Arquivo da tag: Oi

Claro, Vivo e Oi fecham acordo para comprar TIM

timAs operadoras Claro e Vivo fecharam acordo com o banco BTG Pactual para, junto com a Oi, comprar a TIM Brasil, a segunda maior empresa do mercado brasileira, e reparti-la em três.

O valor não está fechado, mas pode chegar a R$ 31,5 bilhões, o maior negócio no setor no país. São cerca de R$ 30 bilhões, mais um prêmio de 5% pago aos acionistas, incluindo minoritários.

CURTA o FOCANDO A NOTÍCIA no Facebook

A Folha apurou que será feita uma oferta aberta aos acionistas da Telecom Italia, dona da TIM Brasil, que decidirão em assembleia.

Os principais acionistas, como a francesa Vivendi, tendem a aceitar. Ainda não está definido o que acontece com os clientes.

A entrega da proposta está condicionada à venda, por parte da Oi, da Portugal Telecom (PT) em Portugal, um negócio que deve ser fechado na próxima semana.

Segundo apurou a reportagem, cinco são os interessados. Entre eles estão duas operadoras –a francesa Altice é uma delas– e três fundos de investimento.

O valor dessa transação será de cerca de € 7 bilhões (R$ 22 bilhões), já descontando a dívida e incluindo um prêmio pelo controle. Com o dinheiro, a Oi reduzirá seu endividamento para bancar sua parte na oferta pela TIM.

Uol

Telefonia: Apenas em João Pessoa, Oi já ultrapassa mil reclamações no Procon

A facilidade em adquirir aparelhos celulares e chips de operadoras de telefonia móvel teve como consequência um volume gigantesco de queixas junto aos órgãos de defesa do consumidor. De acordo com o coordenador geral do Procon-JP, Marcos André de Araújo, desde a instalação do Sistema Nacional de Informações de Defesa do Consumidor (Sindec) em João Pessoa, no ano de 2009, a telefonia lidera o ranking de reclamações na capital do Estado.

“As empresas nem sempre trabalham com capacidade operacional adequada para prestar os serviços. Isso  gera boa parte dos problemas na relação de consumo, principalmente devido ao fato de todos possuírem um aparelho celular, as vezes mais de um chip”, frisou.

Conforme levantamento, até 11 de dezembro, a Oi móvel recebeu 765 reclamações, o que representa 7,22% de todas as queixas do Procon em João Pessoa. A principal queixa contra a empresa é a cobrança indevida, seguida por problemas no acesso ao serviço e cláusulas abusivas no contrato. Além disso, o Oi fixo teve outras 303 reclamações.

No final de maio, o Procon municipal, juntamente com o Ministério Público, assinou um Termo de Ajustamento de Conduta (TAC) com a Oi Paraíba para ressarcir consumidores prejudicados pelo mau funcionamento do serviço. No acordo, a empresa de telefonia devolveu R$ 15 milhões em créditos aos consumidores e teve, até o fim deste ano, para investir R$ 78 milhões na melhoria da rede de cobertura.

Outra ação no setor de telefonia foi a aplicação de multas que totalizam mais de R$ 1,3 milhão contra as operadoras Claro, TIM e Vivo em julho por propaganda enganosa de planos que prometiam ligações ilimitadas. Foram aplicadas multas de R$ 500 mil para a TIM, R$ 500 mil para a Claro e R$ 350 mil a Vivo.

Com a suspensão temporária da venda de chips da empresa de telefonia TIM na Paraíba pela Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel), o Procon-JP fiscalizou as lojas da empresa na Capital para garantir o cumprimento da determinação. Já em outubro, a operadora foi novamente autuada,  desta vez por causa da má prestação de serviço prestada aos consumidores. Em novembro, TIM e Oi foram notificadas para prestar esclarecimentos sobre novas panes nas ligações.

Confira o ranking das reclamações da telefonia em 2012:

1º – Oi móvel 765

2º – Claro 426

3º – Oi fixo 303

4º – Tim 181

5º – Vivo 88

clickpb

TIM e Oi entram em pane na Paraíba e são notificadas pelo Procon estadual

As empresas de telefonia móvel Oi e TIM confirmaram através de nota oficial, uma pane ocorrida durante duas horas, entre 13h e 15h01, dessa terça-feira (27). Durante esse período os usuários das empresas ficam incomunicáveis. Em virtude do problema, o Procon estadual da Paraíba notificou as duas operadores e marcou uma reunião para próxima quinta-feira (29) com os dirigentes das empresas para que sejam apresentadas as explicações sobre os problemas ocorridos.

Duas operadoras informaram que o problema foi provocado por causa do rompimento de cabos de fibras óticas. Segundo a TIM, ‘seus clientes encontraram dificuldades na utilização dos serviços de voz e dados, devido ao rompimento de cabos de fibra óptica na rede do provedor. Equipes técnicas da operadora trabalharam em conjunto com os fornecedores, restabelecendo os serviços’.

De acordo com Secretaria de Comunicação do Estado (Secom-PB), representantes da Oi compareceram pessoalmente ao órgão e informaram que tanto os problemas apresentados no final de semana quanto hoje (27), estão relacionados ao rompimento de cabos de fibra ótica da empresa. No primeiro caso foi registrado em Pernambuco e o segundo no município de Mamanguape.

De acordo com relatos de paraibanos nas redes sociais (twitter e facebook), o problema também atingiu o serviço de internet. Relatos de usuários informaram que a pane atingiu o serviço dos bancos do Brasil, Caixa Econômica Federal e Nordeste. Empresas privadas e o INSS ficaram fora o ar.

A secretária executiva do Procon-PB, Klébia Ludgério, ressaltou que “O consumidor paraibanos não pode ficar desamparado diante dos problemas recorrentes na telefonia móvel. Já convocamos as empresas, mas também é importante que os consumidores prejudicados oficializem suas reclamações no órgão de defesa do consumidor mais próximo para que assim tenhamos mais subsídios para aplicar as penalidades cabíveis”.

Hyldo Pereira, com Secom PB

Oi publica lista de cidades paraibanas com orelhões que ligam de graça

A operadora Oi publicou em seu site a lista de cidades paraibanas onde os orelhões mantidos pela concessionária já deixaram de fazer cobrança por ligações locais.  São 141 municípios da Paraíba que recebem a gratuidade pelo menos até o próximo dia 30 de outubro.

Veja as cidades paraibanas:

1.    ALAGOA GRANDE
2.    ALAGOA NOVA
3.    ALCANTIL
4.    ALGODAO DE JANDAIRA
5.    AMPARO
6.    ARARA
7.    AREIA
8.    AREIA DE BARAÚNAS
9.    AREIAL
10.    AROEIRAS
11.    ASSUNÇÃO
12.    BANANEIRAS
13.    BARAÚNA
14.    BARRA DE SANTA ROSA
15.    BARRA DE SANTANA
16.    BARRA DE SAO MIGUEL
17.    BERNARDINO BATISTA
18.    BOA VENTURA
19.    BOA VISTA
20.    BOM JESUS
21.    BOM SUCESSO
22.    BONITO DE SANTA FÉ
23.    BOQUEIRÃO
24.    BREJO DO CRUZ
25.    BREJO DOS SANTOS
26.    CABACEIRAS
27.    CACHOEIRA DOS ÍNDIOS
28.    CACIMBA DE AREIA
29.    CACIMBA DE DENTRO
30.    CAJAZEIRINHAS
31.    CALDAS BRANDÃO
32.    CAMALAÚ
33.    CAMPINA GRANDE
34.    CAPIM
35.    CARAUBAS
36.    CASSERENGUE
37.    CATURITE
38.    CONDADO
39.    CONGO
40.    COXIXOLA
41.    CUBATI
42.    CUITÉ DE MAMANGUAPE
43.    CUITEGI
44.    CURRAL DE CIMA
45.    CURRAL VELHO
46.    DAMIÃO
47.    DONA INÊS
48.    DUAS ESTRADAS
49.    ESPERANÇA
50.    FAGUNDES
51.    FREI MARTINHO
52.    GADO BRAVO
53.    GURINHÉM
54.    GURJÃO
55.    BIARA
56.    IGARACY
57.    IMACULADA
58.    INGÁ
59.    ITAPORANGA
60.    ITATUBA
61.    JACARAÚ
62.    JERICÓ
63.    JUAZEIRINHO
64.    LAGOA
65.    LAGOA SECA
66.    LASTRO
67.    LIVRAMENTO
68.    LUCENA
69.    MARCAÇÃO
70.    MASSARANDUBA
71.    MATINHAS
72.    MATO GROSSO
73.    MATUREIA
74.    MONTADAS
75.    MONTE HOREBE
76.    MONTEIRO
77.    MULUNGU
78.    NOVA PALMEIRA
79.    OLIVEDOS
80.    OURO VELHO
81.    PARARI
82.    PASSAGEM
83.    PEDRA BRANCA
84.    PEDRAS DE FOGO
85.    PEDRO RÉGIS
86.    PICUÍ
87.    PILAR
88.    PILÕEZINHOS
89.    PIRPIRITUBA
90.    POCINHOS
91.    POÇO DANTAS
92.    PRATA
93.    QUEIMADAS
94.    RIACHÃO
95.    RIACHÃO DO BACAMARTE
96.    RIACHÃO DO POCO
97.    RIACHO DE SANTO ANTÔNIO
98.    SALGADINHO
99.    SANTA CECÍLIA
100.    SANTA CRUZ
101.    SANTA HELENA
102.    SANTA INES
103.    SANTA TERESINHA
104.    SANTANA DE MANGUEIRA
105.    SANTANA DOS GARROTES
106.    SANTARÉM
107.    SANTO ANDRÉ
108.    SÃO BENTO
109.    SÃO DOMINGOS DE POMBAL
110.    SÃO DOMINGOS DO CARIRI
111.    SÃO FRANCISCO
112.    SÃO JOÃO DO CARIRI
113.    SÃO JOÃO DO TIGRE
114.    SÃO JOSÉ DE CAIANA
115.    SÃO JOSÉ DE PRINCESA
116.    SÃO JOSÉ DO BONFIM
117.    SÃO JOSÉ DO BREJO DO CRUZ
118.    SÃO JOSÉ DO SABUGI
119.    SÃO JOSÉ DOS CORDEIROS
120.    SÃO JOSÉ DOS RAMOS
121.    SÃO MIGUEL DE TAIPU
122.    SÃO SEBASTIAO DE LAGOA DE ROCA
123.    SÃO SEBASTIAO DO UMBUZEIRO
124.    SAPÉ
125.    SERIDÓ
126.    SERRA DA RAIZ
127.    SERRA GRANDE
128.    SERRA REDONDA
129.    SERTÃOZINHO
130.    SOLÂNEA
131.    SOLEDADE
132.    SOSSEGO
133.    SUMÉ
134.    TAPEROÁ
135.    TEIXEIRA
136.    TENÓRIO
137.    TRIUNFO
138.    UMBUZEIRO
139.    VIEIRÓPOLIS
140.    VISTA SERRANA
141.    ZABELÊ

Para voltar a cobrar pelas ligações após essas datas, a empresa terá de garantir, conforme o município, o funcionamento de pelo menos 90% dos aparelhos (ou 95% onde não há serviço individual de telefonia)  ou ainda cumprir a proporção mínima de aparelhos por habitante. Em 446 municípios, a Oi terá de se adequar às duas metas.

CONFIRA A LISTA DOS MUNICÍPIOS DO BRASIL

A empresa foi multada pela Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel ), por não cumprir os objetivos do Plano de Revitalização da Telefonia de Uso Público. No último dia 24, a Anatel e a Oi ajustaram um acordo que prevê a gratuidade desse tipo de ligação em cerca de 2.000 municípios do país. De acordo com a Anatel, a medida irá beneficiar cerca de 29% da população brasileira.

Na quinta-feira (30) venceu o prazo para a Oi efetivar as ligações gratuitas em pelo menos 90% dessas localidades. Para obter a gratuidade, o usuário não precisará usar cartão. Basta apenas digitar o número do telefone fixo.

As ligações grátis deverão ser mantidas até pelo menos o final de 2012 em 742 municípios com densidade de orelhões abaixo da meta de quatro aparelhos a cada 1.000 habitantes. Nos demais 1.278 municípios que registraram as piores condições de funcionamento dos orelhões, o prazo da gratuidade vai pelo menos até o próximo dia 30 de outubro.

Para voltar a cobrar pelas ligações após essas datas, a empresa terá de garantir, conforme o município, o funcionamento de pelo menos 90% dos aparelhos (ou 95% onde não há serviço individual de telefonia)  ou ainda cumprir a proporção mínima de aparelhos por habitante. Em 446 municípios, a Oi terá de se adequar às duas metas.

Procurada pela Agência Brasil, a Oi informou, por meio de nota, que opera mais de 700 mil orelhões em cerca de 4 mil municípios brasileiros. Segundo a empresa, o cronograma de melhorias dos telefones públicos foi prejudicado pelo atraso na entrega de equipamentos por fornecedores e intempéries climáticas.

“A Oi optou por uma forma de compensação pública e voluntariamente ofereceu gratuidade no uso de orelhões [em ligações locais para telefones fixos] nos municípios que não puderam ser atendidos no prazo acordado, como forma de reparação aos usuários dessas localidades”, diz a nota. A Oi informa ainda que 252 mil aparelhos serão trocados até 2013.

A Anatel, por meio de sua assessoria de imprensa, garantiu que o órgão está fiscalizando o cumprimento do acordo. Já a Coordenadoria Estadual de Proteção e Defesa do Consumidor do Paraná (Procon-PR) disse que abrirá reclamações se algum consumidor denunciar o não funcionamento dos telefones públicos ou a “queima” de crédito. O Procon-PR ainda não registrou nenhuma reclamação a respeito.

Em uma ação similar, no último mês de abril, a Anatel determinou a gratuidade das chamadas interurbanas para telefones fixos originadas de orelhões da Embratel. A medida, que em geral atinge áreas remotas do país, vale até o final do ano.

Agência Brasil

Anatel anuncia suspensão de venda de chips da Oi, Claro e TIM

Veja em quais estados as operadoras vão interromper a venda de serviços
Claro

 

Santa Catarina
São Paulo
Sergipe
Oi

 

Amazonas
Amapá
Mato Grosso do Sul
Rio Grande do Sul
Roraima
TIM

 

Acre
Alagoas
Bahia
Ceará
Distrito Federal, Espírito Santo
Goiás
Maranhão
Mato Grosso
Minas Gerais
Pará
Paraná
Paraíba
Pernambuco
Piauí
Rio de Janeiro
Rio Grande do Norte
Rondônia
Tocantins

Estão suspensas, a partir da próxima segunda-feira (23), as vendas de chips das empresas de telefonia móvel Oi, Claro e TIM em vários estados do país. A decisão foi anunciada nesta quarta-feira (18) pelo presidente da Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel), João Rezende. As empresas, porém, não serão multadas – a não ser que descumpram a determinação de suspender as vendas.

No caso da TIM, a decisão vale para 19 estados brasileiros, enquanto que para a Oi são 5 os estados. Para a Claro, as vendas serão suspensas em três estados. Juntas, de acordo com dados da Anatel, essas empresas respondem por 70,12% do mercado de telefonia móvel do país. A suspensão foi motivada por reclamações registradas na Anatel entre janeiro de 2011 e junho deste ano.

A decisão, no que se refere à Claro, engloba os estados de Santa Catarina, Sergipe e São Paulo. Sobre a Oi, a decisão da Anatel abrange os estados de Amazonas, Amapá, Mato Grosso do Sul, Roraima e Rio Grande do Sul. No caso da TIM, a suspensão da venda de chips engloba os seguintes estados: Acre, Alagoas, Bahia, Ceará, Distrito Federal, Espírito Santo, Goiás, Maranhão, Minas Gerais, Mato Grosso, Pará, Paraíba, Pernambuco, Piauí, Paraná, Rio de Janeiro, Rio Grande do Norte, Rondônia e Tocantins.

Mesmo antes do anúncio formal da decisão, as ações da Oi e TIM já sofreram perdas nos negócios desta quarta na Bolsa de Valores de São Paulo. A Anatel informou que a TIM tem a pior média nacional e é a “pior” operadora em 19 estados. Ao mesmo tempo, os estados com maior número de reclamações foram Rio de Janeiro, Minas Gerais, Distrito Federal, Pernambuco e Goiás.

A decisão, que engloba os serviços de voz e dados, foi motivada por problemas na qualidade dos serviços prestados, informou a Anatel. As avaliações são relativas à interrupção das chamadas, qualidade de rede e atendimento ao cliente. As vendas poderão ser retomadas, segundo Rezende, somente após as empresas apresentarem planos de investimentos, o que deverá ser feito dentro de até 30 dias, contendo metas para resolver problemas apresentados. De acordo com o presidente da Anatel, a agência terá de aceitar as condições desses planos.

“É uma medida extrema para arrumação do setor. Queremos que as empresas dêem uma atenção especial a qualidade da rede, principalmente com relação às constantes interrupções que têm sido sentidas no mercado. É uma solução extrema”, declarou o presidente da Anatel, João Rezende. Ele lembrou que o país terá desafios nos próximos anos, com o início do serviço 4G, com a Copa das Confederações e, também, com a Copa do Mundo de 2014.

Segundo Rezende, o mercado de telefonia móvel tem apresentado constante crescimento no país, sendo cada vez mais demandado pela população brasileira, principalmente com relação à internet móvel. “Os aplicativos sociais têm exigido cada vez mais serviços, cada vez mais rede para os usuários. Eles têm demandado muito esse serviço, exigindo qualidade nos serviços das operadoras”, acrescentou ele. De acordo com o presidente da Anatel, os serviços, em alguns estados do país, chegam a registrar índices de reclamação de 100% no que se refere à qualidade da rede.

A Anatel também informou que, embora não tenham de suspender a venda de chips, as operadoras Vivo, CTBC e Sercomtel também deverão apresentar um plano de melhoria dos serviços em suas áreas de atuação. Segundo o superintendente de Serviços Privados da Anatel, Bruno Ramos, essas operadoras também podem vir a ter a venda de chips suspensa caso não apresentem este plano.

Posição das operadoras
A Oi argumenta que a análise da Anatel está defasada. “O entendimento da Oi é que a análise está defasada em relação à evolução recente percebida na prestação dos serviços. Os dados não consideram o esforço e a concentração de investimentos realizados nos últimos 12 meses”, disse a operadora em comunicado.

A empresa citou como exemplo investimentos de R$ 290 milhões realizados este ano no estado do Rio Grande do Sul – um dos cinco estados nos quais será proibida de vender serviços. “Os dados divulgados não refletem, por exemplo, a situação real do Rio Grande do Sul”, diz a operadora destacando que R$ 76 milhões foram dedicados à expansão e melhoria da rede de telefonia móvel no estado este ano. A empresa informou que investimento total dedicado à expansão de sua rede, entre 2012 e 2015, é de R$ 24 bilhões, sendo R$ 6 bilhões somente em 2012.

Em comunicado, a Vivo comentou que “realiza constantes avaliações sobre o impacto que seus produtos e planos de serviço têm no aumento de tráfego da rede antes de serem lançados”. A empresa acrescentou que segmenta esses planos de acordo com o perfil de uso de seus clientes.

A TIM considerou a medida da Anatel extrema e anticompetitiva. “Tal medida desproporcional da Anatel certamente afetará a competição no setor de telecomunicações no País em beneficio de alguns concorrentes e em prejuízo aos mais de 200 milhões de usuários [de telefonia móvel no país]”, declarou a empresa em comunicado.

A operadora, que conta com 68 milhões de clientes e foi impedida de vender seu serviço em 19 estados, argumentou que tem se destacado nos indicadores de qualidade de rede e desempenho de atendimento da Anatel (IDA). A operadora informou ter reduzido em 36% a taxa de reclamações no primeiro trimestre de 2012 em relação a igual período do ano passado. “Nos últimos quatro anos, a companhia investiu cerca de R$ 3 bilhões ao ano na melhoria de sua capacidade e expansão de rede”, ressalta a empresa.

A Claro informou que “apresentará prontamente à Anatel o seu plano de investimentos que busca manter a constante excelência do serviço”. A operadora afirmou que o critério da agência para impedir a venda de seus chips em três estados “está relacionado a problemas pontuais de atendimento no call center que atendem esses estados, cujas ações de melhorias já apresentaram resultados nos indicadores da Anatel do mês de junho”.

O Sindicato Nacional das Empresas de Telefonia e de Serviço Móvel Celular e Pessoal (SindiTelebrasil) também questiona as bases analisadas pela Anatel para determinar as sanções às operadoras. “A decisão foi baseada em queixas apresentadas ao Call Center da Anatel, que não revelam as reais condições das redes que suportam os serviços. A Anatel considerou dados dos últimos meses, que não refletem os investimentos realizados pelas prestadoras nesse período”, afirmou em comunicado.

Na avaliação do sindicato que representa as operadoras, a proibição da venda “pode afetar uma série de pequenas empresas, que têm como principal fonte de receita a venda de chips de celulares, comprometendo inclusive a oferta de postos de trabalho.”

G1

Justiça condena Oi a pagar R$ 2 mi e reabrir postos de atendimento na PB

A empresa de telefonia Oi deverá pagar uma multa de R$ 2 milhões e terá que reabrir 14 postos de atendimento em toda Paraíba obedecendo uma ordem judicial da 5ª Vara da Fazenda. A ordem atendeu à solicitação de uma Ação Civil Pública (ACP) feita pelo Ministério Público da Paraíba (MPPB) em 2002, após o fechamento dos pontos de atendimento ao cliente. A empresa de telefonia ainda recorreu duas vezes da decisão antes de ser condenada em terceira instância, conforme o Ministério Público. De acordo com o promotor do Consumidor, Glauberto Bezerra, ainda cabia recurso, mas a empresa decidiu acatar a decisão judicial e assinar um Termo de Ajustamento de Conduta.

A empresa de telefonia Oi foi procurada pelo G1 para comentar a decisão. Por meio de sua assessoria, a operadora informou que não iria se pronunciar no momento.

O promotor à frente da Promotoria do Consumidor, Glauberto Bezerra, afirmou que a multa é referente aos danos morais coletivos, uma vez que o Ministério Público age em garantia dos direitos do consumidor coletivos, cabendo ao Procon garantir os individuais. “O valor que será pago pela Oi será recolhido para o Fundo de Direitos Difusos, vinculado ao Ministério Público. Justamente porque não houve investimento ou perda de dinheiro de nenhum consumidor, apenas cobrávamos a reabilitação de um serviço que deixou de ser oferecido e que por isso causou transtornos para os usuários da operadora”, explicou Bezerra.

Em paralelo à ACP do Ministério Público da Paraíba, uma outra ação movida pelo Ministério Público Federal na Paraíba prevê sanções à empresa de telefonia Oi, mas ainda não está em fase de execução, conforme informou Glauberto. “Acredito que ninguém gosta de se deparar com uma situação em que precisa conversar com uma máquina para resolver algum problema. Nós somos seres humanos, usamos aparelhos gerenciados por humanos, precisamos conversar com pessoas quando vamos resolver problemas referente à estes serviços”, comentou.

Além da ação solicitando os postos de atendimento e o pagamento dos danos morais coletivos, o MPPB mantém aberto um inquérito civil para investigar problemas reportados pelos usuários da operadora acerca de um plano promocional. Fato que, segundo Glauberto Bezerra, gerou a suspensão temporária da venda do pacote promocional “Fale Ilimitado R$ 29,90″ na Paraíba.

G1 PB

Paraíba receberá R$ 78 milhões em investimentos para modernização da rede de telefone da Oi

A empresa de telefonia Oi pretende investir R$ 78 milhões na Paraíba ao longo deste ano, um montante 40% superior ao de 2011. O anúncio foi feito pelo presidente da companhia, Francisco Valim, durante audiência no Palácio da Redenção na tarde desta quinta-feira (3), com o governador Ricardo Coutinho.

Francisco Valim explicou que o valor será aplicado na modernização de toda a rede de telefonia móvel 2G e na instalação de mais 46 torres de telefonia móvel, tanto 2G quanto 3G em todo o Estado. Ele também incluiu nos investimentos a abertura de duas lojas próprias no Estado em julho, sendo uma em João Pessoa e a outra em Campina Grande, que vão gerar 30 empregos diretos cada.

“O valor supera em mais de 40% os R$ 54,3 milhões que foram investidos pela companhia em 2011. A Paraíba é um dos Estados que mais vem crescendo no Nordeste pelo que observamos no mercado. Achamos que esse crescimento é fruto da energia que o governo tem imprimido para atrair novas empresas e gerar emprego ambiente, que faz com que a nossa companhia invista e participe mais do crescimento desse Estado”, destacou Francisco Valim.

Atualmente, a cobertura de telefonia móvel 2G (telefone e internet) atinge 74% da população paraibana, cobrindo 78 municípios do Estado. Segundo Francisco Valim, a Oi tem mais de 250 sites de telefonia 2G e 3G distribuídas pela capital e o interior. “A Paraíba é um dos estados onde temos a maior penetração, não só pela prestação de um serviço diferenciado como pelos produtos e serviços que são aceitos muito bem pelos clientes”, observou.

O governador Ricardo Coutinho ressaltou a importância dos investimentos e disse que o Estado está aberto a firmar outras parcerias para possibilitar a universalização da internet para os paraibanos. Ele espera que a companhia dê celeridade aos investimentos como as lojas em João Pessoa e Campina Grande.

O secretário da Controladoria Geral do Estado, Luzemar Martins, destacou a importância do direcionamento dos investimentos da empresa para a ampliação dos serviços telefônicos e de internet em vários municípios paraibanos, bem como da abertura da possibilidade de parcerias na prestação de serviços de interesse do Estado como segurança pública e acesso às informações. Ele acrescentou que os investimentos vão gerar empregos, tanto nas lojas que serão abertas, como na área de montagem de redes, antenas e modernização dos equipamentos.

Também participaram da audiência o secretário de Governo, Lindolfo Pires, o  diretor de Relações Governamentais da Oi, Carlos Ademar de Aragão, o diretor regional de Relações Institucionais da Oi, Frederico de Siqueira Filho, o diretor regional de Vendas Corporativo, Magno Vilas Boas Pinto, e o representante institucional da Oi na Paraíba, Francisco Hericsson.

Secom PB