaram no gramado e cruzaram os braços por quase um minuto. O ato fazia parte de um protesto do movimento Bom Senso F.C, que cobra mudanças no futebol brasileiro para 2014, e acabou se transformando no único momento de tranquilidade no confronto. Quando o árbitro apitou o início de jogo, a tensão dominou os atletas. Erros de passe, divididas mais duras e até discussões evidenciavam o nervosismo dentro de campo. O jovem volante Feijão levou um cartão amarelo ainda nos primeiros minutos e escapou de ser expulso em mais de uma ocasião ainda no primeiro tempo.

Em alta tensão, Bahia e Portuguesa pouco produziram no setor ofensivo. Pelo lado tricolor, William Barbio, após boa jogada de contra-ataque, desperdiçou chance em chute cruzado. Na Lusa, Wanderson fez boa jogada pela direita e cruzou para Moisés, que chutou em cima do zagueiro Titi. Tudo indicava que a etapa inicial acabaria com um insosso empate sem gols. Mas William Arão resolveu contrariar a lógica. O volante tentou sair jogando, mas entregou a bola de graça para Anderson Talisca. O meia baiano armou o contra-ataque e passou para Wallyson cruzar na medida para Fernandão. Sem marcação, o centroavante só teve o trabalho de completar para o fundo das redes e sair em comemoração com a bola debaixo da camisa, homenagem para a esposa, que está grávida.

Feijão expulso e pressão da Lusa

Para o segundo tempo, William Arão, autor da falha capital da partida, saiu de campo substituído por Ferdinando. A princípio, a mudança não parecia ter impacto tático, por se tratar da troca de um volante por outro. Contudo, a Portuguesa voltou do intervalo melhor e ameaçou a meta defendida por Marcelo Lomba. Com um belo chute de fora da área, o atacante Gilberto exigiu grande defesa do goleiro tricolor, que de mero expectador, passou a trabalhar bastante.

Principal homem de marcação do Bahia, Feijão acumulava jogadas ríspidas. De falta em falta, o volante acabou recebendo o segundo amarelo e foi expulso da partida. Com um a menos, o Bahia se fechou no campo de defesa e foi pressionado pela Lusa. Bruno Henrique e Gilberto tentaram vencer o goleiro Marcelo Lomba, mas não obtiveram sucesso. Na base da raça, o Tricolor segurou o resultado até o apito final, para alegria de boa parte dos mais de 31 mil pagantes que assistiram a partida na Fonte Nova.

 

 

Globoesporte.com

Com muito sofrimento, Flamengo vira sobre o Bangu e respira na Taça Rio

Imagem reprodução TV Globo
Imagem reprodução TV Globo

O Flamengo respira na Taça Rio. Com o alívio da primeira vitória de Jorginho no comando da equipe, mas sem uma atuação convincente e que agrade ao torcedor. Na noite desta quarta-feira, o Rubro-Negro até que finalizou muito (24 vezes), mas sofreu para virar o jogo sobre o Bangu. O placar de 2 a 1 ameniza o clima, a pressão e dá mais tranquilidade para os próximos desafios. E mais moral para Rodolfo, de 19 anos. Ele entrou no segundo tempo no lugar de Carlos Eduardo e foi o responsável por dar nova cara ao time, que esteve modificado nesta quarta: não contou com Léo Moura e Ibson, teve Luiz Antonio improvisado na lateral direita, e Gabriel titular no setor de criação.

Rodolfo, com uma bomba na gaveta, fez seu primeiro gol no time principal rubro-negro. Desta vez, Hernane não estava junto para roubar a bola açucarada, como fez contra o Nova Iguaçu, na quinta rodada da Taça Guanabara. João Paulo, já no finzinho, também fez seu primeiro pelo Fla, em falta batida para a área que Ives desviou contra a própria meta. A arbitragem, porém, deu o gol para o lateral-esquerdo. Sérgio Júnior havia anotado o gol do Bangu, logo no início do jogo.

A renda somou R$ 23.630, para um público pagante de 1.222 pessoas (1.660 presentes). Com a vitória, o Flamengo chegou a quatro pontos no Grupo B da Taça Rio e aparece na terceira colocação. O Bangu é penúltimo, com dois.

– As coisas não estavam acontecendo. A equipe veio de derrota na semifinal, perdeu o primeiro jogo, jogou razoavelmente na minha estreia. Estávamos mandando no jogo, tomamos um gol bobo. E é típico do Flamengo a raça. Esse é o espírito. Mas teve qualidade, tivemos oportunidades. Só faltou a conclusão final, mas a coisa vai acontecer – avaliou o técnico Jorginho, logo após o jogo.

O Flamengo volta a campo neste domingo, como mandante, em Moça Bonita. O adversário será o Audax Rio às 16h (de Brasília). No mesmo dia e horário, o Bangu visita o Resende, no Estádio do Trabalhador.

Gol relâmpago, falha de Luiz Antonio e vaias

Tabelinha, cruzamento, gol. De Sérgio Júnior, do Bangu. Com três minutos de jogo, o primeiro tempo começou mal para o Flamengo. Para piorar, com uma falha de marcação justamente envolvendo uma das modificações feitas por Jorginho na equipe. Com Léo Moura poupado, Luiz Antonio ganhou uma chance improvisado na lateral direita. Mas o volante demorou a se acostumar na função e não acompanhou o atacante alvirrubro no primeiro lance em que foi exigido na marcação. Hugo cruzou da direita, e Sérgio Júnior desviou a bola para o fundo da rede de Felipe.

Com defensores que jogam há mais de um ano juntos, o Bangu mostrou organização defensiva e deu trabalhou ao ataque do Fla, pouco criativo quando precisa furar barreiras. Com Rafinha bem marcado pelos adversários, Carlos Eduardo apagado e Hernane recuando excessivamente para buscar o jogo, coube a outra aposta do técnico aparecer. Gabriel se movimentou bastante dos dois lados do campo e criou as melhores chances. Faltou acertar a pontaria. Em duas oportunidades, saiu na cara de Getúlio Vargas, mas tirou demais do goleiro. Para fora, aos 14 e aos 41. O cenário da estreia de Jorginho se repetiu, e as vaias surgiram já no intervalo.

Rodolfo muda o jogo, e Fla vira com gol contra

O descontentamento da torcida foi o mesmo do comandante rubro-negro. Logo de cara no segundo tempo, trocou Luiz Antonio por Renato e deslocou Elias para a ala direita. Sem lateral-direito de ofício no banco, novo improviso. Outro que deixou o campo, sem ser notado, foi Carlos Eduardo, que deu vaga a Rodolfo. E o jovem foi o responsável por acordar um Fla que agonizava por criatividade em campo. Aos 20, ele recebeu de Rafinha na entrada da área, de costas para o gol, girou e colocou a bola no ângulo de Getúlio Vargas. Foi o primeiro gol do meia-atacante no time principal do Flamengo. E foi um golaço.

Como um passe de mágica, o Rubro-Negro cresceu no jogo. Virou pressão. Mas a única coisa que não mudou foi a pontaria. Debaixo do gol, Renato chutou por cima do travessão após escanteio. Rafinha invadiu a área e finalizou à direita da meta alvirrubra. E Nixon, que entrou no lugar de Hernane, perdeu a chance mais clara: livre na área, recebeu ótimo passe de Rafinha, mas concluiu para fora na saída de Getúlio Vargas.

O único que acertava o gol era Rodolfo. Aos 24, ele aproveitou um arremate cruzado de Renato e escorou na área, mas Getúlio fez grande defesa com os pés. E quando o jogo encaminhava-se para um empate, João Paulo cobrou falta para a grande área, Ives raspou a cabeça na bola e marcou contra. Na súmula, o árbitro deu o gol para o lateral-esquerdo. Desespero alvirrubro, festa rubro-negra. Sem vaias.

 

Globoesporte.com

Estreante marca, Flamengo vira contra Atlético-GO e respira

Foto: Carlos Costa/Futura Press

O Flamengo saiu atrás no placar, mas conseguiu a virada para vencer o Atlético-GO por 2 a 1, em pleno Serra Dourada, em Goiânia, em partida válida pela 26ª rodada do Brasileiro. Estreante, Cleber Santana fez o primeiro do Fla e Liedson marcou o segundo. Joílson anotou para os goianos. Assim, o time carioca quebrou um jejum de sete jogos sem vitória no Campeonato e se afasta cada vez mais da zona de rebaixamento, com 31 pontos, sete a mais do que o Sport, o primeiro na zona de degola. O Atlético-GO continua lanterna com 20 pontos.

Na próxima rodada do Campeonato Brasileiro, o Flamengo encara o Fluminense pelo clássico carioca, às 16h (de Brasília), no Engenhão. O Atlético-GO vai ao Recife para enfrentar o Náutico, às 18h30, no Estádio dos Aflitos.

As duas equipes iniciaram a partida em ritmo lento, de estudo do adversário. O Atlético-GO tocava a bola na zona de defesa e tentava encontrar a melhor maneira de atacar o rival carioca. Aos 10min de jogo o time goiano encontrou a brecha que queria e em boa jogada pela direita conseguiu abrir o placar. Marcos passou por Ramón, a bola sobrou para Diogo Campos cruzar e Joílson mandar para as redes. O Atlético-GO teve chance de ampliar o marcador pouco depois. Aos 15min, Patric carregou bem a bola e da entrada da grande área chutou forte para a defesa de Felipe, Joílson não aproveitou o rebote e mandou para fora.

O Flamengo também teve oportunidade de marcar, duas vezes. Primeiro Wellington Silva mandou uma bomba da intermediária para ótima defesa de Márcio, depois, em cobrança de escanteio, o goleiro do Atlético-GO falhou e Victor Cárceres chutou para o gol, mas Marcos evitou em cima da linha. O Flamengo cresceu no jogo e continuou em busca do empate, que saiu aos 35min. Em boa jogada, Cleber Santana tabelou com Vagner Love, recebeu na frente do gol e só teve o trabalho de empurrar para as redes, para decretar o empate na ida dos times para o intervalo.

No segundo tempo o jogo ficou sem lances de perigo porque as duas equipes tentavam as jogadas ofensivas, mas não conseguiam finalizar. O Flamengo apostava nas jogadas rápidas e o Atlético-GO nos contra ataques. Até que aos 16min saiu o primeiro chute a gol da etapa final, com Rayllan, que recebeu cruzamento de Watthimem, mas concluiu fraco para a defesa de Felipe.

O time da casa se animou com o lance e tentou partir para cima do rival, mas foi o Flamengo que aproveitou bem a primeira oportunidade que teve. Vagner Love brigou com o zagueiro da equipe goiana, roubou a bola e cruzou para Liedson fazer o primeiro dele com a camisa do Flamengo, aos 20min, para virar o placar no Serra Dourada.

Em desvantagem e jogando em casa, o Atlético-GO teve que tomar a iniciativa e atacar o Flamengo, mas a equipe não conseguia finalizar contra o gol adversário, exceto uma cabeçada fraca que Felipe defendeu com facilidade. O time carioca ainda teve oportunidade de ampliar o placar, quando o juiz marcou pênalti em cima de Bottinelli, aos 37min. O autor do primeiro gol do Flamengo Vagner Love bateu e Márcio defendeu. Vagner Love ainda perderia uma chance incrível ao receber cruzamento na frente do gol, sem goleiro e mandar para fora.

Ficha técnica

ATLÉTICO-GO 1 X 2 FLAMENGO

Gols
ATLÉTICO-GO: Joílson, aos 10min do 1º tempo

FLAMENGO:Cleber Santana, aos 35min do 1º tempo, e Liedson, aos 20min do 2º tempo

ATLÉTICO-GO: Márcio; Marcos, Gilson, Reniê e Eron (Alexandre Oliveira); Pituca, Ernandes, Dodô e Joílson (Rayllan); Diogo Campos (Watthimem) e Patric
Treinador: Artur Neto

FLAMENGO: Felipe; Wellington Silva, Frauches, Marcos Gonzáles (Bottinelli) e Ramón; Luis Antônio, Cárceres, Ibson (Amaral) e Adryan (Liedson); Cleber Santana e Vagner Love
Treinador: Dorival Junior

Cartões amarelos
ATLÉTICO-GO:Diogo Campos, Eron e Dodó
FLAMENGO:

Árbitro
Paulo César Oliveira (SP)

Local
Estádio Serra Dourada, Goiânia (GO)

Terra

Palmeiras vence Sport em “decisão”, encerra jejum e respira

Foto: Ricardo Matsukawa/Terra

O Palmeiras ainda não saiu da zona do rebaixamento, mas conseguiu pelo menos respirar no Campeonato Brasileiro. Afinal, nesta quinta-feira o time paulista venceu a “decisão” contra o também ameaçado Sport por 3 a 1 e acabou com o jejum de quatro jogos sem vencer. É pouco para sair da degola, já que a equipe de Felipão está com 20 pontos, enquanto o 16º colocado Coritiba tem 22. Mas é muito para quem estava em tamanha má fase até agora.

Diante de um público com mais de 30.000 pessoas, o Palmeiras dominou o primeiro tempo, mas só conseguiu consolidar a vitória na etapa final. Contratados durante a temporada, Corrêa, Tiago Real e Obina marcaram para o time da casa. Rivaldo até descontou com um golaço contra seu ex-time, mas o Sport perdeu não apenas a partida, mas também uma posição exatamente para os palmeirenses, ficando com 19 pontos, em 18º lugar.

Com Obina no lugar de Barcos, que está com a seleção argentina, a escalação do Palmeiras teve o retorno de Valdivia, a manutenção de Tiago Real e também Correa como surpresa na lateral-dreita. Já do outro lado o técnico Waldemar Lemos apostou no 3-5-2 para tentar segurar o time alviverde. Mas os próprios atletas palmeirenses se complicaram no começo, já que cometeram muitos erros e desperdiçaram seguidos ataques.

Obina e Valdivia reclamaram de pênaltis aos 12min e aos 15min, mas o juiz Marcelo de Lima Henrique nada marcou. O Palmeiras até soube controlar a posse de bola, mas demorou para ter criatividade e ser incisivo. Isso só aconteceu aos 26min, quando Obina tabelou com Corrêa e saiu frente a frente com o goleiro. A finalização do centroavante fez a bola passar pelo goleiro, mas parou na trave, levando os palmeirenses ao desespero.

O domínio do time da casa continuou até que uma nova chance de gol foi criada, através de uma linha de passes, aos 33min. Já dentro da área, Obina arrumou para Tiago Real, que finalizou forte, mas Magrão fez difícil defesa. Até o final do primeiro tempo o Palmeiras ainda encontrou bastante espaço pelas pontas, já que o Sport atuava com alas avançados, mas não conseguiu cruzar com eficiência na área. Já o time pernambucano teve uma única chance de gol nos acréscimos, mas Bruno defendeu o cabeceio de Felipe Azevedo.

Os times foram para os vestiários com o placar de 0 a 0 e, disposto a mudar a equipe, Felipão trocou João Vitor por Artur, o que deslocou Corrêa para o meio-campo. E foi exatamente o volante ex-lateral que abriu o placar no Pacaembu: aos 8min, ele arriscou da intermediária e contou com falha de Magrão para fazer explodir a torcida do Palmeiras.

Mas a festa alviverde teve um minuto de interrupção, por causa de um lance incrível, aos 17min: o canhoto Rivaldo, ex-jogador do Palmeiras, acertou um chute forte de direita e superou o goleiro Bruno. A comemoração do volante, que saiu criticado da equipe paulista, foi de provocação, pedindo silência ao Pacaembu.

Mas foi o Sport que se calou na sequência: aos 18min, Luan fez um longo lançamento para Tiago Real, que chutou cruzado e desempatou a partida. A resposta rápida empolgou o Palmeiras, que voltou a marcar. Em nova boa participação, Tiago Real arrumou a bola para Obina marcar o terceiro gol palmeirense no jogo.

Apesar da festa da torcida ter aumentado, o jogo ficou mais frio após a consolidação da vitória do Palmeiras. Só aconteceu mais uma chance para cada lado: primeiro o Sport atacou com Gilberto, que ficou na cara do gol, mas chutou para fora, aos 38min; depois o Palmeiras quase transformou tudo em goleada, mas a cobrança de falta de Valdivia parou na trave. Pouco importava, pois o fim do jejum, e o fôlego na luta contra o rebaixamento já estavam conquistados.

Ficha técnica

PALMEIRAS 3 x 1 SPORT

Gols
PALMEIRAS:
Corrêa, aos 8min do 2º tempo; Tiago Real, aos 18min do 2º tempo; e Obina, aos 23min do 2º tempo

SPORT:
Rivaldo, aos 17min do 2º tempo

PALMEIRAS: Bruno; Correa, Maurício Ramos, Thiago Heleno, Juninho; Henrique, João Vitor (Artur), Tiago Real (Márcio Araújo) e Valdivia; Luan (Maikon Leite) e Obina
Treinador: Luiz Felipe Scolari

SPORT: Magrão; Welton, Bruno Aguiar e Diego Ivo; Moacir (Willians), Tobi, Rivaldo, Hugo e Willian Rocha; Gilsinho (Gilberto) e Felipe Azevedo (Henrique)
Treinador: Waldemar Lemos

Cartões amarelos
PALMEIRAS: Henrique, João Vitor e Thiago Heleno
SPORT: Diego Ivo, Willian Rocha, Rivaldo e Hugo

Árbitro
Marcelo de Lima Henrique

Local
Estádio do Pacaembu, em São Paulo (SP)

Terra