Arquivo da tag: osteoporose

Uso excessivo de omeprazol pode causar anemia, osteoporose e até demência

Omeprazol deve ser utilizado com recomendação médica Thinkstock
Omeprazol deve ser utilizado com recomendação médica
Thinkstock

Uso excessivo do remédio omeprazol pode prejudicar a absorção de minerais e vitaminas e provocar diversos problemas de saúde, como osteoporose, anemia e até demência. De acordo com especialistas ouvidos pelo R7, isso ocorre porque o medicamento inibe a produção de substâncias que auxiliam na absorção de nutrientes pelo organismo.

De acordo com o gastroenterologista do Hospital das Clínicas da USP Ricardo Barbuti, o omeprazol faz parte de um grupo de medicamentos chamados antissecretores, que reduz a produção de ácido clorídrico e traz impactos para o organismo.

— Uma das funções do ácido produzido no estômago é inibir a chegada de bactérias ao intestino, prevenindo infecções. Além disso, a mesma célula que produz o ácido clorídrico também produz uma substância chamada fator intrínseco, essencial na absorção da vitamina que B12. A deficiência dessa vitamina pode causar, no futuro, por exemplo, a demência.

CURTA o FOCANDO A NOTÍCIA no Facebook

A baixa acidez no estômago também reduz a metabolização e prejudica a retirada do ferro e do cálcio dos alimentos, alerta o gastroenterologista Rogério Toledo, membro da FBG (Federação Brasileira de Gastroenterologia).

— A falta de ferro pode levar à anemia e a de cálcio pode acarretar osteopenia ou até mesmo osteoporose.

Segundo o gastroenterologista do Hospital Leforte Eduardo Grecco é fundamental que o uso do medicamento seja prescrito e acompanhado por um profissional da área, já que seu uso indiscriminado pode acarretar efeitos colaterais.

― O omeprazol só vai ser perigoso quando o paciente utilizá-lo de forma irregular e sem acompanhamento médico. Apenas o médico saberá analisar algum possível efeito colateral e contorná-lo de forma adequada.

Quem faz uso do medicamento e tem acompanhamento médico não deve se preocupar. De acordo com o especialista da USP, cabe ao profissional de saúde monitorar tais deficiências e saber como contorná-las.

― Assim como as outras substâncias, os médicos devem monitorar a vitamina B12 e, se os níveis dela no organismo começarem a cair, ela podem ser repostas. É importante frisar que isso não contraindica o uso do medicamento, o omeprazol é muito seguro e pode ser usado a longo prazo.

Porém, vale ressaltar que a pessoa não deve se automedicar, segundo Barbuti.

― Se você toma esse medicamento e não sabe quais consequências ele vai causar no seu organismo, isso pode ser perigoso. O acompanhamento do médico é importante para monitorar essas reações e amenizá-las.

Além de não saber lidar com essas possíveis consequências, Grecco afirma que a automedicação também traz outro grande risco à saúde, já que o medicamento pode mascarar problemas mais sérios.

― A automedicação é um perigo porque, por aliviar a dor do paciente, muitas vezes, o omeprazol acaba mascarando problemas mais sérios como um câncer gástrico, fazendo com que a pessoa não investigue a fundo esse problema e não receba rapidamente o seu diagnóstico.

*Colaborou: Luiz Guilherme Sanfins, estagiário do R7

8 alimentos que previnem a osteoporose

OsteoporoseA osteoporose é provocada pela deficiência de cálcio no sistema ósseo, por esta razão é muito importante saber quais são os alimentos que podem nos ajudar a aumentar este mineral tão indispensável em nosso organismo, sobretudo para manter a saúde de nossos ossos. Entre os produtos alimentícios que podemos incluir em nossa dieta, podemos destacar os seguintes:

CURTA o FOCANDO A NOTÍCIA no Facebook

Os peixes e os mariscos

Entre os peixes e mariscos mais recomendados para prevenir a osteoporose podemos destacar as sardinhas, o atum, o peixe-galo, amêijoas, lagostim, entre outros.

Os legumes

Os legumes são ricos em cálcio, além disso podem aportar excelentes quantidades de fibras. Não obstante, é necessária a realização de uma cocção adequada.

As verduras

brocolis

 

As verduras mais importantes para prevenir a osteoporose são o espinafre, o brócolis e a acelga.

Os frutos secos

Todos os frutos secos são ricos em cálcio, mas o que mais cálcio pode aportar ao organismo são as amêndoas, porém se deve ter muito cuidado e não exagerar em seu consumo, visto que apresentam muitas calorias.

A vitamina K

alface

 

Esta vitamina é importante na produção da proteína chamada osteocalcina, que ajuda na correta mineralização óssea. Os alimentos que a contêm são a acelga, o brócolis e o alface.

A vitamina C

A vitamina C não pode faltar em nossa dieta para prevenir a osteoporose, já que ajuda a formar, manter e reparar a estrutura óssea. Os alimentos ricos nesta importante vitamina são os cítricos, os pimentões verdes e o kiwi, entre muitos outros. 

A vitamina D

A vitamina D é imprescindível para que o cálcio pode ser absorvido, não serviria de nada consumir alimentos ricos em cálcio se não consumimos a vitamina D, pois o organismo requer esse elemento. Esta vitamina está presente no atum, na cavala, nos peixes azuis, no salmão e em alguns cereais enriquecidos.

A vitamina A

cenoura

 

Esta importante vitamina ajuda a manter os ossos saudáveis e fortes. Pode-se encontrar em boas quantidades nas cenouras e em todas as frutas e verduras de cor alaranjada e amarela.

Recomendações adicionais

  • Deve-se evitar o consumo excessivo de sal, posto que ele pode aumentar a perda de cálcio por meio da urina.
  • É muito importante manter uma dieta balanceada, isto é, temos que procurar consumir alimentos controlando e verificando os aportes calóricos que cada um deles oferece ao organismo, dessa maneira, poderemos evitar o aumento de peso, algo que também pode afetar a saúde dos ossos.
  • Deve-se evitar o consumo excessivo de alimentos ricos em fósforo e proteínas, os quais, ainda que sejam importantes na formação e na saúde dos ossos, se consumidos em quantidades exageradas podem provocar grandes perdas deste importante mineral.

 

melhorcomsaude

Falta de sol pode provocar doenças cardiovasculares, osteoporose e câncer

Quem pensa que o sol só serve para deixar a pele com belo bronzeado está enganado. Ele é essencial à saúde e pode evitar diversas doenças, como raquitismo, em crianças, e osteoporose, em adultos. E a lista não para aí. Em longo prazo, a falta ou a deficiência de vitamina D (proveniente do banho de sol) poderá provocar doenças cardiovasculares, diabetes e até câncer.

Segundo Marise Lazaretti Castro da SBEM (Sociedade Brasileira de Endocrinologia) e chefe de doenças metabólicas da Unifesp (Universidade de São Paulo), a vitamina D atua principalmente na saúde dos ossos e também na força muscular.

CURTA o FOCANDO A NOTÍCIA no Facebook

A falta ou deficiência de vitamina D pode provocar raquitismo em crianças e, no adulto, o aumento do risco de osteoporose e consequentemente maior risco de fraturas. Em longo prazo, a baixa deste nutriente aumenta o risco de câncer de cólon, mama e próstata, doenças cardiovasculares, como hipertensão, diabetes. Há estudos que também ligam a vitamina D à artrite reumatoide e esclerose múltipla, mas não há relação de causa e efeito.

Pesquisa recente realizada pela Unifesp mostra que, em São Paulo, 40% dos adultos e jovens estão com índice de vitamina D no corpo abaixo do valor considerado ideal. Já nos idosos, este número chega a 80%. E para aqueles que moram em casas de repouso, 80% tem falta ou deficiência. Segundo a médica, isso é reflexo da “falta de oportunidade das pessoas em poder viver ao ar livre”.

1cnza0mhxj_2154vp6fxp_file.jpg

— Como a vitamina D é produzida na pele com os raios de sol é necessário tomar banho de sol. E as dermatologistas vão achar ruim, mas para esse banho de sol deve ser sem filtro solar. Dez minutos por dia, com o sol mais forte, ou seja, entre 10h e 15h, são suficientes para repor.

Atenção, a regra de tomar sol todos os dias não vale para determinados grupos de risco, explica Marise.

— Pessoas em tratamento para osteoporose e que passaram por cirurgia bariátrica devem tomar cuidado porque a vitamina não é absolvida adequadamente. Outros dois grupos de risco são: pessoas que usam anti convulsante [por causa de crise de epilepsia] e quem sofre com câncer de pele. Estas pessoas precisam tomar suplemento.

O especialista em medicina preventiva e longevidade Fábio Cardoso explica a vitamina D também está presente em alimentos, principalmente peixes de água fria, mas a quantidade não é suficiente.

— Mas a quantidade é pequena e seria suficiente para fornecer apenas 20% das necessidades diárias. Além disso, estudos mostram que, nos últimos 30 anos, a concentração de nutrientes das frutas e vegetais caiu em torno de 50%. Isso acontece também com as carnes de animais que ingerimos, ricas em hormônios e cada vez menos nutritivas.

Sintomas e reposição

Apesar de alguns sintomas da falta de vitamina serem dor no corpo, fraqueza e desânimo, Marise explica que apenas um exame poderá dizer se o paciente tem ou não falta deste micronutriente.

— Mas basta a pessoa se fazer algumas perguntas: eu tomo sol todos os dias? Quanto tempo eu fico no sol? Estou com ou sem filtro? Quanto mais escura o tom de pele, mais difícil de adquirir vitamina. Vale destacar que a alimentação não traz suplementação deste nutriente.

Para quem está com falta ou deficiência de vitamina D, a alternativa é o suplemento, porém, esta reposição deverá ser acompanhada por um profissional, explica Marise.

— O ideal é a pessoa não se automedicar, mas procurar um profissional. Já vi casos de intoxicação por suplemento. No longo prazo, o excesso pode aumentar níveis de cálcio no sangue e a pessoa pode ter náuseas, vômitos, urinar muito e desidratação.

Importância dos micronutrientes

Além da vitamina D, é necessário cuidar também da reposição de outras vitaminas e também minerais. Valéria Goulart professora de nutrologia da Unifesp e membro da Abran (Associação Brasileira de Nutrologia) afirma que estes micronutrientes são muito importantes para a manutenção da função metabólica do corpo. Dados da OMS (Organização Mundial de Saúde) apontam que mais de dois bilhões de pessoas têm deficiências destes micronutrientes no organismo.

— O diagnóstico é muito difícil, mas os sintomas mais comuns são: dificuldades de memorização e aprendizado, queda de cabelo, unhas quebradiças, cansaço, baixa residência a doenças, falta de apetite, apatia, sonolência, mau humor e até irritabilidade.

No Brasil, a alimentação pouco saudável dos brasileiros tem reduzido a reposição de vitaminas e minerais do organismo, segundo analisa a médica. Segundo ela, cada vez mais, a população investe em alimentos fast food, rica em carboidratos e pobre em proteínas.

— Alimentação saudável com prato colorido é o ideal para repor a quantidade adequada de vitaminas e minerais. O ideal é ter legumes um de cada cor, por exemplo, batata, cenoura, tomate, além do arroz, feijão e proteínas, como a carne, de preferência magra.

180 Graus

 

Sete maneiras de prevenir a osteoporose

osteoporoseUma em cada três mulheres acima de 50 anos terá osteoporose, segundo a Fundação Internacional da Osteoporose (IOF, na sigla em inglês). Entre os homens, o índice é de um em cinco. A doença atinge 10 milhões de brasileiros e, de acordo com a IOF, deve crescer 32% até 2050 no país.

Essa moléstia que deixa ossos mais frágeis e porosos, suscetíveis a fraturas — principalmente do quadril, costela e colo do fêmur — progride aos poucos e é incurável. Como a doença não dá sinais, ela costuma ser diagnosticada somente em fase avançada. “A única real manifestação da osteoporose é a fratura”, diz Ari Halpern, reumatologista do Hospital Israelita Albert Einstein, em São Paulo.

CURTA o FOCANDO A NOTÍCIA no Facebook

A fratura do fêmur é a complicação mais ameaçadora da enfermidade. “De 40 a 50% dos pacientes que sofrem essa fratura morrem até um ano depois do acidente por causa das complicações decorrentes da falta de mobilidade, como pneumonia, trombose e escaras”, diz o ortopedista Marco Aurélio Neves, ortopedista da Rede de Hospitais São Camilo de São Paulo. “O melhor remédio é impedir que a doença se manifeste.”

Segundo a Organização Mundial de Saúde (OMS), os principais fatores de risco para fratura relacionadas à osteoporose são baixa densidade mineral óssea, índice de massa corporal (IMC) inferior a 19, fratura prévia por fragilidade óssea (quando a quebra é ocasionada por uma pequena queda), uso de corticoides por mais de três meses, histórico familiar de fratura do quadril, tabagismo, consumo excessivo de álcool e artrite reumatoide.

 

As mulheres são mais acometidas pela doença do que homens principalmente porque, depois da menopausa, o hormônio feminino estrogênio, importante para a fixação do cálcio no osso, sofre uma queda brusca. Sem essa proteção, a perda de massa óssea se acelera e, quando atinge 25% do esqueleto, a osteoporose se instala. No caso do sexo masculino, a baixa da testosterona, também importante para a fixação do cálcio, é gradativa e afeta de maneira mais branda a saúde óssea — isto é, o homem é menos refém da testosterona que a mulher do estrogênio. “A doença costuma aparecer em homens após os 70 anos, mais tarde do que em mulheres”, diz Neves.

 

Veja

Gordura da barriga aumenta risco de osteoporose em homens

gorduraA gordura da barriga – localizada da cavidade abdominal – tem sido associada com doenças como diabetes tipo 2, doença cardíaca e até morte precoce. Agora, um novo estudo mostra que a gordura abdominal também pode ser um fator de risco para a osteoporose, pelo menos para os homens.

Pesquisadores de Harvard encontraram uma associação entre a maior quantidade de gordura da barriga e a diminuição da força óssea em homens, de acordo com um estudo apresentado na reunião anual da Sociedade Radiológica da América do Norte. Pesquisas anteriores também já haviam chamado atenção para uma associação entre a gordura da barriga e a diminuição da densidade mineral óssea em mulheres.

CURTA o FOCANDO A NOTÍCIA no Facebook
“É importante para o homem estar ciente de que o excesso de gordura da barriga não é apenas um fator de risco para doenças cardíacas e diabetes, também é um fator de risco para a perda óssea”, afirma o reumatologista Sergio Bontempi Lanzotti, (CRM-SP 60.377), idealizador da VI Caminhada de Combate à Osteoporose.

O estudo incluiu 35 homens com idade média de 34 anos. O IMC médio foi de 36,5. Os participantes do estudo foram submetidos a tomografia computadorizada de abdômen e coxas, de modo que os pesquisadores puderam ver a quantidade de gordura e massa muscular que eles tinham. A resistência óssea e o risco de fratura dos ossos foram também calculados por análise de elemento finito, técnica utilizada para calcular o ponto onde outros materiais (tais como os de pontes, etc) podem quebrar ou dobrar.

Os pesquisadores descobriram que nem o IMC e nem a idade tiveram qualquer efeito sobre testes de força dos ossos, mas a quantidade de gordura da barriga fez diferença, com mais gordura na barriga, um homem obtém uma menor pontuação em medidas de força dos ossos. Os pesquisadores também encontraram uma associação entre ter mais massa muscular e o aumento da resistência óssea.

Outros estudos também têm sugerido uma ligação entre a gordura e a saúde dos ossos. Um estudo de 2007, publicado no American Journal of Clinical Nutrition, mostra que pessoas com gordura corporal elevada têm ossos mais fracos em comparação com pessoas com quantidades normais de gordura corporal. O estudo também mostrou que tanto aqueles com valores de gordura mais elevados e os que apresentavam um índice normal de gordura corporal tinham resistência óssea semelhante. Inicialmente, os pesquisadores esperavam que as pessoas com mais gordura corporal teriam maior força óssea.

Da mesma forma, um estudo de 2007, publicado no the Journal of Clinical Endocrinology and Metabolism, mostrou que o aumento de gordura corporal está relacionada com menor massa óssea. Os pesquisadores revelaram que o pensamento anterior de que a obesidade pode realmente aumentar a massa óssea, servindo, assim, como um fator de proteção contra a osteoporose, é falho, pois não leva em conta o quanto o peso de uma pessoa pode influir sobre a sua massa óssea.

Osteoporose é coisa de homem também

“Nas mulheres, a osteoporose é diagnosticada bem mais cedo do que em relação aos homens. Geralmente, elas ficam sabendo da doença quando entram na menopausa. Já eles, são mais acometidos por volta dos sessenta e cinco anos, quando a doença atinge um em cada oito. Nos homens, a osteoporose está associada a inflamações crônicas e distúrbios renais. Por isso, uma das pistas para investigar se o esqueleto masculino está perdendo massa óssea é saber se o paciente sofre de artrite reumatoide”, explica Sergio Bontempi.

O acompanhamento médico apropriado seria o suficiente para impedir o aparecimento e a evolução da osteoporose, mas os homens não têm o costume de fazer exames preventivos. O exame básico para diagnóstico e controle da osteoporose é a densitometria óssea. “O procedimento é rápido e simples, além de conseguir detectar níveis iniciais da doença, permite verificar a perda de massa óssea e determinar os riscos de fratura nos ossos comprometidos”, observa o diretor do Iredo.

Em geral, costuma-se pedir a primeira densitometria óssea quando a mulher completa quarenta anos, para observação de massa óssea e/ou para fazer o diagnóstico precoce da doença. “Para os homens, a recomendação é fazer o exame, logo após completarem sessenta e cinco anos”, diz o organizador da VI Caminhada de Combate à Osteoporose.

Assessoria

Mais de 30% das mulheres terão osteoporose após a menopausa, diz estudo

Uma em cada três brasileiras vai desenvolver osteoporose, doença que enfraquece os ossos, após a menopausa, aponta estudo da Associação Brasileira de Avaliação Óssea e Osteometabolismo (Abrasso). Apesar do alto percentual entre a população feminina, apenas 39% das mulheres com mais de 45 anos já fizeram algum exame para detectar a doença. Para reforçar a necessidade de prevenção e do diagnóstico precoce, a associação promoveu nesse sábado (20), no Dia Mundial de Combate à Osteoporose, a campanha nacional Seja Firme Forte.

A costureira Maria Bueno Dedin, de 69 anos, descobriu a doença há apenas cinco anos, quando fez a primeira densitometria óssea. “Descobri em um exame de rotina. Nunca senti nenhuma dor que indicasse a doença. Agora faço o exame todo ano para acompanhar”, disse. Com tratamento à base de remédios, ela conseguiu estabilizar a perda de massa óssea que caracteriza a osteoporose. Assim como a costureira, cerca de 50% das mulheres fazem o exame tardiamente, somente entre 51 e 60 anos, quando o ideal seria logo após o início da menopausa, aponta a associação.

Maria Bueno passou pela Estação Liberdade do metrô, na manhã de ontem (19), onde a equipe da campanha distribuía cartilhas e orientava a população sobre medidas de prevenção à osteoporose. Ações como esta serão feitas pela Abrasso até amanhã (21) em pontos de grande circulação da capital paulista, como estações de metrô e parques públicos.

Cerca de 10 milhões de brasileiros sofrem com o problema, de acordo com a associação. As cartilhas também serão distribuídas em Minas Gerais, no Paraná, Rio de Janeiro e Distrito Federal.

Nas atividades também haverá o cadastramento de mulheres com mais de 65 anos que nunca tenham feito uma densitometria óssea, exame que mede a densidade mineral óssea e a compara com padrões para idade e sexo . Elas poderão fazer o exame gratuitamente na clínica médica Casa Branca, que integra a campanha na capital paulista.

Até 3 mil mulheres paulistas, durante os meses de novembro a janeiro, devem ser atendidas pela iniciativa. “Nessa faixa etária ainda existem muitas mulheres que não fizeram o exame”, disse Vinícius Finardi, coordenador de atendimento ao cliente da clínica.

Levantamento feito pela Abrasso mostra que dos 1.717 equipamentos para o exame em funcionamento atualmente, apenas 367 estão no Sistema Único de Saúde (SUS). Também há grande disparidade do ponto de vista regional, já que a maior parte dos aparelhos, 1.222 do total, está localizada nas regiões Sul e Sudeste.

Entre a população masculina com mais de 65 anos, a frequência da osteoporose é apenas 10%. A proporção é dez mulheres para cada homem com a doença. Eles, no entanto, também não devem descuidar das medidas de prevenção, alerta a associação. O aposentado João Rodrigues, de 82 anos, por exemplo, nunca fez um exame para verificar a saúde dos ossos. “Eu nunca senti nada e o médico também nunca pediu”, disse.

Rodrigues acredita que se protege da doença ao consumir dois copos de leite por dia. Mas a quantidade necessária de consumo de leite e derivados, de acordo com a Organização Mundial da Saúde (OMS), é maior: tem que ser pelo menos três porções diárias. A pesquisa da Abrasso, que entrevistou 2 mil brasileiras, mostra que o engano é cometido por seis em cada dez mulheres. Elas acham que apenas um copo de leite por dia é suficiente para prevenir a osteoporose.

A Abrasso aponta que 90% das mulheres não consomem a quantidade de cálcio recomendada. A prevenção deve começar na infância, por meio de uma alimentação equilibrada e rica em cálcio, presente, principalmente, em leite e derivados. Por ser uma doença que não causa dor, muitas vezes o diagnóstico é feito somente após a primeira fratura, provocada pela fragilidade dos ossos.

A estudante universitária Hellen da Silva Sabo, de 19 anos, ainda deverá atingir o seu pico de massa óssea, que ocorre por volta dos 30 anos, mas ela sabe que são as atitudes assumidas agora que irão garantir a saúde de sua estrutura óssea no futuro. “Sempre gostei muito de leite, sempre como alimentos que possuem proteína, cálcio”, diz. Além da alimentação, a estudante pratica atividade física regularmente.

Camila Maciel/Repórter da Agência Brasil
Focando a Notícia

Brasileiras devem aumentar consumo de leite para prevenir osteoporose

Estudo mostra que menos de 20% das mulheres com mais de 45 anos consomem as três porções de leite e derivados recomendadas diariamente

Seis em cada dez brasileiras acreditam que apenas um copo de leite por dia é suficiente para prevenir a osteoporose, aponta pesquisa divulgada na quarta-feira (17), pela Associação Brasileira de Avalição Óssea e Osteometabolismo (Abrasso). Mas a quantidade necessária de consumo de leite e derivados, de acordo com a Organização Mundial da Saúde (OMS), é maior: tem que ser pelo menos três porções diárias.

Blog da Saúde O cálcio presente nesses alimentos previne a perda de massa óssea que caracteriza a osteoporose, conhecida como doença dos ossos porosos

  • O cálcio presente nesses alimentos previne a perda de massa óssea que caracteriza a osteoporose, conhecida como doença dos ossos porosos

O levantamento da Abrasso, que avalia o nível de informação da população sobre a doença, mostra que houve avanço no conhecimento sobre a osteoporose, mas as medidas de prevenção ainda não são adotadas como deveriam.

O estudo mostra que menos de 20% das mulheres com mais de 45 anos consomem as três porções de leite e derivados recomendadas diariamente. Entre as que têm menos de 45 anos, o percentual não chega a 10%. O cálcio presente nesses alimentos previne a perda de massa óssea que caracteriza a osteoporose, conhecida como doença dos ossos porosos.

A pesquisa da Abrasso aponta que 70% das mulheres com mais de 45 anos desconhecem a necessidade de cuidados desde a infância. “Essa ação deveria ser pensada como política pública para ampliar a prevenção à doença, tendo em vista que hábitos adquiridos na infância costumam ser adotados por toda a vida”, defende Marcelo Pinheiro. Ele explica que o pico ósseo ocorre por volta dos 30 anos, quando, a partir de então, há uma perda óssea natural.

Outro resultado que preocupa os especialistas é que quase a totalidade das entrevistadas, 96%, associa a doença à dor, fazendo com que muitas dessas mulheres façam exames diagnósticos tardiamente.

Apenas 39% das mulheres com mais de 45 anos lembram de ter feito o exame de densitometria óssea (aparelho que diagnostica a doença) alguma vez na vida. A maior parte dessas mulheres (89%) também não relaciona a menopausa como fator de risco para a osteoporose.

Depoimento

Agência Brasil Lucy conta que nunca atentou para os cuidados com os ossos na juventude. “Fazia atividade física quando dava”, destaca como uma das medida que poderiam ter ajudado a prevenir a osteoporose

  • Lucy conta que nunca atentou para os cuidados com os ossos na juventude. “Fazia atividade física quando dava”, destaca como uma das medida que poderiam ter ajudado a prevenir a osteoporose

A aposentada Lucy Caldonazzi, de 90 anos, convive há 17 anos com a doença e, só depois do diagnóstico, passou a se preocupar com um consumo adequado de produtos que contêm cálcio. “Agora, como bastante leite, queijo e iogurte”, disse.

Lucy conta que, apesar de ter trabalhado como massagista com especialidade em coluna, nunca atentou para os cuidados com os ossos na juventude. “Fazia atividade física quando dava”, destaca como uma das medida que poderiam ter ajudado a prevenir a osteoporose. Dentre as entrevistadas pela pesquisa, 72% das que têm mais de 45 anos são sedentárias.

Medidas

Dentre as medidas que seriam necessárias estão: a ampliação do acesso ao exame de densitometria óssea e uma melhor qualificação dos médicos para o diagnóstico precoce da doença. Outro levantamento da Abrasso mostra que dos 1.717 equipamentos para o exame em funcionamento, atualmente, apenas 367 estão Sistema Único de Saúde (SUS). Também há grande disparidade do ponto de vista regional, já que a maior parte dos aparelhos, 1.222 do total, está localizada nas regiões Sul e Sudeste.

De acordo com a Internacional Osteoporosis Foudation (IOF), as fraturas em decorrência da osteoporose devem crescer 32% até 2050, considerando o processo de envelhecimento da população brasileira.

Portal Brasil