Arquivo da tag: Maria do Rosário

Luiz Couto se reúne com Maria do Rosário e cobra liberação de Kits dos Conselhos Tutelares

 

O deputado federal Luiz Couto (PT-PB) esteve reunido na manhã da quinta-feira (6), em Brasília, com a ministra da Secretaria Especial de Direitos Humanos da Presidência da República, Maria do Rosário.

 

Na oportunidade, solicitou a liberação de ‘Kits dos Conselhos Tutelares’ para os municípios paraibanos – um automóvel zero km, cinco computadores, uma impressora multifuncional, um refrigerador e um bebedouro -, bem como um Centro de Referência em Direitos Humanos (CRDH) para a cidade de Bayeux.

 

CURTA o FOCANDO A NOTÍCIA no Facebook

Luiz Couto disse que a ministra foi receptiva e que espera ter as demandas atendidas, “pois o ‘Kit Conselho Tutelar’ precisa chegar com mais urgência às cidades para subsidiar os conselheiros, que enfrentam dificuldades de toda ordem”.

 

Com relação ao CRDH, afirmou que este é um pleito dos homens e mulheres de boa vontade de Bayeux que, no dia-a-dia, acompanham os desafios a serem enfrentados para à emancipação do ser humano e a transformação social.

 

 

 

Ascom do Dep. Luiz Couto

Maria do Rosário: ‘o mercado só vê o ser humano em sua fase produtiva’

Maria do RosárioAo fim de um período em que se comemoraram dez anos de existência, no Brasil, da Política Nacional do Idoso seguida da implantação do Estatuto do Idoso, em 2003, pelo presidente Lula, a Ministra Maria do Rosário Nunes faz um balanço das atividades da Secretaria de Direitos Humanos da Presidência da República, apresenta o avanço nas políticas públicas de proteção aos 23,5 milhões de cidadãos brasileiros com mais de 65 anos – segmento da população que mais cresce no Brasil e em todo o ocidente – e comenta novas ações em curso assim como outras, em vias de execução, nas áreas da segurança do idoso, da preservação da sua saúde e da assistência farmacêutica e médica – revitalizada através do programa Mais Médicos.

CURTA o FOCANDO A NOTÍCIA no Facebook

Nesta entrevista exclusiva à Carta Maior [aqui reproduzida pela Adital], a Ministra Maria do Rosário lembra dois pontos importantes. O primeiro: “O mercado só vê o ser humano quando ele está na sua fase produtiva e proporciona mais valia”. E o segundo: “Há dez anos o Brasil começou a desenvolver políticas públicas capazes de dar conta da mudança no perfil demográfico. Enquanto isso, para efeito de comparação, a Europa conduziu esta transição em um período de cem anos. Nós vamos passar pelo mesmo em 30.”

A seguir, a entrevista:

Há dez dias o IBGE divulgou a ampliação, cada vez mais acelerada, da longevidade dos brasileiros e os anos a mais de vida que eles vêm ganhando. A qualidade de vida desta população também é maior, hoje?

A expectativa de vida dos brasileiros e brasileiras se amplia na medida em que cresce a qualidade de vida desde a infância, desde o nascimento. Ou seja, para termos mais longevidade é preciso cuidar das pessoas desde o início, ao longo de toda a sua existência, assegurando os seus direitos. Estamos enfrentando um período de transição.

Há dez anos, o Brasil começou a desenvolver políticas públicas capazes de dar conta dessa mudança no perfil demográfico. Para efeito de comparação, a Europa conduziu essa passagem em um período de cem anos. Já nós vamos passar por tudo isso em aproximadamente 30 anos.

Os governos e a sociedade civil devem se preparar para esse inevitável envelhecimento da população, que conta com 23,5 milhões de pessoas com mais de 65 anos no nosso país. Em 2050, a perspectiva é de que teremos mais idosos do que jovens com menos de 15 anos de idade. Para que tenhamos condições de bem atender a esse novo Brasil, estamos atuando com disposição, contando com o apoio da presidenta Dilma na especialização dos serviços públicos. Temos pressa de agir na promoção, proteção e defesa dos direitos humanos das pessoas idosas, que consideramos fundamentais para a democracia, construção da cidadania e o desenvolvimento sustentável dos povos.

Neste sentido, os avanços recentes, como a instituição da Política Nacional do Idoso e o estabelecimento do Estatuto do Idoso reafirmam a necessidade da construção de políticas intersetoriais capazes de contemplar as necessidades da pessoa idosa e prover seu bem estar em plenitude.

Houve aumento da expectativa de vida do brasileiro?

Os programas Minha Casa Minha Vida e Brasil sem Miséria incidem diretamente na qualidade de vida da população idosa, já que a grande maioria atendida é de baixa renda. Como resultado concreto dos avanços conquistados pelo Brasil na promoção e proteção dos direitos dos idosos nesses últimos anos, o Atlas do Desenvolvimento Humano Brasil 2013 atribui à dimensão Longevidade a responsabilidade pela importante evolução do índice de desenvolvimento humano apresentado pelos municípios brasileiros entre 1991 a 2010. Essa melhora se vê refletida no aumento de 9,2 anos (ou 14,2%) na expectativa de vida ao nascer do brasileiro.

Quais as ações do SUS direcionadas aos mais idosos?

No que diz respeito à garantia do direito à saúde das pessoas idosas nós avançamos muito com a instalação dos Centros de Referência em Assistência à Saúde do Idoso, com o programa Farmácia Popular, que beneficia 50 milhões de brasileiros, e o programa Remédio em Casa. São ações de assistência farmacêutica voltadas às necessidades da população idosa em que são disponibilizados e/ou subsidiados medicamentos para o tratamento de doenças que afetam especialmente esse grupo (como doença de Alzheimer, diabetes e osteoporose). Outra importante parceria que temos com o Ministério da Saúde é a notificação compulsória de casos de violência praticada contra idosos. Quando uma unidade de saúde atende um idoso e reconhece que ele foi vítima de violação de direitos deve imediatamente notificar as autoridades locais. Pode não parecer, mas iniciativas integradas como essa podem salvar muitas vidas.

E as ações relacionadas a violações dos direitos de idosos?

Para acolher a demanda das vítimas de violência a Secretaria de Direitos Humanos criou,em 2011, o Módulo Idoso do Disque Direitos Humanos (Disque 100). Trata-se de um importante mecanismo para recebimento de denúncias relacionadas a violações de direitos contra idosos. Por sua vez, a inserção do referido Módulo também permite realizar um diagnóstico situacional sobre a violência contra a pessoa idosa no país a partir do mapeamento e classificação dos casos registrados com a finalidade de proceder a diversos ajustes nas políticas e ações voltadas à defesa dos direitos dessa população e visando atender a realidade deste grupo.

Estas violações estão aumentando?

Somente no primeiro semestre deste ano recebemos quase 23 mil denúncias de violação de direitos de pessoas idosas, número que é praticamente idêntico ao do ano passado inteiro, sendo que a maioria se refere à negligência, violência psicológica e abuso financeiro. Para isso, estamos atuando no fortalecimento da rede de apoio ao setor. Nosso objetivo é que todas as áreas de Direitos Humanos tenham uma rede estruturada a exemplo do que já existe para as crianças e adolescentes.

Há apenas 1789 médicos titulados pela Sociedade Brasileira de Geriatria e Gerontologia, no país. Com o programa Mais Médicos nós teremos profissionais capacitados para atender a população idosa? Os médicos cubanos estão especificamente preparados por conta da formação clínica abrangente?

Sim. No programa Mais Médicos teremos profissionais capacitados para atender a população idosa, visto que a formação deles é voltada à medicina comunitária e familiar. O Ministério da Saúde vem investindo na capacitação dos profissionais de saúde com grande ênfase nos profissionais que atuam na atenção básica. A saúde da pessoa idosa está entre os temas que norteiam o planejamento das ações dos médicos atuando no sistema público, orientados para o olhar integral sobre a condição de saúde das pessoas de mais idade.

Aliás, este trabalho do Mais Médicos é importantíssimo, já que está proporcionando uma mudança cultural na nossa sociedade. Digo isso porque a medicina deixa de ser vista de modo mercantilista para ser observada como um serviço essencial para os seres humanos. Além da chegada de profissionais de fora, o governo da presidenta Dilma está atuando na ampliação da oferta de cursos de Medicina e no fortalecimento da formação com foco no trabalho comunitário e na especialização para áreas como a geriatria.

Como o governo está trabalhando na revisão da chamada carteira de saúde do idoso?

O governo também trabalha na revisão da caderneta de saúde da pessoa idosa que terá grande importância na qualificação do processo de trabalho das equipes médicas porque foca na identificação da situação de saúde das pessoas idosas a partir da avaliação funcional, o que permitirá identificar as reais necessidades deste grupo populacional, orientando as ações de cuidado necessárias.

Como fazer cumprir o Estatuto do Idoso? Assim como o Estatuto das Cidades ele é desrespeitado a todo instante embora seja motivo de admiração em outros países. Há um problema de fiscalização no seu cumprimento. Os Conselhos Estaduais e Municipais não deveriam supervisionar os estados e municípios que não cumprem este dispositivo legal há dez anos baixado pelo Presidente Lula? Ou então: qual o órgão que deveria proceder a esta fiscalização?

Quanto à garantia de direitos e a sua fiscalização, como afirmei anteriormente, o maior desafio tem sido a construção de uma rede de proteção possibilitando a aproximação e o trabalho coordenado entre os órgãos em defesa da pessoa idosa. Este desafio é de toda a sociedade brasileira e um dever decorrente da solidariedade que deve existir entre as gerações.

Temos nos empenhado para que os conselhos de direitos, os gestores das políticas de direitos e Ministério Público atuem de forma integrada. Além do Conselho Nacional dos Direitos do Idoso (CNDI), já temos conselhos em 27 estados e 51,5% dos municípios brasileiros. Eles contribuem significativamente com o debate de políticas públicas para essa população. A Comissão Permanente de Direitos Humanos do Conselho Nacional de Procuradores Gerais traçou como meta nacional o acompanhamento da criação e do funcionamento das Instituições de Longa Permanência e das demais unidades de atendimento a esse seguimento social. Temos grandes parceiros que já atuam, porém precisamos ampliar essa rede.

Nunca é demais lembrar: todos podem e devem discar 100 para denunciar situações de violência contra pessoas idosas e/ou desrespeito ao Estatuto. A nossa meta é universalizar uma política essencial norteada pelo Estatuto do Idoso. Para isso, contamos com o apoio do Judiciário, do Ministério Público, do Legislativo e, especialmente, da sociedade para garantirmos a todo brasileiro e toda brasileira um envelhecimento com qualidade de vida e respeito aos seus direitos.

Quais as ações efetivas, concretas, para fazer cumprir o decreto da presidenta Dilma relativo ao envelhecimento ativo?

O decreto do Compromisso foi assinado há pouco mais de sessenta dias. Os 17 ministérios já foram chamados pela Secretaria de Direitos Humanos e se comprometeram a atuar de forma efetiva elaborando um plano de ações. Precisamos avançar na garantia da emancipação e protagonismo da população idosa de forma articulada intra e intersetorialmente para assegurar atenção integral às pessoas idosas e suas famílias. Paralelamente, conseguimos colocar em prática o Fundo Nacional do Idoso, que neste ano tem o primeiro aporte mais amplo de recursos.

É meta do governo da presidenta Dilma, por meio de um pacto entre os agentes públicos, garantir um envelhecimento ativo para todos, assegurando autonomia, respeito e cuidado. Neste sentido, se coloca a expansão dos cursos de cuidadores de idosos por meio do Pronatec, em 21 campi da rede federal.

As delegacias policiais estão preparadas para atender desmandos e infrações por parte das próprias famílias e dos demais relativos aos direitos dos idosos? Tortura, maus tratos físicos e emocionais, exploração financeira, roubos, exploração no trabalho, por exemplo? Quais as penalidades?

Em maio deste ano convocamos todos os delegados/as promotores/as e defensores que atuam nas 80 delegacias especializadas na atenção à pessoa idosa para um encontro nacional de capacitação e qualificação do fluxo do Disque Direitos Humanos – Disque 100. Esse serviço é de fundamental importância no socorro e acolhimento às vitimas de violência. Novamente: adquire importância relevante a ampliação da rede de atendimento e a participação da sociedade como um todo em prolda promoção e garantia de direitos.

Não é o caso pensar em uma campanha nacional, maciça, no sentido de promover a educação da população mais jovem no respeito aos idosos, no país?

O Brasilpropôs aos países do Mercosul a elaboração de uma campanha conjunta para a promoção da solidariedade e cooperação intergeracional e de maior visibilidade do envelhecer. Estamos construindo, juntos, esse processo. Também propusemos ao Senado Federal a inclusão da temática do envelhecimento que se inicia com a educação infantil no Plano Nacional de Educação. Por meio das nossas diversas ações, buscamos construir uma cultura de direitos humanos, reforçando as responsabilidades do Estado e desenvolvendo a valorização de todas as fases da vida, conscientizando a população sobre a importância de valorizar todas estas fases.

O mercado somente vê o ser humano quando ele está na sua fase produtiva, enquanto proporciona mais valia. Por isso, as crianças e os idosos acabam ficando à margem, sendo percebidos como um “peso” para a sociedade. O nosso governo trabalha para que aconteça o contrário – que todas as pessoas, em todas as fases da sua vida, sejam percebidas como fundamentais na construção de um país e de um mundo melhor, tendo assegurados os direitos inerentes à condição humana. Por isso, é importantíssima a opção que o Brasil fez, desde o governo Lula, de enfrentar e resistir à onda neoliberal e manter a sua previdência e a seguridade social públicas como ações irrenunciáveis do Estado.

Adital

Maria do Rosário defende ‘novo modelo’ para as polícias

mariadorosarioA ministra da Secretaria de Direitos Humanos, Maria do Rosário, voltou a defender, nessa quinta(8), a transferência, do âmbito estadual para a federal, da competência para apurar e julgar as denúncias de que policiais estariam envolvidos em uma série de crimes registrados na região metropolitana de Goiânia, nos últimos anos.

“Precisamos da federalização para respondermos à investigação, ao julgamento e a um conjunto de questões”, declarou a ministra ao participar da apresentação da publicação Um Olhar Mais Atento aos Serviços de Acolhimento de Crianças e Adolescentes no País, apresentada pelo Conselho Nacional do Ministério Público (CNMP).

CURTA o FOCANDO A NOTÍCIA no Facebook

A ministra também comentou o desabafo feito pela dona de casa goiana Maria das Graças Soares, mãe de Murilo Soares, desaparecido há oito anos. Na última segunda-feira (5), Maria das Graças disse àAgência Brasil que, ao saber das notícias sobre as buscas ao pedreiro Amarildo de Souza, sofre por não ver o mesmo empenho para esclarecer o desaparecimento de 39 pessoas em Goiás, supostamente vítimas da violência policial.

“Eu também queria saber onde está o meu filho. Eu queria que os governantes, as autoridades, também me ajudassem. [Em Goiás] São 39 famílias de desaparecidos, após abordagem policial, que até hoje não tiveram respostas”, declarou.

Morador da Rocinha, Amarildo desapareceu no dia 14 de julho deste ano, após ser levado por policiais militares para a Unidade de Polícia Pacificadora (UPP) da comunidade, no bairro de São Conrado, na zona sul do Rio. Já Murilo foi visto pela última vez em abril de 2005, quando tinha 12 anos de idade. A pedido do pai, o garoto voltava para a casa da mãe de carona com um conhecido da família, Paulo Sérgio Pereira Rodrigues, de 21 anos.

No caminho, foram parados por policiais do grupo Rondas Ostensivas Táticas Metropolitanas (Rotam). Várias pessoas presenciaram o momento em que os policiais revistavam o motorista enquanto o garoto permanecia de pé, ao lado do veículo. Foi a última vez que Murilo e Paulo foram vistos. O carro foi encontrado no dia seguinte, carbonizado e sem a aparelhagem de som e as rodas. Os corpos dos dois ocupantes, no entanto, jamais foram localizados. A Justiça Estadual inocentou os oito policiais.

Para a ministra Maria do Rosário, as suspeitas suscitadas nos casos de Amarildo e dos desaparecidos goianos apontam para a necessidade de mudanças nas forças policiais. “Se avaliarmos a situação de Goiás, do Rio de Janeiro e de outros estados, [concluímos que] o que precisamos é de um outro modelo de polícia. Nossas polícias precisam ser cada vez mais parceiras da sociedade”, disse a ministra.

A proposta de deslocamento de competência, ou seja, de federalização dos crimes, foi apresentada pela ministra ao procurador-geral da República, Roberto Gurgel, em abril deste ano. Sete meses antes, Maria do Rosário e membros do Conselho de Defesa dos Direitos da Pessoa Humana (CDDPH) estiveram em Goiânia, analisando as denúncias relacionadas às mortes de moradores de rua (29 casos registrados até abril deste ano) e de que 39 pessoas desapareceram após serem abordadas por policiais. Entre os desaparecidos está o adolescente Murilo Soares.

O pedido foi formalmente apresentado ao Superior Tribunal de Justiça (STJ) pelo procurador-geral da República no início de maio. Segundo despacho do ministro Jorge Mussi, relator do caso, ao justificar o pedido de federalização, Roberto Gurgel declarou estar constatada “não apenas a inércia do governo de Goiás na adoção de medidas contra a violação de direitos humanos, mas também uma ação legitimadora da violência policial”.

“É inegável que os desaparecimentos […]; bem como os outros tantos assassinatos mencionados e os casos de tortura configuram um contexto de sistemática e gravíssima violação de direitos humanos no estado. [O que] reclama uma ação urgente por parte dos demais poderes constituídos – em especial da União -, antes que uma situação que já está fora de controle se agrave ainda mais, fazendo com que órgãos do sistema internacional de direitos humanos responsabilizem a República Federativa do Brasil em razão de sua inércia perante casos tão grave de violação de direitos humanos”, argumentou Gurgel, ainda segundo o despacho do ministro, disponível no site do STJ.

A reportagem tentou ouvir o governo de Goiás, mas, até o momento, não obteve resposta.

 

por Alex Rodrigues, da Agência Brasil

Ministra Maria do Rosário pede que PF investigue assassinato de jornalista

(Foto: www.durvalangelo.com.br)
(Foto: www.durvalangelo.com.br)

A ministra da Secretaria de Direitos Humanos, Maria do Rosário, pediu a participação da Policia Federal na investigação do assassinato do jornalista Rodrigo Neto, que denunciava o envolvimento de policiais militares em crimes no Vale do Aço, Minas Gerais.

Maria do Rosário foi até Ipatinga, cidade da região mineira conhecida como Vale do Aço, atendendo o pedido do presidente da Comissão de Direitos Humanos da Assembleia Legislativa de Minas Gerais, deputado Durval Ângelo (PT), que afirma ter conhecimento de que Rodrigo Neto sofria ameaças por denunciar a atuação de policiais militares em grupos de execução.

CURTA o FOCANDO A NOTÍCIA no Facebook

“Não podemos nos calar diante desse crime. Existem duas situações hoje: É preciso apurar a morte de Rodrigo e investigar esses inúmeros crimes denunciados por ele aqui na região. Até o momento ninguém foi preso e nem os inquéritos foram concluídos”, declarou o deputado.

Após participar da audiência pública, a ministra se reuniu com a equipe do Departamento de Homicídios e Proteção à Pessoa de Belo Horizonte e também com representantes do Comitê Rodrigo Neto, grupo que exige o esclarecimento do crime e a punição dos responsáveis. Na saída da reunião, que ocorreu a portas fechadas, Maria do Rosário afirmou acreditar que o assassinato do jornalista trata-se de um crime federal.

“Não é uma questão de não confiar nos trabalhos realizados pela polícia do estado. Estamos solicitando a presença da Polícia Federal no caso por achar que a execução tem características que ferem a Constituição. Portanto, é um crime federal, que necessita da presença da PF para ajudar nas investigações”, disse a ministra.

O crime

O jornalista Rodrigo Neto foi assassinado a tiros, na madrugada do dia 8 de março, em Ipatinga. Ele foi surpreendido por dois homens quando deixava, à 0h30, o bar Churrasquinho do Baiano, no bairro Canaã. Os assassinos chegaram de moto e, sem tirar os capacetes, fizeram cinco disparos. Dois deles atingiram o jornalista na cabeça e no tórax.

Uma semana antes de ser morto, Rodrigo Neto procurou o deputado Durval Ângelo (PT) para denunciar o assassinato de um idoso em Santana do Paraíso. O jornalista suspeitava de vingança, pois a vítima era pai de um dos suspeitos da morte, duas semanas antes, de um cabo da PM supostamente envolvido com grupos de extermínio que atuam no Vale do Aço.

Com informações do portal G1.

Cantora Maria do Rosário faz show no dia 31 de Maio em Araruna

Maria do RosárioA cantora de música católica, Maria do Rosário, se apresentará em Araruna no dia 31 de maio, o show será gratuito e começará logo após a celebração da Santa Missa. O show de Maria do Rosário é uma realização da Paróquia de Araruna.

CURTA o FOCANDO A NOTÍCIA no Facebook

Maria do Rosário se apresenta frequentemente na TV Século XXI e ficou conhecida no país por canções como: Consagração a Nossa Senhora, Cura-me Senhor, Espírito Santo de Deus, Te exaltarei, Mãos ensaguentadas de Jesus entre outras.

Segundo o padre João Firmo, vigário de Araruna, o show da cantora Maria do Rosário vai acontecer em um palco montado em frente a Igreja Matriz, no centro de Araruna.

 

 

Jocimar Dias/ararunaonline