Arquivo da tag: PCC

Líder da facção criminosa PCC é preso usando identidade falsa na Paraíba, diz PM

Divulgação/Polícia Militar
Suspeito estava em carro clonado quando foi preso

Um homem de 32 anos foi preso, na noite dessa quarta-feira (3), em Campina Grande, suspeito de ser um dos líderes da facção criminosa Primeiro Comando da Capital (PCC), que foi fundada em São Paulo, mas já tem ramificações em todo o país.

 

Segundo a Polícia Militar, Naudvânio Ferreira da Silva é um dos criminosos mais procurados da Região Nordeste e tem envolvimento com casos de homicídios, roubos, tráfico de drogas, falsificação de documentos, porte ilegal de arma e vários outros crimes na Paraíba, Pernambuco e em outros estados.

De acordo com o subcomandante do 2º Batalhão, major Damasceno Bernardo, a prisão do suspeito aconteceu durante uma abordagem no Distrito Mecânico de Campina Grande. “Ele passou em um veículo pela viatura da Força Tática que fazia rondas no local e os policiais desconfiaram da atitude dele ao perceber a presença da PM. Foi feita então uma abordagem e constaram que ele estava apresentando documento pessoal falso e o veículo era clonado”, disse.

O suspeito foi levado para a Central de Polícia Civil e teve a identificação verdadeira descoberta. Ele estava com dois mandados de prisão em aberto por nove crimes, decretados pelas justiças da Paraíba e de Pernambuco. O preso é natural de Campina Grande e era um dos líderes na cidade da facção criminosa que é comandada de dentro dos presídios do Sudeste do país. Ele ficará à disposição da Justiça.

Portal Coorreio

Acompanhe mais notícias do FN nas redes sociais: FacebookTwitterYoutube e Instagram

Entre em contato com a redação do FN:  WhatsApp (83) 99907-8550. 

E-mail: jornalismo@focandoanoticia.com.br

 

Envolvimento de deputado com PCC arranha ainda mais imagem do PT

luiz moura-ptEm pleno ano eleitoral, a imagem do PT, já desgastada pelo julgamento do mensalão, que levou alguns de seus principais dirigentes à cadeia, se arranha ainda mais. Nos primeiros cinco meses de 2014, surgiram casos que ligam figuras petistas ao PCC (Primeiro Comando da Capital — facção que comanda o crime organizado de dentro dos presídios em São Paulo) e ao doleiro Alberto Youssef, preso pela Polícia Federal acusado de liderar um esquema que desviou mais de R$ 10 bilhões.

No caso mais gritante, o deputado estadual Luiz Moura (SP) foi flagrado por policiais em uma reunião com sindicalistas na garagem de uma cooperativa na qual também estavam dezoito membros da facção criminosa. A reunião foi descoberta quando Policiais do Deic (Departamento Estadual de Investigações Criminais) apuravam os ataques a ônibus na cidade. O setor de transporte é investigado pela polícia por suspeita de lavagem de dinheiro do crime organizado.

CURTA o FOCANDO A NOTÍCIA no Facebook

Tendo base política na Zona Leste da capital paulista, consolidada em grande parte com o apoio de cooperativas de perueiros, Moura é apadrinhado pelo político que mantém íntimas relações com essa categoria, o também petista Jilmar Tatto, deputado federal e atual secretário municipal de Transportes do governo Fernando Haddad.

Ex-assaltante

Antes dessa ligação com o PCC, Moura já tinha enfrentado problemas com a Justiça. Ex-assaltante, ele fugiu da cadeia em 1993 e passou os dez anos seguintes foragido, até ser levado ao PT por seu irmão, o vereador Senival Moura. Tentando minimizar o impacto, a Executiva Estadual do PT suspendeu a filiação do deputado por 60 dias.

Com isso, acabaram as chances de Moura à reeleição, já que ele não poderá participar da Convenção Estadual petista, quando o partido distribuirá legendas aos candidatos em São Paulo.

Em pronunciamento dado na semana passada na Assembleia Legislativa de São Paulo, o petista se justificou dizendo que estava na reunião da cooperativa com membros do PCC apenas para impedir a greve dos motoristas de ônibus.

— Querer me atribuir um crime dessa magnitude, me envolver com facção criminosa, é um absurdo. O que estão fazendo comigo e minha família é imoral. Pesa ainda contra o PT, nesse caso, o interesse que a cúpula do partido tinha em Moura e sua influência junto às cooperativas de transporte.

Em 2010, diversos membros do mais alto escalão doaram dinheiro para a campanha do deputado. Figuram na lista, além do padrinho Jilmar Tatto, os ministros Marta Suplicy (Cultura) e Aloizio Mercadante (Casa Civil), os ex-deputados João Paulo Cunha e José Genoino, ambos presos por sua participação no mensalão, e os deputados federais Cândido Vaccarezza, Devanir Ribeiro, Arlindo Chinaglia e Carlos Zarattini.

Outro “ilustre” doador da campanha de Moura foi o ex-presidiário Claudemir Augusto Carvalho, condenado por roubo e apontado pela polícia como um dos membros do PCC.

Patrimônio

Também chama a atenção a evolução patrimonial do petista. Em janeiro de 2005, como forma de conseguir sua reabilitação criminal, Moura assinou um atestado de pobreza no qual afirmava que não tinha condições financeiras de ressarcir a vítima do assalto que praticou em 1993. A vítima em questão é um supermercado, do qual o petista roubou R$ 2,4 mil.

Além disso, o petista apresentou declaração de Imposto de Renda de 2004 afirmando que no ano anterior teve rendimentos que somaram R$ 15,8 mil. O que equivale a ganhos de R$ 1,3 mil por mês.

Já em 2010, quando se candidatou pela primeira vez, Moura afirmou em sua declaração de bens entregue à Justiça Eleitoral possuir um patrimônio de R$ 5,1 milhões, dos quais R$ 4 milhões vinham de cotas de uma empresa de ônibus, além de cinco postos de gasolina, quatro casas e um ônibus.

 

R7