Arquivo da tag: inocência

Galdino minimiza delação de Livânia: “Acredito na inocência dos deputados

O presidente da Assembleia Legislativa da Paraíba, Adriano Galdino (PSB), comentou a delação premiada realizada pela ex-secretária de Estado, Livânia Farias, no âmbito da Operação Calvário. Lívânia Farias declarou que cerca de R$ 1,6 milhão teriam sido repassados a seis parlamentares estaduais com o aval do ex-governador Ricardo Coutinho (PSB). Galdino disse acreditar na inocência dos deputados.

Segundo Livânia, o valor deveria ser rateado entre os deputados Branco Mendes, Edmilson Soares, Genival Matias, Lindolfo Pires, Tião Gomes e o então deputado Arthur Cunha Lima Filho.

O presidente da Casa de Epitácio Pessoa disse acreditar na Justiça Paraibana.

– A delação, por si só, não é prova. Eu acredito na Justiça paraibana e acredito também na inocência dos deputados que foram citados na delação.

 

PB Agora

 

 

Monsenhor garante que prova inocência em qualquer apuração

monsenhor-jaelsonO Monsenhor Jaelson de Andrade divulgou no começo da noite dessa segunda-feira (17) nota de esclarecimento (leia adiante) para rebater acusações de que teria se envolvido sexualmente com menores e praticado atos sexuais até dentro da igreja na qual trabalhava. Ele critica o vazamento de informações “sigilosas” sobre investigação de pedofilia e orgias na Igreja Católica na Paraíba e garante que provará sua inocência em qualquer apuração, além de processar na Justiça quem lhe tenha ofendido a honra.

As denúncias contra o religioso foram feitas em depoimentos tomados pelo Ministério Público do Trabalho na Paraíba (MPT-PB) no curso de investigação sobre supostas pedofilia, agravada por pretensos assédios e exploração sexual de adolescentes. Padres e monsenhores, entre os quais Jaelson e o ex-arcebispo Dom Aldo Pagotto, são apontados como responsáveis pelas práticas e eventuais crimes investigados.

A nota do Monsenhor Jaelson

Buscando a verdade e esclarecendo os fatos inicialmente, informamos que não existem acusação nem julgamento, afinal sequer fui ouvido. Cabe ao Ministério Público do Trabalho, no caso em comento, o dever de proteger os direitos da personalidade do indivíduo, não podendo permitir que a mídia se utilize de informações sigilosas e unilaterais em detrimentos de direitos basilares do ser humano.

A divulgação de informação inverídica e incompleta de uma investigação, que sequer eu e os demais citados tivemos acesso bem como não pudemos exercer o nosso sagrado direito de defesa, ressaltando, inclusive, que a forma da informação veiculada erroneamente acaba criando um juízo de valor, levando uma desvirtuação do caso, o que traz prejuízos ao Ofendido que necessariamente deverão ao seu tempo serem reparados.

No caso vertente é absurda a afirmação que eu tenha relação com os fatos narrados e irei comprovar minha inocência em qualquer eventual apuração, valendo ressaltar que irei como qualquer cidadão ao Poder Judiciário para resguardar a honra bem como tomar as medidas cabíveis na esfera cível e criminal.

Monsenhor Jaelson Alves de Andrade

Jornal da Paraíba

Acompanhe mais notícias do FN nas redes sociais: FacebookTwitterYoutube e Instagram

Entre em contato com a redação do FN:  WhatsApp (83) 99907-8550. 

E-mail: jornalismo@focandoanoticia.com.br

Ficha Limpa: TSE decide pela inocência de Veneziano no conhecido ‘Caso Maranata’

venezianoO Tribunal Superior Eleitoral – TSE decidiu em voto monocrático da ministra  Laurita Vaz, não dar provimento ao recurso interposto pelo ex-candidato a Prefeito de Campina Grande Rômulo José de Gouveia (PSD, à época no PSDB) contra o ex-prefeito de Campina Grande Veneziano Vital do Rêgo, em que pedia a sua cassação, alegando uso de dinheiro público na campanha de 2008. A decisão foi tomada na noite da quarta-feira,(05)  mas só revelada agora a pouco.

CURTA o FOCANDO A NOTÍCIA no Facebook
Rômulo, na campanha eleitoral de 2008, utilizou exaustivamente em seu guia eleitoral a denúncia infundada de que Veneziano, que disputava a reeleição, teria utilizado dinheiro destinado à saúde em sua campanha. A acusação, que ficou conhecida como caso do “Cheque da Saúde” ou “Caso Maranata”, era a de que Veneziano tinha efetuado um pagamento em cheque à empresa Maranata e que o cheque teria sido depositado em sua conta de campanha.

Veneziano já havia sido inocentado pelo Tribunal Regional Eleitoral da Paraíba – TRE-PB no dia 13 de setembro de 2011, quando o órgão chegou à conclusão de que todas as doações recebidas em sua campanha eleitoral tinham sido feitas de forma absolutamente regular, transparente e dentro do que determina a legislação eleitoral. Não satisfeito e ainda acreditando que pudesse conseguir a cassação de Veneziano, Rômulo recorreu ao TSE.

Após análise minuciosa das provas, depoimentos, dos recursos e da defesa do caso, na noite desta quarta-feira a Ministra Laurita Vaz decidiu, monocraticamente, que não tinha “como o Tribunal Superior Eleitoral chegar a uma conclusão diferente da que chegou o Tribunal Regional Eleitoral da Paraíba”.

Com a decisão da Ministra Laurita Vaz, fica inadmitido o recurso protocolado pelos advogados de Rômulo Gouveia no processo AI nº 2880/90, e com isso mantida a decisão anterior do TRE-PB, que foi pela absolvição de Veneziano. A Ministra entendeu, tanto quanto o TRE-PB, que as doações foram feitas por pessoas físicas, que tinham capacidade financeira para tal e declararam em juízo terem feito as doações.

“Restou comprovado, portanto, que não houve doação de dinheiro público para a campanha de Veneziano”, afirmou o advogado Raoni Vita, que fez parte da equipe de advogados de defesa de Veneziano.

pbagora com Comunicação & Marketing

Dirigente de partido na Paraíba detona petistas no Estado que defendem inocência de condenados do mensalão

fabioO presidente estadual do PSOL, carteiro Fabiano Galdino, considerou como importante e necessária à democracia brasileira a decisão do STF pela prisão de 12 condenados no caso do Mensalão. Galdino voltou a fazer fortes críticas aos petistas paraibanos que defendem a inocência de Jose Dirceu, Genoíno e Delúbio Soares. “A prisão de figuras como Delubio Soares, Genoíno e o ex-ministro da Casa Civil do Governo Lula e ex-presidente nacional do PT, José Dirceu, entre outros, é um avanço para a democracia brasileira, mesmo que isso signifique uma mancha à história do PT”, comentou.

CURTA o FOCANDO A NOTÍCIA no Facebook

Ainda segundo Galdino, o PT, em suas reações contra a decisão do STF no caso Mensalão, perdeu a noção da ética na política e do respeito ao interesse público. “Quando busca desqualificar a importância da decisão do STF no caso do Mensalão, o PT se enquadra no perfil conservador da política”, afirmou Galdino, acrescentando que “Na Paraíba há os petistas dirigentes que defendem claramente a impunidade no fazer político e que colocam a amizade entre partidários acima do aperfeiçoamento da democracia e do interesse público”.

O dirigente do PSOL criticou dirigentes petistas no Estado que saíram em defesa dos petistas condenados no Mensalão. “Quando busca desconhecer a realidade dos fatos entorno do Mensalão, o PT cumpre o papel de se situar acima da lei e da Justiça, o que é muito lamentável. Esse comportamento adotado pelo PT de negar a existência do Mensalão representa uma insubordinação à lei e ao Estado de Direito”, concluiu.

pbagora