Arquivo da tag: empresas

Não é brincadeira: combate à gordofobia já é realidade em algumas empresas brasileiras

Pouca gente sabe, mas o último dia 10 – conhecido até bem pouco tempo como “Dia do Gordo” – passou a marcar o Dia da Luta Contra a Gordofobia. Comentários como “ela é bonita de rosto, pena ser gordinha” são comuns no dia a dia e, dificilmente, encarados como preconceituosos ou ofensivos. Uma pesquisa realizada em 2017 pelo Ibope, por exemplo, indicou que a gordofobia é um fator presente na rotina de 92% da população brasileira.

De uns anos para cá, principalmente por conta das redes sociais, a pressão por um “corpo perfeito”, alinhado aos padrões de beleza estipulados pela sociedade, vem se tornando uma discussão cada vez mais presente no cotidiano. Por outro lado, o assunto ainda parece ser um tabu no mercado de trabalho, principalmente, no mundo corporativo. Algumas empresas, no entanto, já começam a enxergar a importância do tema. A TIM incluiu a data no calendário do seu programa de diversidade e inclusão e, além de divulgar conteúdos em seus canais internos para trazer informação e conscientização sobre a gordofobia, realizará uma live para os funcionários no próximo dia 29, com a participação de duas colaboradoras com representatividade e conhecimento do tema. Juliana Oswald, analista de comunicação interna, e Maristela Vasconcelos, especialista de mídias sociais, abordarão conceitos ligados ao assunto, falarão sobre o respeito aos diferentes corpos, debaterão eufemismos e comentários ofensivos vistos como brincadeiras e darão dicas de influencers e livros.

“Muitos classificam, mesmo sem notar, a pessoa gorda como algo que está ‘errado’ e precisa ser corrigido. Obviamente, existe o limite da saúde, mas isso quem diz são os exames e os médicos. Não seu colega de trabalho”, comenta Maristela. A publicitária, hoje, percebe ter sido preterida em entrevistas, algo que não enxergava quando ainda era mais jovem: “Na minha época de estágio, eu fiz vários processos seletivos e passava somente nas fases não presenciais. Eu interpretei que os colegas a minha volta eram mais capazes. A autoestima da mulher gorda afeta até o aspecto intelectual”.

Já Juliana não guarda más experiências de processos seletivos – a jovem foi estagiária na própria TIM, onde trabalha há cinco anos – mas confessa escutar, quase que diariamente, aquelas frases comuns que as pessoas reproduzem sem nem imaginar que estão sendo preconceituosas: “Muitas pessoas que já até despertaram para outras pautas importantes, como feminismo, ainda são bastante gordofóbicas. É essencial a conscientização. Acho importante as empresas falarem disso. Acho que o caminho para um ambiente mais inclusivo e respeitoso precisa falar temas de diversidade”.


Assessoria de Imprensa

 

Cinco empresas demonstram interesse em comprar os Correios

O ministro das Comunicações, Fabio Faria (PSD-RN), afirmou nesta quarta-feira (16) que cinco grupos estão interessados na compra do serviço postal dos Correios. Dentre eles estão Magazine Luiza e os estrangeiros Amazon, DHL e Fedex.

A estatal está inscrita no programa de desestatização do governo federal mas, para sua venda, será preciso modificar a Constituição para permitir que a entrega de correspondências seja feita por uma empresa privada. Hoje é competência exclusiva da União.

“Quem comprar vai ter de continuar entregando [correspondências] em Tabatinga (AM), Macapá (AP), Santarém (PA) e Caixas do Sul (RS)”, disse Faria em uma live realizada pelo site de investimentos Traders Club.

“Ainda estamos discutindo composição acionária, mas será decidido pelo Congresso Nacional. O importante é que há cinco players interessados.”

O ministro disse que o interesse desses grupos demonstra que não haverá “processo vazio na privatização” dos Correios, mesmo diante da obrigação da entrega postal, um serviço em franca decadência.

“Eles sabem que vão receber esse ônus, mas o bônus também. {Os Correios] são uma empresa saudável que deu R$ 640 milhões de Ebitda [lucro antes de juros, impostos, amortizações e depreciações] ano passado.”

 

FOLHAPRESS

 

 

Pandemia muda relação entre empresas e trabalhadores, afirma especialista que comenta sobre o futuro do home office

A pandemia fez muitas empresas mudarem o esquema de trabalho e implantarem às pressas o chamado home office. E algumas delas avaliam manter o teletrabalho depois da pandemia. O isolamento social, ainda segundo a OMS, é a melhor forma de controlar a propagação dessa virose. Com isso, o teletrabalho eventual (trabalho remoto ou home office) passou a ser incentivado em todo o mundo. Sobre esse tema a Danyella Ferreira de Albuquerque, advogada trabalhista, que opina sobre o futuro dessa forma de trabalho, pós-pandemia.

“Em regra, não há qualquer distinção entre este e o trabalho exercido em regime presencial, mantendo-se inalterados os benefícios trabalhistas e as obrigações inerentes ao trabalhador, salvo algumas exceções”, afirmou Danyella Ferreira de Albuquerque, destacando que dentre as exceções, a primeira a ser destacada é com relação ao benefício do vale-transporte.

O valor corresponde às despesas do empregado para se deslocar de casa para o trabalho. “No entanto, quando o empregador adota o trabalho em home office e o empregado passa a não ter mais que deslocar-se de casa para o trabalho e do trabalho para casa, o pagamento do benefício do valetransporte deixa de ser obrigatório”, comentou a advogada.

pbagora

 

 

Empresas do Simples Nacional já podem quitar dívidas tributárias com desconto

As micro e pequenas empresam terão acesso a desconto de até 70% e prazo de 145 meses para pagamento de débito tributário com a União, inscrito em dívida ativa, em fase administrativa ou judicial. A lei que permite a medida entrou em vigor nesta quinta-feira (6). Os descontos só poderão incidir sobre multas, juros de mora e encargos legais.

A determinação consta na Lei Complementar 174/20, que permite a esses empreendimentos enquadrados na Lei do Simples Nacional realizar a negociação de débitos com a União segundo as regras da Lei do Contribuinte Legal. A nova norma também estende o prazo para adesão ao Simples Nacional dos pequenos negócios com início de atividade em 2020.

A Lei do Contribuinte Legal estabelece que a Fazenda Pública e o contribuinte possam negociar um acordo sobre dívida tributária, de modo a extinguir a cobrança. A lei permite que todo tipo de empresa faça a transação. No entanto, no caso de micros e pequenas empresas optantes do Simples Nacional havia a necessidade de uma lei específica autorizativa, situação que é resolvida agora.

Fonte: Brasil 61

 

 

Mais de 500 sócios de empresas, 107 donos de embarcações e 1.095 proprietários de veículos de luxo receberam auxílio emergencial na Paraíba

Na lista das pessoas que receberam o auxílio emergencial, a Controladoria Geral da União (CGU), ainda identificou na Paraíba, sócios de empresas, dono de embarcações, proprietários de veículos de auto padrão, além de residentes no exterior. Todos estão dentro do grupo da ‘high society’ (alta sociedade), mas entraram no site do Governo Federal para solicitar o benefício destinado a trabalhadores informais, de baixa renda e/ou desempregados.

O superintendente da CGU, na Paraíba, Severino Queiroz, contou em entrevista ao ClickPB, que o levantamento mostrou que 539 sócios de empresas, 1.095 donos de veículos de luxo, 107 proprietários de embarcações (lanchas, veleiros) e 170 residentes no exterior receberam o auxílio emergencial. “No caso dos que estão no exterior, ainda não sabemos a situação deles, se de fato estavam precisando do dinheiro”, comentou, destacando que, em relação aos que moram na Paraíba não havia necessidade de solicitar o auxílio.

A lista com o nome dessas pessoas será encaminhada ao Ministério Público Federal (MPF) e a Polícia Federal (PF) para que iniciem os procedimentos de investigação. Essas pessoas podem devolver o dinheiro através do site do Ministério da Cidadania. Lá está o passo a passo que deverá ser seguido e evitar o nome esteja sob investigação dos órgãos federais.

 

clickpb

 

 

Pesquisadores da UFPB criam respirador mais barato do país e empresas podem solicitar produção

A Agência de Inovação Tecnológica da Universidade Federal da Paraíba (INOVA-UFPB), finalizou o desenvolvimento do protótipo de ventilador pulmonar que é o mais econômico já produzido até o momento no Brasil. De acordo com os inventores, o custo estimado do aparelho será de R$ 400,00, mais barato do que o da USP que custará R$ 1 mil reais e 37,5 vezes mais barato do que um ventilador no mercado que custa R$ 15 mil.

A equipe de pesquisadores e servidores da UFPB foi responsável pelo pedido de patente, mas não pela fabricação, que deverá ser feita por empresa com autorização da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (ANVISA) e o aparelho ainda precisa passar por testes pelo Instituto Nacional de Metrologia, Qualidade e Tecnologia (INMETRO). Nesses últimos caso, acredita-se que em face da urgência as tramitações burocráticas e testes sejam aceleradas.

O projeto tem licença aberta para os interessados em produzir o ventilador pulmonar. Os interessados deverão entrar em contato com a INOVA-UFPB por meio do e-mail: inova@reitoria.ufpb.br.

O equipamento também é de rápida montagem e programação, sendo possível concluir a montagem e deixá-lo plenamente operável em 60 segundos. Outro detalhe é que ele não é um respirador de emergência, podendo ser usado indefinidamente; ou seja, um substituto aos convencionais comercializados atualmente.

Os inventores tiveram como missão garantir uma alternativa nacional viável que pudesse ser disponibilizado com um baixíssimo custo para hospitais.

O produto faz uso da tecnologia touch-screen, é equipado com sistema multibiométrico e tem conectividade wireless. Inclusive é possível acessá-lo, monitorá-lo e operá-lo em tempo real remotamente por meio de aplicativo em dispositivos móveis (smartphones).

No dia 30 de março de 2020 as imagens do protótipo já estavam disponíveis nas redes sociais. No dia 31, foi realizada nova força tarefa com os inventores, a equipe da Diretoria de Propriedade Intelectual da INOVA-UFPB e do Instituto Nacional da Propriedade Industrial (CGDI/EDIR-PE/SEDIR-PB/INPI) para preparar a redação do pedido de patente. No dia 01 de abril o pedido de patente foi finalizado e no dia 02 foi protocolado no INPI.

A iniciativa tem a coordenação do diretor Presidente Prof. Dr. Petrônio Filgueiras de Athayde Filho, que fez a demanda do projeto no dia 28 de março de 2020 para que fosse desenvolvido um ventilador pulmonar por pesquisadores do Centro de Ciências Exatas e da Natureza (CCEN). A equipe composta por Railson Ramos, Mario Ugulino, Válber Almeida, Tiago Maritan e Marcos Alves concluíram em 48 horas a missão.

 

clickpb

 

 

Ações que pequenas e micro empresas na pandemia de Covid-19 devem tomar para minimizar crise

Consultor empresarial aponta quais atitudes os negócios devem ter para lidar com o momento caótico na economia 
A pandemia do novo coronavírus tem levado o mundo a inúmeras transformações, sendo a econômica, umas das mais importantes e relevantes no momento. Segundo a Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE ou clube dos países ricos), a economia global pode levar anos para se recuperar do impacto desse problema de saúde pública mundial.

No Brasil, algumas medidas têm sido tomadas para tentar evitar a crise, principalmente nas micro e pequenas empresas. Foi anunciado no dia 19 de março que empresas com faturamento bruto anual de até R$10 milhões passam a contar com linha de crédito de recursos de 1 bilhão do Fundo de Amparo ao Trabalhador (FAT). Destinada ao financiamento de capital de giro, o intuito dessa liberação é a tentativa de minimizar os impactos da pandemia sobre os micro e pequenos negócios.

Dia 27 de março, nesta mesma linha de socorro às micro e pequenas empresas, o governo lançou uma linha para pagar os salários (limitado a dois salários mínimos) onde o empresário teria 6 meses de carência e 2 anos para quitar este empréstimo. O dinheiro irá diretamente para a conta do trabalhador.

Com a minha experiência de mais de 35 anos na vida corporativa e desde 2015 à frente da MORCONE Consultoria Empresarial, hoje apresento ações que devem ser tomadas pelas pequenas e micro empresas na pandemia de Covid-19, para que possam minimizar ao máximo os efeitos dessa crise e continuar em atividade no mercado.

Pequenas e micro empresas na pandemia de Covid-19 – ações para lidar com a crise econômica

O que tem sobressaído no mundo nos últimos dias é o pânico das pessoas. Quanto aos colaboradores, o medo de perderem os seus empregos, quanto às empresas, as muitas incertezas sobre a continuidade no mercado após o tempo de paralisação devido à pandemia do novo coronavírus.

Decidi trazer algumas orientações sobre as atitudes que devem ser tomadas pelas pequenas e micro empresas na pandemia de Covid-19, para que possam minimizar ao máximo os efeitos dessa crise mundial. Vamos a elas:

Corte de custos

Essa é obviamente a primeira ação emergencial que as empresas precisam tomar. A minha orientação é cortar tudo o que for possível, tanto de custos fixos, quanto de variáveis.

Mas é preciso minuciosa análise quanto a quais cortes podem ser realizados, de maneira que não afete a empresa. Essa pandemia tem, por exemplo, mostrado a muitos negócios sobre a eficiência do home office e o quanto pode economizar para as empresas manter esse modelo de trabalho nos próximos meses.

Muitos negócios podem encontrar a necessidade de procurar orientação para esse momento de rever os seus custos e quais poderiam ser cortados. O auxílio de um especialista pode ser muito bem-vindo nesse momento.

Diminua o volume de atividades

Muitas indústrias adotaram o funcionamento parcial, mantendo 50% de suas atividades. Essa diminuição de volume também impacta sobre os custos fixos e variáveis, por isso, é uma ação importante em um momento emergencial.

Comunicação clara com clientes

Nesse período de crise, as empresas devem direcionar as suas energias também ao esclarecimento, à comunicação com clientes. Muitas empresas, principalmente no setor da alimentação, tem adotado, por decreto governamental, o serviço delivery como alternativa para prosseguir em funcionamento, essa mudança requer o cuidado da comunicação com os consumidores.

Qualquer tipo de mudança precisa ser comunicada claramente e, para isso, o marketing digital é fundamental.

Negociação de pagamento com fornecedores/parceiros

Nesse momento caótico que estamos vivenciando em nossa economia, acredito que a habilidade da negociação será a ação mais importante para as empresas. Tentar uma negociação de prazos de pagamento com fornecedores/parceiros é essencial, levando em conta a diminuição do volume de atividades, provavelmente haverá diminuição também da demanda com essas empresas parceiras.

Investimento em técnicas de venda mais eficientes e humanizadas

Algumas coisas por conta da pandemia já mudaram, como já mencionei, algumas empresas passaram a investir mais no modelo e-commerce e daqui para frente enfatizo que será cada vez mais importante o investimento em técnicas de vendas eficientes em que a humanização do atendimento seja uma das principais prioridades.

Transformações nas pequenas e micro empresas na pandemia de Covid-19

Diante desse problema tão grave para a economia brasileira e mundial, friso a importância de que as empresas não esperem o problema acontecer e se antecipem. Essas ações demonstram confiabilidade por parte do negócio.

As lideranças nesse cenário precisam estar prontas para lidar com dias difíceis. Negociação será a principal ferramenta das empresas em tempos de pandemia.

O planejamento estratégico nesse cenário é fundamental, aliás, vale lembrar sobre a importância de constantemente atualizar o planejamento, para que em momentos complexos como esse atual no Brasil e no mundo, as empresas saibam quais ações precisam ser tomadas em curto e longo prazo.

Atitudes impulsivas só podem prejudicar as empresas nesse momento, qualquer decisão como corte de gastos, demissão de pessoas, mudanças em processos operacionais, entre outras, devem ser realizada sob análise, por isso saliento a importância de que nesse momento, as empresas recorram à ajuda especializada para lidar com esse cenário por conta da pandemia de Covid-19.

Carlos Moreira – Há mais de 35 anos atuando em diversas empresas nacionais e multinacionais como Manager, CEO (Diretor Presidente), CFO (Diretor Financeiro e Controladoria) e CCO (Diretor Comercial e de Marketing).É empresário há mais de 15 anos e sócio e fundador da MORCONE Consultoria Empresarial.

 

Operação cumpre mandados de prisão contra grupo suspeito de criar empresas de fachada, na PB

Dez mandados de prisão, sendo cinco preventivas e cinco temporárias, e 14 mandados de busca e apreensão são cumpridos na manhã desta quarta-feira (4), nas cidades de João Pessoa, Campina Grande, Patos e Sousa, na Paraíba. A Operação Noteiras tem como objetivo desarticular uma organização criminosa suspeita de criar empresas de fachada para simular operações de compra e venda de mercadorias. Até as 7h30, quatro pessoas já tinham sido conduzidas para a Central de Polícia de Campina Grande.

Participam da operação a Secretaria de Estado da Fazenda, a Polícia Civil, por meio da Delegacia de Crimes Contra a Ordem Tributária e o Ministério Público Estadual, por meio da Promotoria de Justiça de Crimes Contra a Ordem Tributária, com apoio do Gaeco. Durante a ação, são três promotores de Justiça, cerca de 50 policiais civis e 34 auditores fiscais da Fazenda Estadual, com suas respectivas equipes.

Os mandados de prisão preventiva, prisão temporária e de busca e apreensão estão sendo cumpridos nas residências, empresas e escritórios de contabilidade dos envolvidos, expedidos pela 6ª Vara Criminal da Comarca de João Pessoa.

O esquema de fraude fiscal estruturada, investigado pela operação, envolve uma organização criminosa e um grupo de empresas que, juntas, movimentaram, de forma ilícita, aproximadamente R$ 200 milhões em mercadorias e notas fiscais falsas.

Durante as investigações, constatou-se a existência de uma organização criminosa especializada na constituição de empresas de fachada que simulam operações de compra e venda de mercadorias, com o fim de acobertar operações realizadas por outras empresas que, por sua vez, funcionam com ares de regularidade, promovendo a circulação de mercadorias sem o recolhimento do imposto devido, causando grave dano ao Estado da Paraíba.

Os investigados na Operação Noteiras responderão por crimes contra a ordem tributária, organização criminosa e falsidade ideológica, cujas penas, somadas, chegam a 18 anos de reclusão.

G1

 

Prorrogado prazo para médias empresas migrarem para eSocial

Sistema informatizado de prestação de informações de empresas e trabalhadores, o eSocial será obrigatório para os médios empregadores a partir de setembro deste ano. O prazo foi recentemente alterado pela Secretaria Especial de Previdência e Trabalho.

Cerca de 1,24 milhão de médias empresas, que faturam até R$ 78 milhões por ano, deverão inserir os dados de saúde e de segurança de 21 milhões de trabalhadores na ferramenta até o dia 8 de setembro de 2020.

Essa é a última etapa que falta para as médias empresas concluírem a migração para o eSocial, que reduz a burocracia e elimina a manutenção de arquivos em papel.

Também foi anunciado o desmembramento do grupo 4 (dos órgãos e entidades federais). Com a alteração, ficaram no grupo 4 os entes públicos de âmbito federal e organizações internacionais. No grupo 5, os entes públicos estaduais e Distrito Federal. E no grupo 6, os municipais, as comissões polinacionais e os consórcios públicos. Clique aqui e veja o calendário dos grupos 4,5 e 6.

O empregador que não cumprir os prazos estipulados para a adesão ao eSocial estará sujeito a punições previstas na legislação. O desrespeito ao cronograma poderá prejudicar os trabalhadores, que terão dificuldade para receber benefícios sociais e trabalhistas, caso o empregador não preste as informações nas datas corretas.

Administrado pela Receita Federal, o eSocial elimina 15 informações periódicas que os empregadores eram obrigados a fornecer ao governo. Adotado para empregadores domésticos em 2015, o eSocial está sendo expandido gradualmente para todas as empresas e organizações até 2023.

A adesão das grandes empresas foi concluída em agosto do ano passado, quando as contribuições para a Previdência Social e o recolhimento do Fundo de Garantia do Tempo de Serviço passaram a ser feitos pelo sistema.

 

(Foto: Marcelo Camargo/Agência Brasil)

Agência Brasil

 

 

Entenda como os resíduos produzidos por empresas podem ser reaproveitados

Gerenciamento de resíduos sólidos melhora processos e pode aumentar lucros com revenda de materiais.

Apesar de a maioria das empresas brasileiras se enquadraram nas leis e normas designadas pela Política Nacional de Resíduos Sólidos (PNRS – Lei 12.305 de 2010, do Ministério do Meio Ambiente), muitas ainda podem estar perdendo a oportunidade de aplicar boas práticas de gerenciamento de resíduos sólidos.

Quando bem aplicadas, elas podem não apenas melhorar uma série de etapas processuais na produção, mas também tirar proveito monetário de seus próprios destinados à comercialização. Nem todo material que pode passar despercebido como lixo realmente é totalmente descartável, mesmo que de acordo com as etapas necessárias para o cumprimento das leis.

Um exemplo bem-sucedido está acontecendo no sistema prisional, mais precisamente na Penitenciária Modulada Estadual de Montenegro, no Rio Grande do Sul. O Projeto Envolva-se do Sesc traz ao complexo resíduos sólidos de 44 empresas que se transformam em bolsas e sacolas confeccionadas pelos detentos. Além da iniciativa de inclusão social, a iniciativa é rentável, já que as peças são comercializadas em feiras municipais do Sesc.

Como o gerenciamento de resíduos sólidos pode ajudar as empresas a lucrar?

Existe um verdadeiro mercado de resíduos acontecendo entre empresas dos mais variados segmentos e tratadores especializados. Foi o que percebeu a VG Resíduos, premiada startup que uniu a tecnologia ao desenvolvimento sustentável, tornando-se um dos principais nomes em gestão de resíduos sólidos para empresas.

Guilherme Gusman, sócio da VG Resíduos conta que as ferramentas de inteligência inseridas software da empresa possibilita o controle de documentação de fornecedores, controle de documentação relativa a destinação de resíduos (como Certificado de Destinação, MTR), emissão de alertas quanto à capacidade de armazenamento e otimização de processos.

Mas, além de simplificar todo o gerenciamento de resíduos sólidos, a plataforma foi além, criando oportunidade de conexões entre empresas geradoras e tratadores em todo o Brasil, com mais de 1.100 conexões e 4.300 clientes ativos na plataforma, transformando resíduos em receita.

“Geramos uma redução em média de 20% nos custos com destinação de resíduos das empresas através da venda de resíduos na plataforma Mercado de Resíduos. Há o exemplo de uma empresa que pagava R$900,00/mês para destinar paletes de madeira e encontramos um comprador que compra o material mensalmente por de R$300,00, somando um total de total de R$1200,00 por mês de economia. Isso sem falar no impacto positivo que geramos no meio ambiente, pois agora esses materiais podem ser reutilizados ou reciclados”, conta Gusman.

Não existe lixo ou descarte quando a gestão de resíduos sólidos de uma empresa é bem aplicada e praticamente quase todos os tipos de materiais não tóxicos podem ser reaproveitados.

Materiais orgânicos e inorgânicos podem agregar outros processos produtivos em forma de matérias-primas: restos de alimentos, bagaços ou até produtos alimentícios vencidos podem passar por processo de compostagem e se transformarem em adubos orgânicos importantes para o cultivo de cana-de-açúcar, café e até eucalipto e plantas ornamentais.

Outros materiais podem servir de material alternativo aos combustíveis de fornos e caldeiras industriais, sem se esquecer da gama de materiais oleosos e gordurosos que podem ser incorporados à produção de tintas. As possibilidades são diversas e vão muito além do entulho revendido aos ferros-velhos e materiais recicláveis como plástico, alumínio, vidro e papel.

Assessoria