Arquivo da tag: isolamento

Campanha eleitoral diminui isolamento social na Paraíba, diz estudo da UFPB

O 28º boletim covid-19 do Laboratório de Inteligência Artificial e Macroeconomia Computacional (Labimec) da Universidade Federal da Paraíba (UFPB) revela que a campanha eleitoral diminuiu o isolamento social na Paraíba. Os menores índices foram registrados com a oficialização de candidaturas, debates políticos e comício.

Conforme a análise, publicada no último dia 5, ao relacionarem a mobilidade da população da Paraíba com a eleição municipal na capital paraibana, os pesquisadores da UFPB identificaram que a circulação das pessoas em João Pessoa – onde se concentra cerca de um quarto da população do estado – foi se intensificando na maioria dos setores presentes no estudo (lojas, mercados e farmácias; parques; vias de trânsito; ambientes de trabalho; e residências), entre o início de setembro e o final de outubro.

Foto: Labimec/UFPB

De acordo com o coordenador do laboratório e professor do Departamento de Economia da UFPB, Cássio Besarria, o início do período eleitoral alterou a mobilidade urbana na Paraíba, o que já era esperado, considerando que, em meio à campanha eleitoral, as pessoas tendem a ir mais às ruas para apoiar seus candidatos.

Esse acompanhamento dos índices de isolamento, realizado pelo laboratório desde o começo da pandemia no estado, considera dados oferecidos por duas ferramentas complementares: o Google e a startup Inloco – sistema de monitoramento utilizado pela Prefeitura de João Pessoa, a partir da localização registrada por meio dos celulares.

Deve-se lembrar que a pandemia da covid-19 não acabou e que aglomerações e o abandono de políticas de isolamento social pode ser fatal”, alerta o documento do Laboratório de Inteligência Artificial e Macroeconomia Computacional (Labimec) da UFPB.

Ascom UFPB

 

 

PB: Governo altera regras de isolamento social em todo o estado

A partir desta segunda-feira (5), passa a vigorar no estado da Paraíba uma nova classificação dos municípios com base no Plano Novo Normal, documento que fixa recomendações sobre medidas preventivas para impedir o crescimento do número de casos e de óbitos do novo coronavírus.

Segundo a avaliação, que é feita pelo governo estadual, 81% dos municípios paraibanos estão na fase amarela do plano, penúltimo nível de retomada das atividades no estado. Além disso, seis municípios migraram para a fase verde, estágio em que as medidas de isolamento e de retomada das atividades são mais flexíveis.

Até domingo (4), a Paraíba tinha 122.713 casos e 2.851 óbitos da Covid-19 em todo o estado. Em 24 horas,  foram registrados 32 novas notificações e 5 óbitos da doença.

Fonte: Brasil 61

 

 

Isolamento muda perspectiva do pai sobre a criação dos filhos

Psicóloga conta que os chefes de família foram surpreendidos com jornada tripla e lançaram novo olhar sobre as atividades domésticas . Perfil varia entre os que aproveitaram o momento e aqueles que desencadearam ansiedade

Soraya Oliveira

O Dia dos Pais de 2020 será lembrado sempre como aquele do ano da pandemia, quando o distanciamento social impôs às famílias uma convivência intensa. Pais e mães adotaram o modelo de trabalho de home office e as crianças passaram a ter aulas por meio do ensino à distância (EAD).  A Pesquisa Gestão de Pessoas na Crise Covid-19,  elaborada pela Fundação Instituto de Administração (FIA) com dados de abril, mostrou que 46% das empresas mantiveram seus funcionários em casa. Embora a mudança de rotina tenha sido árdua para todos os membros, o papel do homem foi o mais afetado. É no que acredita a psicóloga que atende no Órion Complex, Soraya Oliveira. Ela conta as experiências ouvidas em seu  consultório sobre o isolamento.

A especialista lembra que, historicamente o homem assume o papel do provedor da família, aquele que sai de casa cedo e retorna no fim do dia, enquanto as mulheres sempre assumiram o papel de cuidadoras da família. Para Soraya essa cultura ainda está muito enraizada no Brasil, e, mesmo com as sutis mudanças na era moderna, o homem quando se viu em casa precisando fazer também atividades domésticas e cuidar dos filhos, ele acabou despertando seu olhar para essas atividades, até então delegadas apenas a elas. “O pai que já tinha um histórico afetuoso, soube aproveitar esse momento para reforçar os vínculos e dar aos filhos aquilo que eles eram impedidos de oferecer por passar o tempo longe, como brincar, ver televisão, jogar um videogame, ler”, pontua.

Os  dados mais recentes do Instituto de Pesquisa Aplicada (IPEA), que analisa números do IBGE,  mostram que os 59% das casas brasileiras tem o homem como responsável por sustentar financeiramente o lar. Isso mostra um comportamento ainda muito tradicional no País, onde as mulheres são responsáveis por educar os filhos e os homens ficam livres da jornada tripla . “Os pais  estão mais habituados com as relações externas, com divertimento fora de casa, mas é com o convívio que descobrimos o outro, suas preferências e gostos. Quando foram para casa, perceberam que estavam distantes dos filhos e passaram a dar valor a coisas que antes eram banalizadas, como por exemplo, o tipo de indivíduo que estão educando para o mundo”, diz Soraya. Os desafios, explica a psicóloga, independem da idade dos filhos. “É importante pensar que foram muitos comportamentos diferentes, já que a quarentena se estendeu mais do que imaginávamos, até mesmo as crianças e adolescente tiveram que se adaptar com a figura masculina em casa”.

Embora muitos pais se redescobriram com o distanciamento social,  Soraya explica que  houve uma divisão clara entre aqueles que aproveitaram a situação para se conectar com os filhos, e os que tiveram grandes problemas de ansiedade. “Um segundo grupo de pais  demonstrou alteração forte de humor chegando até mesmo a atos de agressividade com violência física e moral,  impaciência, irritabilidade e frustração”. Para a psicóloga esses homens encararam com mais dificuldade o fato de estarem se sentindo fechados e não souberam lidar com a nova realidade de vida. “O resultado disso foi o grande número de divórcios que está tendo no mundo”, exemplifica.

Segundo Soraya, a adaptação foi mais complexa para esse grupo pois são pessoas que ainda vivem apegadas a uma cultura onde homens não executam tarefas domésticas nem educam os filhos pessoalmente do dia-a-dia. “Os pais tiveram que se posicionar melhor diante da escolha feita ao casar. Foram forçados a aprender a conviver e valorizar o papel da mulher e se tornar pai, esposo, companheiro e amigo”.

 

 

Secretário Executivo de Saúde reforça necessidade do isolamento e alerta: “Não é hora de fazer festas”

O secretário executivo de Gestão da Rede de Unidades de Saúde do Estado, Daniel Beltrammi, afirmou que o estado ainda vive um cenário de interiorização do coronavírus. Ele destacou que a Paraíba tem atualmente 185 municípios com a bandeira amarela e reforçou que o combate ao vírus depende de cada paraibano.

Para Beltrami, mesmo com a Paraíba tendo entrado na lista dos Estados que estão conseguindo reduzir os casos de óbitos no País, o secretário observou que não é o momento para a realização de festas e disse que é extremamente necessário que as pessoas se conscientizem que a pandemia não acabou e que é preciso evitar aglomerações.

– É fundamental lembrar que se puder ficar em casa, não circule. É preciso evitar locais aglomerados. Se o ônibus está lotado, não entre. Não é hora de fazer festas, nem nas casas dos outros. A pandemia ainda tem muita força para andar em cima desse planalto, que insiste em não reduzir e essa redução depende de cada um de nós – enfatizou.

O secretário lembrou que “é de ordem comportamental a batalha contra o vírus” e pediu que a população se conscientize acerca da necessidade de lavar sempre as mãos e utilizar máscara quando for preciso sair de casa.

 

Severino Lopes
PB Agora

 

João Azevêdo comenta reabertura do comércio e pede que população mantenha isolamento: ‘pandemia não acabou’​

O governador João Azevêdo (Cidadania) comentou a reabertura da atividade comercial nos municípios da Paraíba, em vídeo divulgado nesta segunda-feira (13).

Ele afirmou que a reabertura em municípios com bandeira amarela não significa o fim da pandemia.

“O fato de um município receber uma bandeira que abre alguns segmentos, não está indicando que a pandemia acabou, que está resolvido e que podemos descuidar das medidas protetivas. O que estamos dizendo que é que determinado segmento pode funcionar tomando as medidas de proteção. Essa quinzena é a mais importante da pandemia. Nesse momento, estamos com 182 municípios com bandeira amarela, que faz com esse município volte a funcionar o comércio, e isso faz com que maior número de pessoas esteja circulando”, disse.

“Tenho a convicção que esta quinzena está na mão de cada paraibano e paraibana o sucesso para que a gente continue avançando, mas também a possibilidade de retrocesso caso não seja mantida o isolamento social, não seja usado a máscara em ambiente externo. Se houver aglomeração, os números de casos aumentarão e nós teremos que tomar outras medidas restritivas fechando novamente segmentos da economia, e isso não queremos”, declarou.

Na Paraíba, 25 municípios tem percentual de infectados alto em relação ao número de pessoas que vivem nas cidades. São eles: Guarabira, Riachão do Bacamarte, São José do Sabugi, Caiçara, Alagoinha, Pedras de Fogo, Caaporã, Pilões, Mamanguape, Itabaiana, Baía da Traição, Juripiranga, Cabedelo, Pitimbu, Mari, Belém, Juarez Tavora, Cuitegi, Rio Tinto, Baraúnas, Ingá, Mulungu, Serra redonda, São Bento e São José dos Ramos.

clickpb

 

 

Município da PB decreta isolamento total e toque de recolher

A Prefeitura de Conceição, a 482 km de João Pessoa, no Sertão da Paraíba, publicou nesta terça-feira (7) o decreto nº 032/2020, que dispõe sobre a adoção de novas medidas temporárias de isolamento social e restritivo de isolamento total (lockdown) para combater a proliferação do novo coronavírus.

Conforme o decreto, fica suspenso durante o período de 7 a 21 de julho de 2020, com possibilidade de prorrogação, o funcionamento de toda e qualquer atividade comercial e prestação de serviços, não considerada como essencial.

O documento fixa ainda o toque de recolher na cidade entre os horários das 21h e 5h, com ressalva aos casos de emergência em saúde, sendo permitido deslocamento de pessoas para atendimento unidades de saúde.

Conforme dados mais atualizados da Secretaria de Estado da Saúde (SES), divulgados nessa segunda-feira (6), Conceição tem 47 casos de coronavírus, sem mortes.

 

portalcorreio

 

 

Ministério Público recomenda que Bananeiras e mais seis municípios não flexibilizem isolamento

O Ministério Público da Paraíba recomendou aos prefeitos de Bananeiras, Borborema, Belém, Logradouro, Serraria, Dona Inês e Caiçara que se abstenham de flexibilizar o isolamento social em desacordo com o Decreto Estadual nº 40.304/2020 (e suas prorrogações) e às Classificações-Bandeira atribuídas por avaliações do setor competente do Governo do Estado da Paraíba. As recomendações foram expedidas pela promotora de Justiça de Bananeiras, Ana Maria Pordeus Gadelha.

Foi recomendado ainda que os municípios fiscalizem o cumprimento pleno e irrestrito de todas as recomendações de prevenção e controle para o enfrentamento da covid-19, expedidas pelas autoridades sanitárias competentes, inclusive a Organização Mundial de Saúde, para prevenção ao contágio e contenção de infecção viral relativa ao novo coronavírus.

Segundo a promotora de Justiça, o município de Dona Inês obteve a bandeira vermelha (em que são permitidas apenas as atividades essenciais com restrições adicionais de locomoção), na segunda avaliação implementada pelo Estado, com vigência a partir dessa segunda-feira (29/06). Os demais municípios obtiveram bandeira laranja, em que são permitidas apenas as atividades essenciais.

Além disso, os sete municípios não detêm hospital de referência para pacientes acometidos pela covid-19, bem como leitos em UTI para atender sua população, dependendo, portanto, exclusivamente, do setor de regulação do Estado.

Ainda conforme a promotora, o restabelecimento das atividades não essenciais nos municípios, nesse momento, implicaria em potencial massificação do contágio e sobrecarga do sistema municipal de saúde, com real possibilidade de ocorrência de danos irreparáveis e o colapso da rede.

Mais medidas recomendadas

Os municípios devem ainda, de acordo com a recomendação, fiscalizar o cumprimento de ato administrativo editado pelo Poder Público Municipal que determinou a quarentena das pessoas suspeitas e das que com elas coabitem, sobretudo o uso de máscara quando, em situações excepcionais, se fizer necessário o deslocamento da pessoa em quarentena, sob pena de prisão dos desobedientes, nos termos do que disciplinam os artigos 268 e 330 do Código Penal, se o fato não constituir crime mais grave.

Também devem comunicar divulgar amplamente o teor da recomendação por todos os meios de comunicação. O descumprimento das medidas levará ao ajuizamento das ações cabíveis e sinalizará o dolo para fins de responsabilização pessoal pelo gestor municipal.

*Do MPPB

O isolamento atrapalhou todos os infiéis nas desculpas que costumam usar

A quarentena e o Coronavírus andam atrapalhando algumas pessoas nos encontros com seus amantes

A quantidade de pessoas que procuram casos aumentou desde o início do bloqueio, mas se o vírus mortal não dissuadir as traições – esse dilema o fará.

Para aqueles que tentam trair na Era do coronavírus, há boas e más notícias.

A boa notícia é que o coronavírus não é transmitido por sêmen ou fluidos vaginais, o que significa que o COVID-19 não é oficialmente uma doença sexualmente transmissível.

Obviamente, a má notícia é que o COVID-19 está espalhado literalmente por todo o resto. Mesmo que você possa ter relações sexuais a uma distância de 1,5 metros, você pode pegar o vírus simplesmente respirando na direção de seu amante. Veja o artigo que preparamos sobre esse assunto!

Então, o que isso significa para os parceiros infiéis?

A infidelidade sempre foi moralmente duvidosa, mas o COVID-19 definitivamente aumentou as apostas. Quero dizer, os infiéis sempre correm o risco de doenças sexualmente transmissíveis e de serem criados por um parceiro conhecedor de tecnologia. Ainda assim, uma coisa é arriscar a transmissão de herpes labial ou herpes genital; outra é arriscar a transmissão de um vírus potencialmente fatal.

Além do mais, ser lançado antes da pandemia poderia ter sido infeliz, mas ser lançado durante a pandemia pode ser catastrófico. Você pode ser expulso das ruas comuns e repletas de vírus ou forçado a ficar em casa com um parceiro que está fantasiando sobre infectar você com COVID.

Claro, se o pior acontecer e você for enganado, sempre poderá viver uma nova vida com seu amante ilícito. Mas pense bem: na era do COVID-19, isso não é tão romântico quanto parece. Ficar preso em quarentena não é realmente a maneira ideal de passar de “caso secreto” para “relacionamento de tempo integral”.

Você passará de contatos sensuais em hotéis decadentes e fotos de nudez atrevidas enviadas tarde da noite para discutir sobre o papel higiênico, jantar com atum enlatado e checar um ao outro diariamente por febre.

Você também pode ficar em casa.

Então a infidelidade acabou, certo? As pessoas estão se comprometendo com seus parceiros, deixando seus amantes em seu isolamento e entregando uma nova folha?

Bem, não exatamente.

Se um infiel estiver disposto a deixar de lado a possível morte, encontrar uma desculpa para escapar de casa certamente será complicado.

Muitos infiéis se asseguram que não vão ser abandonados pelos seus parceiros por conta do suporte financeiro que oferecem: “mesmo que ela/ele descubra, duvido que renuncie ao meu patrocínio financeiro”, mas será que isso é justo?

Apesar das tremendas probabilidades, de ficar doente ou de ser descoberto, as pessoas ainda estão perseguindo casos. O site de encontros extraconjugais Ashley Madison relata um aumento no número de membros desde o bloqueio do coronavírus, adicionando 17.000 novos membros em todo o mundo todos os dias.

Se eles estão conversando inocentemente, paquerando, trocando nudes ou planejando uma reunião no mundo pós-COVID, muitas pessoas procuram estímulos fora do relacionamento de quarentena.

É provável, no entanto, que potenciais infiéis tenham menos planos de consumar seus relacionamentos ilícitos do que antes da pandemia. Mesmo que o medo das consequências não os impeça de se encontrar, é bastante desafiador gerenciá-lo logicamente em meio ao bloqueio.

Afinal, as desculpas clássicas de “sair por uma hora” são nulas e sem efeito, à medida que o mundo se encerra e todos os seus álibis estão em quarentena. Não haverá “viagens de negócios interestaduais” nem “tardias no escritório”.

Você não estará “saindo para tomar uma bebida” ou “assistindo futebol com um companheiro”. Certamente não haverá “jogo rápido de tênis” ou “consulta de emergência com a esteticista”.

Não, você estará em casa o tempo todo, o que não é especialmente propício a uma rapidinha na hora do almoço.

E além disso, quem tem energia? No que diz respeito à educação em casa e à procura de papel higiênico, esfregando superfícies e processando as notícias, mal consigo reunir forças para telefonar para minha mãe e muito menos estabelecer uma conexão sexual escaldante com um completo estranho online.

Mas se você está determinado a trair, e o COVID-19 não vai impedi-lo, pense nesse sujeito pirata que foi recentemente apanhado na Itália, saia do seu computador e fique em casa.

 

Doze municípios caem em avaliação e devem ampliar medidas de isolamento

Doze municípios da Paraíba deverão ampliar as medidas de isolamento social, após nova avaliação realizada pelo Governo da Paraíba.

As novas bandeiras disponibilizadas na página oficial da gestão estadual (paraiba.pb.gov.br/coronavirus) apontam que oito municípios passaram da bandeira amarela para a laranja, três cidades perderam a bandeira laranja e agora figuram na bandeira vermelha e o único que possuía a bandeira verde, aparece agora com a bandeira amarela.

Os dados demonstram a necessidade de reforçar ações propostas pelos órgãos de Saúde para evitar uma maior propagação do coronavírus. De acordo com a Secretaria de Estado da Saúde (SES), a Paraíba registra, até o momento, 44.242 casos confirmados da Covid-19 e 896 óbitos.

A nova avaliação constatou que 136 (61%) municípios possuem bandeira laranja; 79 (35%) bandeira amarela; e oito bandeira vermelha (4%). Nenhum município da Paraíba obteve a bandeira verde.

Na prática, municípios sinalizados na bandeira vermelha, a exemplo de Bayeux, Santa Rita, Cruz do Espírito Santo, Barra de São Miguel e São Domingos do Cariri, devem permanecer com restrição para o funcionamento apenas de atividades essenciais, com restrição de locomoção de pessoas.

Já os municípios que estão em bandeira laranja, como: João Pessoa, Conde, Guarabira, Campina Grande, Mari e Patos podem manter os serviços essenciais, porém sem restrição de locomoção.

Para os municípios que estão em bandeira amarela será permitido o funcionamento de hotéis, pousadas, comércio, shoppings, e serviços em geral, além de ser permitida a prática de esportes sem contato físico (natação, tênis, corrida).

Nos municípios sinalizados com bandeira laranja e vermelha, podem funcionar atividades essenciais, como agropecuária; cadeia produtiva e atividades acessórias essenciais; bancos, casas lotéricas, correspondentes bancários e seguradoras; empresas de telecomunicação, comunicação e imprensa; distribuidoras e geradoras energia, atividades de extração, produção, siderúrgica e afins; transporte, armazenagem, empresas de logística, Correios e manutenção de veículos automotores; supermercados e afins; serviços de Saúde; tratamento de água e esgoto e coleta de resíduos; administração pública (observada a adoção regimes home office), além dos já sinalizados com adequações para funcionamento.

Nos municípios com bandeira amarela, funcionam os já autorizados nas bandeiras vermelha e laranja, além de hotéis, pousadas e afins; comércio; shoppings centers; comércio popular (camelôs) e serviços em geral; escolinhas de esporte sem contato físico (natação e tênis, por exemplo).

Todos os segmentos da economia e da sociedade podem retomar suas atividades nos municípios que se encontram na bandeira verde, observando a adoção de protocolos operacionais para funcionamento das diversas atividades, que terão como foco a proteção do indivíduo, que deve passar a viver o ‘novo normal’, fazendo escolhas e evitando o contato entre pessoas; ambientes fechados e confinados e aglomerações, mesmo ao ar livre.

Estão liberados para o funcionamento, em qualquer bandeira, salões de beleza e barbearias, atendendo exclusivamente por agendamento prévio e sem aglomeração de pessoas nas suas dependências e observando todas as normas de distanciamento social; shoppings centers, exclusivamente para entrega de mercadorias por meio de (delivery), inclusive por aplicativos, e como pontos de retirada de mercadorias (drive trhu), vedado, em qualquer caso, o atendimento presencial de clientes dentro das suas dependências;

as lojas e estabelecimentos comerciais, exclusivamente para entrega de mercadorias (delivery); missas, cultos e demais cerimônias religiosas poderão ser realizadas online, por meio de sistema de drive-in e nas sedes das igrejas e templos, neste caso com ocupação máxima de 30% da capacidade e observando todas as normas de distanciamento social;

hotéis, pousadas e similares, exclusivamente para atendimentos relacionados à pandemia do novo coronavírus; estabelecimentos que trabalham com locação de veículos; e treinamentos de atletas profissionais, observando todas as normas de distanciamento social.

As cores das bandeiras que subsidiam os gestores municipais na tomada de decisões acertadas para evitar o aumento da propagação do novo coronavírus, permitindo o retorno seguro e paulatino das atividades econômicas levam em consideração as taxas de obediência ao isolamento, progressão de casos novos da Covi-19 e ocupação hospitalar e são analisadas cumulativamente em intervalos de 15 dias.

Os dados detalhados podem ser conferidos no link:

https://paraiba.us20.list-manage.com/track/click?u=63cd2f513d25ab116c25e0753&id=417b3fe92c&e=9cfe509c15

 

 Secom/PB

 

 

‘Número de mortes pela Covid-19 vai aumentar se a população não obedecer o isolamento’, diz secretário

O secretário de Estado da Saúde, Geraldo Medeiros, fez um alerta, no início da tarde desta segunda-feira (8), que o número de casos e mortes pela Covid-19 será muito maior na Paraíba, caso a população continue desobedecendo as medidas de isolamento social.

Geraldo alertou também que, uma possível flexibilização no isolamento social a partir do dia 14, pode fazer com que o Estado enfrente o mesmo problema da Itália que, de acordo com o secretário, relaxou no isolamento social e teve que voltar atrás devido ao aumento no número de casos e mortes no país pelo coronavírus.

“É uma cultura da população não querer obedecer normas”, lamentou Geraldo Medeiros, acrescentando que a Paraíba pode enfrentar um efeito “sanfona”, ao flexibilizar no isolamento social e ter que voltar atrás por conta do aumento nos números de casos e mortes, provocadas pela Covid-19.

paraiba.com.br