Arquivo da tag: Islâmico

Suposto vídeo do Estado Islâmico mostra execuções de cristãos

mid-eastO grupo Estado Islâmico (EI) publicou neste domingo  (19) um vídeo mostrando cerca de 30 homens, supostamente cristãos etíopes, sendo executados por jihadistas na Líbia, segundo informou a agência de notícias France Press (AFP).

O vídeo, de 29 minutos, postado em sites jihadistas, mostra um grupo de pelo menos 16 homens decapitados em uma praia e um outro grupo de 12 pessoas baleadas à morte em uma área de deserto. Eles são identificados como membros da “Igreja etíope inimiga”.

Em meados de fevereiro, o EI divulgou um vídeo que mostra a decapitação em uma praia de 21 homens, a maioria confissão copta egípcia, com uma produção semelhante ao vídeo divulgado neste domingo.

Os 12 homens, com roupas laranja, são levados para a praia antes de serem colocado no chão e decapitados com uma faca. Enquanto isso, em uma área de deserto, 16 homens vestidos de preto são mortos à queima-roupa.

Um homem vestido de preto falou em inglês, enquanto os outros algozes, um atrás de cada prisioneiro, aparecem completamente vestidos em trajes militares, e permanecem em silêncio. Todos estão mascarados.

ACOMPANHE O FOCANDO A NOTÍCIA NAS REDES SOCIAIS:

FACEBOOK                TWITTER                    INSTAGRAM

As imagens das execuções concluem o vídeo de 29 minutos. Antes, homens apresentados como cristãos sírios aparecem explicando que os jihadistas lhes deram a opção de se converterem ao Islã ou pagar uma multa, e que eles decidiram dar dinheiro.

O EI controla áreas inteiras da Síria e do Iraque, onde proclamou um califado, em que multiplica assassinatos e execuções. Alguns desses atos são filmados em vídeo e transmitidos – como o deste domingo – como forma de propaganda para os jihadistas.

G1

Menina de 9 anos fica grávida após ser estuprada por militantes do Estado Islâmico

Uma menina de apenas 9 anos de idade está grávida depois de ter sido sequestrada e estuprada por militantes do Estado Islâmico. A criança é membro da comunidade religiosa Yazidis e foi libertada na última quarta-feira, juntamente com outras 39 crianças. Ao todo, 216 reféns foram liberados. Todos eles permaneceram por mais de oito meses em cativeiro.

Os libertados fazem parte de um grupo de 40 mil pessoas que foram capturadas nos últimos tempos pelo Estado Islâmico. De acordo com o jornal Mirror, milhares de meninas e mulheres foram estupradas, torturadas, forçadas ao casamento e escravizadas pelos militantes.

 

Estado dos libertados inspira cuidados. Mulheres foram estupradas e escravizadas em cativeiro. Ao todo, 200 Yazidis foram liberados pelo Estado Islâmico Estado dos libertados inspira cuidados. Mulheres foram estupradas e escravizadas em cativeiro. Ao todo, 200 Yazidis foram liberados pelo Estado Islâmico Foto: STRINGER/IRAQ / REUTERS

No caso da menina de 9 anos, o voluntário Yousif Daoud afirma em entrevista para o Toronto Star que a criança corre risco de morte se der à luz. “Essa menina é tão jovem, tão pequena, que ela morrerá se tiver o filho. Mesmo com cesariana, é muito perigoso. O abuso que ela sofreu a deixou mentalmente e fisicamente traumatizada”, disse Yousif.

ACOMPANHE O FOCANDO A NOTÍCIA NAS REDES SOCIAIS:

FACEBOOK                TWITTER                    INSTAGRAM

Em 2014, membros da comunidade Yazidi fugiram a pé para a Síria por causa dos militantes do Estado Islâmico Em 2014, membros da comunidade Yazidi fugiram a pé para a Síria por causa dos militantes do Estado Islâmico Foto: AHMAD AL-RUBAYE / AFP

Assim como ela, diversas moças retornaram grávidas. A maioria apresenta problemas de saúde e sinais de abuso e negligência. Líderes comunitários yazidis receberam os libertados. Uma ambulância prestou os primeiros socorros. Os Yazidis são um povo antigo, que seguem a sua própria religião derivada do islamismo, cristianismo e zoroastrismo.

Atualmente, os militantes do Estado Islâmico são alvo de ataques aéreos liderados pelos Estados Unidos e sofrem uma ofensiva terrestre das forças do governo iraquiano.

 

Extra online

Estado Islâmico decapita e queima crianças vivas, diz ONU

O grupo extremista Estado Islâmico (EI, ex-Isis) assassina, tortura e violenta sistematicamente crianças, famílias e grupos minoritários no Iraque, de acordo com uma denúncia apresentada nesta quinta-feira (5) em um relatório da Organização das Nações Unidas (ONU). O documento, lido em Genebra, afirma que os rebeldes extremistas “crucificam”, “decapitam” e “sepultam vivas” as crianças detidas.

O Estado Islâmico, grupo jihadista, ficou conhecido pela brutalidade que tratam suas vítimas
AP

O Estado Islâmico, grupo jihadista, ficou conhecido pela brutalidade que tratam suas vítimas

O relatório afirma que há registros de “casos de execução em massa de crianças, assim como notícias de decapitações, crucificações e enterros de crianças vivas”. Diante das evidências, o Comitê das Nações Unidas para os Direitos das Crianças lançou um apelo para que as forças do governo iraquiano se empenhem na proteção de menores de idade e de grupos familiares.

CURTA o FOCANDO A NOTÍCIA no Facebook

“O Iraque deve tomar todas as medidas necessárias para garantir a segurança e a proteção das crianças e de seus parentes”, disse a agência da ONU. O Estado Islâmico ficou mundialmente famoso pela brutalidade com que lida com seus reféns, adotando práticas de tortura e decapitações.

Recentemente, o grupo assassinou dois reféns japoneses e queimou um jordaniano. Formado em abril de 2013 a partir da Al-Qaeda do Iraque, o grupo jihadista Estado Islâmico age no Iraque e na Síria. Ainda não está claro o tamanho exato do grupo, mas especialistas falam em milhares de membros, incluindo estrangeiros. Correspondentes afirmam que o grupo pode estar superando a Al-Qaeda e já é considerado o mais perigoso movimento jihadista do mundo.

 

iG

Em viagem à Turquia, Papa desafia Estado Islâmico e defende paz no Oriente Médio

papaO Papa Francisco chegou nesta sexta-feira em Ancara para uma viagem de três dias à Turquia para defender o diálogo entre as religiões e a paz no Oriente Médio, em um desafio aos jihadistas do Estado Islâmico (EI). A visita ocorre após os extremistas capturarem partes de território do Iraque e da Síria perto da fronteira da Turquia, declarando um califado islâmico e matando ou expulsando muçulmanos xiitas, cristãos e outros fiéis que não compartilham a crença no Islã sunita radical pregado pelo grupo.

Autoridades disseram que a tolerância religiosa e o combate ao extremismo estariam no topo da agenda do Papa em Ancara nesta sexta-feira, quando Francisco se reunirá com o presidente turco, Tayyip Erdogan, e com Mehmet Gormez, principal clérigo do país. Depois, a visita prosseguirá em Istambul, onde o pontífice visitará o Museu de Santa Sofia e a Mesquita Azul, lugares emblemáticos para os muçulmanos.

CURTA o FOCANDO A NOTÍCIA no Facebook

Francisco também se encontrará com Bartolomeu I, o patriarca ortodoxo ecumênico de Constantinopla, com o qual mantém laços de amizade, apesar de ser uma igreja separada de Roma desde o século XI. Os dois devem emitir pedidos conjuntos sobre direitos humanos e liberdade religiosa, assim como sobre o medo de que o cristianismo esteja desaparecendo do local de suas origens no Oriente Médio, de acordo com o reverendo Dositheos Anagnostopoulos, porta-voz do patriarca.

O Papa, que tem grande popularidade entre católicos, judeus e muçulmanos, pretende mostrar com fatos que o diálogo é possível entre as religiões e que é possível trabalhar juntos pela paz. A viagem pode ser considerada delicada, já que a Turquia, com 76 milhões de habitantes, tem 99% da população muçulmana e passa por um momento de tensão pelos conflitos no Iraque e na Síria, o que motivou confrontos internos entre curdos e turcos. Hoje, o país abriga cerca de 2 milhões de refugiados da Síria.

— Convido todos a rezar para que esta visita de Pedro ao irmão André dê frutos de paz, diálogo sincero entre as religiões e harmonia na nação turca — disse Francisco em referência aos fundadores da igreja Católica e da igreja do Oriente.

Francisco disse na terça-feira que, embora seja “quase impossível” ter um diálogo com insurgentes do Estado Islâmico, a porta não deve ser fechada. A Turquia será a terceira viagem feita por Francisco para uma nação de maioria muçulmana, após Jordânia e Albânia, e a visita será marcada por grandes medidas de segurança, sem passeios de papamóvel.

Após desembarcar em Ancara, o Papa se encontrará com o presidente Recep Tayyip Erdogan e visitará o mausoléu de Kemal Ataturk, fundador em 1923 e primeiro presidente da moderna República da Turquia, após a queda do Império otomano ao fim da Primeira Guerra Mundial. No sábado, viajará a Istambul, onde percorrerá o Museu de Santa Sofia e a Mesquita Azul. Depois celebrará uma missa na catedral católica do Espírito Santo e participará de uma oração com o patriarca ortodoxo de Constantinopla.

No domingo, Francisco participará da festa de Santo André na Igreja Patriarcal de São Jorge que terminará com a bênção ecumênica e a assinatura de uma declaração conjunta com o patriarca. Na ocasião provavelmente lembrará a histórica visita de Paulo VI à Turquia em 1967, a primeira de um Papa a este país.

O Globo

 

Estado Islâmico quer matar o Papa, diz embaixador do Iraque

papaO embaixador do Iraque junto à Santa Fé, Habbed Al Sadr, anunciou, nesta terça-feira, que o Papa Francisco tem sofrido ameaças do grupo extremista Estado Islâmico (EI). As informações são do Daily Mail.

O alerta acontece em um momento em que o pontífice se prepara para se deslocar à Albânia e planeja uma visita à Turquia, países de maioria muçulmana.

“O autoproclamado Estado Islâmico foi claro: eles querem matar o Papa. As ameaças são reais”, disse o iraquiano ao jornal italiano La Nazione.

Segundo o Al Sadr, como o grupo está tomando proporções mundiais e conta com integrantes de diversas nações, a ameaça é ainda mais grave e a segurança do pontífice estaria em risco em qualquer lugar do planeta.

CURTA o FOCANDO A NOTÍCIA no Facebook

“Quero deixar claro que não tenho nenhum conhecimento sobre os futuros planos dos terroristas. Mas a regra do Estado Islâmico é clara: ou a pessoa se converte à religião deles ou morre. Com o Papa, a morte seria a única opção que eles dariam.”, disse o iraquiano.

Suas afirmações, no entanto, foram desvalorizadas pelo padre Federico Lombardi, porta-voz do Vaticano, que disse que não estão previstas medidas de segurança avançadas para a visita de Francisco aos países muçulmanos.

Terra

 

Papa estaria na mira do Estado Islâmico, diz jornal italiano

(Alberto Pizzoli/AFP)
(Alberto Pizzoli/AFP)

O papa está na mira do grupo jihadista Estado Islâmico (EI), responsável pela decapitação do jornalista americano James Foley, por ser “portador da verdade falsa”, conforme publica nesta segunda-feira o jornal italiano Il Tempo.

No texto, o jornal afirma que “fontes israelenses acreditam que o Papa Francisco, o máximo expoente da religião cristã, está na mira do EI”. O artigo diz ainda que a Itália é “um trampolim de lançamento para os mujahedins (combatentes da guerra santa)” e que “as chegadas contínuas de imigrantes servem de base para a entrada dos jihadistas no Ocidente”.

CURTA o FOCANDO A NOTÍCIA no Facebook

O jornal lembra que o autoproclamado califa do Estado Islâmico, Abu Bakr al-Baghdadi, “quer superar à Al Qaeda e as façanhas do ‘chefe do terror’ (Osama bin Laden)”. A publicação garante que o líder do EI, “segundo fontes israelenses, conta em seu entorno mais próximo com a presença de conversos ocidentais e de jovens de segunda geração, filhos de imigrantes nascidos em países europeus, e que agora optaram por abraçar o fundamentalismo islâmico”.

O papa Francisco fez diversos pedidos pela paz no Oriente Médio em várias ocasiões e, exatamente, ontem pediu orações para que termine “a violência insensata” e para “um amanhecer de paz e reconciliação entre os homens”.

 

Terra