Arquivo da tag: correspondente

Em Belém, polícia prende dupla suspeita de assalto à casa lotérica e correspondente bancário

Dois homens foram presos na manhã desta quarta-feira (19) suspeitos de terem assaltado uma casa lotérica e um correspondente bancário no centro da cidade de Belém no Agreste paraibano. As ações criminosas aconteceram no início do mês de agosto, nos dia 05 e 07.

De acordo com a polícia, a dupla que é natural da cidade de Sertãozinho foi localizada após várias diligências. Ainda segundo a polícia, os criminosos residiam em Belém há cerca de três meses.

No interior da residência onde foram localizados, a polícia encontrou um blusão, que teria sido usado na ação criminosa, além de entorpecentes. A dupla ainda é suspeita de cometer um duplo homicídio na cidade de Pirpirituba, na noite de 06 de agosto.

Os acusados foram conduzidos para Delegacia de Polícia de Belém e em seguida encaminhados para Cadeia Pública do município.

 

portaldobrejo

 

 

Grupo explode agência e invade correspondente bancário em Caturité, PB

Uma agência bancária foi explodida na madrugada desta segunda-feira (27) em Caturité, no Cariri paraibano. Segundo a Polícia Militar, o grupo também chegou a arrombar um correspondente bancário que fica ao lado da agência, mas há indícios de que não foi levado dinheiro de nenhum dos estabelecimentos.

Conforme a PM, a ação aconteceu por volta de 1h15. Os moradores informaram aos policiais que o grupo era composto de pelo menos cinco pessoas, que chegaram na cidade em uma caminhonete branca.

Os assaltantes arrancaram as câmeras de segurança de um mercadinho que fica ao lado da agência e em seguida arrombaram a porta da agência e instalaram os explosivos. Com o impacto, a agência ficou destruída e em seguida o grupo foi até o correspondente bancário, onde arrombaram a porta e reviraram os móveis.

Conforme as informações da perícia da Polícia Civil, o grupo tentou explodir o cofre da agência, uma vez que o caixa eletrônico do local estava intacto, mas dentro do cofre estavam apenas documentos. No correspondente, não havia dinheiro guardado, uma vez que as cédulas que sobram ao final do dia são levadas para outro local.

Na fuga, os assaltantes espalharam grampos em duas estradas que dão acesso ao município. A PM realizou rondas pela região, mas até as 7h15, ninguém foi preso.

G1

Dupla armada leva quase R$ 20 mil de correspondente bancário em Barra de Santa Rosa

sireneUm correspondente bancário de Barra de Santa Rosa, no Agreste paraibano, foi assaltado na quinta-feira (22) e teve R$ 19.331,29. Segundo o Centro Integrado de Operações Policiais (Ciop), dois homens armados renderam funcionários e cometeram o crime.

Ainda conforme o Ciop, o assalto aconteceu no meio da tarde. Os suspeitos, para dificultar a identificação deles, entraram no estabelecimento usando capacete e casacos pretos realizaram o assalto.

Os homens fugiram em uma motocicleta de cor preta levando o dinheiro. A Polícia Militar foi até o local e orientou o dono do correspondente bancário a fazer um boletim de ocorrência. Mesmo após buscas, nenhum suspeito foi preso.

G1 PB

Acompanhe mais notícias do FN nas redes sociais: FacebookTwitterYoutube e Instagram

Entre em contato com a redação do FN:  WhatsApp (83) 99907-8550. 

E-mail: jornalismo@focandoanoticia.com.br

 

 

Primeiro correspondente indiano na América do Sul fala de suas expectativas sobre o Brasil

O primeiro correspondente de um veículo indiano na América do Sul acaba de instalar-se em São Paulo. Representando os jornais The Times of Índia e a Economic Times, Shobhan Saxena, vem interessado pelos temas que já têm atraído o interesse de outros veículos internacionais: os eventos esportivos e, sobretudo, o novo papel econômico do Brasil.
Saxena é formado em Ciências Políticas pela Universidade Jawaharlal Nehru e pós-graduado em comunicação de massa. Entrou pela primeira vez no The Times of India no ano de 1993. Considerado proporcionalmente o maior jornal de língua inglesa na Índia e no mundo, o Times tem 183 anos de idade e uma circulação de 4,5 milhões de exemplares diários.

Divulgação
Saxena acompanha sua esposa no lançamento do livro “Os Indianos”
O jornalista também trabalhou para o The Independent, em Londres, e foi correspondente do The Indian Express na cidade de Nova York. Em 2005, voltou para o Times. Saxena é casado com a jornalista brasileira Florência Costa, que foi correspondente de O Globo na Índia por seis anos e acaba de lançar o livro “Os Indianos”. À IMPRENSA, ele fala sobre o interesse da Índia no Brasil e suas expectativas em relação ao país.
IMPRENSA – Quais os interesses da imprensa indiana no Brasil?
Shobhan Saxena – O Brasil é um país muito importante neste momento. É um emergente como a Índia, tem problemas sociais e econômicos semelhantes. Por causa do crescente comércio entre os dois países, a mídia indiana passou a se interessar enormemente pelo Brasil. Também por causa da Copa do Mundo em 2014 e os Jogos Olímpicos em 2016, acho que o Brasil vai ficar sob o foco da mídia internacional nos próximos anos. Para você ter uma ideia do interesse por esses assuntos, o meu primeiro artigo enviado aqui do Brasil para a Índia foi sobre futebol. Mas além do futebol, vou escrever muito sobre políticas públicas, como programas sociais e planos de melhoria para a educação e matérias sobre a integração Índia e Brasil.
O que você tem lido do país nos últimos dias?
Jornais e livros como o de Ruy Castro (que tenho em inglês sob o título “Carnival under Fire”), e o livro de Jonnathan Page sobre o Brasil chamado “The Brazillians” (Os Brasileiros).
O que representa ser o primeiro jornalista da Índia em um país sul-americano?
Por muitos anos o Brasil e a América do Sul apenas significavam carnaval e futebol na Índia. Mas nos últimos 10 anos essa imagem tem mudado por causa do fortalecimento econômico do Brasil e outros países da região. Há um novo interesse na região. Os lugares turísticos são muitos exóticos para os viajantes globais indianos. A elite indiana cansou dos lugares batidos para tirar férias e quer conhecer novas fronteiras. Por causa da globalização e o crescente transação comercial da Índia com o Brasil e outros países da America do Sul é do interesse indiano olhar para esses países de forma positiva. Além disso, existem dezenas de companhias de software e farmacêuticas indianas por aqui.
Quais são as principais pautas do The Times of India em relação ao Brasil?
Negócios e comércio, ou seja, a econômica entre os dois países. Em segundo lugar, a cultura e o comportamento dos brasileiros porque há uma grande curiosidade dos Indianos com relação ao Brasil e aos brasileiros. Além disso, é claro, a política e as questões sociais. Há muita coisa em comum. A ideia é mostrar aos indianos um retrato do Brasil que eles nunca tiveram a oportunidade de ter porque nunca nenhum jornalista indiano trabalhou aqui.
Assim como acontece com a Índia, o Brasil também é tratado com estereótipos?
Até recentemente os indianos conheciam o Brasil apenas por causa do futebol, do carnaval, do samba e das praias. No imaginário indiano, os brasileiros apenas jogavam futebol, dançavam e iam à praia. Muito poucos sabem sobre o Brasil real, sobre a sua política, a sua pujança econômica e sobre o seu novo papel na política internacional. Desde 2004, quando o presidente Lula fez a sua primeira visita à Índia, os indianos começaram a conhecer mais e isso se intensificou porque o ex-presidente visitou a Índia mais três vezes. E nesse ano, a presidente Dilma Roussef esteve na Índia para o encontro do Bric´s. Na Índia tem um programa anti-pobreza inspirado pelo Bolsa Família e agora nesse momento o governo indiano começou a implementá-lo.
Quais as curiosidades que os indianos possuem sobre os brasileiros?
A maior curiosidade é sobre o futebol e por que os brasileiros são tão talentosos nesse esporte. Muitos perguntam o motivo disso, até porque nós indianos gostamos do futebol e sonhamos um dia nos classificarmos para competir na Copa do Mundo. Desde os tempos de Pelé, muitos indianos apóiam Brasil na Copa do Mundo porque nos anos 50 e 60, quando a Índia tinha um bom time de futebol, os indianos acostumavam a jogar de forma criativa e bonita, com passes e dribles.
Só futebol?
A segunda grande curiosidade dos indianos com relação ao Brasil é sobre o Carnaval. As coloridas festas de rua brasileiras que vemos nas cenas de TV se assemelham aos nossos festivais de rua, como o Holi, celebrado todos os anos no mês de março, quando os indianos vão para as ruas jogar cores um nos outros e dançar e beber para celebrar a chegada da primavera. Uma terceira curiosidade, hoje em dia, especialmente entre a elite bem informada como acadêmicos, jornalistas, empresários, ativistas sociais e burocratas do governo, é sobre o modelo de crescimento econômico brasileiro o sucesso das políticas públicas que diminuíram a pobreza no Brasil.
Você acha que será fácil negociar pautas sobre o Brasil com sua redação?
Sim, é fácil. A Índia tem uma vibrante mídia com uma imensa liberdade de expressão. Nos jornais indianos você acha todos os tipos de matérias de todas as perspectivas e sobre todas as questões porque a maioria dos jornais e revistas indianos não é guiada por visões ideológicas. No meu caso, eu já fui um editor por vários anos. Eu tenho uma boa idéia sobre os tipos de matérias que o The Times of India e o Economic Times publicam. Além disso, ambos os jornais estão muitíssimo interessados sobre a minha presença aqui no Brasil porque nós nunca tivemos matérias sobre o Brasil de uma perspectiva indiana.
Luiz Gustavo Pacete

IV Encontro de Jornalistas reuniu 120 profissionais da região Nordeste

Correspondente do FN destaca discussão sobre rádios comunitárias

O IV Encontro de Jornalistas do Nordeste realizado em Ipojuca (PE) terminou na noite da sexta-feira (18). Foram 120 profissionais de imprensa, dos mais variados veículos de comunicação, que discutiram e aprofundaram o papel social do comunicador.

Segundo o correspondente do FOCANDO A NOTÍCIA (FN) e coordenador Geral da Abraço/PB, radialista e jornalista Moreira da Silva, as rádios comunitárias tiveram uma forte evidência durante o evento, “tanto é que uma das questões abordada no último painel foi o papel que essas emissoras vêm desempenhando na sociedade, mesmo com poucos recursos”.

Moreira Silva sugeriu ao representante do Ministério das Comunicações que ações como centros digitais, telecentros, territórios digitais, pontos de cultura e economia solidária se juntem às rádios comunitárias para fortalecer as atividades desenvolvidas nas comunidades. “Esta junção é fundamental para a construção de novas tecnologias sociais, mudanças de mentalidades e investimentos com sustentabilidade”, acrescentou.

Promovido pela Fundação Banco do Brasil, o encontro, que iniciou na noite da quarta-feira (16), aconteceu no Hotel Armação, em Porto de Galinhas.

Redação/Focando a Notícia

Elementos armados assaltam correspondente bancário no Agreste

A ação ocorreu por volta das 13h20, quando dois elementos chegaram ao caixa da agência Pag Fácil e efetuaram o assalto.

As funcionárias Rosilene e Elba Camila foram obrigadas a passar todo o dinheiro ao acusado que adentrou a agência, vestindo blusa vermelha, armado com revolver e capacete na mão, sendo que o outro estava esperando na porta do estabelecimento.

Os elementos chegaram em uma moto Fan, preta com placa de Rio Tinto. Na hora da ação o acusado colocou a arma em uma senhora que estava realizando o pagamento. Após o assalto tomaram destino aos sítios Riacho Grande e Barra da Espingarda, localizado em Araçagi-PB.

De acordo com o proprietário do estabelecimento, os bandidos subtraíram uma quantia de aproximadamente 15.000.00 (quinze mil reais). Segundo informações de populares, os elementos sempre perguntavam em que horas a Agência Pagfácil fechava as portas.

Neste exato momento a Polícia Militar do 4º Batalhão, está em diligência à procura dos acusados.

Pedro Júnior