Arquivo da tag: desafia

Em viagem à Turquia, Papa desafia Estado Islâmico e defende paz no Oriente Médio

papaO Papa Francisco chegou nesta sexta-feira em Ancara para uma viagem de três dias à Turquia para defender o diálogo entre as religiões e a paz no Oriente Médio, em um desafio aos jihadistas do Estado Islâmico (EI). A visita ocorre após os extremistas capturarem partes de território do Iraque e da Síria perto da fronteira da Turquia, declarando um califado islâmico e matando ou expulsando muçulmanos xiitas, cristãos e outros fiéis que não compartilham a crença no Islã sunita radical pregado pelo grupo.

Autoridades disseram que a tolerância religiosa e o combate ao extremismo estariam no topo da agenda do Papa em Ancara nesta sexta-feira, quando Francisco se reunirá com o presidente turco, Tayyip Erdogan, e com Mehmet Gormez, principal clérigo do país. Depois, a visita prosseguirá em Istambul, onde o pontífice visitará o Museu de Santa Sofia e a Mesquita Azul, lugares emblemáticos para os muçulmanos.

CURTA o FOCANDO A NOTÍCIA no Facebook

Francisco também se encontrará com Bartolomeu I, o patriarca ortodoxo ecumênico de Constantinopla, com o qual mantém laços de amizade, apesar de ser uma igreja separada de Roma desde o século XI. Os dois devem emitir pedidos conjuntos sobre direitos humanos e liberdade religiosa, assim como sobre o medo de que o cristianismo esteja desaparecendo do local de suas origens no Oriente Médio, de acordo com o reverendo Dositheos Anagnostopoulos, porta-voz do patriarca.

O Papa, que tem grande popularidade entre católicos, judeus e muçulmanos, pretende mostrar com fatos que o diálogo é possível entre as religiões e que é possível trabalhar juntos pela paz. A viagem pode ser considerada delicada, já que a Turquia, com 76 milhões de habitantes, tem 99% da população muçulmana e passa por um momento de tensão pelos conflitos no Iraque e na Síria, o que motivou confrontos internos entre curdos e turcos. Hoje, o país abriga cerca de 2 milhões de refugiados da Síria.

— Convido todos a rezar para que esta visita de Pedro ao irmão André dê frutos de paz, diálogo sincero entre as religiões e harmonia na nação turca — disse Francisco em referência aos fundadores da igreja Católica e da igreja do Oriente.

Francisco disse na terça-feira que, embora seja “quase impossível” ter um diálogo com insurgentes do Estado Islâmico, a porta não deve ser fechada. A Turquia será a terceira viagem feita por Francisco para uma nação de maioria muçulmana, após Jordânia e Albânia, e a visita será marcada por grandes medidas de segurança, sem passeios de papamóvel.

Após desembarcar em Ancara, o Papa se encontrará com o presidente Recep Tayyip Erdogan e visitará o mausoléu de Kemal Ataturk, fundador em 1923 e primeiro presidente da moderna República da Turquia, após a queda do Império otomano ao fim da Primeira Guerra Mundial. No sábado, viajará a Istambul, onde percorrerá o Museu de Santa Sofia e a Mesquita Azul. Depois celebrará uma missa na catedral católica do Espírito Santo e participará de uma oração com o patriarca ortodoxo de Constantinopla.

No domingo, Francisco participará da festa de Santo André na Igreja Patriarcal de São Jorge que terminará com a bênção ecumênica e a assinatura de uma declaração conjunta com o patriarca. Na ocasião provavelmente lembrará a histórica visita de Paulo VI à Turquia em 1967, a primeira de um Papa a este país.

O Globo

 

Francine desafia: ‘Levanta o braço e vê se seu peito não vai repuxar?’

Francine Piaia (Foto: Reprodução/Instagram)
Francine Piaia (Foto: Reprodução/Instagram)

Francine Piaia não imaginava a polêmica que ia causar ao postar uma foto nua para mostrar que havia emagrecido sete quilos. Na imagem, ao levantar um dos braços, a ex-BBB fez os internautas despejarem inúmeros comentários em sua timeline. Muitos disseram que o seio direito estava diferente do esquerdo e, portanto, torto.

CURTA o FOCANDO A NOTÍCIA no Facebook

Procurada pelo EGO para esclarecer a polêmica, Fran lançou o desafio: “Não sabia que a minha foto ia causar tanto! Faz o teste: levanta o braço. O seio tende a repuxar para cima e ficar mais fino do que o outro. Gente, meu seio não tem silicone, é um seio normal como o de qualquer mulher. Quando fiz o ensaio nu para a ‘Playboy’, o diretor da revista disse que nunca tinha visto um seio natural tão bonito. Claro que meu corpo mudou. Hoje não sou mais a mesma menininha do passado, estou com 31 anos”, disse ela.

Ao ler os incontáveis comentários sobre a foto polêmica, Francine se divertiu. “Estou acostumada com as críticas e sei quem eu sou. Assumo que sou uma ex-BBB, mas não sou burra. Faço minha segunda faculdade (Medicina Veterinária), trabalho para caramba e continuo na televisão (Francine traballha no ‘Chuchu beleza’, programa da TV Gazeta, e no Superpop). Cansei de ouvir que Francine está acima do peso, mesmo acreditando que beleza e peso não caracterizam o caráter de uma pessoa. Tem gente que te hostiliza do nada. Nessa foto o único photoshop que usei foram as flores e a boca. Meu corpo não foi retocado”, garante Fran.

 

Ego

‘Estupro corretivo’ vitimiza lésbicas e desafia poder público no Brasil

estupro_corretivo“Você vai aprender a gostar de homem”. Essa terrível frase é tristemente comum em caso de violência sexual contra mulheres lésbicas no Brasil. A estatística assusta: 6% das vítimas de estupro que procuraram o Disque 100 do governo federal durante o ano de 2012 são mulheres homossexuais vítimas de violência, em sua maioria de fundo sexual. Chamada de ‘estupro corretivo’, a violação tem requintes de crueldade e é motivada por ódio e preconceito, o que torna a descoberta dos casos algo complexo para o sistema de direitos humanos nacional. Os serviços de Diversidade Sexual e Gênero da União e a Secretaria de Políticas para Mulheres do governo gaúcho estão trabalhando na identificação e punição dos crimes, e concentram esforços na sensibilização das vítimas para denunciarem o estupro – o que nem sempre ocorre devido ao temor pela exposição.

CURTA o FOCANDO A NOTÍCIA no Facebook

As estatísticas do serviço telefônico de denúncia vinculado à Secretaria Nacional de Direitos Humanos foi compartilhada com a Secretaria Nacional de Políticas para as Mulheres, o Conselho Nacional LGBT e os movimentos sociais ligados à diversidade sexual. De acordo com a coordenadora da Liga Brasileira de Lésbicas (LBL), Roselaine Dias, que representa a entidade no Conselho LGBT, os dados não especificam a prática de estupro homofóbico. “São 6% de violação de mulheres lésbicas. Parte deste índice é de estupro corretivo, porque temos como referência outros dados do Ministério da Saúde que nos permitem fazer um comparativo percentual coincidente”, explica. Segundo ela, a fonte reveladora da realidade de estupros corretivos é o serviço de HIV/Aids. “Temos um quadro que aponta que muitas mulheres portadoras do HIV contraem o vírus em decorrência de estupros com esta motivação”, diz.

A violência é usada, explica, como um castigo pela negação da mulher à masculinidade do homem. Uma espécie doentia de ‘cura’ por meio do ato sexual à força. A característica deste tipo de prática é a pregação do agressor ao violentar a vítima. As vítimas são em sua maioria jovens entre 16 e 23 anos, lésbicas ou bissexuais. Alguns agressores chegam a incitar a “penetração corretiva” em grupos das redes sociais e sites na internet.

Em março de 2012, por meio de denúncia da Associação Brasileira de Lésbicas, Bissexuais, Travestis e Transexuais (ABGLT), a Polícia Federal prendeu Emerson Eduardo Rodrigues, de Curitiba, e Marcelo Valle Silveira Mello, de Brasília, autores da página Silvio Koerich, que incitava o ódio contra homossexuais e ensinava o ‘estupro corretivo’. No final do mesmo ano, em Alagoas, ao menos dois casos ganharam repercussão nacional. Geralmente, os casos chegam ao conhecimento da sociedade e das autoridades de forma isolada, quando envolvem mais de um agressor e alguma instituição de notoriedade. No dia 11 de maio deste ano, uma estudante foi vítima de um estupro corretivo dentro do campus da Universidade Estadual do Rio de Janeiro (UERJ). A vítima estava acompanhada de uma menina em uma festa e, quando se afastou, foi abordada por um sujeito que lhe disse que iria ensiná-la a gostar de homens.

 

Casos de Porto Alegre foram descobertos no serviço de HIV/Aids

Até então conhecido internacionalmente pela forma epidêmica com que vitima mulheres na África do Sul, o estupro corretivo é uma realidade nova para as autoridades brasileiras. Porém, ainda que sem dados oficiais consolidados, a Liga Brasileira de Lésbicas afirma que casos ocorrem de forma recorrente no Rio Grande do Sul. “Sabemos de casos que atendemos, pela rede de atuação que a ONG faz com o serviço de HIV de Porto Alegre. Como os registros de estupro são feitos nas delegacias, é mais difícil saber ao certo quando e de que forma acontecem”, diz Roselaine Dias.

Lamentavelmente, os estupros corretivos chegaram ao conhecimento do poder público por meio dos casos em que a vítima contraiu o vírus HIV, o que é ainda mais preocupante, alerta a secretária de Políticas para Mulheres, Ariane Leitão. “Estes dados surgem no serviço de HIV, que não é o local adequado para iniciar uma denúncia deste tipo. É possível que outros casos estejam ocorrendo e estejam invisíveis a nós”, salienta. Segundo ela, a interligação da rede estadual de atendimento e proteção às mulheres vítimas de violência precisa ser institucionalizada. “O debate sobre violência contra mulheres tem que sair do foco da violência doméstica. Temos que ter a compreensão da violação de gênero. Estes casos de estupros corretivos revelam uma das piores faces da violência contra mulher, contra o ser humano que se atreve, na visão destes agressores, a negar a masculinidade da sociedade”, afirma.

O serviço de denúncia no RS, o Escuta Lilás, é uma forma de acolhimento das vítimas e de denúncias para o encaminhamento dos processos criminais contra os agressores, recorda a secretária. Conforme Ariane, uma coordenadoria específica de Lésbicas, Bissexuais e Transexuais femininas foi criada para discutir as especificidades das políticas públicas para a diversidade sexual. “As mulheres também sofrem preconceito dentro do meio LGBT. São minorias, dentro das minorias. Vemos muito mais casais de homens se assumindo do que de mulheres, por conta do receio de algumas lésbicas com a cultura machista que ainda nos envolve”, ressalta.

A violência não muda a orientação sexual delas”, diz Liga Brasileira de Lésbicas

Uma Sala Lilás criada no ano passado dentro do Instituto Geral de Perícias já está possibilitando o atendimento humanizados às mulheres vítimas de violência sexual. O espaço evita que vítima e agressor convivam no mesmo ambiente na hora do registro dos crimes ou que as mulheres sejam inibidas na hora da denúncia. “Antes a vítima tinha muita exposição. Agora, ela denuncia junto ao Departamento Médico Legal, onde ninguém irá saber que ela está lá denunciando especificamente uma lesão corporal de abuso sexual, porque é onde realizamos todos os exames de lesão corporal”, explica a Corregedora Geral do IGP, Andréa Brochier Machado. Além disso, a escuta acolhedora e o atendimento psicossocial garantem o encaminhamento da vítima de forma mais qualificada, afirma. “O nosso trabalho pode vitimar ainda mais a pessoa. Por isso, temos o cuidado de oferecer atendimento psicológico em Porto Alegre. No interior, estamos buscando parceria com as prefeituras para ampliar a oferta de psiquiatras e psicólogos para este atendimento”, fala Andrea.=

A tipificação dos crimes, inclusive dos estupros, poderá ser feita em breve, informa Andrea. “Estamos colocando o sexo no registro das perícias. Isto permitirá quantificarmos as mulheres que passaram pelo DML, o tipo de lesão e mapear os crimes. Nos surpreende esta dupla violência com as mulheres lésbicas. Pela prática que tenho, devem ser os crimes com maior crueldade, porque são movidos por ódio, como se o agressor quisesse impor a sua compreensão sobre sexualidade como a ideal. Uma relação de dominação e controle típica da nossa cultura machista”, avalia a perita criminalística.

De acordo com a coordenadora da LBL, Roselaine Dias, os estupros corretivos precisam ser vistos para além das vítimas, porque em nenhum momento elas mudam sua orientação sexual após a violência sofrida. “Não afeta em nada a concepção da vítima sobre sua sexualidade. Nenhuma diz que deixará de sair com menina por ter sido vítima. O diferencial é que, quando ela está sofrendo a violência, é o agressor que explica que tem um ‘motivo’. Ele é que tem que ser tratado. Precisamos combater os preconceitos culturais e a forma de educar as pessoas sobre as relações afetivas, sexualidade e identidade de gênero. Só assim teremos uma solução”, diz.

Fotos: Ramiro Furquim/Sul21

brasildefato

Moreno desafia atacantes do Grêmio: ‘Vamos ver se é fácil fazer 22 gols’

(Foto: Tomás Hammes / GLOBOESPORTE.COM)
(Foto: Tomás Hammes / GLOBOESPORTE.COM)

Fora dos planos de Vanderlei Luxemburgo e da direção do Grêmio, Marcelo Moreno segue sem entender os motivos que o afastaram da equipe titular. Com o objetivo de reconquistar espaço, ainda pretende permanecer no clube gaúcho. E promete ser “guerreiro” e esperar por oportunidade até junho, quando definirá o futuro na carreira.

Como alegação, Moreno lembrou a marca atingida em 2012: 22 gols com a camisa azul, preta e branca. E, em entrevista à Rádio Gaúcha, desafiou os demais atacantes do grupo a baterem esses números.

CURTA o FOCANDO A NOTÍCIA no Facebook

– Sei que fiz um grande ano, com 22 gols. Vamos ver se nossos atacantes superarão essa marca, se é fácil fazer 22 gols. Tomara que sim para ajudar o Grêmio, que é o mais importante – desafiou. – Não entendo a situação que estou passando. Respeito a todos, acho que é uma opção técnica. Tenho que respeitar o momento, com humildade.

Moreno não atua desde 24 de fevereiro – tem cinco partidas, nenhum gol em 2013. A perda de espaço para Barcos, Vargas, Welliton e Willian José irritou o pai do boliviano. Após a frustrada negociação com o Palmeiras, Mauro Martins criticou publicamente a decisão de Luxa e da direção. Posteriormente, o próprio centroavante disse que, pela atual situação, achava que não atuaria mais com o atual treinador. Desta vez, no entanto, amenizou o discurso.

Sei que fiz um grande ano, com 22 gols. Vamos ver se nossos atacantes superarão essa marca
Marcelo Moreno

– Não foram exatamente essas palavras. Está difícil atuar com esses jogadores. Vou ser guerreiro e esperar até junho. Combinei isso com minha família e meu empresário. Estou esperando oportunidade para as coisas melhorarem para mim – contou.

Desde então, Flamengo, Santos, Botafogo e Cruzeiro demonstraram interesse nele. No entanto, Moreno se diz “apaixonado” pelo clube gaúcho:

– Agradeço o interesse de outros clubes, mas preciso esperar pela oportunidade para poder jogar. É o time que gosto, sou apaixonado. Quero ficar no Grêmio.

Nesta terça-feira, o atacante se integrará à delegação da Bolívia. Estará em campo no amistoso contra o Brasil, no próximo sábado. Moreno, aliás, também fez questão de negar o pedido de afastamento da seleção nacional.

– Em nenhum momento, tinha falado isso. Além de tudo, fui escolhido o capitão. Estava orgulhoso naquele momento.

 

 

 

Globoesporte.com

Timão desafia mística da Bombonera na primeira decisão contra o Boca

O Corinthians inicia nesta quarta-feira, às 21h50m, na Bombonera, os 180 minutos mais importantes de sua história. Seja dentro de campo ou nas arquibancadas, nem os marcantes títulos paulista de 1977 e mundial de 2000 possuem tanta iimportância como finalmente levantar pela primeira vez o troféu de campeão da Taça Libertadores. A conquista pode ser ainda mais especial pela força do adversário. Do outro lado estará ninguém menos que o Boca Juniors e sua marca de papa-títulos do continente – tem seis conquistas.

O Timão chega para as finais com uma grande campanha. Em 12 partidas, acumula sete vitórias e cinco empates. Desde 1978, com o próprio Boca, nenhum clube consegue ser campeão invicto. A equipe atingiu também um outro dado de respeito. Foram somente três gols sofridos, o que a coloca com a melhor defesa de toda a história do torneio em 52 edições.

O título é muito importante para nós. Não dá para dizer a dimensão. Vamos marcar história no Corinthians”
Paulinho

Para passar à primeira decisão de sua história, os corintianos tiveram tranquilidade somente até as oitavas de final, quando derrotaram sem sustos o Emelec. Nas quartas, dois difíceis duelos diante do Vasco da Gama, superado somente nos minutos finais do confronto no Pacaembu, com um gol salvador de Paulinho. Já nas semifinais, o Timão eliminou o atual campeão Santos, com uma vitória na Vila Belmiro e uma igualdade em São Paulo.

– O título é muito importante para nós. Não dá para dizer a dimensão. Vamos marcar história no Corinthians. São 102 anos em busca e agora temos tudo nas mãos. Nós não queremos parar essa história aqui. Serão duas guerras – afirmou Paulinho.

O caminho do Boca também teve momentos dramáticos. A primeira fase não foi das mais calmas, mas o time encabeçado pelo maestro Riquelme embalou nos confrontos diretos. Após bater o Unión Espanhola-CHI nas oitavas, eliminou o Fluminense no Engenhão. A partir disso, criou ainda mais forças para superar o Universidad de Chile, atual campeão da Copa Sul-Americana, e se garantir na decisão. Se for campeão, chegará a sete conquistas e igualará o recorde do Independiente-ARG.

O chileno Enrique Ósses apita a partida. Os auxiliares são os também chilenos Francisco Mondria e Carlos Astroza. A Rede Globo transmite a partida para todo o Brasil. Você acompanha também, em Tempo Real, no GLOBOESPORTE.COM, com um programa especial e flashes ao vivo direto de Buenos Aires, a partir das 21h.

Treino Corinthians na La Bombonera (Foto: Marcos Ribolli / Globoesporte.com)La Bombonera vai ferver na noite desta quarta-feira (Foto: Marcos Ribolli / Globoesporte.com)

header as escalações 2

Boca Juniors: será a mesma equipe que conseguiu uma vaga na final ao empatar, fora de casa, com o Universidad-CHI. Com os titulares preservados, inteiros fisicamente, já que no fim de semana foram escalados reservas e garotos das categorias de base na partida contra o All Boys, pelo Campeonato Argentino, o técnico Julio César Falcioni não escondeu em momento algum sua escalação: Orion, Roncaglia, Schiavi, Caruzzo e Clemente Rodríguez; Ledesma, Somoza e Erviti; Riquelme; Mouche e Silva.

Corinthians: o técnico Tite fará apenas uma mudança em relação ao time que empatou por 1 a 1 contra o Santos, no Pacaembu, nas semifinais. O atacante Emerson, expulso no primeiro jogo, na Vila Belmiro, recupera a posição. Willian volta para o banco de reservas. Liedson também será opção, mesmo depois da boa atuação que teve no clássico contra o Palmeiras, pelo Brasileirão. A formação é a seguinte: Cássio, Alessandro, Chicão, Leandro Castán e Fábio Santos; Ralf, Paulinho, Danilo e Alex; Jorge Henrique e Emerson.

quem esta fora (Foto: arte esporte)

Boca Juniors: o zagueiro Insaurralde, com uma lesão no tornozelo esquerdo, é o único desfalque para a decisão. Com isso, o técnico Julio César Falcioni repete a dupla de zaga que segurou o empate sem gols na semifinal contra o Universidad: o experiente Schiavi, de 39 anos, e Caruzzo.

Corinthians: o lateral-esquerdo Ramon, com dores no joelho direito, e o meia Ramírez, por opção de Tite, não viajaram à Argentina.

header fique de olho 2
Boca Juniors:
Riquelme é o grande maestro do Boca Juniors e garante: está em sua última decisão de Libertadores. Em 2007, no último dos seis títulos que o clube conquistou na competição, o camisa 10 fez a diferença na decisão contra o Grêmio e espera repetir a dose diante do Corinthians. Ele tem sido poupado de alguns treinos, mas isso é costumeiro. Para a comissão técnica, Riquelme precisa estar bem na hora da partida, quando sabe o que fazer.

Corinthians: o Timão terá a volta de sua referência ofensiva. Sem um centroavante de ofício, a equipe passou a depender bastante de Emerson, que não decepcionou. Autor de um golaço na primeira semifinal contra o Santos, Sheik volta ao ataque para encarar e abrir espaços na forte defesa argentina na tentativa alvinegra de voltar a São Paulo com um bom resultado.

header o que eles disseram

Julio César Falcioni, técnico do Boca Juniors: “O Corinthians tem feito uma boa Libertadores e, assim como o Boca, merece estar na final. É uma equipe rápida, compacta, muito bem armada. Temos jogadores experientes, mas vamos precisar fazer nosso melhor para conquistar o título. Conhecemos o Corinthians e nossos jogadores estão bem preparados”.

Tite, técnico do Corinthians: “Chegaram as duas melhores equipes. As duas mereceram. Temos essa consciência. Vamos olhar para trás e ver tudo o que fizemos para chegar a esse momento decisivo”.

header números e curiosidades

* Esta é a 13ª vez que o título da Taça Libertadores é decidido entre Brasil e Argentina. O saldo das decisões é amplamente favorável aos argentinos, que conquistaram o título nove vezes, contra apenas três triunfos brasileiros:

* Boca Juniors e Corinthians fazem uma final inédita na história da Taça Libertadores da América. As duas equipes se enfrentaram apenas duas vezes pela competição sul-americana. Na oportunidade, pelas oitavas de final de 1991, o Boca eliminou o Corinthians após vitória por 3 a 1, na Bombonera, e empate em 1 a 1, no Morumbi.

* No cômputo geral (competições e amistosos), Boca Juniors e Corinthians se enfrentaram 11 vezes na história, com cinco vitórias argentinas, três brasileiras e dois empates. Nos gols marcados, nova vantagem do Boca Juniors: 27 a 17.

* O Corinthians disputa a Taça Libertadores pela décima vez e pela primeira participa da competição em três anos consecutivos. Em suas quatro últimas participações, o Timão foi eliminado três vezes nas oitavas de final e uma na fase prévia.

* Dez vezes finalista e quatro semifinalista em 23 participações, o Boca pode ser apontado como algoz das equipes brasileiras. Em 15 encontros de mata-mata com times brasileiros, levou a melhor em 13 oportunidades. Com exceção da decisão de 1963, quando o Santos o derrotou, da semifinal de 2008 (caiu diante do Fluminense), a equipe argentina sempre eliminou ou conquistou a Libertadores em confrontos eliminatórias diante de brasileiros.

header último confronto v2

Os clubes empataram por 2 a 2, dia 19 de setembro de 2000, em partida válida pela primeira fase da Copa Mercosul. Já eliminado, o Corinthians entrou em campo com uma equipe mista. Arce e Pandolfi marcaram para os argentinos, mas Ricardinho anotou dois nos 12 últimos minutos e deixou tudo igual. Comandado por Vadão, o Timão atingiu naquela ocasião nove partidas sem vencer na temporada.

Globoesporte.com

Filme sobre Violeta Parra desafia senso comum e tem ‘cópia fiel’ como protagonista

Do pai, Violeta Parra herdou um violão "cheio de sons de passarinhos" (Fotos: divulgação)

São Paulo – Primeira atriz latino-americana a expor no Museu do Louvre, em Paris, responsável pelo resgate da cultura chilena e com composições gravadas no mundo todo, Violeta Parra, é tema do filme que chega às telas brasileiras neste feriado e que pode ser considerado um ode à alegria. Mas a vida real não foi tão generosa com a artista chilena, de triste passagem individual pelo mundo, embora repleta de realizações para a posteridade.

“Violeta foi para o Céu”, de Andrés Wood, o mesmo diretor de “Machuca” (2004), conta sem falsificações a história da mais conhecida cantora chilena. Tal como o cérebro atormentado da personagem principal, o longa-metragem não tem linha reta. Da infância complicada, com pai alcoólatra e de destino errante, Violeta passa à fase adulta como artista itinerante, cantando de povoado em povoado e viajando em boleia de caminhão. Das caminhadas pelo interior do Chile sob sol escaldante, vai à Paris da década de 1960 embalar romances conturbados e uma vida artística guiada pela miséria.

No fim, tem-se uma imagem de uma personalidade única, merecedora de respeito, de sofrimento compreensível. A atriz Francisca Gavilán consegue ir além da impressionante semelhança física, e se destaca no filme cantando as músicas de Violeta. As passagens da vida da artista são permeadas por uma entrevista que vai ajudando a entender melhor a formação do seu caráter. Ao longo dela, Violeta conta da família indígena com orgulho, ignorando o preconceito do apresentador, e a primeira passagem pela Europa. Chamada a uma rápida excursão, ela é informada da morte de um filho, e decide passar “mais um tempo” no Velho Continente – dois anos.

Em Paris, a artista desafia os preconceitos contra os latino-americanos. E sai vencedora

No Chile, coloca o pouco que tem nas costas e, acompanhada do filho, Angel, decide resgatar as cantigas de folclore. Vai de porta em porta ouvindo histórias que mais tarde resultarão em discos, e que ajudarão a cunhar seu estilo, famoso por canções como “Gracias a la Vida” e “Volver a los 17”, mais tarde gravadas por dezenas de artistas de outros países, com destaque para a argentina Mercedes Sosa.

Livre de amarras, Violeta acumula amores ao longo da vida, até uma paixão arrebatadora por um artista francês apresentado pelo filho. A juventude do parceiro não parecia problema, e o casal, sem nós que os atasse a qualquer lugar do mundo, vai passar uma temporada em Paris. De volta ao Chile, porém, a cantora começa a sentir os efeitos da diferença de idade: não tem mais pique para seguir o namorado, Run Run, que quer ganhar mundo, e entra em depressão – daí nasce “RunRun se fue pa’l norte”.

No interior chileno, Violeta começa como artista itinerante, e apresenta o que for aceito pelo público

Uma tenda em Santiago parece restituir-lhe o vigor: a área, cedida por um político, começa a atrair o público e artistas interessados no folclore chileno. No entanto, o tempo passa, Violeta e o público parecem desinteressar-se mutuamente, ocorre um último rompimento com o namorado, e a vida chega ao fatídico desfecho. Um conhecido final que em nada abrevia a tensão do filme.

redebrasilatual