Arquivo da tag: domicílios

Auxílio emergencial contemplou mais da metade dos domicílios das regiões Norte e Nordeste

Em maio, o auxílio emergencial concedido pelo governo federal superou os 50% dos lares das regiões Norte e Nordeste. Em todos os domicílios brasileiros esse percentual é 38,7%. Os são do Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (Pnad) Covid-19, realizada pelo IBGE para estimar os impactos da pandemia do novo coronavírus na saúde e no mercado de trabalho do país.

Segundo o governo federal, desde a sua implementação, o auxílio emergencial já chegou às mãos de mais de 64 milhões de brasileiros, com um total de investimento de quase R$ 91 bilhões. De acordo com o levantamento do IBGE, trabalhadores autônomos e domésticos integram a principal categoria do público-alvo do auxílio.

O auxílio emergencial varia entre R$ 600 e R$ 1,2 mil, valor pago a mães e chefes de família. O IBGE afirma que, em maio, o valor médio do benefício por domicílio foi de R$ 846,50.

 

Brasil 61

 

 

PB é o 3º no Nordeste em número de domicílios conectados à internet

O percentual de domicílios paraibanos em que a internet é utilizada passou de 60,7%, em 2016, para 72,2%, em 2018, de acordo com a Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios Contínua, do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), divulgada ONTEM (29). As informações são referentes ao 4º trimestre de 2018, quando foi pesquisado o acesso dos domicílios brasileiros à Tecnologia da Informação e Comunicação (TIC).

Neste período, a utilização da internet em domicílios na Paraíba ficou acima da média do Nordeste (69,1%). O percentual observado no estado em 2018 foi o 3º maior da região, atrás apenas dos registrados em Sergipe, de 76,7%, e no Rio Grande do Norte, de 73,5%. Entretanto, este número ainda está abaixo da nacional (79,1%).

No total, são 362 mil lares paraibanos sem internet. Os principais motivos apontados foram: o serviço de acesso era caro (35,2%), nenhum morador sabia usar a internet (28,8%) e a falta de interesse em acessar a rede (28,6%). Cerca de 2,6% disseram que o equipamento eletrônico necessário tinha um alto custo e 2,5% afirmaram que o serviço de acesso à internet não estava disponível na área.

A pesquisa identificou ainda que 93,3% dos paraibanos de 10 anos ou mais de idade usaram a internet para para enviar ou receber mensagens de texto, voz ou imagens por aplicativos diferentes de e-mail. Além disso, 91,9% das pessoas utilizavam para conversar por chamadas de voz e 48,9% utilizavam a rede para enviar ou receber e-mail. Cerca de 86,5% paraibanos usam para assistir a vídeos, inclusive programas, séries e filmes.

Jovens e mulheres paraibanas são os que mais utilizam internet no estado. Segundo a pesquisa mulheres representam um percentual de utilização de 67%, enquanto entre os homens, são 62,6% dos usuários. Os dois percentuais, porém, estão acima das médias de utilização na Região Nordeste, de 66,1% entre o grupo feminino e 61,6% no masculino.A faixa etária que apresentou o maior percentual de utilização da internet no estado foi a de 20 a 24 anos de idade, representando 88,3% do uso. Enquanto o menor número de usuários, cerca de 22,9%, foi o grupo de 60 anos ou mais. O levantamento indica que todos os grupos etários tiveram aumentos em comparação com o ano anterior, sendo o maior crescimento na faixa de 40 a 49 anos de idade, que passou de 56,6% em 2017 para 66,3% em 2018.A pesquisa também apontou que o rendimento real médio mensal per capita em domicílios em que havia utilização da internet, é de R$ 1.203. Aqueles em que não havia o uso da rede esse valor era de R$ 699.

 

 

IBGE

 

 

Mesmo crescendo em 14% o acesso a internet no Nordeste, apenas 28% dos domicílios da região têm conectividade

internetEntre os bens duráveis, a Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (Pnad), divulgada nesta quinta-feira (18) pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), mostra que o total de domicílios com computadores subiu de 46,4% para 49,5%, de 2012 para 2013. No Nordeste, as casas com esse equipamento cresceram 14%. Dos 32,2 milhões de domicílios brasileiros com computadores em 2013, 28% tinham acesso à internet.

CURTA o FOCANDO A NOTÍCIA no Facebook

A proporção de internautas cresceu de 49,2%, em 2012, para 50,1%, no ano seguinte. A pesquisa do IBGE indica que, em 2001, 12,6% das unidades residenciais tinham esses aparelhos e, em 2013, esse percentual evoluiu para quase metade dos domicílios. Já as moradias com computador ligado à internet aumentaram de 8,5% para 43,7%, na mesma comparação.

Aproximadamente 86,7 milhões de pessoas com 10 anos de idade ou mais acessaram a internet no período de referência em 2013. O crescimento observado foi 2,9% ou 2,5 milhões de usuários. Segundo o IBGE, esse foi o menor índice de expansão registrado a partir de 2008. A taxa de crescimento no número de internautas atingiu o pico de 21,6% de 2008 para 2009. O aumento de internautas com 10 anos ou mais que acessaram a internet em 2013 alcançou maiores percentuais nas regiões Nordeste (4,9%) e Sul (4,5%), com menor índice de ampliação no Norte (0,4%).

A gerente da Pnad, Maria Lúcia Vieira, analisou que o aumento do consumo de bens duráveis, principalmente de computadores, resulta da elevação do rendimento da população. “A gente ainda tem muito a avançar em termos de acesso à internet. Ainda não atingiu a população como um todo”, destacou a gerente da Pnad.

Por gênero, as mulheres, com quase 45 milhões de indivíduos, lideraram os acessos à internet no Brasil, seguidas por 41,7 milhões de homens. Ambos mostraram aumento em comparação a 2012: 43,3 milhões e 40,8 milhões, respectivamente.

Por outro lado, caiu o número de moradias com rádio e DVD, de 2012 para 2013 – queda decorrente das mudanças tecnológicas, segundo o IBGE. Em relação ao rádio, o número caiu de 80,9% para 75,8% e, sobre os aparelhos de DVD, de 76% para 72,4%. Já a quantidade de casas com máquina de lavar evoluiu 7,8%, assim como aquelas com carro, de 42,5% para 43,6%. A proporção de domicílios com moto permaneceu estável: 20% em 2012, e 19,9%, no ano seguinte. Na mesma situação, ficaram os domícilios com fogão e televisor (98,8% e 97,2%, respectivamente).

MaisPB com Agência Brasil 

Paraíba tem mais de 150 mil domicílios com TV por assinatura

tvO Brasil fechou junho de 2014 com 18,97 milhões de assinantes de TV paga. Na Paraíba são mais de 150 mil.

No mês, de cada cem domicílios brasileiros, 29,02 possuíam o serviço, segundo o indicador “Densidade dos Serviços de TV por Assinatura”, que é a relação percentual entre o número de assinaturas e o número de domicílios estimado a partir dos dados publicados pelo IBGE, em sua Síntese de Indicadores Sociais.

CURTA o FOCANDO A NOTÍCIA no Facebook

Na Paraíba são 150.079 assinantes.

Veja abaixo o número de assinantes e a densidade dos serviços de TV por assinatura em junho de 2014 no Nordeste.

MaisPB 

Brasil tem 7 milhões de domicílios com algum tipo de carência

ANTONIO CRUZ/ABR
ANTONIO CRUZ/ABR

Uma pesquisa feita pela Fundação João Pinheiro (FJP) e o Ministério das Cidades mostrou que, em 2010, existiam no país 6,94 milhões de habitações com algum tipo de carência, ou seja, 12,1% dos domicílios. Desse total, os estados de São Paulo, com 1,495 milhão, Minas Gerais, com 557 mil, e da Bahia, 521 mil, concentravam o maior número de unidades catalogadas.

Os números de São Paulo superaram os demais estados se explica, de acordo com Adriana Ribeiro, pesquisadora da FJP, pela própria característica populacional do estado. “São Paulo tem população em número superior às dos demais estados e, por isso, em termos absolutos, os indicadores são maiores”, disse.

CURTA o FOCANDO A NOTÍCIA no Facebook

Para o levantamento, foi considerado como déficit habitacional residências que apresentavam alguma dessas características: habitações rústicas ou improvisadas, coabitação familiar (soma de cômodos e famílias conviventes visando a uma residência exclusiva), gastos com aluguel superiores a 30% da renda familiar e locais onde havia mais de três pessoas morando no mesmo dormitório.

Em comparação com o total de domicílios existentes, os estados da Região Norte, além do Maranhão, no Nordeste, apresentaram os piores índices: Maranhão (27,3% de habitações com alguma carência), Amazonas (24,2%), Amapá (22,6%), Pará (22%) e Roraima (21,7%).

A pesquisa Déficit Habitacional Municipal no Brasil 2010 teve como base o censo do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) do mesmo ano. Os dados, de acordo com a presidente da FJP, Marilena Chaves, são importantes para que o Ministério das Cidades possa traçar estratégias para o setor.

“Com a apresentação deste novo produto, colaboramos para a formulação de políticas habitacionais baseadas em dados seguros e confiáveis”.

A pesquisa pode ser acessada no site da FJP, no endereço http://www.fjp.gov.br/index.php/indicadores-sociais/deficit-habitacional…

 

RBA

Ministro das Comunicações diz que 70% dos domicílios brasileiros terão acesso à internet até 2014

Na última sexta-feira (17/8), durante reunião com os associados do Instituto para Desenvolvimento do Varejo (IDV), o ministro das Comunicações Paulo Bernardo anunciou que, até 2014, 70% dos domicílios brasileiros terão acesso à internet.
Crédito:Agência Brasil
Segundo ministro, até 2014 maior parte do lares terão acesso à internet
“Esta é a nossa missão, ou seja, disseminar e popularizar o uso de tecnologias de informação, como computadores, smartphones e tablets. Para isso, precisamos desenvolver este setor. Em 2010 esse índice era 27%, e nossa previsão para este ano é chegar a 50%”, disse Bernardo.
Para que essa previsão se concretize, Bernardo destacou que é preciso que o varejo participe do processo ativamente, não só disponibilizando e distribuindo todos os equipamentos necessários, mas também contribuindo com sugestões para a implantação desse programa.
Na reunião, os associados do IDV também discutiram outros assuntos com o ministro, como a implantação de novos meios de pagamento via smartphones, a melhora na eficiência dos serviços postais e o cadastro positivo. “Precisamos revolucionar este mercado de pagamento via smartphones e também estamos de mãos dadas para que haja uma redução nos juros, e que ela efetivamente chegue ao consumidor final”, afirmou o presidente do IDV Fernando de Castro.
Portal IMPRENSA