Arquivo da tag: caixão

Mortos com o novo Coronavírus na Paraíba devem ser enterrados com caixão lacrado e sem velório, determina Agevisa

A Agência Estadual de Vigilância Sanitária (Agevisa) emitiu Nota Técnica determinando os cuidados a serem adotados nos casos de óbito (no território paraibano) de pessoas com infecção suspeita ou confirmada pelo novo coronavírus. Assinado pela diretora-geral Jória Viana Guerreiro, o documento foi motivado pelo risco contínuo de transmissão infecciosa por contato após o óbito por coronavírus, embora tal possibilidade de contágio seja geralmente menor do que para pacientes ainda vivos. Disponível no endereço agevisa.pb.gov.br/legislacao, a NT nº 02/2020-Agevisa/PB determina que os princípios das precauções padrão de controle de infecção e precauções baseadas na transmissão devem continuar sendo aplicados no manuseio do corpo e durante o sepultamento.

Tomando por base a Nota Técnica nº 04/2020, da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa), a Agevisa/PB determinou que, após a confirmação do falecimento de pessoa infectada ou suspeita de infecção por Covid-19, o cadáver deverá ser transferido do leito, sala ou espaço de isolamento, para o necrotério no menor tempo possível, sendo permitida somente a presença de profissionais estritamente necessários e devidamente protegidos por equipamentos de proteção individual, tais como gorro, óculos de proteção ou protetor facial, máscara cirúrgica, avental impermeável e luvas. Se for necessário realizar procedimentos que geram aerossol como extubação, deve-se usar máscara N95, PFF2 ou equivalente.

Todo o material removido do corpo (tubos, drenos, cateteres etc.) deve ser descartado imediatamente, mediante acondicionamento em recipientes rígidos, à prova de perfuração e vazamento, e com o símbolo de “resíduo infectante”, sendo obrigatória a desinfecção e o bloqueio dos orifícios de drenagem de feridas e punção de cateter com cobertura impermeável; a limpeza (com a utilização de compressas) das secreções nos orifícios orais e nasais, e também o bloqueio dos orifícios naturais do cadáver (oral, nasal, retal) para evitar extravasamento de fluidos corporais.

Desinfecção – Nos termos da NT nº 02/2020-Agevisa/PB, o corpo da vítima do coronavírus deve ser pulverizado com solução desinfetante hospitalar, e, em seguida, acondicionado em saco impermeável à prova de vazamento e selado (sacos de remoção), que atenda às características técnicas sanitárias de resistência à pressão dos gases internos, estanqueidade e impermeabilidade.

A introdução na bolsa deve ser feita dentro da própria sala de isolamento, pelo servidor da unidade hospitalar, a quem caberá identificar adequadamente o cadáver. Preferencialmente, deve-se colocar o corpo em dupla embalagem impermeável e desinfetar a superfície externa do saco (podendo-se utilizar álcool a 70º, solução clorada [0.5% a 1%], ou outro saneante desinfetante regularizado junto à Anvisa). Ao manusear o saco de acondicionamento do cadáver, os profissionais devem usar luvas descartáveis nitrílicas.

Identificação do risco – Ainda de acordo com a Nota Técnica da Agevisa/PB, o saco externo de transporte do corpo da vítima do coronavírus deve ser identificado com a informação relativa a “risco biológico, no contexto da Covid-19: agente biológico classe de risco 3”. Quanto à maca de transporte de cadáveres (obrigatoriamente de fácil limpeza e desinfecção), esta deve ser utilizada apenas para esse fim.

Lona extraforte impermeável – Uma vez adequadamente embalado na bolsa, e sendo confirmada a chegada da urna mortuária adequada e definitiva, o corpo deverá ser removido com segurança para o necrotério da unidade hospitalar, onde será colocado, obrigatoriamente, em caixão devidamente revestido por lona extraforte impermeável, selada com fita adesiva. Esse procedimento será realizado pelos profissionais do serviço funerário, utilizando todos os equipamentos de proteção individual descritos para atendimento dos casos da Covid-19.

Outras determinações – A Nota Técnica nº 02/2020-Agevisa/PB traz ainda outras determinações relacionadas às vítimas/suspeitos do coronavírus, tais como proibição de embalsamento do corpo e permissão à família para optar pela cremação do corpo ou pela inumação em caixão lacrado, sem velório, no prazo máximo de 24 horas após o óbito. No caso de o cadáver ser portador de equipamentos de saúde que impeçam a cremação sem manipulação do corpo para a remoção do equipamento implantado, a exemplo de marca-passo, este deverá ser obrigatoriamente sepultado.

Funeral por 30 minutos – O veículo funerário, devidamente licenciado, após a recepção da urna mortuária, deverá seguir para inumação ou cremação imediata do cadáver sem velamento do corpo. A despedida poderá ser realizada pelos familiares, em ambiente aberto, no local do sepultamento, com o prazo máximo de 30 minutos e sem contato com a urna mortuária. O caixão deve ser mantido fechado durante o funeral, para evitar contato físico com o corpo. E caso a recepção da urna mortuária ocorra fora do horário de atendimento cemiterial, o serviço funerário contratado poderá armazenar a urna (excepcionalmente) em área restrita designada para esse fim, e com a devida segurança, até a abertura das atividades do cemitério.

Após o transporte final da urna mortuária, o serviço funerário contratado deverá proceder a desinfecção completa do veículo utilizado para o transporte de cadáveres vítimas/suspeitos do Covid-19, apresentando a devida comprovação.

Outras determinações

  • O transporte de urna mortuária de cadáver vítima/suspeito do Covid-19 só poderá ser compartilhado, no mesmo veículo, se a causa mortis for a mesma.
  • A área cemiterial deverá priorizar os sepultamentos referentes aos óbitos das doenças infectocontagiosas, em especial as vítimas do COVID-19.
  • O serviço social deverá obedecer às mesmas regras definidas para os serviços funerários privados contratados.
  • Os cadáveres não identificados, vítimas de doenças infectocontagiosas, em especial COVID-19, deverão seguir os mesmos procedimentos de identificação utilizados pela Polícia Judiciária, em caráter prioritário.

 

Portal WSCOM

 

 

Sikêra Júnior chega em caixão e é o novo apresentador de TV em Manaus

O apresentador Sikêra Júnior chegou em um caixão, e é o novo apresentador do Amazonas Alerta, na TV A Crítica, em Manaus. Sikêra Júnior é ex-apresentador da TV Arapuan, em João Pessoa, na Paraíba.

O programa é líder de audiência nos fins de tarde da programação da TV A Crítica que recentemente deixou de ser filiada da RecordTV e que está investindo em sua nova fase na região Amazônica.

Sikêra chegou no evento ‘A Crítica Black Party’ dentro de um caixão, sua marca registrada de humor relacionada à sua opinião sobre os criminosos.

“Todos os maconheiros vão morrer”, brincou o apresentador.

No Instagram, Sikera Jr publicou já na madrugada deste sábado (22) uma foto e a mensagem: “Cheguei, Manaus”.

O diretor-presidente da emissora, Dissica Calderaro, parabenizou o apresentador por integrar o time de apresentadores da rede.

“É da nossa terra, tá na nossa tela”, disse Dissica Calderaro.

 

(Foto: Reprodução/Antônio Lima)

clickpb

 

 

Polícia retira corpo de mulher do caixão e interrompe velório no Sertão da PB

(Foto: Eli Cavalcante/Arquivo Pessoal)

A Polícia Civil interrompeu um velório e levou o corpo de uma mulher que estava sendo velado na madrugada de sábado (22), em Belém do Brejo do Cruz, no Sertão paraibano. O motivo foi a suspeita de familiares da vítima quanto à causa da morte.

De acordo com informações repassadas pela Polícia Civil, os familiares foram até a delegacia de São Bento, região próxima da cidade onde o caso ocorreu, para denunciar que o marido da dona de casa poderia ter assassinado a vítima, já que ela não apresentava nenhuma doença ou pré-disposição para problemas cardíacos.

Após a denúncia, os policiais, com uma equipe da Gerência Executiva de Medicina e Odontologia Legal (Gemol), foram até a casa onde acontecia o velório e recolheram o cadáver para que exames possam identificar a real causa da morte da dona de casa.

O homem foi ouvido na delegacia e informou que a mulher morreu por conta de um infarto fulminante. A Polícia ainda não trata o homem como suspeito de homicídio e aguarda o laudo pericial para tomar qualquer providência, o que deve ser divulgado em 30 dias.

G1

Acompanhe mais notícias do FN nas redes sociais: FacebookTwitterYoutube e Instagram

Entre em contato com a redação do FN:  WhatsApp (83) 99907-8550. 

E-mail: jornalismo@focandoanoticia.com.br

 

 

Corpo é tirado de caixão e é encontrado com sinais de abuso sexual no PR

(Foto: cedida à RedeTV! por Jonei Farias)
(Foto: cedida à RedeTV! por Jonei Farias)

Menos de 24 horas depois de o corpo de uma professora ter sido enterrado no cemitério municipal de Paranavaí (PR), ele foi encontrado fora do caixão e com sinais de violência sexual. De acordo com a Polícia Civil, o crime ocorreu na madrugada de terça-feira (5).

Funcionários do cemitério tinham acabado de chegar ao local para trabalhar quando viram o caixão da professora, que morreu de câncer, aberto e fora da lápide. O corpo estava ao lado, nu e com sinais aparentes de violência sexual. Os trabalhadores chamaram a polícia na hora.

A polícia investiga se, além do abuso sexual, os autores do crime também buscavam jóias que poderiam ter sido enterradas junto ao corpo.

ACOMPANHE O FOCANDO A NOTÍCIA NAS REDES SOCIAIS:

FACEBOOK                TWITTER                    INSTAGRAM

Redação/RedeTV!

Funerária pega fogo e carro e caixão são queimados

funerariaO galpão da Funerária Santa Paz, localizada na Rua Erotildes Serafim, Jardim Sorrilândia II, em Sousa (PB), pegou fogo, na tarde desta quinta-feira (22), e carros, motos e cachões. Um corpo estava sendo preparado, mas não foi atingido.

Segundo informações, um funcionário da funerária realizava serviço de limpeza usando álcool nos castiçais, quando as chamas aumentaram. Ele foi ferido na região torácica e socorrido para o Hospital Regional de Sousa, enquanto o fogo se alastrava pelo interior do galpão.

 

CURTA o FOCANDO A NOTÍCIA no Facebook

O Corpo de Bombeiros foi acionado e chegou ao local rapidamente, iniciou o trabalho de resfriamento da área atingida e evitou que as chamas se propagassem. Três motos e três carros foram danificados parcialmente pelas chamas.

MaisPB

Presidente da Câmara de Santa Rita denuncia “falta de caixão” na cidade

josaO presidente da Câmara de Vereadores de Santa Rita, Josa de Nezinho, denunciou neste domingo que a prefeitura de Santa Rita, não paga há dois meses a funerária que atende a Secretaria de Ação Social no fornecimento de urnas funerárias para os cidadãos que não tem condição de comprar.

De acordo com o presidente da Câmara, os vereadores estão sendo procurados para comprar os caixões para estas pessoas que precisam, sendo que a Prefeitura tem um programa para isso.

CURTA o FOCANDO A NOTÍCIA no Facebook

Ainda segundo o vereador, as pessoas que estão precisando deste serviço, procuram a prefeitura e são atendidos, mas quando são encaminhados para a funerária, está se recusa a atender alegando falta de pagamento.

 

Da redação com assessoria
WSCOM Online

Ambulância transportando caixão com defunto capota na CE-085 e deixa 3 feridos

acidenteUma ambulância que seguia de Fortaleza com destino a cidade de Trari no estado do Ceará, transportando um caixão com corpo de um homem, que estava no IML de Fortaleza, capotou numa reta da rodovia CE-085.

 

No veículo que ficou bastante danificado no acidente, transportava mais 3 pessoas, sendo o motorista e dois familiares do morto, que sofreram várias escoriações pelo corpo em consequência do acidente.

 

CURTA o FOCANDO A NOTÍCIA no Facebook

A ambulância fazia o transporte do corpo para ser sepultado na região de Trari-CE, quando aconteceu a tragédia. A capota da ambulância sacou do veículo quebrando em vários pedaços.

 

A passageira da ambulância ficou em estado de choque e sofreu ferimentos pelo corpo. Na imagem ela aparece sentada no acostamento à espera do socorro.

 

O motorista da ambulância disse que foi trancado na estrada por um caminhão e perdeu o controle indo de encontro ao barranco, tombando várias vezes. Na imagem, aparece sem camisa. Ele chegou a ser atingido com cortes na cabeça. Uma guarnição da policia militar do destacamento de Paraipaba estiveram no local e fizeram o levantamento da ocorrência.

Ambulância transportando caixão com defunto capota na CE-085 e deixa 3 feridosAmbulância transportando caixão com defunto capota na CE-085 e deixa 3 feridosAmbulância transportando caixão com defunto capota na CE-085 e deixa 3 feridosAmbulância transportando caixão com defunto capota na CE-085 e deixa 3 feridosAmbulância transportando caixão com defunto capota na CE-085 e deixa 3 feridosAmbulância transportando caixão com defunto capota na CE-085 e deixa 3 feridos

FONTE: Portal do Catita

Mistério: caixão é encontrado as margens da PI 232 em Agricolândia

Mistério: Populares encontraram um caixão vazio as margens da PI 232 estrada que liga a cidade de Agricolândia à Estaca Zero, a caixa funerária foi encontrada na altura da entrada da Boca da Mata próximo a localidade Buraco Dágua e chama a atenção da população que por ali trafega. Aparentemente o caixão teria sido usado pelo fato do mesmo se encontrar sujo de terra e com aspecto envelhecido, também nota-se a presença de cupins no caixão. Não se sabe que o colocou ali a beira da estrada o que se sabe é que desde cedo já se via o objeto.

Fonte:180 Graus

Empresa vende seguro-caixão por SMS a R$ 1,50 por mês; Procon alerta

De olho nos consumidores das classes C, D e E, a Generali acaba de colocar no mercado um seguro que pode ser contratado de maneira muito simples: pelo celular. O “Generali Proteção Premiada” é destinado a clientes dos planos pré-pagos da operadora TIM. O Procon, no entanto, sugere atenção redobrada na hora da contratação.

O seguro custa R$ 1,50 por mês e dá direito a três benefícios. Um deles é o auxílio-funeral para casos de morte por  acidente (se a pessoa morrer de uma doença ou por causas naturais, o beneficiário não recebe nada). Se o cliente morrer, a pessoa que ele indicou como beneficiária do seguro terá direito a até R$ 1.000 para usar nas despesas do enterro.

O seguro também oferece assistência para o caso de o cliente ser vítima de algum crime. Essa assistência não é financeira, mas dada por meio de transporte de emergência para um hospital, por exemplo, ou serviço de um chaveiro.

O outro benefício do seguro é que o cliente pode concorrer a dez prêmios semanais de R$ 500 em sorteios.

Contrato é acessado pela internet

A contratação simplificada é o diferencial do seguro, diz o diretor de marketing e novos canais da Generali Brasil Seguros, Luigi Barcarolo. “É uma forma de contratação inovadora no mercado brasileiro e talvez no mundo”, diz.

A oferta, segundo Barcarolo, é feita apenas para clientes pré-pagos da TIM que tenham aceitado previamente receber propagandas do tipo pelo celular. Para aderir, basta que o cliente envie uma resposta, também por SMS, com a palavra “seguro”. As regras do seguro podem ser acessadaspela internet. Outra opção é contratar enviando a palavra “seguro” diretamente para o número 4004.

“É o primeiro seguro da empresa voltado para consumidores dessa faixa de renda. Muitas delas nunca compraram seguros antes”, diz Barcarolo.

Facilidade esconde contrapartida ‘perigosa’, diz Procon

A facilidade na contratação não deve, no entanto, fazer com que o consumidor deixe de tomar alguns cuidados, alerta a especialista em defesa do consumidor do Procon de São Paulo Renata Reis.

Ela diz que, antes de aderir a um seguro por SMS, o consumidor precisa ler o contrato atentamente. “A contratação simplificada tem uma contrapartida perigosa, que é o consumidor não ter a real noção das regras do produto ao qual está aderindo. Temos um histórico grande de reclamações contra seguradoras no Procon, até mesmo das contratações feitas por meio de corretores”, diz Renata Reis.

Para a especialista, acessar o contrato pela internet também não é uma boa opção. “O mercado de seguros tem um vocabulário muito particular. O consumidor não tem condições de diferenciar, sozinho, um furto ‘simples’ de um furto ‘qualificado’, por exemplo.” O ideal, para ela, é que o consumidor tire esse tipo de dúvida antes da contratação.

Mas, caso o consumidor contrate um seguro por SMS ou outro meio remoto (internet, por exemplo) e se arrependa, ele pode desistir do produto em até sete dias úteis, sem ônus, segundo o Código de Defesa do Consumidor. “A empresa que oferece esse tipo de contratação precisa assumir esse risco”, diz Renata Reis.

UOL