Arquivo da tag: móveis

PRF cumpre suspensão e recolhe radares móveis

A Polícia Rodoviária Federal (PRF) emitiu um ofício que determina o cumprimento imediato da suspensão da fiscalização feita por radares estáticos, móveis e portáteis nas estradas federais.

Por meio de nota, a PRF informou que esta decisão administrativa determina que todos os gestores e servidores da polícia adotem as providências necessárias para o imediato cumprimento da decisão administrativa da Presidência da República, publicada no Diário Oficial da União, nesta quinta-feira (15).

A ordem prevê interrupção do uso e o recolhimento dos medidores de velocidade, até que o Ministério da Infraestrutura conclua a reavaliação da regulamentação dos procedimentos de fiscalização eletrônica de velocidade em vias públicas.

De acordo com a norma publicada no Diário Oficial da União, a medida tem por objetivo “evitar o desvirtuamento do caráter pedagógico e a utilização meramente arrecadatória dos instrumentos e equipamentos medidores de velocidade”.

Vale lembrar que esta medida não vale para radares fixos, que vão continuar funcionando. As informações são da Agência Rádio.

Na Paraíba, a Superintendente Adjunta da PRF, Keila Mello, disse que desde ontem, quinta-feira (15), os radares móveis utilizados no Estado já haviam sido recolhidos, atendendo a determinação federal.

 

pbagora

 

 

Vídeo de menino derrubando móveis em escola gera comoção nas redes sociais

meninoO vídeo que mostra um menino derrubando móveis e objetos na sala de uma escola tem gerado enorme comoção nas redes sociais. A cena foi registrada por funcionários da escola, que nada fizeram. “Deixa ele, a gente não pode bater nele ou segurá-lo”, diz uma funcionária. “Quero saber da orientação educacional, da assistência social, o que a gente faz com uma criança dessas?”, questiona outra. No fim das contas, os professores ameaçam acionar a polícia.

Somente em uma página do Facebook, o vídeo foi compartilhado mais de 100 mil vezes por internautas indignados e divide opiniões. “Acho que nem os pais dessa criança têm domínio sobre ele. Que absurdo, meu Deus”, escreveu um deles. “Total despreparo dos educadores. Ninguém manda parar e ainda estão incentivando a quebradeira”, escreveu outro.

O caso ocorreu na Escola Municipal Paulo Freire, localizada na cidade de Macaé. De acordo com a Secretaria de Educação do município, o menino tem 7 anos e é aluno do 1° ano do Ensino Fundamental. A secretaria não informou quando o caso ocorreu, mas disse que soube do fato nesta quarta-feira. Segundo o órgão, não há registros de problemas anteriores com o estudante.

Foto: Reprodução
Foto: Reprodução

Além disso, a Secretaria de Educação informou que “solicitou à Procuradoria Geral do Município a abertura de um inquérito administrativo para a apuração dos fatos”. Segundo o órgão, a direção geral ficará afastada da escola enquanto as investigações estiverem em andamento. Também informaram que assistentes sociais foram à residência do menino para oferecer apoio à família, e que ele terá acompanhamento de profissionais da equipe multidisciplinar na escola a partir desta quinta-feira.

Especialistas questionam conduta dos funcionários

A pergunta feita pela funcionária da escola sobre o que fazer com o menino divide opiniões entre especialistas. De acordo com o desembargador Siro Darlan, ex-coordenador da Comissão Judiciária de Articulação das Varas da Infância e Juventude e Idoso, não existe uma receita a ser seguida pelos funcionários diante de uma situação como essa, mas é categórico ao afirmar que a violência nunca é a melhor opção.

— Em uma situação como essa, o ideal é esperar a criança se acalmar e oferecer uma resposta de acolhimento. Em vez de puxá-la com força, é preciso abraçá-la. Provavelmente o menino está acostumado à violência e espera que os funcionários da escola o tratem desta forma. Mas, se é surpreendido com uma ação diferente, pode mudar o seu comportamento — defende.

Foto: Reprodução

Para Darlan, a falta de reação dos funcionários reflete uma falta de orientação educacional e preparo adequados. Segundo ele, os professores não podem abrir mão de sua autoridade pedagógica.

— O educando testa o educador a todo momento. A juventude é contestadora, e não passiva. Cabe aos professores, através de técnicas aprendidas nas universidades, controlar, dialogar e se aproximar dos alunos — diz.

A professora Miriam Paura, pedagoga da Universidade Estadual do Rio de Janeiro (UERJ), acredita que a conduta adotada pelos funcionários da escola foi “erradíssima”.

— Não se educa deixando os alunos fazerem o que querem. Os pais e educadores devem estabelecer limites para as ações das crianças. Deveriam ter o retirado da sala e conversado com ele, dito que não estava certo. Ele pode não entender hoje ou amanhã, mas um dia começa a entender. Se o caso é mais sério, o ideal é que os pais levem a criança até um médico para que, junto com a escola, ajude a resolver o problema — explica.

Foto: Reprodução

Para o especialista em educação Cláudio de Moura e Castro, a indisciplina é um problema sistêmico no país, onde existe uma confusão entre autoridade e autoritarismo.

— Sem autoridade, nenhuma organização funciona. O que acontece é que esses funcionários são partes de um sistema. Eles não têm autoridade ou autonomia para se rebelarem individualmente contra a incapacidade da escola de lidar com indisciplina. É um problema sistêmico, estrutural. O pensamento educacional é incapaz de entender que há limites que não podem ser ultrapassados. Criou-se uma enfermidade social, uma permissividade que é disfuncional em qualquer país do mundo — defende.

O especialista defende que, para mudar o cenário, deve haver uma “tomada de consciência coletiva”.

— Acho que a mudança deve começar pelas secretarias de educação, pelos diretores e professores, que devem dar um basta na situação. Os conselhos tutelares e juizados também devem ser parte do processo — argumenta.

Foto: Reprodução
Foto: Reprodução

Leia a nota da Secretaria de Educação de Macaé na íntegra:

“A secretaria de Educação solicitou, junto à Procuradoria Geral do Município, a abertura de um inquérito administrativo para apuração dos fatos sobre a exibição do vídeo do aluno, de 7 anos, do 1º ano do Ensino Fundamental da Escola Municipal Paulo Freire, localizada no bairro Lagomar, que foi divulgada nas redes sociais. Baseado na solicitação da abertura do inquérito, para apuração isenta dos fatos, foi recomendado o afastamento da direção geral da unidade municipal.

As assistentes sociais da secretaria de Educação foram até a residência do aluno para oferecer apoio necessário à família. O estudante terá acompanhamento dos profissionais da equipe multidisciplinar na unidade escolar, a partir desta quinta-feira (29).

O secretário de Educação, Guto Garcia, que ficou ciente do caso nesta quarta-feira (28), adotou, de imediato, as providências necessárias. Ele destacou que o vídeo confirma a preservação da integridade física do aluno e que não há registros de problemas anteriores com o estudante.

A Prefeitura de Macaé lamenta o fato ocorrido e ressalta que a rede municipal de ensino trabalha em prol do bem-estar dos alunos.”

Extra

Bando arromba loja de móveis do prefeito de Areia e leva R$ 20 mil

Paulo-GomesA loja de móveis do prefeito de Areia, Paulo Gomes (PRP), a Paulo Móveis, foi arrombada na madrugada desta segunda-feira (04).

Segundo a polícia, os meliantes arrastaram o cofre, que tem mais de 1,80 metros de altura até o porão da loja e levaram cerca de R$ 15 a R$ 20 mil.

ACOMPANHE O FOCANDO A NOTÍCIA NAS REDES SOCIAIS:

FACEBOOK                TWITTER                    INSTAGRAM

MaisPB

Governo do Estado entrega reforma de Ciretrans, móveis e equipamentos em Solânea e Mamanguape

ciretranO Governo do Estado, por meio do Departamento Estadual de Trânsito – Detran, entrega nesta quinta (23) e sexta-feira (24) as obras de reforma e manutenção das sedes da Circunscrição Regional de Trânsito (Ciretran) das cidades de Mamanguape e Solânea. Os serviços fazem parte de um investimento total de R$ 824.783,00 em 18 Ciretrans e nos postos de trânsito das cidades de Araçagi e São João do Cariri.

CURTA o FOCANDO A NOTÍCIA no Facebook

Nesta quinta-feira (23), às 9h, será entregue a obra da 15ª Ciretran aos moradores da cidade de Mamanguape e região. Já na sexta-feira (24), às 10h, será reinaugurada a sede da 14ª Ciretran, na cidade de Solânea.

Além da reforma, para todas as unidades do Detran também foram adquiridos móveis e equipamentos que vão oferecer mais conforto aos servidores e usuários e maior agilidade e segurança na prestação dos serviços. Só em mobiliário, o Detran investiu R$ 642.083,60. São móveis de escritório como cadeiras, mesas, armários e gaveteiros que serão distribuídos por várias unidades do Detran padronizando os postos e Ciretrans.

Em Mamanguape, com a reforma e móveis para 15ª Ciretran foram aplicados R$139.767,30. Já na cidade de Solânea, o Detran investiu R$ 69.921,83 na reforma e compra de móveis para a 14ª Ciretran.

Para a modernização e agilização dos serviços, também estão sendo substituídas todas as impressoras em funcionamento no Detran. Estão sendo instaladas 181 impressoras a laser, sendo 100 multifuncionais (scanner, fax e copiadora). Além de 50 impressoras do tipo matricial utilizada na emissão do CRV (certificado de registro de veículo).

Segundo o superintendente do Detran, Rodrigo Carvalho, todos estes investimentos seguem um planejamento do Governo do Estado para obras e aquisição de móveis e equipamentos visando dotar as unidades lotadas no interior do Estado do mesmo conforto oferecido na sede do Detran e nas unidades da capital.

 

portalmidia

OAB-PB vai propor ação contra telefonias móveis

OAB_PBAs queixas contra as operadoras de telefonia móvel dispararam no Procon de João Pessoa e somam, de janeiro a abril, quase a totalidade de atendimentos registrados ao longo de 2013. Diante desta realidade que se arrasta por anos, a Ordem dos Advogados do Brasil, seccional Paraíba (OAB-PB) reuniu-se ontem em audiência com representantes da Oi, TIM, Claro e Vivo para cobrar melhorias nos serviços.

Segundo o presidente da OAB-PB, Odon Bezerra, a Ordem é legitimada a propor ação civil pública e o encontro de ontem pode significar o pontapé inicial para uma ação contra as operadoras. “Já temos precedentes com ações judiciais. A OAB de Pernambuco entrou com uma ação e foi procedente em primeira instância, sendo mantida pelo TRF da Quinta Região.

CURTA o FOCANDO A NOTÍCIA no Facebook

Vamos levar tudo o que foi ouvido aqui das empresas para nossa comissão e depois levar à diretoria para saber se a gente vai promover a ação ou não”, afirmou.

Odon Bezerra afirmou que as principais queixas contra as operadoras são: ligação cortando; rede indisponível; ligações incompletas, caindo durante o diálogo; pontos críticos na Grande João Pessoa onde não se consegue sinal; e dificuldade em falar com call center.

“Nós estamos chamando todos para esta audiência porque a Ordem tem uma Comissão de Defesa do Consumidor, eu sou presidente da Comissão Nacional de Defesa do Consumidor e vou começar a fazer estas discussões a partir do meu Estado e depois em nível de Brasil. Buscamos a excelência da qualidade de um serviço que pagamos caro. Vamos buscar soluções em conjunto e ouvir as empresas”, destacou Odon.

Além dos representantes das operadoras Oi, TIM, Claro e Vivo e membros da OAB, estava presente na audiência o secretário municipal de proteção e Defesa do Consumidor (Procon-JP), Helton Renê.

QUEIXAS CONTRA TELEFONIAS JÁ SOMAM 1 MIL

O secretário municipal de Proteção e Defesa do Consumidor (Procon-JP), Helton Renê, contou que os registros feitos no órgão contra as empresas de telefonia móvel vêm aumentando a cada ano. Em 2012 foram registrados no Procon da capital paraibana 1.022 atendimentos; em 2013 foram cerca de 1.200, sendo 83 processos; e este ano já foram registrados mais de 1.000 queixas e 78 processos contra as empresas de telefonia móvel.

“E olha que já estamos no início do ano. As empresas se preocupam mais com o seu marketing e esquecem de investir no principal, que é a sustentabilidade do serviço oferecido. As queixas de telefonia móvel estão sempre no topo do ranking de atendimento do Procon”, frisou.

Renê frisou que as empresas evoluíram nas soluções apresentadas diante das queixas dos consumidores, mas este desempenho ainda é muito pequeno. “Na verdade, estas reclamações não eram para serem feitas no Procon, mas resolvidas na própria empresa. Então está faltando esta atenção no pós-atendimento, essa fidelização com o cliente. Por isso fomos convocados para esta audiência e estamos aqui como parceiros”, afirmou Helton Renê.

IPI de móveis e linha branca subirá menos que o previsto, diz Mantega

 

IPI 27.06 (Foto: Editoria de Arte/G1)

O ministro da Fazenda, Guido Mantega, anunciou nesta quinta-feira (27) que o Imposto Sobre Produtos Industrializados (IPI) dos produtos da linha branca e dos móveis, reduzido no ano passado, terá alta abaixo da prevista em julho.

A previsão, anunciada em dezembro, era que os produtos voltassem a ter as alíquotas originais a partir da próxima segunda-feira. O governo, no entanto, vai “fatiar” essa alta, com uma elevação menor do IPI até setembro.

“A partir de setembro, vamos ver. A ideia é a recomposição das alíquotas [para o patamar normal]. Podemos calibrar o tempo disso dependendo da arrecadação, da inflação e das vendas do setor. Por enquanto, está definido que está alíquota vale para setembro. Provavelmente, em setembro vamos elevá-la para o patamar normal”, disse Mantega.

Em dezembro do ano passado, o governo federal anunciou um reajuste gradual das alíquotas do IPI  de produtos da linha branca (com exceção de máquinas de lavar, que permanece em 10%) no decorrer deste ano.

IPI da linha branca
Para fogões, por exemplo, a alíquota de IPI, que estava em zero no ano passado, subiu para 2% em fevereiro e a programação é que ela avançaria para 4% a partir de julho deste ano, ou seja, já na próxima segunda-feira (1). Neste caso, porém, ela subirá para 3% entre julho e setembro deste ano.

No caso de geladeiras e refrigeradores, a alíquota era de 5% até o fim de janeiro, passou para 7,5% em fevereiro e a programação é que ela seria elevada para 15% a partir de julho. Entretanto, segundo informou o ministro da Fazenda, ela será elevada para 8,5% até setembro deste ano.

Para os tanquinhos, o IPI estava em zero no ano passado, subiu para 3,5% em fevereiro e, em julho passaria para 10%. Entretanto, a alíquota subirá para 4,5% até setembro deste ano.

Móveis
No caso dos móveis e painéis, a alíquota, que estava em zero até o fim de janeiro, subiu para 2,5% em fevereiro e a previsão é que subiria, no cronograma original, para 5% a partir de julho. Entretanto, Mantega informou que ela avançará para 3% entre julho e setembro.

Para laminados (PET, PVC e alta resistência), a alíquota do IPI estava em zero até o fim de janeiro, subindo para 2,5% em fevereiro e a programação original é de que avançaria para 15% a partir de julho. Entretanto, segundo anunciou o ministro Mantega, ela subirá para 3% entre julho e setembro.

Para luminárias e lustres, a alíquota estava em 5% até o fim de janeiro, subindo para 7,5% desde fevereiro e, a partir de julho, a previsão é de que voltaria para a alíquota normal de 15%. Neste caso, porém, a alíquota avançará para 10%, informou o Ministério da Fazenda, até setembro de 2013.

No caso do papel de parede, a alíquota normal de 20% caiu para 10% até junho, e passará para 15% entre julho e setembro deste ano.

Preços ao consumidor
Guido Mantega, que conversou na manhã desta quinta-feira com representantes do varejo, informou que a ideia é que não haja aumentos de preços para os consumidores.

“Eu conversei com o setor. Trocamos ideia sobre o impacto destas medidas e a conversa evoluiu no sentido de que [o setor] vai procurar absorver este aumento de tarifas para que o preço [ao consumidor] não se eleve. Tanto o varejo quanto o setor produtor farão esforço para acomodar estas alíquotas para não prejudicar as vendas”, declarou Mantega.

Ele disse ainda que o setor se queixou de aumentos de custos de insumos, como aço e madeira, e informou que ficou de estudar como impedir que ocorra um aumento nos preços dos componentes para a produção e para o preço ao consumidor final.

Com a medida, o governo espera arrecadar R$ 118 milhões a mais entre julho e setembro, em relação ao patamar de receitas esperado sem o aumento das alíquotas. Mantega tem reiterado que a meta ajustada de economia para pagar juros (superávit primário) de 2,3% do PIB neste ano, ou R$ 110,9 bilhões, será atingida.

 

 

G1

Mulheres do campo em situação de violência serão atendidas por unidades móveis

A expectativa é que cada estado receba dois veículos de atendimento a partir de ano que vem

SPM Governo federal e movimentos sociais vão fazer diagnóstico sobre situação dos estados

  • Governo federal e movimentos sociais vão fazer diagnóstico sobre situação dos estados

Mulheres e trabalhadoras rurais em situação de violência em todo o País serão atendidas por 54 unidades móveis (ônibus), de acordo com projeto apresentado na última quarta-feira (19) pela Secretaria de Políticas para as Mulheres da Presidência da República (SPM-PR). Essas unidades, a princípio, prestarão os serviços de assistência social e jurídica, psicologia e  segurança pública.

A entrega de unidades móveis faz parte do Pacto Nacional pelo Enfrentamento à Violência contra as Mulheres. Os veículos serão coordenadas pelos governos estaduais. A expectativa é que cada estado receba dois ônibus de atendimento.

O anuncio foi feito durante o Fórum Nacional de Enfrentamento à violência contra a Mulher do Campo e da Floresta, que reuniu representantes da sociedade civil e do governo federal em Brasília.

De acordo com a secretária nacional do Enfrentamento à Violência contra as Mulheres da SPM, Aparecida Gonçalves, os governos estaduais e municipais, junto com o movimento organizado de mulheres, decidirão as localidades por onde passarão os veículos. Atualmente, o projeto encontra-se em fase de construção do termo de referência para futura licitação para compra dos ônibus.

O governo federal e os movimentos sociais integrantes do fórum têm até 20 de novembro para fazer um diagnóstico da situação em cada estado. As informações servirão de referência para decisão de quais serão as localidades prioritárias. Será dada preferência para municípios que já contam com programas sociais do governo federal.

Violência no campo
Dados de uma pesquisa feita pela Contag em 2008, durante a 4ª Plenária Nacional de Mulheres Rurais, reunindo 529 mulheres de todo o País, revelou que 55,2% das entrevistadas haviam sofrido algum tipo violência. Destas, 21,9% foram vítimas de violência física, 51,1% sofreram violência moral, 27,3% sofreram violência sexual.

Do total das mulheres entrevistadas, 27,6% responderam que haviam sido ameaçadas de morte, 11,9% haviam sofrido estupro marital e 4,3% foram vítimas de cárcere. A pesquisa revelou ainda que 63,7% das violências domésticas foram praticadas pelos maridos ou companheiros das vítimas.

Participação
A reunião teve a presença de representantes das seguintes organizações: Movimento de Mulheres Quebradeiras de Côco Babaçu, Movimento de Mulheres Camponesas, Confederação Nacional dos Trabalhadores na Agricultura, Movimento Articulado de Mulheres da Amazônia e Marcha Mundial das Mulheres. Do governo federal, compareceram os ministérios do Meio Ambiente; Desenvolvimento Social e Combate à Fome; da Agricultura, Pecuária e Abastecimento; do Desenvolvimento Agrário; a Secretaria-Geral da Presidência da República e a Secretaria de Políticas de Promoção da Igualdade Racial.

A próxima reunião do fórum está prevista para a segunda quinzena de janeiro de 2013, quando serão analisadas as informações que servirão de base para a escolha das localidades que receberão as unidades móveis. A SPM vai estimular a criação de instâncias estaduais para enfrentamento à violência contra a mulher do campo e da floresta.

Portal Brasil

Governo prorroga IPI menor para carros, linha branca e móveis

O ministro da Fazenda, Guido Mantega, anunciou nessa quarta-feira (29) a prorrogação da redução do Imposto sobre Produtos Industrializados (IPI) para vários setores, entre eles a linha branca e os automóveis. O benefício começaria a vencer na próxima sexta (31).

Para os produtos da chamada linha branca – que inclui fogões e geladeiras – o benefício foi prorrogado até dezembro. No caso dos veículos, o IPI menor foi estendido até outubro.

O ministro também anunciou a prorrogação do corte do IPI para móveis, painéis e laminados, para materiais de construção e para bens de capital. Para esses setores, o benefício venceria entre setembro e dezembro. Em alguns casos, a prorrogação vai até o fim de 2013.

De acordo com Mantega, a renúncia fiscal (valor que o governo deixa de arrecadar), de setembro de 2012 até dezembro de 2013, será de R$ 5,5 bilhões.

“A economia brasileira já está numa gradual recuperação. Porém, ainda é preciso continuar dando estímulo pra os investimentos e para o consumo”, disse o ministro, que também anunciou linhas de financiamento e redução de juros para aquisição de máquinas, equipamentos e caminhões.

A redução de IPI é uma das medidas adotadas pelo governo para tentar incentivar o consumo e, com isso, aquecer a economia e elevar o crescimento do Produto Interno Bruto (PIB) num momento em que o país sente os efeitos do agravamento da crise internacional.

Em todos os casos, informou o ministro, houve manutenção dos cortes sobre a alíquota do IPI que já vinham sendo praticados.

“Espero que, com as medidas que estamos tomando e a redução de preços, um dia os brasileiros tenham oportunidade de comprar carros aqui dentro pelo mesmo preço praticado lá fora”
Guido Mantega, ministro da Fazenda

Veículos
O corte do IPI, no caso dos veículos, depende da potência do motor e do local em que ele é produzido (se nacional ou importado). Para carros novos com motor de mil cilindradas (1.0) e fabricados no Brasil, que são os mais vendidos, a alíquota normal do imposto foi de 7% para 0%.
Já para os importados com o mesmo tipo de motor, a alíquota foi de 37% para 30%.

Mantega afirmou que o benefício para as montadoras será estendido por tempo menor porque “a reação do setor [às medidas de estímulo] foi mais rápida e o custo da desoneração é maior.” A renúncia fiscal do governo em favor dos fabricantes de veículos, apenas entre setembro e outubro, vai ser de R$ 800 milhões.

Segundo o ministro, as vendas de carros novos no segundo trimestre de 2012 tiveram alta de 33,4% sobre o primeiro trimestre.

Linha branca e material de construção
Os eletrodomésticos da linha branca também têm corte variado. Para fogões, a alíquota, que era de 4% antes dos cortes, foi mantida em 0%. No caso de máquinas de lavar, era de 20% e fica em 10%. As geladeiras tinham IPI de 15% e agora é de 5%. Para os tanquinhos, que tinham incidência de 10%, fica em 0%.

No caso dos materiais de construção, o corte no IPI valeria até o fim de 2012 e foi prorrogado até o fim de 2013. O benefício inclui uma série de produtos, entre eles cimento, tintas, vernizes, dobradiças, chuveiros e telhas. Com o corte no imposto, a alíquota do imposto sobre esses itens varia entre 0% e 10%.

O ministro anunciou ainda a inclusão de novos itens na lista de materiais de construção que vão contar com IPI reduzido a partir de setembro. Entre eles estão piso laminado, piso de madeira sólida e placas de gesso, cujo imposto cai de 5% para 0% até o final de 2013.

Já para os bens de capital (máquinas e equipamentos), que contariam com IPI zerado até 31 de dezembro, o benefício foi estendido para o fim de 2013. Entre os itens contemplados, estão equipamento de refrigeração, partes e acessórios de máquinas e bombas centrífugas.

IPI prorrogado agosto 2012 (Foto: Editoria de Arte/G1)

Manutenção de empregos
Mantega afirmou que a prorrogação do IPI menor a esses setores continua condicionada à manutenção de empregos e repasse do benefício aos consumidores.

O ministro disse que os dados demonstram que a redução do imposto tem chegado aos consumidores por meio de preços mais baixos. “Os preços desses produtos têm caído. Tivemos algumas oscilações, mas os fabricantes têm repassado a redução para os consumidores”, disse.

Ele declarou ainda que não descarta novas medidas de desoneração e redução de custos, “embora a economia já esteja dando sinais de reação.”

Questionado sobre a rentabilidade das montadoras presentes no país e se a considerava alta, Mantega disse que não tem informações sobre o assunto, mas que espera uma redução ainda maior no valor dos carros nacionais.

“Espero que, com as medidas que estamos tomando e a redução de preços, um dia os brasileiros tenham oportunidade de comprar carros aqui dentro pelo mesmo preço praticado lá fora”, disse.

Reuniões
Nos últimos dois dias, Mantega e sua equipe se reuniram com representantes de setores beneficiados pela redução do IPI, que apresentaram dados para convencer o governo sobre a necessidade de prorrogação da medida.

O ministro também recebeu representantes de fabricantes de máquinas e equipamentos, que também contam com redução de IPI, mas vieram pedir ao ministro medidas adicionais do governo para ajudar o setor em momento de acirramento da competição com produtos importados.

Financiamento
Mantega anunciou ainda a prorrogação de linhas de financiamento do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) para compra de bens de capital, dentro do chamado Programa de Sustentação do Investimento (PIS).

A linha, que tem R$ 230 bilhões em autorização para crédito, venceria no dia 31 de agosto e agora vigora até o dia 31 de dezembro de 2012.

Além disso, informou o ministro, essa linha contará com redução de juros para compra de caminhões, máquinas e equipamentos, de 5,5% para 2,5% ao ano. Ela conta com um ano de carência e prazo de 120 meses para pagamento.

Outra novidade anunciada por Mantega foi a criação de linha de financiamento para compra de bens de capital usados (caminhões, máquinas, tratores e aeronaves comerciais, entre outros). Os juros vão ser TJLP (5,5%) mais 1%, mais remuneração básica de 1,88%. Mantega também anunciou nova linha de crédito para refinanciamento, que não tem juros definidos.

G1

Hospital de Taperoá (PB) passa a contar com duas unidades móveis de atendimento



O Hospital Distrital de Taperoá, localizado no centro da cidade, passou a contar esta semana com duas ambulâncias para a realização de atendimentos.
A mais antiga, e menor, vai a partir de agora ficar à disposição de moradores no município enquanto a outra, que chegou à cidade na noite desta quarta-feira, 18, vai realizar o deslocamento de pacientes em estado mais crítico para centros mais avançados, como Campina Grande, por exemplo, onde há unidades de saúde preparadas para receber pessoas que estejam em situação de risco.
O envio de doentes para outras localidades ocorre ainda porque o HDT é uma instituição de atendimento de baixa complexidade, o que vai mudar em breve quando o novo hospital, situado na avenida Epitácio Pessoa, centro, começar a funcionar, o que está previsto para este ano.
A entrega da nova ambulância aconteceu na manhã de ontem no Palácio da Redenção em João Pessoa e contou com as presenças do governador do Estado, Ricardo Coutinho, que convidou para a solenidade a diretora do Hospital Distrital de Taperoá, Fátima Farias, que estava acompanhada da irmã, a pedagoga Socorro Farias, e de outros servidores da unidade de saúde taperoaense.
Segundo a diretora, a ambulância enviada pelo governo estadual para a realização de atendimentos de risco vai melhorar ainda mais a vida da população e aumentar a funcionalidade e qualidade dos serviços do hospital.
“A nova ambulância vai otimizar os serviços de atendimento móvel na cidade. Ela é bastante avançada, dotada de equipamentos de última geração o que vai aumentar significativamente a qualidade no momento em que uma pessoa necessitar de cuidados, principalmente mais sérios, como fraturas por exemplo. O governador do Estado está de parabéns por nos presentear com ferramenta tão importante para salvar vidas e amenizar dores”, disse Fátima.
Desde o ano de 1975 que a unidade de saúde taperoaense havia adquirido uma ambulância. Quase que diariamente são feitas viagens para cidades maiores, em sua maior parte para Campina Grande, onde é possível realizar melhor tratamento para pacientes que correm risco de vida.
Mesmo com todas as dificuldades e funcionando com uma verba pequena, o HDT ainda consegue fazer cerca de dois mil atendimentos por mês, como exames de raio-x e glicemia, consultas e internações de quadros simples, entre outros.

Ascom, com Margarete Carvalho e Jandro Gomes
Focando a Notícia