Arquivo da tag: delegado

Delegado Damião Marçal morre aos 67 anos em Campina Grande

O delegado da Polícia Civil José Damião Marçal da Silva, 67 anos, morreu no início da manhã desta quinta-feira (15), em Campina Grande, no Agreste do Estado. Ele era responsável pela 5ª Delegacia Distrital, localizada em São José da Mata, na região metropolitana.

Segundo as primeiras informações, José Damião passou mal e foi socorrido para o Hospital de Trauma de Campina Grande, porém, ele já chegou em óbito no local.

A Família do delegado Damião Marçal ainda não divulgou as informações de velório e sepultamento.

Sobre Damião

Natural de Teixeira, no sertão paraibano, Damião Marçal veio para Campina Grande, no início do ano de 1978. Ele recebeu da Câmara Municipal de Campina Grande  a outorga do título de cidadania campinense.

 

WSCOM

 

 

Delegado descarta tentativa de homicídio contra Nilvan Ferreira após candidato ter denunciado atentado

O delegado Pedro Ivo, responsável por investigar o suposto atentado contra o candidato a prefeito de João Pessoa, Nilvan Ferreira, afirmou ao ClickPB que não houve tentativa de homicídio contra o candidato. Segundo ele, a investigação já está bem adiantada e deve ser concluída até o fim dessa semana.

Pedro Ivo explicou que assim que a denúncia foi feita por Nilvan Ferreira, pessoas que acompanhavam o candidato e estavam presentes na ocorrência prestaram depoimento. Essas testemunhas explicaram que houve um desentendimento com um motorista que queria passar pelo local onde o candidato fazia uma ação de campanha adesivando carros. Uma pessoa que estava dentro do carro teria sacado uma arma.

O proprietário do veículo, que era quem dirigia na hora, foi localizado por meio da placa, que havia sido identificada por meio de imagens de câmeras de trânsito. Ele confirmou que o acompanhante, um capitão da Polícia Militar de Mamanguape, sacou uma arma, mas afirmou que ele só fez isso porque uma pessoa que acompanhava Nilvan Ferreira mostrou uma arma primeiro.

”Talvez tenha sido alguém que trabalhava na segurança do candidato, se é que essa arma existia, ainda estamos investigando se existia mesmo essa pessoa armada”, comentou o delegado. Pedro Ivo informou que, caso não houvesse ninguém armado no local, o policial pode responder por ameaça, mas caso a versão dele se confirme, não se configura crime porque houve equivalência nas atitudes das duas partes.

O delegado disse que já enviou um ofício para a Polícia Militar de Mamanguape para solicitar o depoimento do policial envolvido.

De qualquer forma, Pedro Ivo ressaltou que a confusão ocorreu entre os ocupantes do carro e o grupo que participava da ação de Nilvan e não houve nenhum tipo de atentado direcionado ao candidato.

”Depois do que houve na última campanha, especialmente com o presidente Jair Bolsonaro, quando há uma situação dessa se pensa logo em uma tentativa de homicídio contra o candidato, mas isso está descartado”.

 

clickpb

 

 

Motorista que atropelou e matou ciclista em Sertãozinho estava embriagado, diz delegado

O condutor do veículo que atropelou e matou o ciclista Carlos Campelo da Silva, na tarde da última sexta-feira (25), na rodovia que liga Sertãozinho a Duas Estradas, estava embriagado, segundo o delegado João Amaro, que investiga o caso. Hernando Bezerra da Silva foi submetido ao teste do bafômetro e foi constatada a embriaguez.

Segundo o que foi apurado pelo delegado, o motorista desenvolvia alta velocidade, invadiu a contramão e atingiu o ciclista violentamente, chegando a derrubar o muro de uma residência próxima da rodovia. A vítima teve múltiplas lesões pelo corpo e não resistiu. Carlos Campelo era motorista da ambulância da prefeitura de Sertãozinho-PB e pedalava como prática esportiva com frequência.

De acordo com informações do repórter Zé Roberto, da Rádio Constelação FM, na delegacia o condutor do veículo disse ao delegado que não sabia para onde estava indo e que chegou a debochar. “Ele estava com tom de deboche e chegou a dizer que foi a vítima que jogou a bicicleta pra cima dele”, disse o delegado.

Segundo ainda o comunicador, o assassino de Carlos Campelo constituiu advogado e mesmo tendo matado o ciclista já está posto em liberdade. A família clama que o acusado seja responsabilizado pelo crime que cometeu.

Carlos Campelo era motorista da prefeitura de Sertãozinho e praticava ciclismo

portal25horas

 

Delegado afirma que foi agredido e nega ter ameaçado advogado na Central de Polícia de João Pessoa

O delegado Afrânio Doglia Brito Filho, que foi apontado como responsável por ameaçar um advogado e agredir outros na Central de Polícia de João Pessoa, afirmou que os fatos não ocorreram como os advogados estão relatando. Em entrevista ao ClickPB, ele negou ter ameaçado o advogado Felipe Leite e afirmou que foi agredido por advogados da OAB-PB, junto com mais dois agentes da Polícia Civil, que ficaram bastante feridos.

De acordo com Afrânio, o advogado Felipe Leite não foi impedido de participar da oitiva de cliente presa em flagrante, como foi afirmado. O que ocorreu, segundo o delegado, foi que o advogado discordou da forma que a delegada Viviane Magalhães procedeu a autuação, querendo uma situação mais favorável para a sua cliente. ”Ele começou a dizer que a delegada estava errada, que ela não estudou, então ele pediu que ele fosse retirado da sala até chegar a vez da cliente dele depor”, disse.

Afrânio garantiu que o advogado participou da oitiva e, inclusive assinou toda a documentação, apesar de ter se exaltado e até agredido a delegada Viviane Magalhães. ”Ele é jovem, só tem dois três meses de OAB, acho que pela imaturidade ele errou”, comentou. ele nega que tenha telefonado para o advogado para fazer ameaças. ”Eu sou delegado há 15 anos. Você acha que eu ia ligar para ameaçar alguém por causa de uma coisa corriqueira da profissão que aconteceu com a minha esposa?”, disse.

O delegado afirmou que o vídeo que circula na internet, na qual Viviane Magalhães aprece xingando o advogado, foi feito no momento em que a delegada perdeu a paciência por conta das agressões sofridas. ”Por que não posta o vídeo todo? Aparece só a parte que interessa pra eles”.
No dia seguinte ao ocorrido, na sexta-feira (25), o delegado contou que estava de plantão quando cerca de 40 advogados apareceram na Central de Polícia para protestar. ”Acho ótimo, faz parte do processo democrático”, ressaltou o delegado, que explicou, porém, que o protesto não poderia ocorrer em salas privativas dentro da Central.

Ele contou que viu um agente argumentando com os advogados que eles não poderiam entrar em uma determinada área. O agente então teria sido empurrado por um advogado com o antebraço. Ao ver a cena, o delegado deu ordem de prisão ao advogado por desacato, já que o empurrão com o antebraço não se classificaria como lesão corporal. Nesse momento ele conta que levou uma cotovelada no pescoço e tanto ele, quanto os agentes tiveram que ”reagir com a força proporcional” para conter os manifestantes. Três foram presos. Segundo o delegado, um dos agentes machucou o braço e outro, de quase 60 anos, levou um chute no quadril.

Por fim, o delegado disse estar tranquilo diante das acusações sofridas, pois tem provas de que todas as ações foram realizadas dentro da lei. Ele destacou que a prisão dos advogados foi realizada por outra delegada, já que ele figurava como vítima, e teve como testemunhas dois outros advogados, de fora do protesto, e um repórter policial que trabalhavam na Central e presenciaram a situação.

 

clickpb

 

 

Delegado saca arma após ser impedido de entrar em supermercado sem máscara em João Pessoa e acaba preso

Um delegado da Polícia Civil da Paraíba foi preso na manhã desta sexta-feira (18), após tentar entrar em um supermercado, no bairro Jardim Cidade Universitária, em João Pessoa, sem máscara – um dos objetos de proteção contra o coronavírus. O segurança do estabelecimento impediu. Insatisfeito, o delegado sacou uma arma. A Polícia Militar foi acionada e ele foi preso em flagrante.

O delegado foi encaminhado para a Central de Flagrantes, no bairro do Geisel, na Capital. Ele responderá criminalmente e administrativamente por sua conduta de ameaça ao ter sacado a arma. O delegado Luciano Soares, superintendente da Polícia Civil da Polícia Civil, contou que o delegado que sacou a arma foi ouvido e liberado.

“A arma foi apreendida. Medidas deverão ser adotadas pela Corregedoria da Polícia. Além disso ele vai ter que se apresentar no núcleo de saúde. No momento ele ficará suspenso”, revelou Luciano Soares, em entrevista ao portal ClickPB.

clickpb

 

Prefeito de Camalaú, PB, é solto após pagar fiança de R$ 14 mil, diz delegado

O prefeito de Camalaú, Alecsandro Bezerra dos Santos, mais conhecido como Sandro Moco (PSDB), foi solto na tarde desta sexta-feira (14) após ser preso em flagrante por possuir uma arma sem registro durante uma operação que apura ocorrência de crimes de falsidade documental, fraudes em licitação e desvio de recursos públicos na prefeitura do município de Camalaú.

De acordo com Paulo Ênio Rabelo, delegado da Delegacia de Monteiro, Cariri do estado, Sandro foi autuado por posse ilegal de arma e foi liberado após pagar uma fiança de cerca de R$ 14 mil, respondendo o processo em liberdade.

Após a soltura, Sandro Moco publicou em uma rede social seu retorno para Camalaú, com a presença de apoiadores.

Operação ‘Rent a Car’

Sandro Moco (PSDB) foi o principal alvo da Operação ‘Rent a Car’, na manhã desta sexta-feira (14). A operação foi desencadeada em conjunto pelo Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado (Gaeco), Comissão de Combate aos Crimes de Responsabilidade e à Improbidade Administrativa (CCRIMP), do Ministério Público, e pela Polícia Militar.

A Operação tem alicerce em uma ação penal movida pelo MPPB contra o prefeito de Camalaú, Alecsandro Bezerra dos Santos, e outras pessoas envolvidas, que são suspeitas de planejar e executar um esquema voltado para desviar recursos públicos do município, processado após prévia emissão de documentos falsos e locação fraudulenta de veículos do prefeito, sendo uma caminhonete e um caminhão, registrados em nome de “laranjas”.

Durante o cumprimento dos mandados de busca e apreensão, foram encontrados arma e uma bolsa com muito dinheiro na casa dele. O Ministério Público estima em R$ 60 mil o volume de recursos encontrado em poder do político.

Delegado foi levado à delegacia seccional de Monteiro, PB — Foto: Edvaldo José /Arquivo Pessoal

Delegado foi levado à delegacia seccional de Monteiro, PB — Foto: Edvaldo José /Arquivo Pessoal

G1

 

 

Jovem confessa que matou adolescente a facadas na PB devido ao fim do namoro, diz delegado

O jovem de 20 anos suspeito de matar a ex-namorada Ana Clara Teixeira, de 15 anos, a facadas, no domingo (9), confessou o crime e afirmou que foi motivado pelo fim do relacionamento, segundo o delegado Jorge Luiz, um dos investigadores que tomaram o depoimento do suspeito. O crime aconteceu em Zabelê, Cariri da Paraíba, e o suspeito foi preso pela Polícia Civil nesta terça-feira (11), em Sertânia, Pernambuco.

De acordo com Jorge Luiz, que cuida do caso junto com o delegado Gilson Duarte da Polícia Civil, Matheus Bezerra dos Santos conheceu a menina no início da adolescência, com 12 anos, e desde então se relacionaram. Segundo o delegado, Matheus achava que Ana Clara era o amor da vida dele.

Só que Ana Clara passou a não querer mais ter uma relação com Matheus. A polícia informou que a adolescente e o jovem conviveram por um ano com histórico de agressão, violência, ciúmes e sentimento de posse dentro do relacionamento.

Segundo o delegado, há dois meses o namoro acabou definitivamente, porém Matheus ainda se sentia na relação.

No domingo (9), dia do crime, Matheus enviou uma mensagem para Ana Clara querendo vê-la. Neste momento, Matheus já estava com o punhal e matou a jovem com 30 golpes de faca após ela reforçar o fim do namoro, conforme apontam as investigações.

Ainda de acordo com o delegado Jorge Luiz, familiares informaram à polícia que Matheus sempre se colocava como vítima na relação, e que dizia que se mataria caso Ana Clara o abandonasse. No depoimento prestado na tarde desta terça-feira (11), Matheus também informou onde estava o celular da vítima, que também será investigado pela polícia.

Matheus foi autuado por feminicídio, porém ainda não há informações sobre o local onde que ficará preso. Segundo o delegado, o local ainda não foi definido por ser um caso que gerou muita comoção.

Feminicídio é o assassinato contra uma mulher cometido devido ao fato de ela ser mulher ou em decorrência da violência doméstica. Foi inserido no Código Penal como uma qualificação do crime de homicídio em 2015 e é considerado crime hediondo.

G1

 

Partes humanas encontradas na Ponte do Baralho, entre João Pessoa e Bayeux, são de pelo menos quatro pessoas, diz delegado

As partes humanas encontradas na manhã desta quarta-feira (29), em sacos plásticos jogados na Ponte do Baralho, que fica entre João Pessoa e Bayeux, são de pelo menos quatro pessoas, segundo revelou ao ClickPB, o delegado de Crimes contra a Pessoa, Diego Garcia. Nos sacos havia cinco pernas e algumas delas envolvidas por gases e etiquetas.

Os sacos foram encontrados por ribeirinhos da localidade que ligaram para as polícias para apuração da ocorrência. “Como não se trata de um homicídio, o caso será investigado por uma delegacia competente”, frisou. Uma das linhas de investigação é que se trata de um descarte irregular de uma unidade hospitalar, mas isso só poderá ser constatado após investigações da Polícia Civil.

Segundo o delegado Diego Garcia, nos sacos havia pelo menos cinco pernas humanas amputadas. “Ainda não sabemos muitas informações, mas a princípio é de que as partes são de pelo menos quatro pessoas”, revelou.

Em algumas das partes havia etiquetas com nomes, o que pode indicar ser de membros amputados em unidade hospitalar. No entanto, tudo ainda vai ser apurado. O material foi levado para o Instituto de Polícia Científica (IPC), da Capital. É importante destacar que o descarte irregular é proibido conforme a Política Nacional de Resíduos Sólidos e o Código Penal.

 

clickpb

 

 

Golpes aumentam na internet com a pandemia; delegado faz alerta

Se você não foi vítima, seguramente conhece alguém que já foi alvo de algum golpe na internet. A conta de WhatsApp “clonada” e usada para um criminoso pedir dinheiro aos contatos; dados pessoais roubados e utilizados para compras online; um perfil falso de empresa oferecendo benefícios; uma pane no computador após clicar em um link suspeito, entre outras armadilhas frequentes do mundo virtual. Com a pandemia do coronavírus vieram as medidas de isolamento social, o que fez com que o uso de serviços pela internet se intensificasse. Com isso, aumentou também o campo de ação para os criminosos cibernéticos. Neste sentido o titular da Delegacia de Defraudações, Gustavo Carletto, destacou a dificuldade de se localizar os golpistas porque os crimes são praticados de qualquer parte do mundo, e a maioria dos sites tem registro fora do Brasil.

A empresa de cibersegurança Apura S/A divulgou em maio um levantamento sobre a incidência de crimes virtuais ligados à pandemia no Brasil. Os números impressionam: em menos de dois meses, sites suspeitos contendo as palavras coronavírus e Covid no domínio cresceram 30.000%. No dia 18 de março, quando a pandemia no país estava no início, foram contabilizados 2,2 mil sites dessa natureza; no dia 27 de maio eles já somavam mais de 920 mil.

Diretor de operações da Apura Cyber, Mauricio Paranhos explica que a utilização de assuntos em relevância é uma prática comum entre os criminosos virtuais. “Nesse período de pandemia, eles exploram a fragilidade emocional das pessoas para aplicar todo tipo de golpe”, afirma. O levantamento feito pela empresa detectou dezenas de golpes, que incluem aplicativos falsos para requerer o auxílio emergencial de R$ 600, links para promoções inexistentes, roubo de dados via jogos online e até o uso de lives de artistas famosos para campanhas enganosas de doação de dinheiro.

“Eles também utilizam redes de wi-fi, muitas vezes, de estabelecimentos comerciais e isso dificulta ainda mais identificar o criminoso”, acrescentou. Para se ter ideia, em 2019 o número de registros de incidentes reportados ao Centro de Estudos, Resposta e Tratamento de Incidentes de Segurança no Brasil (CERT.br) teve um aumento de quase 30% em relação ao ano anterior. Ainda não é possível avaliar os números de 2020, mas um aspecto considerado positivo pelo presidente da Associação Internacional de Combate ao Crime Cibernético, Arnaldo Sobrinho, é a adoção de aulas on-line. Por outro lado, ele ressaltou a tendência de aumento este ano, considerando o incremento no número de usuários e a comparação da evolução de 2019 em relação ao ano anterior. A criação de sites falsos e a disseminação de propaganda enganosa têm sido verificadas com frequência”, disse o delegado Gustavo Carletto.

pbagora

 

Neto de delegado é assassinado a tiros em João Pessoa

Um homem foi assassinado a tiros dentro de um veículo, na manhã desta segunda-feira (29), no Distrito Mecânico, em João Pessoa. José Gilvando Barbosa estava trabalhando como motorista de uma construtora no momento do crime.

De acordo com as primeiras informações, ele era neto de um delegado e filho de um policial militar, ambos falecidos.

O Samu foi acionado mas ao chegar ao local apenas constatou o óbito.

Não há informações dos suspeitos e nem do que teria motivado o crime. O caso segue sob investigação.

 

clickpb