Arquivo da tag: Menezes

Val ou Adryan? Mano Menezes testa meia-atacante e deixa decisão no ar

Adryan pode ganhar chance no time titular do Fla(Foto: André Luiz Melo / Ag. Estado)
Adryan pode ganhar chance no time titular do Fla
(Foto: André Luiz Melo / Ag. Estado)

A decisão de barrar Carlos Eduardo do time titular do Flamengo está tomada. Resta a Mano Menezes escolher o substituto. Depois de testar o volante Val e adiantar o posicionamento de Elias no meio-campo, nesta terça-feira o treinador testou outra opção. O meia-atacante Adryan participou do último treino em Brasília na equipe de cima e tem chances de enfrentar o ASA-AL, nesta quarta, pela terceira fase da Copa do Brasil. O jogo será em Arapiraca.

CURTA o FOCANDO A NOTÍCIA no Facebook

Na atividade, Mano trabalhou apenas com os titulares. Com a entrada de Adryan, Elias volta a ser recuado para a função de segundo volante, ao lado de Cáceres no meio-campo. A formação testatada teve Felipe, Léo Moura, Wallace, González e João Paulo; Cáceres, Elias, Gabriel e Adryan; Paulinho e Marcelo Moreno.

Adryan começou a chamar a atenção de Mano Menezes nos treinos na semana passada, no Ninho do Urubu. Bem nas atividades, voltou a ganhar espaço. Durante a folga que o grupo teve na Copa das Confederações, reapresentou-se acima do peso, mas recuperou-se fisicamente durante a semana de treinos em Pinheiral, no sul do estado do Rio. Em forma, voltou a ser testado e tem agradado.

A decisão de Mano só será conhecida pouco antes da partida. As equipes se enfrentam às 21h50m (de Brasília). A delegação rubro-negra chega a Maceió nesta terça. O jogo da volta será no dia 17, em Volta Redonda.

 

globoesporte

Fla quer Mano Menezes no comando

A nova diretoria do Flamengo quer Mano Menezes. O nome flutua entre o cargo de executivo de futebol e treinador, no caso de Dorival Júnior não permanecer. O assunto é tratado internamente como Projeto MM. A contratação do ex-técnico da seleção pode ser a primeira grande ação do grupo que assume o comando do Rubro-Negro no início de janeiro.

O presidente eleito, Eduardo Bandeira de Mello, mantém a postura de não comentar negociações em curso. Ele, no entanto, não nega a informação. Perguntado se o Flamengo planejava trazer Mano Menezes, o dirigente desconversou. “Estamos (trazendo)? Não sei, vamos ver”, limitou-se a dizer Bandeira.

O nome de Mano é visto como ideal para treinador no caso de acerto com Paulo Pelaipe, executivo do Grêmio, cotado para o mesmo cargo no rubro-Negro – Felipe Ximenes, do Coritiba, e Eduardo Maluf, ex-Cruzeiro, também são possibilidades para a função.

Pelaipe e Mano são amigos desde que o treinador dirigia o Grêmio – o ex-técnico da seleção estava à frente do tricolor gaúcho na Batalha dos Aflitos, em 2005, quando o time voltou para a Série A.

No planejamento que está sendo feito, constam os salários de Mano no Corinthians e na seleção. Os valores serão tomados como base para a elaboração da proposta que será feita em breve.

Recentemente, Dorival chegou a dizer que havia recebido de Bandeira a garantia de que ele e o diretor de futebol Zinho permaneceriam nos cargos, mas foi desmentido em seguida pela assessoria de imprensa da Chapa Azul. A falha de comunicação gerou mal-estar.

O Projeto MM e a montagem do elenco devem ser acelerados. A nova diretoria planeja reuniões semanais, pois o tempo é curto. Os encontros acontecerão, a princípio, toda segunda-feira, das 19h às 22h30, na Gávea.

IG

Após reunião, Mano Menezes não é mais o treinador da seleção brasileira

Dois dias depois de conquistar o Superclássico das Américas, diante da rival Argentina, o técnico Mano Menezes foi demitido da seleção brasileira nesta sexta-feira. A decisão ocorreu após uma reunião na Federação Paulista de Futebol, que foi pedida pelo diretor de seleções da CBF, Andrés Sanchez. Mano Menezes, de 50 anos, comandava a equipe nacional desde agosto de 2010.

A decisão foi tomada num encontro entre o presidente da CBF, José Maria Marin, o diretor de seleções, Andrés Sanchez, e o vice da CBF e presidente da Federação Paulista, Marco Polo del Nero.

A reunião para “avaliação” do trabalho do treinador teve Andrés como principal articulador. Os dois tinham trabalhado juntos no Corinthians e eram muito unidos, mas o dirigente passou os últimos dias deixando claro a interlocutores que não desejava mais a sua permanência.

A CBF ainda não anunciou o substituto de Mano. Luiz Felipe Scolari, desempregado e um dos preferidos de Marin, é o favorito para voltar ao cargo que ocupou na conquista do pentacampeonato, em 2012.

Mano deixa o emprego justamente quando a equipe começava a dar sinais de entrosamento e bom futebol, o que faltou em outros momentos, como nos fracassos na Copa América do ano passado e na última Olimpíada. Com um novo esquema, a seleção vem jogando um futebol mais envolvente e, na última quarta-feira, conquistou o Superclássico das Américas, contra a Argentina.

“Crescemos. O torcedor começou a identificar esse comportamento na Seleção. É isso que a gente leva desse ano de 2012”, publicara Mano Menezes em seu Twitter.

Contratado por Ricardo Teixeira, o antecessor de Marin, Mano nunca gozou de prestígio absoluto com o atual presidente da CBF, mas, tendo como defensor o ex-presidente Lula, acabou mantido. O ex-corintiano era atacado por Marco Polo del Nero, que tem muita influência sobre Marin.

O novo treinador terá pouco tempo de trabalho até a Copa das Confederações, em junho do próximo ano. Serão alguns poucos amistosos antes do principal teste para a Copa do Mundo de 2014, no Brasil.

ESPN.com.br

Balcão de Negócios: em dois anos, jogadores convocados por Mano Menezes já renderam R$ 1 bilhão em negociações

A seleção brasileira está longe de agradar dentro de campo; porém, no mercado da bola, é campeã de vendas e de lucros para clubes e empresários. Nos dois anos da gestão de Mano Menezes (foto) à frente da equipe, 27 jogadores foram vendidos após serem convocados — sem contar as negociações de atletas como Lúcio e Júlio César, que mudaram de clube sem o pagamento de cifras milionárias. Transações que, somadas, movimentaram R$ 1 bilhão (em valores atuais). Em dois anos de seleção, Mano chamou 85 jogadores — 32% deles acabaram envolvidos em vendas.

No mercado verde e amarelo, que balançou na última semana com a venda de Hulk para o russo Zenit por R$ 140 milhões, o grande destaque é Carlos Leite. O empresário cuida da carreira de Mano e de cinco jogadores negociados desde agosto de 2010: Elias, Jucilei, Renan, André Santos e Romulo — o único presente no atual elenco do Brasil. As vendas e revendas dos cinco saíram por R$ 100 milhões (dados do portal Transfermarkt); e parte dessa fortuna direto para Carlos, que detém percentuais dos direitos dos jogadores.

— Desculpe, mas não vou falar sobre o assunto — respondeu Leite.

Carlos Leite ao lado do técnico Dorival Junior, de quem também é empresário

[I]Carlos Leite ao lado do técnico Dorival Junior (do Flamengo), de quem também é empresário[/I]

Sempre que questionado sobre a relação com Carlos Leite, Mano garante que não pensa em empresários ao convocar os atletas. Além dos cinco vendidos, Carlos Leite já emplacou, na seleção, Anderson, do Manchester United, Renato Augusto, do Bayer Leverkusen, Lucas, do Liverpool, e Cássio, do Corinthians, chamado agora para os amistosos contra África do Sul e China. Para a alegria da língua afiada de Romário, crítico ferrenho do comandante da seleção:

— Agora, o goleiro do Corinthians (Cássio), que tem seus direitos econômicos ligados a pessoas da CBF, após a convocação e alguns jogos pela seleção, se já não foi, será vendido para o Roma (Itália). Quem leva? — disparou o Baixinho.

— Isso não é um problema que me compete, não tenho nada com isso — rebate Carlos Leite sobre Romário.

Carlos Leite não é o único, contudo, que encheu os cofres com atletas da seleção. A empresa Think Ball, de um grupo de investidores, negociou com sucesso Douglas, Mariano e Jadson por, somados, R$ 26 milhões. Outros atletas, como Carlos Eduardo, que já havia sido lembrado por Dunga, fizeram lucro na gestão de Mano. Duas semanas depois de aparecer na lista para o amistoso contra os Estados Unidos, em agosto de 2010, o Rubin Kazan pagou R$ 50 milhões ao Hoffenheim pelo apoiador.

Extra