Arquivo da tag: Doutor

MDB de Dona Inês aciona Justiça Eleitoral após ofensas disseminadas contra Doutor Ramon

Nessa quarta-feira (30) o MDB de Dona Inês protocolou representações na Justiça Eleitoral em face de ofensas à imagem de Doutor Ramon através de postagens coordenadas de correligionários políticos atacando a imagem do candidato.

A representação tem o intuito de “estancar” fake news disseminadas pelos representados, com pedidos de exclusão da publicação, direito de resposta, multa e condenação criminal dos representados.

 

assessoria

 

 

Polícia Federal indicia professor doutor da UFPB por falsificação de diplomas

 (Foto: Walla Santos)
(Foto: Walla Santos)

A Polícia Federal investiga a falsificação de diplomas por um professor doutor da Universidade Federal da Paraíba (UFPB). Na tarde desta segunda-feira (06) foi cumprido um mandado de busca e apreensão na casa do professor, que não teve o nome divulgado.

O professor universitário é investigado por ter apresentado na UFPB diplomas de graduação, mestrado e doutorados falsos.

Na casa do professor foi apreendido o original dedo diploma de doutorado e um documento atestando uma suposta revalidação do doutorado. Estes documentos já são apontados pela investigação como falsos.

O investigado será indiciado pelo cometimento dos crimes de uso de documento falso e falsidade ideológica.

A Polícia Federal informou que deu ciência à UFPB para que o professor seja afastado de suas funções e tenha sua remuneração suspensa devido a ordem judicial.

A equipe de reportagem do ClickPB tentou entrar em contato com a reitora da UFPB, Margareth Diniz, e com várias pró-reitorias para saber o posicionamento da instituição, mas recebeu a informação de que eles estariam em um evento impossibilitados de falar sobre o assunto.

clickpb

Acompanhe mais notícias do FN nas redes sociais: FacebookTwitterYoutube e Instagram

Entre em contato com a redação do FN:  WhatsApp (83) 99907-8550. 

E-mail: jornalismo@focandoanoticia.com.br

 

 

Uma história comovente, do menino nordestino da casa de taipa que virou doutor

historiaBomba na net uma matéria espetacular sobre o morador da comunidade de Luzeiro, a 215km de Natal, que saiu da casinha de taipa onde morava para cursar Medicina na Universidade Federal do Rio Grande do Norte.
Veja na reportagem feita com o jovem nordestino que mesmo sendo pobre nunca abandonou seus objetivos.O jovem daquela casinha de taipa através de seus esforços estar sendo considerado um bom exemplo para que outros jovens se espelhe nele.Confira agora a história do menino da casa de taipa,que abandonou a roça e virou doutor Bomba na net uma matéria espetacular sobre o morador da comunidade de Luzeiro, a 215km de Natal, que saiu da casinha de taipa onde morava para cursar Medicina na Universidade Federal do Rio Grande do Norte.

CURTA o FOCANDO A NOTÍCIA no Facebook
Veja na reportagem feita com o jovem nordestino que mesmo sendo pobre nunca abandonou seus objetivos.O jovem daquela casinha de taipa através de seus esforços estar sendo considerado um bom exemplo para que outros jovens se espelhe nele.Confira agora a história do menino da casa de taipa,que abandonou a roça e virou doutor   

 

portaldojulioag1

Titulação de doutor passa a ser exigida para magistério federal

diplomaA titulação de doutor passa a ser requisito para ingresso na carreira do magistério superior nas universidades federais. É o que determina a Lei nº 12.863/2013, que dispõe sobre a estruturação do plano de carreiras e cargos de magistério federal. A lei foi sancionada nesta terça-feira, 24, pelo presidente da República em exercício, Michel Temer.

 

CURTA o FOCANDO A NOTÍCIA no Facebook

Nos editais de concurso, as universidades federais podem dispensar a exigência do título de doutor em áreas de conhecimento ou localidade com grave carência de detentores dessa titulação acadêmica. Nesse caso, podem ser aceitos mestres, profissionais com especialização ou diploma de graduação. A decisão será fundamentada pelos conselhos superiores das universidades.

 

Lei nº 12.863/2013 foi publicada no Diário Oficial da União desta quarta-feira, 25.

 

Assessoria de Comunicação Social

 

Matéria republicada com correções

Titulo de ‘Doutor’ passa a ser obrigatório para ingresso no magistério federal

diplomaA titulação de doutor passa a ser obrigatório, a partir de agora, para ingresso na carreira do magistério superior. É o que determina medida provisória editada pelo governo federal, alterando a Lei nº 12.772, de 28 de dezembro de 2012, que dispõe sobre a estruturação do Plano de Carreiras e Cargos de Magistério Federal. Os concursos públicos terão como requisito de ingresso o título de doutor na área pretendida.

CURTA o FOCANDO A NOTÍCIA no Facebook

O texto da MP determina que as universidades federais poderão dispensar a exigência do título de doutor, quando se tratar de áreas de conhecimento ou localidade com grave carência de detentores de titulação acadêmica de doutor. Neste caso, poderão ser aceitos mestres, profissionais com especialização ou diploma de graduação. A decisão será fundamentada pelos conselhos superiores das universidades.

A justificativa da MP, segundo a presidenta Dilma Rousseff, é para resgatar a qualidade do ensino superior nas universidades federais.

As alterações nos requisitos de acesso a cargos públicos realizadas pela MP não produzem efeito para os concursos cujo edital tenha sido publicado até 15 de maio deste ano.

O texto da MP foi publicado na edição do Diário Oficial da União da quarta-feira, 15.  Veja a íntegra do documento abaixo:

MEDIDA PROVISÓRIA No 614, DE 14 DE MAIO DE 2013

Altera a Lei no 12.772, de 28 de dezembro
de 2012, que dispõe sobre a estruturação do
Plano de Carreiras e Cargos de Magistério
Federal; altera a Lei no 11.526, de 4 de
outubro de 2007; e dá outras providências.

A PRESIDENTA DA REPÚBLICA, no uso da atribuição que lhe confere o art. 62 da Constituição, adota a seguinte Medida Provisória, com força de lei: Art. 1o A Lei no 12.772, de 28 de dezembro de 2012, passa a vigorar com as seguintes alterações:

“Art. 1o ………………………………………………………………………….
……………………………………………………………………………………………..
§ 1o A Carreira de Magistério Superior é estruturada em
classes A, B, C, D e E, e respectivos níveis de vencimento, na
forma do Anexo I.
§ 2o As classes da Carreira de Magistério Superior receberão
as seguintes denominações de acordo com a titulação do ocupante
do cargo:
I – Classe A, com as denominações de:
a) Professor Adjunto A, se portador do título de doutor;
b) Professor Assistente A, se portador do título de mestre ou;
c) Professor Auxiliar, se graduado ou portador de título de
especialista.
II – Classe B, com a denominação de Professor Assistente;
III – Classe C, com a denominação de Professor Adjunto;
IV – Classe D, com a denominação de Professor Associado; e
V – Classe E, com a denominação de Professor Titular.
§ 3o A Carreira de Magistério do Ensino Básico, Técnico e Tecnológico
é composta das seguintes classes, observado o Anexo I:
I – D I;
II – D II;
III – D III;
IV- D IV; e
V – Titular.
§ 4o Os Cargos Isolados do Plano de Carreiras e Cargos de
Magistério Federal são estruturados em uma única classe e nível
de vencimento.
§ 5o O regime jurídico dos cargos do Plano de Carreiras e
Cargos de Magistério Federal é o instituído pela Lei no 8.112, de
11 de dezembro de 1990, observadas as disposições desta Lei.
§ 6o Os cargos efetivos das Carreiras e Cargos Isolados de
que trata o caput integram os Quadros de Pessoal das Instituições
Federais de Ensino subordinadas ou vinculadas ao Ministério da
Educação e ao Ministério da Defesa que tenham por atividadefim
o desenvolvimento e aperfeiçoamento do ensino, pesquisa e
extensão, ressalvados os cargos de que trata o § 11 do art. 108-A
da Lei no 11.784, de 2008, que integram o Quadro de Pessoal do
Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão.” (NR)
“Art. 4o …………………………………………………………………………
Parágrafo único. Os cargos vagos da carreira de que trata o
caput passam a integrar o Plano de Carreiras e Cargos de Magistério
Federal e o ingresso nos cargos deverá ocorrer na forma
e condições disposta nesta Lei.” (NR)
“Art. 8o O ingresso na Carreira de Magistério Superior ocorrerá
sempre no primeiro nível de vencimento da Classe A, mediante
aprovação em concurso público de provas e títulos.
§ 1o O concurso público de que trata o caput tem como requisito
de ingresso o título de doutor na área exigida no concurso.
…………………………………………………………………………………………….
§ 3o A IFE poderá dispensar, no edital do concurso, a exigência
de título de doutor, substituindo-a pelo título de mestre, de
especialista ou por diploma de graduação, quando se tratar de
provimento para área de conhecimento ou em localidade com grave
carência de detentores da titulação acadêmica de doutor, conforme
decisão fundamentada de seu Conselho Superior.” (NR)
“Art. 9o …………………………………………………………………………
…………………………………………………………………………………………….
II – dez anos de experiência ou de obtenção do título de
doutor, ambos na área de conhecimento exigida no concurso,
conforme disciplinado pelo Conselho Superior de cada IFE;
……………………………………………………………………………………………
§ 3o O concurso para o cargo isolado de Titular-Livre será
realizado por comissão especial composta, no mínimo, por setenta
e cinco por cento de profissionais externos à IFE, nos
termos de ato do Ministro de Estado da Educação.” (NR)
“Art. 11. ………………………………………………………………………..
…………………………………………………………………………………………….
II – dez anos de experiência ou de obtenção do título de
doutor, ambos na área de conhecimento exigida no concurso,
conforme disciplinado pelo Conselho Superior de cada IFE;
……………………………………………………………………………………………
§ 3o O concurso para o cargo isolado de Titular-Livre será
realizado por comissão especial composta, no mínimo, por setenta
e cinco por cento de profissionais externos à IFE, nos
termos de ato do Ministro de Estado da Educação.” (NR)
“Art. 12. ………………………………………………………………………..
…………………………………………………………………………………………….
§ 3o ………………………………………………………………………………
I – para a Classe B, com denominação de Professor Assistente:
ser aprovado em processo de avaliação de desempenho;
II – para a Classe C, com denominação de Professor Adjunto:
ser aprovado em processo de avaliação de desempenho;
III – para a Classe D, com denominação de Professor Associado:
…………………………………………………………………………………………….
IV – para a Classe E, com denominação de Professor Titular:
……………………………………………………………………………………………
§ 5o O processo de avaliação para acesso à Classe E, com
denominação de Titular, será realizado por comissão especial
composta por, no mínimo, setenta e cinco por cento de profissionais
externos à IFE, nos termos de ato do Ministro de
Estado da Educação.
………………………………………………………………………………….” (NR)
“Art. 13. Os docentes aprovados no estágio probatório do
respectivo cargo que atenderem os seguintes requisitos de titulação
farão jus a processo de aceleração da promoção:
I – para o nível inicial da Classe B, com denominação de
Professor Assistente, pela apresentação de titulação de Mestre; e
II – para o nível inicial da Classe C, com denominação de
Professor Adjunto, pela apresentação de titulação de Doutor.
………………………………………………………………………………….” (NR)
“Art. 15. Os docentes aprovados no estágio probatório do
respectivo cargo que atenderem os seguintes requisitos de titulação
farão jus a processo de aceleração da promoção:
Atos do Poder Executivo

 

 

Assessoria

 

Dom José Maria Pires é agraciado com o título de Doutor Honoris Causa da UEPB

Por aclamação, o Consuni aprovou a concessão do Título Doutor Honoris Causa ao arcebispo emérito da Paraíba Dom José Maria Pires. A proposta teve como relator o professor Belarmino Mariano Neto que, em seu parecer, destacou a trajetória de Dom José Maria Pires, tendo pautado sua vida na defesa dos oprimidos e injustiçados.

 No parecer, ele também destacou a luta de dom José em defesa dos Direitos Humanos e de uma igreja que libertava pela fé.

Dom José nasceu no distrito de Córregos, e aos 12 anos entrou para o seminário, ordenando-se padre aos 22, em Diamantina – Minas Gerais.

Sua ordenação a bispo veio em 1957, e a arcebispo, em 1965, quando foi nomeado para a Paraíba. No ano seguinte, dom Hélder Câmara o conduziu à região Nordeste do Brasil.

Foi bispo de Araçuaí, membro da Comissão Central da CNBB, presidente da Comissão Episcopal Regional do Nordeste.

Renunciou em 29 de novembro de 1995.

assessoria