Arquivo da tag: Caneta

“Azul Caneta” pode ser considerada uma música?

Um dia desses fui questionado se “Caneta Azul” é música, e minha reação foi imediata em afirmar: “claro que é! ”. Mas logo comecei a questionar os motivos, tanto da pergunta quanto da resposta.

Por que temos o hábito de desqualificar ou supervalorizar determinados tipos de música?

A resposta para essa questão tem inúmeras dimensões, mas gostaria de refletir a respeito da tradição de considerar a existência de “belas artes” em oposição a artes periféricas, de menor valor artístico. Esse tipo de pensamento faz com que as pessoas, mesmo de forma inconsciente, considerem como arte apenas as manifestações de artistas doutos, formados em universidades, reconhecidos por formadores de opinião ou com trabalhos circulando no mercado fonográfico.

A verdade é que a música é uma expressão sonora, estruturada ao longo do tempo e de diferentes maneiras em diversas comunidades. Aprendemos música ouvindo, dançando, cantando e tocando instrumentos. Decoramos padrões e estruturas que se juntam em infinitas combinações e forjam as músicas.

Reconhecemos esses padrões quando ouvimos uma nova canção, por exemplo, e nos identificamos com ela. Estranhamos ao ouvir um novo padrão, mas somos capazes de nos acostumar com ele. Assim também vamos construindo nosso gosto musical, separando a música “boa” da “ruim” por um grande muro que não nos permite enxergar o outro lado.

E quais os parâmetros que eu, o tal estudioso da música, usei para afirmar que “Caneta Azul” é, obviamente, uma expressão musical de valor?

Vou começar pelos últimos em que refleti e terminar pelo primeiro.

Cheguei a escrever a partitura do refrão da música do maranhense Manoel Gomes, analisei, vi a construção melódica com motivos, frases de pergunta e resposta, percebi uma harmonia intrínseca e muitos outros elementos que um compositor letrado utilizaria em suas composições. Mas Manoel não precisou usar partitura para compor, ele simplesmente se expressou musicalmente e a música nasceu. Nasceu com características semelhantes às das músicas que ouviu e cantou desde sua infância. As suas referências foram sua escola e as ferramentas que moldaram a sua música.

Mas o parâmetro principal, aquele que me motivou a responder sem pestanejar a pergunta inicial, é a própria definição de música que trago para minha vida, citando John Blacking: “sons humanamente organizados”. Aliada a ela, vem a intenção de fazer música – o que certamente se fez presente também nas composições do artista Manoel Gomes.

Autor: Alysson Siqueira é professor mestre no curso de Licenciatura em Música do Centro Universitário Internacional Uninter.

 

Página 1

 

 

Inep brinca com hit da caneta azul para alertar sobre Enem

O hit ‘Caneta Azul’ é contagiante, mas não pode ser a ponto de confundir na hora de cumprir as regras do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem), que acontece nos próximos dias 3 e 10 de novembro. Foi se utilizando de um ‘meme’ da música tendência que o Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep) alertou os estudantes na hora de levar a caneta para a prova.

“Caneta azul, azul caneta, caneta azul tá marcada com minha letra”. É assim que se inicia a canção do cantor maranhense Manoel Gomes, que teve sua versão alterada pelo Inep para “caneta preta, preta caneta, caneta preta para marcar qual é a letra”, referindo-se ao Enem.

Na postagem, divulgada nesta segunda-feira (28) na plataforma Instagram, o Inep orienta que “a única caneta permitida para a realização do exame é a esferográfica de tinta preta, fabricada em material transparente. Lápis, lapiseiras e outros tipos de caneta não poderão estar sobre a mesa durante a realização do exame”.

Hit da caneta azul

A voz chorosa do cantor Manoel Gomes vem sendo propagada pelas redes sociais desde que o maranhense postou um vídeo no Instagram lançando a nova canção. Em apenas cinco dias, Manoel, que entrou na rede social em 3 de outubro, coleciona mais de 87 mil seguidores.

O sucesso repentino do cantor se deve também às versões criadas por artistas como Wesley Safadão e Rodrigo Faro. Todas estão sendo repostadas pelo maranhense na rede social.

Com duas estrofes e um refrão, a composição conta a história de um estudante que perdeu uma caneta azul e quer encontrá-la. Memes, gifs e remixes já podem ser encontrados por meio da tag #CanetaAzul no Twitter.

Enem

As provas do Enem 2019 estão chegando. Elas serão realizadas nos dias 3 e 10 de novembro para mais de 5 milhões de estudantes que tiveram a inscrição confirmada. As inscrições para o Enem encerraram no dia 17 de maio. A taxa foi de R$ 85.

Os inscritos devem acessar o Cartão de Inscrição do Enem, que contém as informações sobre local, sala e horário de prova.

Os portões de acesso aos locais de prova serão abertos e fechados em horários diferentes nos estados, isso porque, pela extensão territorial do país, existem diferentes fusos horários. Os estudantes que chegarem após o fechamento dos portões não poderão fazer o exame.

No dia 3 de novembro, os estudantes terão cinco horas e meia para fazer a prova. No segundo domingo de prova, 10 de novembro, o tempo será mais curto: cinco horas.

O acesso à sala de provas só será permitido com a apresentação de documento oficial de identificação com foto, conforme previsto em edital.

O Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep) recomenda que o participante imprima e leve o cartão de confirmação da inscrição, que já está disponível na Página do Participante e no aplicativo do Enem.

 Isis Vilarim

 

 

7 coisas que você nem imagina sobre a Caneta Bic

caneta-bic1 – Traço infinito

É possível escrever até 3 quilômetros de uma única vez com uma caneta esferográfica. Isso porque o fluxo de tinta que desse tipo de caneta é constante, passando do tubo de reserva para uma pequena bolinha que fica na ponta (daí, inclusive, o nome esfero + gráfica). Por terem uma bola e não uma ponta afiada (como as canetas tinteiro), podem fazer traços em qualquer direção e tamanho.

CURTA o FOCANDO A NOTÍCIA no Facebook

2 – Fórmula simples

A diferença nas cores está meramente no tipo de matéria prima utilizado. Para canetas pretas o carbono é o pigmento principal, e para a azul, o ferro. O próximo passo é diluir essas substâncias na água ou óleo e pronto, a tinta das Bic está feita.

3 – O corpo e o umbigo (Furinho no meio)

Você sabe por que o corpo de uma Bic é como é? O formato hexagonal é para que a caneta não gire sobre a mesa e caia em algum lugar impossível de pegar (ê, Lei de Murphy) e o buraquinho no meio do tubo é para igualar a pressão atmosférica dentro e fora da caneta. Isso porque se o ar não entrasse no tubo, a tinta não desceria.

4 – Ideia original

As esferográficas foram idealizadas em 1938. Apesar de terem sido idealizadas pela produtora Birô, da Hungria, foram se popularizar depois que um funcionário de uma fábrica de canetas-tinteiro francesa se “inspirou” pela ideia e lançou sua própria. O nome do funcionário? Marcel Bich (é, isso mesmo, Bic).

5 – Precisão cirúrgica…ou quase

As Bics são tão famosas e onipresentes que até têm usos além da escrita. Entre eles, um que aparece às vezes em filmes é o para traqueostomias improvisadas, colocando-se a caneta na garganta ou diafragma de uma pessoa com parada respiratória.

6 – Alienígenas cabeçudos

Também dizem por aí que a Bic é na verdade um artefato espalhado por alienígenas, e que podem registrar tudo que é escrito com elas. A realista ideia é baseada na logo da empresa, um alienígena ciclope cabeçudo.

7 – Mandando brasa
Os plásticos utilizados para os tubos transparente e de tinta são do mesmo material que copinhos plásticos, o polipropileno e poliestireno. Já a ponta esférica da caneta é feita de carbureto de tungstênio, mesmo material que se usa em balas de revólver e quatro vezes mais resistente que aço. Isso explica porque você consegue aquecer tanto a ponta antes de queimar seu coleguinha de sala sem que a caneta derreta. Genial, né?

 

 

sodicasereceitas

Enem: Provas devem ser feitas com caneta transparente e apenas de tinta preta

Os estudantes que farão as provas do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) de 2012 no sábado, 3, e no domingo, 4, devem estar atentos ao tipo de caneta permitido e aos documentos pessoais a serem apresentados. Para fazer as provas e a redação e preencher o cartão de respostas, o candidato terá de usar caneta esferográfica de tinta preta, fabricada com material transparente. Outra cor de tinta impossibilitará a leitura óptica do cartão de respostas.

Todo o material que o candidato levar para a sala de provas, como lápis, lapiseira e borracha, deve ser colocado na embalagem porta-objetos a ser distribuída a todos os participantes na entrada da sala e depositado na parte inferior da carteira. Depois da prova, o estudante deve levar para casa a embalagem com os objetos.

Documentos — Para fazer as provas do Enem, não é obrigatória a apresentação do cartão de inscrição, mas o candidato precisa obrigatoriamente levar documento de identificação original, com foto. Serão aceitos:

  • Cédula de identidade ou RG, emitida por secretarias de segurança pública, Forças Armadas, Polícia Militar ou Polícia Federal
  • Identidade expedida pelo Ministério das Relações Exteriores para estrangeiros
  • Identificação fornecida por ordens ou conselhos de classe que, por lei, tenham validade como tal
  • Carteira de Trabalho e Previdência Social
  • Certificado de Reservista
  • Passaporte
  • Carteira Nacional de Habilitação, com foto

Em caso de perda do documento de identificação, o candidato deve apresentar boletim de ocorrência com data de no máximo 90 dias antes da prova.

Eliminação — O candidato também deve ficar atento aos motivos que podem eliminá-lo do Enem de 2012:

  • Fazer qualquer espécie de consulta ou comunicação com outro participante
  • Usar lápis, lapiseira, borracha, livros, manuais, impressos, anotações, óculos escuros e quaisquer dispositivos eletrônicos
  • Deixar a sala de provas antes de decorridas duas horas do início do exame

Caderno de questões — Somente os participantes que saírem da sala nos 30 minutos que antecederem o término das provas podem levar para casa seus cadernos de questões. Os três últimos presentes na sala só serão liberados juntos.

Provas — O Enem terá quatro provas objetivas, com 45 questões cada uma, e a redação. No sábado, 3, às 13 horas, serão aplicadas as provas de ciências humanas e suas tecnologias e ciências da natureza e suas tecnologias. O tempo previsto é de 4h30. No domingo, 4, também às 13 horas, será a vez das provas de linguagens, códigos e suas tecnologias, redação e matemática e suas tecnologias. Os candidatos terão 5h30 para a conclusão.

É fundamental ainda que os participantes do exame verifiquem com antecedência, na página do exame na internet, o local designado para a prova.

Outra providência importante é conhecer previamente o trajeto até o local do exame. Nos dias de provas, os candidatos devem chegar a esse local até as 12 horas (de Brasília).

Assessoria de Comunicação Social

Caneta conjugal: Governador emite título de terra para sua mulher, diz Procuradoria

O governador de Roraima, José de Anchieta Júnior (PSDB), emitiu irregularmente em nome de sua mulher um título de terra que foi incorporado ao seu próprio patrimônio, já que são casados em comunhão de bens. A acusação é do Ministério Público Federal de RR, que encaminhou representação à Procuradoria-Geral, devido ao foro privilegiado do governador.

O terreno em Boa Vista tem 112 hectares e o título de posse foi emitido em setembro de 2010 pelo Iteraima (órgão fundiário estadual). O documento é assinado pelo governador.

Segundo o Ministério Público, não ficou demonstrada na emissão do título a produtividade da terra.

Folha Online