Arquivo da tag: Campeonato

Campeonato Paraibano 2021 segue indefinido; Belo é contra suspensão

Disputa fora de campo. O Campeonato Paraibano 2021 pode não acontecer. É que sete clubes que integram a elite do futebol paraibano, cobram repasses de programas do Governo do Estado da Paraíba que estariam atrasados e indicam que sem esses recursos não conseguem arcar com as despesas da competição.

Durante reunião na Federação Paraibana de Futebol (FPB), para definir a edição 2021 do Estadual, os clubes que têm participação garantida na competição estadual do próximo ano acabaram decidindo por cancelar o campeonato, alegando problemas financeiros para que fossem arcados os custos para participação na competição.

A decisão foi assinada por representantes de sete dos oito clubes que teriam participação no Campeonato Paraibano de 2021. Dirigentes de Atlético-PB, Campinense, Nacional de Patos, Perilima, São Paulo Crystal, Sousa e Treze apoiaram a não realização do estadual.

A principal reclamação dos dirigentes é com relação ao pagamento de valores que estariam em atraso referentes ao antigo programa Gol de Placa e também o Programa de Incentivo ao Esporte, lançado em janeiro deste ano.

Único clube a não assinar a ata da reunião que optou pela não realização do Campeonato Paraibano em 2021, o Botafogo-PB se posicionou através do presidente Alexandre Cavalcanti. O dirigente alvinegro informou que enviou os seus representantes para o que seria o Arbitral do estadual nessa segunda-feira.

PB Agora

 

FPF cancela Campeonato Paraibano de 2021 por falta de recurso do governo

Em reunião realizada na tarde desta segunda-feira (14) na sede da Federação Paraibana de Futebol (FPF), De acordo com a Federação, o Campeonato Paraibano da 1º divisão não será realizado em 2021 por falta de recursos que seriam repassados pelo Governo do Estado.

De acordo com ata da reunião, em contato com representantes do Governo do Estado, os secretários Marialvo Laureano e Letácio Tenório, os dirigentes foram informados que “os valores prometidos não seriam pagos de forma imediata”. Além disso, “caso tais valores prometidos no início do ano não fossem recebidos pelos clubes até 31 de dezembro de 2020, eles perderiam o direito de receber, pois se trata de Renúncia Fiscal”.

Com base nessa informação, os clubes acreditam que sem o recurso seria inviável a realização da competição que envolve a elite do futebol paraibano em 2021, visto que não tem como arcar com as despesas relacionadas a manutenção dos clubes, como por exemplo, a folha salarial dos jogadores”.

Ainda com base na ata da reunião, ficou decidido que “não haverá Campeonato Paraibano da 1º Divisão 2021”.

A reunião contou com a presença da presidente da FPF, Michelle Ramalho, além de dirigentes da arbitragem e representantes dos clubes do Botafogo-PB, Atlético de Cajazeiras, Campinense, Treze, Sousa, Perilima, Nacional e São Paulo Crystal.

Veja documento na íntegra:

PB Agora

 

Campinense monta novo time para as disputas da Série D do Campeonato Brasileiro

O Campinense praticamente montou um novo time para as disputas da Série D do Campeonato Brasileiro. Ao todo, a Raposa contratou após o término do Estadual, 11 jogadores. O último reforço anunciado pelo rubro-negro, foi o retorno do lateral-direito Alex Murici, jogador de 31 anos que foi vice-campeão estadual pelo Rubro-Negro na temporada 2018.

O jogador estava há duas temporadas defendendo as cores do Brasiliense e tem também na carreira passagens por equipes como CRB, Central de Caruaru, Portuguesa de São Paulo e Itabaiana.

Murici é a 11ª contratação anunciada pela Raposa visando a disputa da quarta divisão nacional. O rubro negro será comandado na competição nacional, por Givanildo Sales

Movida pelo sonho do acesso para a Série C, a diretoria da Raposa já contratou o goleiro Waldson, oo zagueiro Anderson Schmoeller, do lateral-esquerdo Fabinho, dos volantes Neto e Júnior Gaúcho, dos meias Téssio, Echeverría, Renato Cruz e Aleff Diego e do atacante Jobson. O zagueiro Anderson Schmoeller, de 30 anos estava recentemente defendendo as cores do Mamoré de Minas Gerais. Já o meia Aleff Diego, que chega por empréstimo do Doce Mel-BA até o fim das disputas da Série D do Brasileiro. O jogador foi um dos destaques da campanha do time baiano no estadual, marcando três gols em nove jogos disputados.

Depois de anunciar os novos reforços para a disputa da Série D, o Campinense renovou o contato do atacante Rafael Ibiapino, artilheiro do Campeonato Paraibano e eleito o craque da competição.

Em contrapartida, deixaram o Rubro-Negro até agora o lateral-esquerdo Matheus Camargo, do volante Robertinho e do meia Bismarck.

O Campinense tem dois amistosos contra o Central de Caruaru agendados para os dias 29 deste mês e para o dia 4 de setembro. A estreia na Série D está marcada para o dia 19 de setembro, jogando fora de casa, contra o América de Natal. O Campinense está no Grupo A3 da competição nacional junto com o próprio América-RN, o Atlético de Cajazeiras, Afogados de Pernambuco, Salgueiro, Guarany de Sobral, Globo FC e Floresta.

Severino Lopes
PB Agora

 

Treze e Campinense decidem neste sábado, título da 110ª edição do Campeonato Paraibano

Clássico dos Maiorais 412. Vale a taça. Será conhecido neste sábado (15), o campeão paraibano 2020. O segundo e decisivo duelo entre Treze e Campinense acontece a partir das 16h no estádio O Amigão. Por ter vencido o primeiro clássico por 2 x 0, o Galo tem vantagem e pode perder até por 1 gol de diferença, que mesmo assim levanta a taça de campeão do Estadual, e quebra o jejum de títulos que já dura 9 anos.

Já a Raposa tem uma missão complicada e precisa tirar a vantagem do rival construída no primeiro duelo. Caso o Campinense vença com diferença de dois gols, a decisão será nos pênaltis. A Raposa só será campeã no tempo normal se conseguir vencer o rival por três gols de diferença.

Serão 90 minutos para deixar o torcedor dos dos clubes aflitos e com o coração batendo forte. Afinal, doze anos depois da última vez em que protagonizaram uma final de estadual, Galo e Raposa estão frente a frente novamente em uma partida que vale título. Em campo, estarão as duas maiores rivalidades do Campeonato Paraibano, e 36 títulos estaduais, sendo 21 conquistados pela Raposa contra 15 pelo Galo.

Para esse jogo decisivo, o técnico do Treze, Moacir Júnior praticamente tem todo elenco a sua disposição, e deve escalar o time com a força máxima. A única baixa continua sendo o volante Rezende, que, com diagnóstico positivo para Covid-19, já está afastado do elenco desde o último fim de semana. Sendo assim, a tendência é mesmo que a escalação do Galo seja a mesma, sem nenhuma alteração.

No Campinense, a missão é dura. Sem ter conquistado uma vitória sequer em três jogos contra o arquirrival até aqui na temporada – foram um empate (1 a 1) e duas derrotas (1 a 0 e 2 a 0) -, a Raposa vai precisar se desdobrar, ser mais efetiva nas finalizações e cometer menos falhas defensivas se quiser desbancar o agora favorito Treze e levar o título para o Renatão.

O técnico Nei Júnior foi demitido no dia seguinte à derrota no jogo de ida desta final do Paraibano. A Raposa será comandada por Hélio Cabral, que é auxiliar fixo do Campinense. Para o jogo mais importante do rubro-negro na temporada, Hélio não poderá contar com o zagueiro Uesles que segue em tratamento de uma lesão na coxa direita, assim como o volante Pêu, que cumpre suspensão automática. O goleiro Rodrigo Dias, que vinha tratando uma lesão no ombro direito, até voltou a treinar, mas não tem escalação confirmada. A tendência é que Elielton, Caio Breno e Juliano apareçam entre os titulares. o meia Juliano e o volante Caio Breno, entraram no decorrer do último duelo e deram mais movimentação ao meio de campo da Raposa e por isso, vivem a possibilidade para iniciar entre os 11 neste sábado.

Mandante do jogo, o Treze deve ir a campo com Jeferson, Léo Pereira, Breno Calixto, Nilson Júnior e Gilmar; Robson, Vinícius Barba, Alexandre Santana e Douglas Lima; Tales e Frontini. Técnico – Moacir Júnior.
Já o Campinense deve começar com Welligton Lima, Alex Travassos, Alex Maranhão, Breno e Matheus Camargo; Elielton, Caio Breno, Juliano e Bismarck; Rafael Ibiapino e Reinaldo Alagoano. Técnico – Hélio Cabral.

Galo e Raposa sempre fazem um duelo acirrado, duro e com emoções. Dos 410 confrontos, o Treze venceu 142 vezes, contra 109 do Campinense. O Clássico dos Maiorais já terminou empatado 162 vezes. Na artilharia dos Maiorais, a vantagem também é trezeana: até agora, são 503 gols a favor do Alvinegro, contra 451 para o Rubro-Negro.

A rivalidade entre Campinense e Treze pode ser medida em jogos válidos pelo Campeonato Paraibano. Até o momento, os dois clubes se enfrentaram 232 vezes no Estadual. A vantagem também é do Treze. Ao todo, o Galo venceu 76 partidas, contra 71 triunfos da Raposa.

O equilíbrio de Campinense e Treze no Paraibano, se mede no número de empates. Os dois terminaram a partida em igualdade no placar 98 vezes. O Galo marcou 259 gols contra 242 da Raposa.

Após o apito final do árbitro, Marcelo Aparecido de Souza (SP), Treze ou Campiense vai comemorar o título estadual, e a volta para Campina Grande da hegemonia do futebol paraibano.

Severino Lopes
PB Agora

 

Campinense demite técnico após derrota para o Treze no primeiro jogo da decisão do Campeonato Paraibano

O Campinense emitiu um comunicado em suas redes sociais que o técnico Nei Júnior foi demitido. A saída ocorre após a derrota para o Treze, na tarde dessa quarta-feira (12), no primeiro jogo da decisão do Campeonato Paraibano 2020. Nei Júnior deixa o clube após quatro jogos, sendo duas vitórias e duas derrotas.

A nota oficial

“A diretoria do Campinense, através do seu Presidente executivo, Paulo Gervany, comunica a demissão do técnico Nei Júnior.O preparador Físico Bismarck Colaço também deixa o clube. Hélio Cabral, profissional fixo da casa, comandará a Raposa na segunda e decisiva partida da final do Campeonato Paraibano 2020”.

clickpb

 

Galo vence Botafogo e está classificado para a final do Campeonato Paraibano

Em um jogo decisivo no estádio Amigão, na noite desta quarta-feira (05) em Campina Grande, o Galo não apenas pôs fim à invencibilidade do Botafogo-PB, mas também quebrou o tabu que já durava 5 anos sem vencer o Belo por dois gols de diferença.

O Treze tinha perdido por 2 a 0 no jogo de ida desta semifinal, mas o Alvinegro de Campina devolveu o placar no tempo normal, levando a disputa para os pênaltis. O Treze marcou as cinco cobranças e contou com a defesa do goleiro Jeferson para vencer a partida por 5 a 4 e se credenciando para enfrentar o Campinense na grande final do Paraibano.

OS TIMES

TREZE: Jeferson, Léo Pereira, Breno Calixto, Nilson Júnior e Gilmar; Vinicius Barba, Rezende (Robson), Tales e Alexandre Santana (Bruno Mota); Douglas Lima (Ceará) e Frontini (Ermínio). Téc.: Moacir Júnior.

BOTAFOGO-PB: Felipe, Juninho, Fred, Luis Gustavo, Marcelo Xavier e Mário; Mineiro, Everton Heleno, Cássio Gabriel (Kellyton) e Kelvin (Dico); Lohan (Mário Sérgio). Téc.: Mauro Fernandes.

pbagora

 

Nos pênaltis, Campinense bate o Sousa e vai à final do Campeonato Paraibano

No estádio Amigão, na terça-feira (04), Campinense e Sousa definiram o primeiro finalista do Campeonato Paraibano de 2020. Após empatarem por 0 a 0 em um jogo muito fraco no tempo normal, nos pênaltis, a Raposa venceu por 5 a 4, brilhando a estrela do goleiro reserva, Wellington Lima, que precisou jogar. Será a terceira decisão de estadual consecutiva do time rubro-negro.

Com o retorno do zagueiro Alex Maranhão após cumprir suspensão, a Raposa teve um desfalque importante de última hora. Sentindo dores no ombro, o goleiro Rodrigo Dias foi vetado e Wellington Lima começou a partida como titular.

Com a bola rolando, já no primeiro minuto de jogo, o lateral-direito rubro-negro Alex Travassos se atrapalhou na saída de bola ainda dentro da área. A pelota ficou com Téssio, que bateu cruzado, com força, mas acertou a rede pelo lado de fora.

O Sousa se animava no ataque e, aos 7 minutos, em jogada pela esquerda, Téssio invadiu a área e tocou para o meio. Rodrigo Poty, por pouco, não conseguiu empurrar para as redes, e a defesa mandou a bola para escanteio.

A partida ficou truncada e o Campinense começava a avançar um pouco ao campo de ataque, sempre em jogadas que acionavam o lateral-direito Alex Travassos, basicamente o único ponto de ligação entre a defesa e ataque da equipe. Entretanto, o rubro-negro pouco conseguia pisar na área de Ricardo.

Aos 45, Dakson cobrou falta da intermediária, o zagueiro Jeferson desviou de cabeça e a bola bateu na trave, mas a arbitragem já marcava falta do defensor do Dinossauro.

No minuto seguinte, Iranilson fez boa jogada individual pela direita e encontrou o volante Gledson na entrada da área, mas a batida foi fraca, nas mãos do arqueiro raposeiro.

Com pouca capacidade de criação, mesmo com o bom gramado do estádio Amigão, as duas equipes foram para os vestiários no intervalo sem criar oportunidades claras de abertura do placar.

Segundo tempo

Buscando mais produção no meio-campo, Nei Júnior sacou Reinaldo Alagoano e Allefe para voltar para a segunda etapa com Bismarck e Juliano.

Ainda assim, em uma bola parada, a primeira chance foi do Sousa. Em cobrança de falta da meia-direita, Dakson bateu firme e a bola passou perto do poste esquerdo de Wellington Lira.

Mexendo mais cedo em comparação com as partidas anteriores, o técnico Givanildo Sales buscou dar um gás maior ao meio-campo sousense aos 16 minutos, quando colocou Gionnotti em campo na vaga de Esquerdinha.

As duas equipes, mesmo com as mexidas, rendiam muito pouco. A falta de criatividade e o nervosismo deixavam a partida muito pegada no meio-campo, com mais erros de passes do que com entradas duras e, mais uma vez, os goleiros se mexiam apenas para cobranças de tiros de meta ou acompanhar chutes fracos que saíam pela linha de fundo.

Pênaltis

Nas penalidades, Wellington Lira, que foi definido como titular apenas antes da partida, defendeu a cobrança de Rafinha e colocou o Campinense na decisão. Para a Raposa marcaram Bismarck, Rômulo, Matheus Camargo, Juliano e Rafael Ibiapino. Pelo Dinossauro, anotaram Téssio, Juninho, Cláudio Baiano e Gledson. O marcador final das cobranças de pênaltis acabou em 5 a 4 para o rubro-negro.

Ficha técnica

Campinense 0 x 0 Sousa (Agregado 2 x 2)
Pênaltis: 5 x 4

Campeonato Paraibano 2020
Semifinais (jogo de volta)
Estádio: Amigão (Campina Grande)

Arbitagem: Marcelo Aparecido; Oberto Santos e Luís Filipe.

Gols:
Cartões amarelos: Bismarck (Campinense); Rodrigo Poty, Gledson (Sousa)

Campinense: Wellington Lima, Alex Travassos, Alex Maranhão, Uesles (Breno), Matheus Camargo; Pêu, Elielton (Rômulo), Allefe (Juliano), Vinícius Araújo (Fábio Júnior); Rafael Ibiapino e Reinaldo Alagoano (Bismarck). Técnico: Nei Júnior.

Sousa: Ricardo, Iranilson, Jeferson, Cláudio Baiano, Marcelo; Gledson, Rafinha, Téssio, Esquerdinha (Gionnotti), Dakson (Juninho Paraíba); Rodrigo Poty. Técnico: Givanildo Sales.

Voz da Torcida

 

 

Campeonato Paraibano retorna no próximo dia 16 de julho com jogo entre Botafogo e Campinense

Após paralisação em virtude da pandemia do novo coronavírus, retorna no próximo dia 16 de julho, o Campeonato Paraibano. Nesse dia, o jogo será entre Botafogo (PB) e Campinense. A nona rodada está prevista para acontecer dias 18 e 19. Já a décima vai depender da situação do Belo na Copa do Nordeste.

As mudanças foram feitas pela Federação Paraibana de Futebol (FPF) para adequar a tabela já que o Botafogo é o representante do Estado na competição. No dia 18, estão programados os jogos entre CSP e Sport-PB, São Paulo Crystal e Perilima; e Nacional de Patos e Treze. Todos pela nona rodada.

No dia 19, acontecerá jogos entre Sousa e Botafogo (PB); e Campinense e Atlético (PB), finalizando a nona roda. A décima rodada, semifinal e finais estão com o calendário em aberto, pois dependerá do desempenho do Botafogo-PB na Copa do Nordeste.

 

clickpb

 

 

FPF muda tabela e antecipa reinício do Campeonato Paraibano

O reinício do Campeonato Paraibano de 2020 foi antecipado. O jogo entre Botafogo da Paraíba e Campinense, que estava programado para o próximo dia 18, será disputado um dia antes. A informação foi confirmada pelo gerente executivo da Federação Paraibana de Futebol (FPF), Otamar Almeida.

A justificativa para antecipar o jogo, considerado decisivo para os dois times, é para atender a logística do Botafogo na Copa do Nordeste. Pela tabela da competição regional, o time botafoguense tem partida programada para o dia 21, contra o Vitória-BA, no enceramento da primeira fase.

De acordo com as informações do dirigente da Federação, outras mudanças nas datas das duas últimas rodadas da competição estadual também devem acontecer. Para isso, a FPF está convocando os dirigentes dos clubes para uma reunião, que acontece nesta quinta-feira (9), às 15h.

“Está confirmado para o dia 17 o jogo entre Botafogo e Campinense. As nona e décima rodadas definiremos amanhã (quinta-feira) em reunião com os clubes”, disse Otamar Almeida. A expectativa da FPF é adequar a tabela do Campeonato Paraibano com a participação do Botafogo na Copa do Nordeste.

Além da partida, entre Botafogo e Campinense, pela oitava rodada, a tabela do Campeonato Estadual programada pela nona rodada traz: Sousa x Botafogo, Campinense x Atlético, Nacional x Treze, São Paulo x Perilima, CSP x Sport Lagoa Seca. Enquanto que, a décima rodada aponta os seguintes confrontos: Treze x Campinense, CSP x Botafogo, Sousa x Atlético, Perilima x Nacional e São Paulo x Sport Lagoa Seca.

Por: Franco Ferreira

 

 

Volta do Campeonato Paraibano 2020 divide dirigentes dos 10 clubes que disputam competição

A volta do Campeonato Paraibano  mesmo durante a pandemia do Covid-19 divide os dirigentes dos 10 clubes que disputam a competição. Alguns dirigentes se posicionaram  favoráveis a volta do Estadual, enquanto outros sugerem cautela, e consideram um risco retomar a competição com a pandemia do coronavírus ainda fazendo vítimas no Estado.
Representantes de Campinense e Treze partiram na frente e se reuniram com prefeito de Campina Grande, Romero Rodrigues  e com o secretário de Esportes, Raymundo Asfora Neto, mas adiaram m definição sobre treinos.

A decisão sobre quando e como vai se dar esse reinício das atividades, no entanto, ainda não foi tomada. Mas uma nova reunião já está agendada para a próxima sexta-feira. Nessa nova ocasião, a Raposa, o Galo e também a Perilima devem apresentar seus planos de ação para a retomada do futebol, que está paralisado há quase três meses, por conta da pandemia do novo coronavírus.

Na reunião desta segunda-feira, os presidentes Paulo Gervany, do Campinense, e Walter Cavalcanti Júnior, do Treze, confirmaram a intenção de retomada das atividades e falaram também sobre as dificuldades de se colocar em prática o Protocolo Médico elaborado pela CBF e adaptado pela Federação Paraibana de Futebol (FPF), com o apoio dos clubes.

A previsão é de que a partir do dia 13 de julho os jogos já estejam liberados, só que sem a presença do público. A Federação Paraibana de Futebol deve se reunir com os clubes ainda nesta semana para tratar do assunto.

Mesmo com o futuro incerto, o Treze já está planejando a volta aos gramados.
O presidente do Alvinegro, Walter Cavalcanti Júnior,  disse que o primeiro passo para que o clube volte à ativa foi a chegada da comissão técnica, capitaneada pelo técnico Moacir Júnior, já nesta segunda-feira. Agora, a diretoria aguarda para esta semana a chegada de alguns jogadores e, por fim, a definição por parte da Prefeitura Municipal de uma data para que os treinos possam ser retomados.
Na tarde desta segunda-feira, o técnico Moacir Júnior visitou o Presidente Vargas para avaliar as melhorias que estão sendo feitas no estádio.

O presidente do Campinense, Paulo Gervany, também já planeja a volta da Raposa e prometeu reforçar o time. Segundo o dirigente raposeiro, o elenco vai precisar de alguns ajustes para repor peças que acabaram tendo seus vínculos encerrados durante o período sem jogos em decorrência das medidas de isolamento social para conter a disseminação do novo coronavírus.

Durante a paralisação do campeonato, a Raposa perdeu o técnico Oliveira Canindé que pediu para deixar o clube. O Campinense será comandado agora por Ruy Scarpino.

Antes da suspensão dos jogos do estadual, há quase três meses, o Campinense liderava o Grupo B da competição, com 13 pontos conquistados e na briga direta para chegar às semifinais. O Rubro-Negro – assim como o Botafogo-PB – ainda tem três jogos para disputar na primeira fase, incluindo o Clássico dos Maiorais da última rodada.

Já o Botafogo se posicionou através do seu presidente, Sérgio Meira. O mandatário do Alvinegro da Estrela Vermelha adotou um tom de cautela e disse que a visão do clube é que a volta aos treinos e o prosseguimento da disputa do estadual só devem ser postos em prática após o achatamento da curva de contágio do novo coronavírus no estado.

Os times do Sertão estão divididos quanto a volta do Estadual. O Atlético-PB já se posicionou favorável ao retorno das atividades, o Trovão Azul aguarda apenas o aval da FPF – que enviou seu Protocolo Médico ao Governo do Estado nessa quinta-feira – para voltar aos treinos. O time cajazeirense, inclusive, está pronto para um possível retorno.
O Sousa defende que a competição seja retomada mais tarde, quando a curva do vírus começar a ser achatada. O presidente do Dinossauro, Aldeone Abrantes, sugeriu mais calma no debate e sugeriu que a volta aos treinos, que foi projetada para o dia 15 deste mês seja adiada no mínimo para julho.

Sem elenco e em colapso financeiro devido à paralisação do futebol, o Nacional de Patos se posicionou contra a volta do futebol. Através de seu presidente, Cleodon Bezerra, o clube declarou que não vê viabilidade nenhuma de retorno do ponto de vista financeiro.

O CSP manteve seu posicionamento: terminar com urgência o Campeonato Paraibano. É que, na visão de Josivaldo Alves, dirigente e técnico do time pessoense, não só o CSP, mas todas as demais equipes de menor aporte financeiro que não têm calendário no segundo semestre do ano estão sendo prejudicadas com a não continuidade do estadual,
Único clube já rebaixado matematicamente para a 2ª divisão, o Ssport Lagoa Seca é contra a volta do Paraibano neste momento. O diretor executivo do time, Arthur Ferreira, adotou um discurso coletivo e argumentou que, além das dificuldades enfrentadas pelo seu clube

Já a Perilima é contra o retorno no momento do campeonato devido o risco a saúde dos atletas e demais profissionais envolvidos na competição. Estreante na competição, o São Paulo Crystal também é contra o retorno das atividades nesses momento de pandemia.

Os 10 clubes que disputam a elite do futebol paraibano, enfrentam uma situação dificil, visto que praticamente a principal receita vem das rendas.

Após o decreto do governo do Estado de flexibilização de algumas das medidas de isolamento social a Federação Paraibana de Futebol (FPF) enviou ao Governo do Estado, à Secretaria de Estado da Saúde (SES) e à Secretaria de Esportes documentos que solicitam a volta dos treinos e, posteriormente, dos jogos do Campeonato Paraibano.

Nos documentos enviados pela FPF, um rigoroso o protocolo de segurança, é apresentado e se baseia em orientações da CBF, mas que teve intervenções da Federação, com o auxílio dos médicos dos clubes. O documento prevê  um Plano de Ação para a retomada das atividades; e um requerimento para que a prática do futebol seja restabelecida na Paraíba. O governador do Estado, João Azevêdo, o secretário de Saúde, Geraldo Medeiros, e o Secretário de Esportes, Hervázio Bezerra, são os remetentes desses documentos.

O protocolo de segurança para a retomada das atividades – que, até então, não teve sua versão final divulgada -, prevê testagem máxima dos envolvidos, uso obrigatório de máscaras (exceto para os jogadores durante a partida) e disponibilização abundante de álcool em gel durantes as atividades. Pelo menos essas são as premissas que estão na primeira versão do documento. A FPF, por sua vez, já declarou que o protocolo sofreu algumas alterações desde a sua apresentação à imprensa.

O Campeonato Paraibano de 2020 está suspenso desde 19 de março. Desde então, os estádios estão fechados, treinos interrompidos e jogadores liberados.

Severino Lopes
PB Agora