Arquivo da tag: piores

Veja os 10 carros com maior valor de revenda (e os 10 piores)

revendaComprar um carro 0km é uma alegria, pesquisar preço, condição de pagamento e valor de seguro, são fundamentais para você não se enrolar na hora de pagar e fazer um bom negócio, mas saber o valor de revenda do carro é importante na sua decisão, até porque você não planeja ficar para sempre com o carro e um carro com valor de revenda bom pode fazer você perder menos dinheiro na hora de vender seu carro.

Para te ajudar separamos os 10 carros com maior valor de revenda e claro os 10 piores também. Os dados são do ranking do Selo Maior Valor de Revenda de 2016, da Agência AutoInforme. Foram incluídos no ranking os 130 veículos mais vendidos do Brasil. Veja a lista :

Os 10 carros com maior valor de revenda

1. Honda HR-V – Desvalorização em um ano: -4,5%
2. Jeep Renegade – Desvalorização em um ano: -6,4%
3. Chevrolet Ônix – Desvalorização em um ano: -8,3%
4. Land Rover Discovery Sport – Desvalorização em um ano: -9,3%
5. Volkswagen up! – Desvalorização em um ano: -9,4%
6. Ford Ka – Desvalorização em um ano: -9,9%
7. Suzuki Jimny – Desvalorização em um ano: -10%
8. Honda CR-V – Desvalorização em um ano: -10,1%
9. Volkswagen Fox – Desvalorização em um ano: -10,3%
10. Honda City – Desvalorização em um ano: -10,4%

De acordo com Joel Leite, fundador e diretor da Agência Autoinforme, “a depreciação depende de vários fatores: do tamanho do carro, da marca, da rede de revendedores, do cuidado que a marca tem em relação ao pós-vendas, ao segmento, a origem, ao fato de ter grande volume de venda, à sua aceitação no mercado. Daí a importância do selo”, completa ele. Confira agora os 10 carro que mais se desvalorizam após um ano de uso.

Os 10 carros com pior valor de revenda

1. Citroen C3 Picasso – Desvalorização em um ano: -22,2%
2. Chery Tiggo – Desvalorização em um ano: -21,9%
3. Jac J3 Turin – Desvalorização em um ano: -21,1%
4. Hyunday Elantra – Desvalorização em um ano: -20,3%
5. Citroën C4 Lounge – Desvalorização em um ano: -20,1%
6. Chevrolet Cobalt – Desvalorização em um ano: -19,1%
7. Chery Celer Sedan – Desvalorização em um ano: -18,9%
8. Citroën Aircross – Desvalorização em um ano: -18,6%
9. BMW Série 5 – Desvalorização em um ano: -18,1%
10. Hyundai Grand Santa Fé -Desvalorização em um ano: -17,6%

mundoconectado

Acompanhe mais notícias do FN nas redes sociais: FacebookTwitterYoutube e Instagram

Entre em contato com a redação do FN:  WhatsApp (83) 99907-8550. 

E-mail: jornalismo@focandoanoticia.com.br

 

Água da Paraíba evapora e cinco dos sete principais açudes atingem seus piores níveis

Foto: Chico Martins
Foto: Chico Martins

A Paraíba perdeu 299.658.918 m3 de água em menos de um ano. Isso daria para encher quatro vezes o açude São Gonçalo, em Sousa e ainda sobraria. O Estado tem um volume de água em açudes correspondente a 17,1% de sua reserva hídrica. Cinco dos sete principais açudes do estado, atingiram o pior nível dos últimos 10 anos. São 29 localidades em colapso e mais 105 em racionamento. No sistema de Boqueirão, maior do estado, serão mais horas sem água, pois o racionamento será ampliado. Em Campina Grande sai de 60 para 84 horas por semana.

ACOMPANHE O FOCANDO A NOTÍCIA NAS REDES SOCIAIS:

FACEBOOK                TWITTER                    INSTAGRAM

Essa poder ser a pior seca dos últimos 190 anos. “Dizem os estudiosos da área que a pior seca ocorreu em 1725. Realizamos estudo do balanço hídrico e nas cidades que a água não chegaria até dezembro, prolongamos o racionamento para que atinja o próximo inverno, em março. A economia está dentro do previsto, mas é melhor sofrer um pouco agora, do que ficar sem água”, informou o diretor de operação e manutenção da Cagepa, José Mota Victor.

Bruna Vieira /Correio da Paraiba

Paraíba fica entre os 8 piores estados no ranking da qualificação de professores

EscolasDos 27 estados do Brasil, a Paraíba ocupa 20º posição no ranking dos estados onde os professores estão melhor preparados dentro de sala de aula. A cada quatro professores brasileiros, um não possui diploma de graduação. A formação dos professores de nível básico – que dão aulas para turmas do ciclo infantil, fundamental e médio – varia, ainda, de estado para estado. Na salas de aula paraibanas apenas 24,7 dos professores tem pós graduação.

64,9% dos professores da Paraíba possuem curso superior e entre estes, 50,8% atuam na área a qual se formaram. No estado vizinho, o Rio Grande Norte, 72,8% tem diploma superior e 25,8% possui pós graduação. o RN está na 14ª posição do ranking.

Enquanto no Distrito Federal 91% deles são graduados e 38,5% fizeram pós-graduação, no Maranhão só metade terminou a faculdade e menos de um quinto prosseguiu com os estudos

ACOMPANHE O FOCANDO A NOTÍCIA NAS REDES SOCIAIS:

FACEBOOK                TWITTER                    INSTAGRAM

Melhorar a formação dos professores é apenas um dos desafios que o governo deve enfrentar para tirar do papel o Plano Nacional de Educação (PNE). O documento, que completou um ano nessa quinta-feira, prevê metas a ser alcançadas na área da educação até o final de 2024.

Uma delas é que, até lá, 10% do PIB brasileiro seja destinado para programas educacionais como Fies e o ProUni, para a criação e manutenção de escolas e para a melhoria das condições de trabalho dos professores. Com o corte recente de 9,42 bilhões de reais da verba do Ministério da Educação para este ano, surgem dúvidas se todas as metas serão cumpridas até o final do prazo.

O ranking acima mostra em quais estados os professores estão mais preparados para a sala de aula. Ele foi organizado a partir dos dados de docentes com ensino superior completo começando pelos estados com os maiores percentuais.

Estão disponíveis também informações sobre professores que são pós-graduados e os que atuam na mesma área em que se formaram. Os dados, referentes a 2013, são do Ministério da Educação e aparecem no Anuário Brasileiro da Educação Básica 2015, organizado pelo movimento Todos pela Educação.

 

 

(com Exame)

Ex-prefeito de Mari é tido como um dos piores gestores para a educação

ex-prefeito Antônio GomesFoi na gestão do ex-prefeito Antônio Gomes, de 2019 a 2012, que os professores de Mari sofreram uma das maiores crises e perdas salariais de sua história. Apesar da luta sindical naquele período, o gestor foi truculento com a categoria profissional que começava a receber um piso salarial, lei federal, com reajuste anual pelo governo federal. Além das perdas salariais, os professores ainda tiveram vários direitos derrubados pela gestão passada. Veja a tabela de reajuste do piso dos profissionais:

CURTA o FOCANDO A NOTÍCIA no Facebook

TABELA DE REAJUSTE DO PISO DOS PROFESSORES  ESTABELECIDA PELO GOVERNO FEDERAL:
ANO                                    AUMENTO  DO GOVERNO                                             R$
2009                                                          19,2%                                                                  950,00
2010                                                            7,86%                                                             1.024,67
2011                                                           15,85%          10%                                          1.187,08
2012                                                          22,22%          15%                                           1.451,00   
2013                                                           7,97%          8%                                              1.567,00
2014                                                          8,32%           10%                                            1.697,00

 

De acordo com a tabela acima, percebemos que em comparação com o reajuste concedido pelo governo federal em 2011 e 2012, os professores de Mari perderam 13,07% em seus salários. Veja:  2011 o reajuste DO GOVERNO FEDERAL foi de 15,85 e o da da Prefeitura de Mari de 10%, gerando uma perda salarial de 5,85%, em 2012 o reajuste do Governo federal foi de 22,22% e o da Prefeitura de Mari 15%, gerando uma perda de 7,22%, totalizando uma perda salarial total de 13,07%. O que foi tido como imoral e ilegal pelo Sindicato dos Servidores Públicos Municipais.
Mas, o governo do ex-gestor Antônio Gomes não parou por ai. O que ele disse antes de assumir seu governo foi por terra, já que anunciou, a época, que a educação seria prioridade. Porém, além das perdas salariais, os professores de Mari perderam alguns direitos. Veja: A data-base de reajuste salarial dos profissionais da educação, que era em janeiro, foi alterada para abril, pois ele enviou projeto de lei para Câmara Municipal que aprovou transferindo-a para 1º de abril. Assim sendo, Antônio Gomes só concedia o aumento para a categoria em abril, sem retroatividade a janeiro, o que gerou mais perdas salariais, pois a categoria ficava sem receber aumento em janeiro, fevereiro e março; A carga horária, que era de 30 horas em 2011, garantindo mais estabilidade salarial, foi alterada, pois o ex-gestor Antônio Gomes modificou para 25 horas através da Lei Municipal 803\2012, prejudicando a categoria e ferindo a legislação vigente. Sem falar nos quinquênios que foram congelados, passando os servidores novatos a não recebê-los mais.
A partir dessas informações, que você pode encontrar nos arquivos do SINDSMAR (Sindicato dos Servidores Públicos Municipais de Mari), chegamos a conclusão de que Antônio Gomes foi um dos piores gestores para a educação, já que gerou inúmeras perdas salariais para os profissionais da categoria.
Comparando:
 
 Já o prefeito atual, Marcos Martins, ao assumir em 2013, concedeu um reajuste de 8% e o governo federal de 7,97%,  e em 2014, concedeu  10% e o governo federal 8,32%, superando o reajuste do governo federal, o que valorizou a categoria, que não perdeu nada, pelo contrário obteve um ganho de 1,29%. Além do mais, em gestões passadas, Marcos Martins fez aprovar a lei que concede gratificação definitiva em contracheque dos professores para quem ingressar em curso superior, curso de pós-graduação, mestrado e doutorado. Além de outros benefícios para a categoria.
  
Da redação  do blog do professor Josa

Cidade da PB tem um dos piores índices de vacinação contra Gripe no Brasil

vacinaMais de 800 mil pessoas já foram vacinadas contra a gripe este ano, na Paraíba, desde o início da campanha em abril, superando a meta estabelecida pelo Ministério da Saúde que era de 80% de cobertura vacinal. Das 850.857 pessoas que deveriam ser vacinadas, 722.817 receberam a dose da vacina, o que representa 84,95 % do total.

De acordo com os dados no site do Ministério da Saúde, o município de Cruz do Espirito Santo, localizado a 25 km de João Pessoa, apresenta um dos piores índices de vacinação do Brasil. O município só conseguiu atingir 42,53% da população.

CURTA o FOCANDO A NOTÍCIA no Facebook

A Coordenadora do Setor de Imunização do Governo do Estado, Isiane Queiroga disse que os municípios são autônomos e a Secretária de Saúde não pode intervir na vacinação.  “A campanha ainda não está encerrada, os municípios que não bateram a meta ainda tem como trabalhar estratégias para alcançar o objetivo”, ressaltou.

O grupo prioritário é formado por crianças de 6 meses a menores de 5 anos, pessoas com 60 anos ou mais, trabalhadores de saúde, povos indígenas, gestantes, mulheres com até 45 dias após o parto, população privada de liberdade, funcionários do sistema prisional e pessoas portadoras de doenças crônicas não transmissíveis.

A redação do ClickPB entrou em contato com a Secretária de Saúde do município de Cruz do Espirito Santo para saber o que houve para cidade não ter alcançado a meta, mas ninguém quis falar sobre o assunto.

 

ClickPB

De pelo a bolada na virilha: veja as piores coisas de ser homem

Foto: Getty Images
Foto: Getty Images

Mulheres vivem reclamando em quão difícil é menstruar, ter filho ou se depilar. Porém, ser homem também não é uma tarefa nada fácil. Nós enfrentamos problemas e vulnerabilidades, alguns pequenos, outros engraçados e muitos bem dolorosos. Os homens também vivem com a expectativa social de ser forte e autossuficiente o que muitas vezes é um grande desafio. Confira as 10 piores coisas de ser um homem listadas pelo site AskMen.

 

CURTA o FOCANDO A NOTÍCIA no Facebook

Pelo por todos os lados
Cabelo e pelo em todos os lugares. No pescoço, nas costas, no peito. Isso varia de acordo com o homem e às vezes pode ser atraente ou servir a um propósito. Os pelos embaixo dos braços, por exemplo, ajuda no suor. Porém, para que serve os pelos sobre os dedos ou os pequenos tufos que saem da orelha? E acordar cedo toda manhã para raspar a barba todos os dias irrita até o mais paciente dos homens às vezes.

 

Ereções aleatórias
Uma das ironias cruéis da vida é que, quando você é jovem e viril e tem ereções em qualquer momento, como na aula matemática, normalmente você ainda não consegue usufruir disso. Já quando está mais velho e experiente a probabilidade de ter relações é maior, mas também é mais comum que seu corpo não responda da forma que gostaria.

 

Testículos
É raro o momento em que um homem consegue esquecer que tem um par de bolas balançando entre as pernas. Se você possui um laptop, provavelmente. Já se perguntou se mantê-lo sobre seu colo pode cozinhar seus espermas reduzindo sua fertilidade. E você definitivamente já agonizou quando ele foi sufocado ou atingido.

 

Sexo ruim é sempre culpa do homem
Quando se trata de sexo a pressão sobre o homem é desproporcional. Para começar, é você que precisa ter ereção, o que pode ser difícil de acordo com o nível de atração, do seu conforto, saúde e sobriedade. Então, quando porque conseguimos isso, mas o sexo é ruim a culpa ainda é nossa? Mulheres podem ser ruins na cama também.

 

Ter que tomar cuidado com demonstrações de afeto
Ás vezes basta um pai andar de mãos dados com seu filho ou sua filha ou levar sua criança para passear no parque sozinho para que algumas pessoas o olhem com desconfiança. Por uma questão de cultura muitos homens acabam tendo medo de contato físico como abraçar e acariciar os próprios filhos, o que não é nada justo.

 

Camisinha
O preservativo ajuda a prevenir gravidez e doenças sexualmente transmissíveis, porém, acabam se tornando uma preocupação. E muitas vezes a responsabilidade de comprar a camisinha, abrir a embalagem e colocá-la acaba ficando para o homem.

 

Levar bota
Na maioria das vezes ainda cabe ao homem a aproximação na hora da paquera. É nossa função dar “oi” para uma estranha e correr o risco de ser desprezado. Se a curta interação no bar, na balada ou no café for ruim há grande riscos de você ainda ser chamado de “estranho”, “babaca” ou outras coisas que podem atingir o orgulho masculino diminuindo as chances dele se aproximar de outra mulher.

 

Ter que ser corajoso
A sociedade espera que você evite brigas, mantendo a calma e tentando encontrar uma resolução pacífica para um conflito. Porém, quando o valentão do bar lhe insulta ou tenta algo contra sua namorada, existe uma expectativa de que você vai abrir mão da polidez. Quando está em uma situação como essa um homem tem duas chances: brigar e ser considerado violento ou não brigar e ser considerado covarde.

 

Levar tapa na cara
Ver um homem levando um tapa na cara não é algo muito incomum. Quando as pessoas veem uma mulher batendo em um homem na rua normalmente ninguém pensa em quão péssimo é resolver uma questão dessa forma violenta, ao invés disso, costumamos pensar no que ele fez para merecer isso.

 

A dor de ser atingido na virilha
Isso acontece em uma fração de segundo e dura apenas alguns minutos, mas eles são preenchidos com uma dor insuportável, xingamentos e pensamentos perturbadores de que você nunca mais será capaz de ter filhos.

 

 

Terra

Especialistas elegem os 4 piores alimentos para mulheres

Foto: Getty Images
Foto: Getty Images

Nem todas as calorias têm o mesmo efeito no corpo. Sabemos que os alimentos frescos, frutas, legumes e proteínas magras são mais alimentos mais saudáveis, mas na hora de ir ao supermercado também ajuda saber quais devem ser evitados. Por isso, o site Fit Sugar consultou um time de especialistas para selecionar os piores alimentos para as mulheres. Confira:

 

CURTA o FOCANDO A NOTÍCIA no Facebook

Laticínios
“Esta é a primeira coisa que digo para meus pacientes pararem de comer”, afirma a nutricionista Kimberly Snyder, autora do livro The Beauty Detox Solutlon. Além de ser uma comida alergênica, Kimberly afirma que os laticínios deixam resíduos de ácido no corpo que podem enfraquecer os ossos. “A natureza não previa que os humanos fossem tomar leite de outras espécies, especialmente até a idade adulta. Isso é contra a lei da natureza, por isso causa problemas”, defende a nutricionista. Kimberly orienta seus clientes a procurar os nutrientes do leite, como o cálcio, em outros alimentos vegetais.

 

Carboidratos refinados
A nutricionista Melissa Costello, autora do Karma Chow Ultimate Cookbook, aconselha aos clientes que fiquem longe deste tipo de alimento. “Eles não fazem nada para nos alimentar nutricionalmente ou espiritualmente. Os carboidratos refinados sugam nossa energia vital, e as mulheres precisam de força e energia para lidar com os compromissos do dia a dia”, defende Melissa.

 

Alimentos açucarados
Não são apenas os doces industrializados que devem ser evitados. A adição de açúcar está em toda parte, mesmo nos alimentos que você menos espera, em produtos processados, molhos e condimentos. Por isso, a nutricionista Erin Palinski afirma que é importante evitar comidas que possam esconder açúcar lendo os rótulos. “O excesso de açúcar pode elevar os níveis de insulina, levando ao aumento de armazenamento de gordura na região abdominal. Isso também leva a níveis elevados de triglicérides, e ainda a resistência à leptina, o que pode aumentar o risco de obesidade, bem como certos tipos de câncer, como o de mama”, afirma Erin. A nutricionista aconselha o consumo de pão integral e bebidas adoçadas com açúcares naturais.

 

Alimentos com aditivos artificiais
Segundo a nutricionista Cynthia Sass, autora do livro S.A.S.S. Yourself Slim, estes aditivos são poluição para o corpo e indica o consumo de alimentos integrais. “Quando direito os alimentos fornecem nutrientes que nos mantém funcionais e preservam nossos tecidos, músculos, ossos  e células do sistema imunológico”, garante Cynthia.

 

Terra

Piores times do segundo turno, Santos e Flamengo duelam na Vila

Rafael vai tentar parar Ibson, que volta à Vila (Montagem: Editoria de Arte / Globoesporte.com)

Há quem considere Pelé, no Santos, e Zico, no Flamengo, os dois maiores camisas 10 da história do futebol nacional. O clássico interestadual já decidiu o Campeonato Brasileiro de 83, com título do Rubro-Negro. Em 2011, o duelo marcou o encontro de Neymar e Ronaldinho Gaúcho, hoje no Atlético-MG, na partida mais eletrizante da competição, com vitória carioca por 5 a 4. Também foi o jogo do gol do Prêmio Puskás, da Fifa, de mais bonito da temporada, para o craque santista. Toda a tradição deste embate, porém, ficará um pouco esquecida na partida desta quarta-feira, às 22h, na Vila Belmiro, pela 24ª rodada do Brasileirão.

Com um passado de tantas glórias no currículo, Santos e Flamengo agora lutam para escapar do rótulo de pior time do segundo turno do Brasileirão. Considerando apenas a tabela do returno, o Peixe é o 18º colocado, ao lado do Atlético-GO, e o Fla segura a lanterna, na 20ª colocação. Em quatro partidas, cada equipe conquistou apenas um ponto.

Alento para os santistas é justamente a volta de Neymar e Arouca ao time. A dupla defendia a Seleção nos amistosos contra África do Sul e China, e retorna no momento em que a equipe começa a flertar perigosamente com a zona de rebaixamento, a cinco pontos de distância.

O Flamengo ainda ostenta mais números negativos. O time carioca tem o pior ataque do segundo turno, com dois gols marcados, e a defesa mais vazada, com nove bolas na rede, ao lado do Náutico.

O GLOBOESPORTE.COM acompanha todos os lances da partida em Tempo Real, com vídeos exclusivos, a partir das 21h30m. A Rede Globo transmite a partida para os estados do Rio de Janeiro, Espírito Santo, Santa Catarina, Pernambuco (menos Caruaru), Bahia, Ceará, Paraíba, Rio Grande do Norte, Sergipe, Maranhão, Alagoas, Piauí, Distrito Federal, Mato Grosso, Mato Grosso do Sul, Pará, Amazonas, Rondônia, Acre, Roraima e Amapá, além da cidade de Belo Horizonte (MG).

header as escalações 2

Santos: com as voltas de Neymar e Arouca, o técnico Muricy Ramalho novamente mudará a escalação. Há dúvida sobre se Juan retorna para a lateral esquerda, depois de ficar fora do San-São, ou se Léo permanece. Depois de cumprir suspensão automática, o zagueiro Bruno Rodrigo deve ser novidade na defesa. Em função da atuação ruim de Pato Rodriguez no clássico, quando foi substituído no intervalo, o comandante pode deixar o argentino no banco de reservas, e promover a entrada de Gerson Magrão. Com estas dúvidas, a provável escalação do Peixe será: Rafael; Bruno Peres, Bruno Rodrigo, Durval e Léo (Juan); Adriano, Arouca, Felipe Anderson e Pato Rodriguez (Gerson Magrão); Neymar e André.

Flamengo: Dorival Júnior vai usar a décima formação diferente na 12ª partida dele à frente do Rubro-Negro. O técnico não vai poder contar com o zagueiro González e o volante Cáceres, que estão nas seleções de Chile e Paraguai, nem com Airton, vetado por conta de um problema muscular na parte posterior da coxa direita. Ramon volta à lateral esquerda após cumprir suspensão. O time que disputou o coletivo antes da viagem a Santos foi escalado da seguinte forma: Felipe, Léo Moura, Welinton, Frauches e Ramon; Muralha, Luiz Antonio, Ibson e Mattheus; Adryan e Vagner Love.
quem esta fora (Foto: arte esporte)

Santos: ninguém está suspenso. Paulo Henrique Ganso (lesão na coxa esquerda), Edu Dracena (ruptura no ligamento do joelho esquerdo), Fucile (lesão no ligamento do pé esquerdo), Henrique (pubalgia), Miralles (edema na coxa direita), Paulo Henrique (ruptura do ligamento do joelho esquerdo), Alison (lesão muscular) e Rafael Galhardo (fratura no dedinho do pé esquerdo) são todos desfalques.

Flamengo: além de González e Cáceres, que servem suas seleções, e de Airton, machucado, Dorival não pode contar com o meia Renato, que se recupera de cirurgia no joelho direito. O volante Maldonado faz fisioterapia após operação no joelho esquerdo e não joga mais nesta temporada.

header pendurados (Foto: ArteEsporte)

Santos: Bruno Peres, Durval, Edu Dracena, Felipe Anderson, Ganso, Juan, Léo e Neymar.

Flamengo: Adryan, Cáceres, Ibson, Liedson, Negueba, Renato Abreu, Thiago Medeiros, Vagner Love e Wellington Silva.

header o árbitro (Foto: ArteEsporte)

Márcio Chagas da Silva (RS) apita a partida, auxiliado por Fabrício Vilarinho da Silva (Fifa/GO) e Kleber Lucio Gil (SC). Márcio Chagas arbitrou oito jogos no Brasileirão, marcou 298 faltas (média de 37,2 por jogo), aplicou 41 amarelos (média de 5,1 por jogo), dois vermelhos (média de 0,25 por jogo) e dois pênaltis (média de 0,25 por jogo). O campeonato tem média de 4,9 amarelos, 0,29 vermelho, 36,5 faltas e 0,22 pênalti. O ártbitro apitou um jogo dos paulistas na Série A deste ano: Santos 0 x 0 Sport, pela segunda rodada.

header fique de olho 2
Santos:
de volta da Seleção depois dos amistosos contra África do Sul e China, Neymar é a maior esperança de gols do time. Artilheiro da equipe na temporada, com 33 gols em 36 partidas, o jogador é a principal atração do duelo. O craque desfalcou o time nas derrotas para Sport (2 a 1), Fluminense (3 a 1) e no empate sem gols no clássico do último domingo, contra o São Paulo.

Flamengo: desde que chegou ao clube, Dorival promove um entra-e-sai de Adryan. O meia-atacante, de 18 anos, foi titular contra o São Paulo, entrou no segundo tempo contra o Figueirense e ficou fora nos dois jogos seguintes (Náutico e Palmeiras). Depois, ficou no banco em três jogos seguidos, entrando em todos (Vasco, Botafogo e Sport). Em seguida, mais duas partidas sem ser relacionado (Inter e Ponte Preta). Contra o Coritiba, entrou no segundo tempo. Ou seja, toda vez que ficou no banco, entrou. Ele ganha nova chance como titular nesta quarta.

header o que eles disseram

Bruno Peres, lateral-direito do Santos: “Quando se trata de Santos e Flamengo, é sempre grande jogo. Independentemente da nossa situação, esperamos fazer uma grande partida. Temos que impor nosso ritmo. Com a volta de Neymar e Arouca, a equipe cresce muito, fica mais forte. Vamos fazer o possível para sair com os três pontos.”

Ramon, lateral-esquerdo do Flamengo: “Flamengo e Santos é um clássico do futebol brasileiro. Não é mais difícil ou mais fácil. Penso que esses são jogos bons de jogar. Se você vencer, ganha confiança para poder brigar lá em cima de novo. Nunca vai deixar de ser um clássico bonito de se ver.”

header números e curiosidades

* O Santos não derrota o Flamengo desde o primeiro turno do Brasileiro de 2007, quando venceu por 3 a 0 na Vila Belmiro, gols de Pedrinho, Marcos Aurélio e Kléber. Nas últimas dez partidas, todas no Brasileirão, o Fla venceu seis vezes e houve quatro empates.

* O Santos atua pela 21ª vez na Vila Belmiro este ano. Em 2012, o Peixe tem bom aproveitamento na Vila com 13 vitórias, cinco empates e apenas duas derrotas (1 a 0 para o Corinthians na Libertadores, e 3 a 1 diante do Bahia no Brasileiro). Ao todo, foram 46 gols marcados e 15 sofridos.

* Flamengo e Santos já disputaram uma final de Campeonato Brasileiro. Foi em 1983, quando o Fla conquistou seu terceiro título nacional. Na primeira partida disputada no Morumbi, no dia 22 de maio, diante de 114.481 pagantes, o Santos venceu por 2 a 1, com gols de Pita e Serginho, e Baltazar para o Fla. No jogo de volta, no dia 29 de maio, no Maracanã, o Fla venceu por 3 a 0, com gols de Zico, Leandro e Adílio. A partida registrou o maior público da história do Campeonato Brasileiro: 155.253 pessoas.

* Flamengo e Santos fazem parte de um seleto grupo das 5 equipes que nunca foram
rebaixadas na história do Campeonato Brasileiro. Além de Fla e Peixe, Cruzeiro,
Internacional e São Paulo podem se orgulhar dessa marca.

header último confronto v2

Com um time totalmente reserva, o Santos foi ao Engenhão no dia 17 de junho, pelo primeiro turno do Brasileirão, e perdeu por 1 a 0 para o Flamengo, com gol do argentino Bottinelli, de pênalti, aos 42 minutos do segundo tempo. Ibson, ex-jogador do Peixe, sofreu a penalidade de Gerson Magrão que definiu a partida.

Globoesporte.com

Efeitos da greve são piores para comércio exterior, mas alunos também sofrem

A greve dos servidores federais está prejudicando a atividade econômica brasileira, principalmente as importações e exportações. O cidadão comum sofre menos com a situação, a não ser o caso específico dos alunos de universidades e instituições de ensino federais, cujas aulas estão suspensas há mais de dois meses. A avaliação sobre os impactos das paralisações é de entidades representativas do setor privado e de porta-vozes do próprio movimento grevista. De acordo com a Confederação Nacional dos Trabalhadores do Serviço Público Federal (Condsef), atualmente 29 setores do funcionalismo estão de braços cruzados.

As greves que mais estão prejudicando a economia são as da Receita Federal e da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa). As duas áreas têm a responsabilidade de fiscalizar e liberar cargas em portos, aeroportos e regiões de fronteira do país. Com a paralisação dos funcionários, está havendo lentidão no trânsito de produtos e insumos. Os auditores fiscais da Receita estão parados desde o dia 19 de junho, e os servidores da Anvisa, desde 16 de julho.

Segundo a Associação de Comércio Exterior do Brasil (AEB), em razão das duas paralisações há atraso na chegada e partida de cargas acondicionadas em caminhões nas fronteiras do Brasil com outros países. “Estão retendo muita carga, tanto na importação quanto na exportação”, afirma Fábio Martins Faria, vice-presidente executivo da entidade. Faria cita como exemplo de localidade prejudicada a cidade de Uruguaiana (RS), que faz fronteira com a Argentina e onde fica um dos mais movimentados postos de fiscalização alfandegária do país.

Os efeitos da greve podem ser sentidos também nos portos brasileiros, em especial os de Manaus (AM), Santos (SP) e Paranaguá (PR), onde também há movimentação comercial intensa. “O pólo industrial de Manaus e a indústria farmacêutica e química em geral estão ficando desabastecidos dos insumos para fabricar seus produtos”, diz Fábio Faria. De acordo com o vice-presidente da AEB, como boa parte dessas fábricas trabalham com estoques pequenos e dinâmica  just in time, suas linhas de produção estão paradas.

Ricardo Martins, diretor de Relações Internacionais e Comércio Exterior da Federação das Indústrias do Estado de São Paulo (Fiesp), corrobora a informação de que a greve está causando carência de insumos na indústria. “Estamos pagando uma conta alta. Nossos associados relatam que estão faltando desde insumos para produzir vitaminas, na indústria farmacêutica, até matéria-prima para ração de cachorro. Quem importa tem que arcar com a armazenagem, pois o navio que está no porto não pode descarregar”, reclama.

Como paliativo, nesta semana a presidenta Dilma Rousseff editou o  Decreto n° 7.776, recomendando aos ministros de Estado providências para a continuidade dos serviços, e autorizando inclusive a substituição de funcionários federais pelos servidores das administrações estaduais.

Na opinião de Fábio Faria, a medida é insuficiente para restaurar a normalidade. “O ideal nesse caso não é transferir o serviço. O funcionário estadual não tem experiência nisso, e até agir com a mesma presteza do federal levará tempo”, acredita. Para ele, o ideal seria desburocratizar a fiscalização em caráter temporário. “Libera-se a carga, a empresa assume o compromisso de cumprir as normas, e se coloca à disposição para fiscalização posterior”, defende.

Portaria do Ministério da Saúde e resolução da Anvisa publicadas no rastro do decreto presidencial  preveem algo semelhante ao que é sugerido por Fabio Faria. Os dois documentos determinam a adoção de plano de contingência e de procedimentos simplificados enquanto durarem as paralisações.  A portaria da Saúde estabelece ainda o compartilhamento, mediante celebração de convênio, da execução das atividades com os estados e municípios. Além disso, liminares judiciais expedidas na última semana ordenaram normalidade mínima no funcionamento dos portos.

Para além da esfera empresarial, os estudantes são os mais prejudicados pela onda de greves. Paralisadas desde 17 de maio, 57 de 59 universidades federais e 34 de 38 institutos federais seguem em impasse com o governo federal. A Associação Nacional dos Docentes do Ensino Superior (Andes), principal sindicato que representa a categoria, recomendou rejeição à segunda proposta de reajustes feita pela governo, com percentuais que variam entre 25% e 40%.

O presidente da  Condsef, Josemilton Costa, reconhece que a greve causa prejuízos, mas diz não haver outra alternativa para pressionar o governo a ouvir os trabalhadores. “Esse é um constrangimento que o governo tem causado à população, prejudicada por essa atitude de não conceder reajustes”, afirma Costa.

João Maria Medeiros, presidente do Sindicato Nacional dos Servidores das Agências Nacionais de Regulação (Sinagências) – entidade que representa 10 autarquias reguladoras e o Departamento Nacional de Produção Mineral (DNPM) – afirma que os órgãos estão cumprindo a exigência legal de manter 30% do contingente trabalhando. Segundo Medeiros, tem havido um esforço para que o cidadão comum seja o menos atingido. “A Anac [Agência Nacional de Aviação Civil], por exemplo, está com a fiscalização de aeronaves suspensa, mas seus canais para atendimento ao público e reclamações estão disponíveis”, declara.

Os representantes do movimento grevista têm reunião agendada com o governo para o próximo dia 31 de julho, quando espera-se que o Ministério do Planejamento apresente proposta às categorias paralisadas. Segundo o presidente do Condsef, até lá não haverá relaxamento das paralisações. “O governo tem de apresentar proposta. Trégua sem proposta não existe, e até o momento não tivemos nada”, disse.

O secretário de Relações do Trabalho do Ministério do Planejamento, Sérgio Mendonça, credita à crise internacional a cautela do governo em abrir a carteira. “Estamos com a mesa de negociação aberta, o governo está avaliando o conjunto de reivindicações. Mas precisamos saber quanto é possível gastar em termos de pessoal em 2013, devido à gravidade da crise financeira internacional”, afirmou.

Agência Brasil

Organização divulga relatório com melhores e piores países para ser mãe

Foto: Getty Images

A ONG internacional Save the Children lançou neste mês de maio o 13º Relatório sobre o Estado Mundial das Mães em que analisa os piores e os melhores países para ser mãe. O documento leva em consideração fatores como educação, saúde, status econômico e político das mães, além do bem estar básicos dos filhos/as.

No relatório estão listados os dez melhores países para ser mãe, entre os quais estão: Noruega, Islândia, Suécia, Nova Zelândia, Dinamarca, Finlândia, Austrália, Bélgica, Irlanda e Holanda/Reino Unido. Vale observar que oito dos dez países se localizam na Europa. Outro destaque é que a Espanha, antes em 12º lugar neste ranking, caiu para a 16ª posição em 2012.

Já entre os dez piores se encontram: República Democrática do Congo, Sudão do Sul, Sudão, Chad, Eritrea, Mali, Guiné-Bissau, Iêmen, Afeganistão e Níger. Neste grupo, o destaque vai para o Afeganistão, que deixou de ser o pior país para ser mãe e passou a posição para Níger. Neste grupo, oito dos dez países listados se localizam na África subsaariana.

Save the Children destaca que na Noruega – considerado o melhor país para ser mãe – as mulheres estudam, em média, 18 anos, e tem expectativa de vida de 82 anos. 82% delas usam métodos anticonceptivos e apenas uma em cada 175 corre o risco de perder o filho antes que ele complete cinco anos. Na outra ponta, em Nìger, a situação é bem diferente. A expectativa de vida é de 56 anos, elas estudam cerca de quatro anos e apenas 5% usam métodos anticoncepcionais. Além disso, uma de cada sete crianças morre antes dos cinco anos.

A desnutrição é uma das grandes vilãs. Pelo menos um quinto dos casos de mortalidade materna e mais de um terço dos casos de mortalidade infantil são provocados pela falta de alimentação adequada. A explicação para isto, em sete dos dez piores países para ser mãe, é a intensificação de uma crise alimentar. Em Níger, segundo aponta o relatório, a vida de um milhão de crianças está em risco.

“A desnutrição é a causa profunda de mais de 2,6 milhões de mortes infantis por ano. Entre os que sobrevivem, uma de cada quatro crianças no mundo sofre desnutrição crônica, quer dizer, não tem os nutrientes que necessitam por isso seus corpos e cérebros não se desenvolvem como deveriam. Um terço das crianças na Ásia, uns 100 milhões, sofrem desnutrição crônica. Na África, quase dois de cada cinco, uns 60 milhões no total”, destaca.

Este problema não é exclusivo das crianças. As mães também sofrem desnutrição e acabam influenciando a saúde de suas crianças. Na África Subsaariana, 20% das mulheres estão excessivamente magras e na Ásia Meridional esta cifra atinge 35%. Já em alguns países em desenvolvimento, 49% das gestantes apresentam anemia, enfermidade que é uma das principais causas da mortalidade materna e pode causar partos prematuros e baixo peso nos recém-nascidos.

Em meio a este panorama, Save the Children defende veementemente o aleitamento materno como forma de proteger tantos as mães quantos os filhos, pois este ato pode salvar a vida de um milhão de crianças por ano. Para isso, é preciso mudar os atuais números: menos de 40% dos recém-nascidos em países em desenvolvimento são beneficiados com o aleitamento materno. A organização acredita que os motivos vão da falta de compromisso político até a ausência de programas concretos.

A organização recomenda também que os países priorizem a luta contra a desnutrição. Ainda para combater este mal pede a governos, doadores e agências internacionais que invistam em trabalhadores sanitários e na educação das meninas, aspectos chaves para acabar com o ciclo da desnutrição.

Especialmente aos países em desenvolvimento, a recomendação é implantar planos de nutrição integrados aos planos de saúde materno-infantil. E aos países doadores e agências internacionais, Save the Children pede o cumprimento dos compromissos de financiamento firmados para que seja possível alcançar os Objetivos do Milênio nº 4 e nº 5, relacionados à saúde materno-infantil.

Mais informações no site: http://www.savethechildren.es/

Adital