Arquivo da tag: debatida

Questão ambiental ainda é pouco debatida por candidatos

Embora os brasileiros tenham vivenciado um ano marcado pela realização da Conferência das Nações Unidas para o Desenvolvimento Sustentável (Rio+20), pelo debate sobre o uso de sacolas plásticas e por planejamentos municipais voltados a ações sustentáveis como o fim dos lixões e a coleta seletiva de resíduos, ainda não é o atual processo eleitoral, iniciado há cerca de um mês, que posicionará a questão ambiental no centro dos debates políticos.

A despeito do espaço que o tema tem conquistado na agenda do país, nem os programas partidários eleitorais ou os eleitores consideram o meio ambiente uma área prioritária para a definição do voto na opinião de alguns especialistas.

“Dados os altos índices de poluição, devastação florestal, mudança climática etc. [o meio ambiente] somente vai adquirir centralidade para a população quando questões que afetam seu cotidiano estiverem mais bem solucionadas”, afirmou Rachel Meneguello, professora do Departamento de Ciências Políticas da Universidade de Campinas (Unicamp).

Os programas partidários continuam voltados para os temas que estão no topo do ranking de preocupações apontadas pelos eleitores em pesquisas de opinião. “Em um cenário em que o poder público não consegue dar conta de questões básicas, medidas como o fim das sacolas plásticas têm pouca adesão, porque se sabe que é uma medida muito parcial, e sua implantação afeta o cotidiano da maioria das pessoas, que não recebeu alternativa para dar conta, por exemplo, de parte do lixo doméstico”, acrescentou.

O resultado pode ser confirmado com o acompanhamento dos primeiros programas eleitorais apresentados pelos partidos. “Em São Paulo, todos os candidatos concentram a temática em problemas de saúde ou transporte, refletindo as reivindicações básicas do eleitorado para o Poder Público”, disse a professora, ao acrescentar que esses temas só deixarão de ser dominantes quando tiverem sido solucionados para a maioria da população.

Por outro lado, ainda há pouco investimento em uma política de educação e mudanças de hábitos que possa sustentar medidas importantes nessa direção. Algumas pesquisas sobre hábitos com relação ao meio ambiente mostram que as pessoas têm informação sobre os materiais que poluem o ambiente, mas a reciclagem ainda não atingiu números satisfatórios, devido à falta de tempo das pessoas, a falta de motivação e a falta de coleta seletiva no município.

Na semana passada, representantes da organização não governamental SOS Mata Atlântica lançaram, no Congresso Nacional, um projeto para atrair o comprometimento de candidatos com a área. Denominado Plataforma Ambiental 2012, o documento reúne os principais pontos da agenda socioambiental, que devem ser discutidos, respondidos e solucionados pelos dirigentes do país, como a implantação da Política Municipal de Meio Ambiente e o Sistema Municipal de Informações sobre Meio Ambiente, além da identificação de áreas de preservação permanente (APPs).

“Nunca ouvimos tanto falar em sustentabilidade, mas sustentabilidade para quem? Muita gente está falando sem saber sequer o que é. Tem gente prometendo coisas que não vai acontecer porque sequer é competência do vereador ou do prefeito”, alertou Mario Mantovani, diretor de Políticas Públicas da Fundação SOS Mata Atlântica.

Além de atrair o comprometimento de políticos, a proposta é que o documento também seja usado pelos eleitores para acompanhar e avaliar seus candidatos, sob pelo menos cinco áreas de ação, como medidas voltadas ao desenvolvimento sustentável, clima, educação, saúde e saneamento básico.

“O candidato pode aderir, e o eleitor também pode levar a plataforma para o candidato e virar uma espécie de avalista desse candidato para ver se é promessa política ou fato”, acrescentou Mantovani.

Agência Brasil

Problemática dos trabalhadores do ramo da mineração está sendo debatida no CEREST/CG

 

Representantes do Instituto Federal de Educação (IFPB), da Faculdade Anglo Americano, Previdência Social, Departamento Nacional de Produção Mineral (DNPM), Universidade Federal de Campina Grande (UFCG), Centros de Referência em Saúde do Trabalhador (Estadual e Municipal de João Pessoa) e de vários municípios estão participando, nesta segunda, do “III Fórum de Saúde e Segurança do Trabalho da 2ª Macrorregião da Paraíba: Ramo da Mineração”.

O evento tem como objetivo trabalhar uma proposta de intervenção, construída coletivamente, a partir do referido Fórum. O evento está sendo realizado pelo Centro de Referência Regional em Saúde do Trabalhador (CEREST/CG), órgão da Prefeitura de Campina Grande vinculado à Secretaria Municipal de Saúde.

Durante a abertura, na manhã desta segunda-feira (28), a coordenadora do CEREST/CG, Joaquina de Araújo Amorim, falou sobre a importância das instituições presentes se envolverem com a problemática dos trabalhadores do ramo da mineração para que conjuntamente “possamos encontrar alternativas para solucionar estes problemas”, assinalou.

A primeira temática do Fórum focou a importância do Plano Nacional de Mineração 2030 para os trabalhadores do referido ramo, com o geólogo Luiz Siqueira, do DNPM da Paraíba. Ele disse que, no momento, se faz necessário ampliar o conhecimento da geologia, visto que são poucos os profissionais que atuam nesta área em todo o Brasil.

O geológico destacou, ainda, a importância do governo federal, que contemplou muitos estados com Escolas Técnicas, para especializar técnicos na área de geologia. “Infelizmente hoje é muito pequeno o número de profissionais da área de geologia, mas graças a Deus existem as escolas técnicas formadoras desta mão de obra”, assinalou.

O evento será encerrado às 18 horas, desta segunda-feira, com a elaboração de um documento contendo as propostas formuladas na oportunidade pelos representantes das instituições envolvidas com o trabalho e/ou estudo do setor da mineração.

Outros temas serão abordados durante o Fórum, tais como: Plano Nacional de Saúde e Segurança no Trabalho – Ações Interministeriais: Como Integrar? Cenário Atual do Arcabouço Legal no Trabalho da Mineração; Meio Ambiente e sua Importância para o Desenvolvimento Sustentável e a Saúde e Segurança do Trabalhador: A Situação da 2ª Macrorregião de Saúde do Estado da Paraíba.

Codecom da PMCG para o Focando a Notícia