Arquivo da tag: Marlone

Marlone volta a marcar, mas Corinthians empata com Coritiba e sai do G4

jogoO Corinthians deixou o G-4 do Campeonato Brasileiro. Os comandados de Cristóvão Borges até saíram à frente do placar, mas cederam o empate para o Coritiba nesta quarta-feira (14), no Couto Pereira, pela 25ª rodada do Brasileirão.

Marlone fez 1 a 0 em lance de oportunismo, mas Leandro deixou tudo igual em cobrança de pênalti. Com o empate, o Corinthians foi a 41 pontos, ficando na 5ª colocação. O Santos, que venceu o Botafogo fora de casa, subiu à quarta posição com 42 – mesma pontuação do Atlético-MG, que recebe o Sport nesta quinta.

Marlone em fase de artilheiro

Autor do gol do Corinthians contra o Santos na derrota de virada por 2 a 1 no último fim de semana, Marlone voltou a balançar as redes e foi a melhor opção de ataque de Cristóvão Borges nesta quarta. Ele aproveitou chute cruzado de Gustavo para abrir o placar, mostrando presença de área. Foi o 5º gol dele pelo Timão – sendo três deles no último mês.

Fagner faz pênalti e está fora do clássico

Fagner está fora do clássico contra o Palmeiras, no próximo sábado, na Arena Corinthians. O lateral direito fez um pênalti infantil em Kazim e acabou punido com um cartão amarelo. Como estava pendurado, cumprirá suspensão automática na próxima rodada do Brasileirão, perdendo o Derby. Além de fazer um pênalti, Fagner sofreu na marcação nesta quarta, com dificuldade na recomposição pelo corredor direito.

Cristóvão só mexe quando obrigado

Mesmo com alguns jogadores cansados e outros em noite pouca inspirada, Cristóvão Borges optou por não mexer técnica ou taticamente no Corinthians. A única alteração que fez foi nos minutos iniciais da partida, quando Uendel sentiu lesão e deu lugar a Guilherme Arana. No mais, o treinador não utilizou as outras duas substituições a que tinha direito. A opção rendeu críticas de torcedores nas redes sociais e do comentarista Casagrande na TV Globo.

Um tempo para cada lado

O Coritiba começou a partida melhor que o Corinthians, com domínio no meio de campo. Mas os visitantes aproveitaram uma vacilo na defesa da casa para fazer 1 a 0 com Marlone aos 14 minutos. O Coxa não se abalou com o gol e partiu de vez para cima do rival. Em poucos minutos, marcou um gol corretamente anulado e acertou a trave de Cássio. Na terceira oportunidade, não desperdiçou: Leandro converteu pênalti sofrido por Kazim.

O Corinthians melhorou no fim do primeiro tempo. Continuou dando espaços na defesa, mas começou a criar chances mais claras de gol. Assustou o Coritiba primeiro com Balbuena, de cabeça na pequena área, e depois com Lucca, que parou em Wilson. Primeiro tempo equilibrado, com mais posse de bola para o Coxa, mas boas chances de gols para os dois times.

O Corinthians retornou dos vestiários com outra postura, mais agressivo na marcação por pressão e tomando do Coritiba o controle da bola e a proposição do jogo. Apesar da melhora evidente, os visitantes pecaram nas finalizações. Rodriguinho e Arana desperdiçaram boas chances até os 15 minutos do primeiro tempo.

Apesar de melhor na etapa final, o Corinthians não conseguiu transformar a superioridade em gols. Mesmo com a expulsão de João Paulo no fim do jogo, o Coritiba conseguiu se fechar em suas linhas defensivas e não proporcionou nenhuma grande oportunidade clara de gol ao adversário.

Ficha Técnica
Coritiba 1 x 1 Corinthians

Local: estádio Couto Pereira, em Curitiba (PR)
Data/Hora: 14 de setembro de 2016 (quarta-feira), às 21h45
Árbitro: Grazianni Maciel Rocha (RJ)
Auxiliares: Silbert Faria Sisquim e Carlos Henrique Alves de Lima Filho (ambos do RJ)
Gols: Marlone, 14′; Leandro, 27′ do primeiro tempo

CORITIBA: Wilson; Dodô, Luccas Claro, Nery e Juninho; Alan Santos, João Paulo, Raphael Veiga; Kazim, Evandro 9Iago) e Leandro. Técnico: Paulo César Carpegiani.

CORINTHIANS: Cássio; Fagner, Vilson, Balbuena e Uendel (Guilherme Arana),; Cristian; Marlone, Camacho, Rodriguinho e Lucca; Gustavo. Técnico: Cristóvão Borges.

Uol

Acompanhe mais notícias do FN nas redes sociais: FacebookTwitterYoutube e Instagram

Entre em contato com a redação do FN:  WhatsApp (83) 99907-8550. 

E-mail: jornalismo@focandoanoticia.com.br

 

Na estreia de Adilson, Edmilson e Marlone brilham, e Vasco vence Coxa

Era a estreia de Adílson Batista no Vasco. Era a hora de, no Moacyrzão, em Macaé, o time dar o sinal para a torcida de que poderia confiar na difícil missão de conseguir ao menos cinco vitórias nas sete partidas restantes para fugir do rebaixamento. Era também o momento de o Coritiba, após dois triunfos seguidos, mostrar que a reação na tabela não foi por acaso. E no duelo de duas equipes irregulares no Campeonato Brasileiro, prevaleceu a luta cruz-maltina. Pode ter faltado futebol. Faltou também, em boa parte do jogo, Juninho Pernambucano, que saiu com dor na virilha aos 18 minutos. Mas sobraram esforço, disposição e uma dupla que brilhou para o triunfo: Marlone parecia Juninho, e foi o grande garçom para os dois gols de Edmilson, o artilheiro salvador. E o Vasco, apesar do sufoco do Coxa no fim, venceu por 2 a 1 – Luccas Claro diminuiu o placar para os curitibanos.

No primeiro gol do Vasco, Marlone cobrou falta na cabeça do atacante. No segundo, fez jogada individual e serviu Edmilson para o camisa 19 apenas se antecipar e empurrar para as redes, para deleite de boa parte dos 6.615 torcedores presentes em Macaé.

CURTA o FOCANDO A NOTÍCIA no Facebook

Com a vitória, o Vasco se anima e começa a fazer projeções. Com 36 pontos ganhos e ainda na zona de rebaixamento, subiu uma posição – está em 17º lugar. E voltará a mandar seus jogos no Rio após a punição de perda de mando de campo na briga de torcedores no jogo com o Corinthians, em Brasília. E já começa na 33ª rodada, quando receberá no Maracanã o Santos. Depois, terá pela sequência Grêmio e Corinthians fora, Cruzeiro e Náutico em casa, e na última rodada pegará em Curitiba o Atlético-PR. Um dos destaques da partida, Marlone não escondeu a emoção com o resultado.

– Às vezes eu me emociono, sempre vivi aqui, longe da família e de casa, não queria que o Vasco tivesse nessa situação. Hoje estou vestindo a camisa do Vasco… A torcida não deixou de vir, fico muito grato e só tenho a agradecer aos companheiros. O grupo todo está de parabéns.

Com a derrota, o Coxa se mantém com 40 pontos e ocupa, provisoriamente, o 13º lugar. No próximo sábado, irá ao Canindé, em São Paulo, encarar a Portuguesa. Depois, pega Corinthians e Criciúma em casa. Na sequência, enfrentará Inter (F), Botafogo (C) e São Paulo (F).

Gol sem Juninho

A partida começou com ingredientes dramáticos para o Vasco, mas terminou bem nos primeiros 45 minutos. Queria o técnico Adílson Batista mostrar na sua estreia um time mais ameaçador sob o comando, em campo, de Juninho. Queria a torcida que o Reizinho, com sua experiência, fosse o fiel condutor da reação. O camisa 8 parecia um pouco tenso no começo. Por duas vezes, foi advertido pelo árbitro. Pouco depois, aos 17 minutos, a triste, a pior notícia para o torcedor cruz-maltino: o ídolo sentira dor na virilha. Tentou alongar, o incômodo não passou. O sinal pedindo em direção ao banco pedindo a substituição soou como prévia de uma noite trágica no Moacyrzão. Adilson mandou Abuda aquecer e entrar, aos 18. A torcida se entreolhava, incrédula.

Pior que, em 15 minutos, o Vasco havia mostrado como buscaria o gol: jogava pelas laterais do campo. Tanto Yotún quanto Fágner arrancaram de trás e foram parados apenas com faltas, cobradas por… Juninho. Quando conseguiu ir à linha de fundo, Fágner centrou na cabeça de Edmilson, que mandou para fora o primeiro lance de perigo da equipe.

Após a saída de Juninho, o até então cauteloso Coritiba, com o retrospecto de duas vitórias seguidas, pensou ser aquele o momento de se soltar mais na partida. Um pouco antes,  já tinha feito jogada perigosa, com direito a calcanhar de Julio César, pela esquerda. Mas foi aí que recebeu o duro golpe. O Vasco não tinha mais Juninho para as cobranças de falta. Mas tinha Marlone. E, em cobrança pela esquerda, ele fez como o Reizinho já fizera várias vezes: centrou na cabeça de Edmillson. Dessa vez, o camisa 19, livre de marcação, não desperdiçou: 1 a 0, aos 26 minutos. Adilson Batista saiu comemorando aos pulos. A torcida cruz-maltina voltou a cantar, o time recuperou a confiança.

Mas o futebol da primeira etapa acabou prejudicado, e muito, pelos muitos erros de passes das duas equipes. Do lado do Coxa, a melhor opção era Robinho, caindo sempre pela esquerda. Num passe de calcanhar, serviu Geraldo, que pressionado por dois marcadores pediu pênalti, mas a jogada seguiu. Menos ele. Com uma contratura muscular na coxa direita, acabou substituído por Vítor Júnior. O time continou assim mesmo a pressionar. Alex era bem marcado por Abuda, mas Robinho e Julio César incomodavam. E foi do camisa 11 o único tiro de perigo do Coxa. E em bola parada: em falta pela meia-direita, soltou uma bomba bem defendida por Alessandro, que garantiu a vantagem vascaína na primeira etapa.

Reprise vascaína

No intervalo, Adilson Batista  resolveu fazer um verdadeiro ferrolho para garantir a vitória: trocou o meia Franscimar por Renato Silva. Com isso, ficou com três zagueiros e três volantes. A ideia era encurtar mais ainda os espaços para Alex, Robinho, Carlinhos & Cia. Adiantou Pedro Ken, pela direita, e deixou Marlone pela esquerda. Edmílson, pelo meio, ficou isolado no ataque. O Coritiba, com Vítor Junior se alternando pela esquerda e pela direita, forçava as jogadas para abrir a zaga adversária e acertar aquele último passe que não conseguira no primeiro tempo.

E foi pela direita que o Coxa teve duas boas chances, intercaladas por um chute de Fágner que o goleiro Vanderlei deu rebote, mas o ataque cuz-maltino não soube aproveitar: na primeira, aos 13, Vítor Junior, pela direita, só não abriu o placar porque Alessandro, bem mais confiante, saiu bem para salvar. Depois, Robinho foi à linha de fundo e centrou para a chegada de Júnior Urso, que, livre, bateu longe do gol.

Parecia que o Coritiba reagiria. Ainda mais depois que Fágner, caído, pediu substituição. Adilson o trocou por um atacante, Reginaldo, desfazendo o ferrolho. Pior que Edmilson e Pedro Ken davam sinais de falta de condições físicas, mas as três substituições já haviam sido feitas. Foi aí, novamente, que surgiu a estrela do garoto Marlone: aos 27, em jogada individual, driblou dois pela esquerda e tocou para Edmilson escorar para as redes. Era o segundo gol do Vasco. O técnico do Coxa, Péricles Chamusca, trocou Alex, bem marcado por Abuda, por Deivid.

O Coxa pressionou. Lincoln entrou no lugar de Junior Urso, e o time diminuiu o placar com Luccas Claro, de cabeça, após falta cobrada na área. O time melhorou e fez pressão até o fim. Aos 48, Lincoln obrigou Alessandro a mais uma boa defesa. Era sinal que a noite era mesmo do Vasco. Fim de jogo, alívio no Moacyrzão. A primeira missão foi cumprida.

 

Globoesporte.com