Arquivo da tag: barcos

Apresentado pelo Grêmio, Barcos mantém promessa: 28 gols em 2013

O Pirata é tricolor e bom de promessa. Na sua apresentação pelo Grêmio, Barcos previu um ano especial. Encantado com o projeto do novo clube e pela recepção calorosa da torcida, que lotou o Aeroporto Internacional Salgado Filho na manhã deste sábado, em Porto Alegre, o argentino prometeu muito esforço para retribuir o carinho com o título da Libertadores. Disse que, além de ajudar os companheiros, tentará marcar 28 gols.

CURTA o FOCANDO A NOTÍCIA no Facebook

É o número da camisa que vestirá em 2013, e uma promessa que ele havia feito ainda no Palmeiras: este ano, balançar as redes ao menos o mesmo número de vezes que em 2012. Já tem três na conta, todos pelo Alviverde.

Barcos foi apresentado pelo presidente Fábio Koff (E) e diretor Rui Costa (Foto: Lucas Uebel/Grêmio FBPA)Barcos foi apresentado pelo presidente Fábio Koff (E) e diretor Rui Costa (Foto: Lucas Uebel/Grêmio FBPA)

– É uma responsabilidade muito grande, mas sempre falo que gosto de desafios como esse. Logo que fiquei sabendo, achei a proposta interessante e fiquei com muita vontade de vir para o Grêmio. Estou muito agradecido pela disposição da direção para fazer um acordo com o Palmeiras. Agradeço ao carinho da torcida também. Isso é muito bom. O desafio de vir para um clube ganhador me fez querer vir para o Grêmio, que tem obrigação de ganhar. Quero ajudar a ser campeão da Libertadores. Meta de gols? É difícil falar, espero que sejam muitos. Vinte e oito, o número da camisa, está bom – disse o argentino.

Barcos foi comprado por R$ 4 milhões – o Grêmio cedeu ainda quatro jogadores e assumiu a dívida do Verdão com a LDU. Perguntado se, além da Libertadores, a disputa da Série A do Brasileirão pesou, o atleta adotou tom sincero. Admitiu que há diferenças, afinal, tem o objetivo de voltar a ser convocado para a seleção da Argentina.

– Chegar aqui é um grande desafio e é muito importante para a minha carreira. Quero fazer bem as coisas no meu novo clube para voltar a ter a oportunidade de estar na seleção do meu país. Não soube de forma clara (se o técnico Alejandro Sabella condicionou novos chamados à troca de clube), mas é lógico que se perde espaço na Série B. Não é algo físico, pessoal, mas o nível é outro. Série A é uma coisa, e a B, outra. O treinador da Argentina sempre olha o nível de competição dos seus jogadores – completou.

Ainda não há data para o primeiro treino dele no novo clube. Deve ser na segunda-feira. O Grêmio irá inscrevê-lo na Libertadores, e é possível que Barcos fique à disposição para enfrentar o Huachipato, quinta, na Arena, na estreia da fase de grupos.

 

 

Globoesporte.com

Grêmio faz proposta por Barcos e Palmeiras libera atacante para negociar

O Grêmio fez proposta ao Palmeiras para contratar o atacante Barcos. José Carlos Brunoro, diretor executivo do clube paulista, confirmou a informação em coletiva de imprensa nesta sexta-feira durante a apresentado do atacante Kléber, que estava no Porto. O Palmeiras liberou Barcos para negociar um novo contrato com o clube gaúcho.

 

Gazeta Press

Barcos negocia com o Grêmio

 

O Palmeiras negocia a contratação do zagueiro Vilson com o Grêmio e também pode ter outro jogador de ataque da equipe gaúcha na negociação que envolve a ida de Barcos para Porto Alegre. Marcelo Moreno, atacante da equipe gremista, é a preferido da diretoria palmeirense. Porém, caso Moreno acertasse com o Palmeiras, ele não poderia atuar na Libertadores por já ter jogado a competição pelo Grêmio.

Esta não foi a primeira vez que o Grêmio tenta a contratação de Barcos. Em dezembro de 2012, o presidente gremista Fábio Koff confirmou que iniciou negociação com Arnaldo Tirone, então mandatário palmeirense, mas o negócio não foi adiante. O Grêmio tem muitas opções de ataque. O clube já conta com Marcelo Moreno, Vargas, Willian José, Kléber “Gladiador” e Welliton, recém apresentado.

Barcos foi contratado pelo Palmeiras da LDU por US$ 4 milhões (cerca de R$7,8 milhões) no início da última temporada. Devido ao bom desempenho em 2012, o atacante acabou prestigiado pela diretoria alviverde e estendeu seu vínculo até 31 de dezembro de 2016. A multa rescisória para quebra do vínculo é de 15 milhões de euros (cerca de R$39,2 milhões) para ofutebol internacional e de R$70 milhões para clubes brasileiros.

Apesar da extensão contratual com o centroavante, o Palmeiras ainda não pagou totalmente sua dívida com a LDU. Uma parcela de US$750 mil dólares (aproximadamente R$1,4 milhões) que deveria ter sido paga pelo clube alviverde em janeiro ainda não foi quitada. Além disso, os direitos de imagem dos jogadores da equipe paulista também estão atrasados. Segundo Koff, o Grêmio pode arcar com esta dívida para contar com Barcos.

 

 

 

iG

Ele fica! Barcos renova com Palmeiras até dezembro de 2016

Foto: Ari Ferreira

O torcedor do Palmeiras pode comemorar o presente de Natal: o clube renovou o contrato de Barcos até dezembro de 2016. O jogador já tinha acordo até fevereiro de 2015, mas estava preocupado em jogar a Série B do Brasileiro e perder visibilidade, pois o desejo dele é disputar a Copa de 2014, no Brasil, pela seleção argentina. Mas resolveu ficar no Alviverde. O novo contrato dá ao atacante um aumento salarial.

A confirmação da renovação com Barcos foi feita pelo presidente Arnaldo Tirone, por telefone.[bb]

– A negociação vinha ocorrendo há algum tempo, ele assinou essa semana. A permanência dele era prioridade – resumiu o mandatário.

O empresário e irmão de Barcos, David Barcos, esteve no Brasil essa semana pra fechar o novo contrato. O documento também prevê lucro para o Pirata em ações de marketing e possíveis produtos licenciados com sua marca.

Globoesporte.com

Barcos brilha no fim, mas Verdão e Bota empatam e se complicam

O gol tardio de Barcos não enganou a torcida do Palmeiras, que vaiou o time ao final do empate em 2 a 2 com o Botafogo, neste domingo, em Araraquara. Ao Alvinegro, que vencia até os 45 do segundo tempo, fica o gosto amargo de perder a chance de se aproximar do São Paulo, último que se classificaria para a Taça Libertadores da América. No fim do duelo, ficou ruim para os dois lados – um pouco pior para o Verdão.

O empate deixou o Palmeiras com 33 pontos, algo que fica ainda mais grave com a vitória do Sport sobre o Vasco por 3 a 0. O Verdão continua na 18ª posição, mas agora a três pontos do 17º colocado. De bom, só Barcos. Com os dois gols marcados neste domingo, o Pirata chegou aos 27 na temporada e atingiu a meta estabelecida em sua chegada. Só não há clima para o churrasco prometido para celebrar o feito.

O Botafogo lamentou demais o gol sofrido no fim. O time de Oswaldo de Oliveira foi aos 51 pontos e continua a oito do São Paulo, que também empatou neste domingo – com o Fluminense, no Morumbi. Lodeiro foi o melhor do lado alvinegro, fazendo um gol e dando o passe para Elkeson marcar o segundo.

Maurício Ramos inventa, Barcos não

Fazer o simples nem sempre é tão fácil. O Palmeiras de Gilson Kleina é capaz de provar isso. No discurso, tudo muito bonito: não inventar, tocar fácil, fazer o básico… Na prática, inventa-se. E muito. Sabendo disso, o Botafogo de Oswaldo de Oliveira se portou de maneira correta, esperando a primeira falha palmeirense para armar o contra-ataque.

jogo Palmeiras e Botafogo (Foto: Marcos Ribolli / Globoesporte.com)Palmeirenses tentam evitar, sem sucesso, o gol de Lodeiro (Marcos Ribolli / Globoesporte.com)

O Verdão, mais uma vez, foi superior ao seu adversário durante o primeiro tempo. A irritação deu lugar à paciência, virtude que até o esquentadinho Luan teve ao se livrar da marcação e deixar Patrick Vieira na cara do gol, aos 16 minutos. O garoto não apresentou a mesma calma, e o chute foi para fora. Mesmo assim, a postura animou o pequeno público presente em Araraquara – uma decepção, já que o time precisa demais do apoio do torcedor.

Tudo ia bem, até que Maurício Ramos não fez o simples. Justo ele, que durante a semana cobrou tranquilidade dos seus companheiros. Aos 21, ele resolveu sair jogando, Andrezinho roubou, quatro botafoguenses dispararam e, segundos depois, Lodeiro aproveitava o rebote da trave para fazer 1 a 0. O Botafogo, sim, fazia o básico. Uma aula de contra-ataque na Arena da Fonte.

A torcida ensaiou um protesto, gritando que se o Palmeiras não ganhasse o “bicho ia pegar”. Até ela se lembrar de que o artilheiro Barcos gosta demais de enfrentar o Botafogo. Só depois do gol é que o Pirata acordou, buscou jogo, tentou tabelas. Mesmo assim, nada levava perigo à meta de Jefferson.

Sem imaginação no meio-campo, sobrou para a bola parada de Marcos Assunção. Aos 28, cobrança de escanteio na cabeça de Patrick Vieira, que desviou para Barcos empatar, quase debaixo das traves. Atenção aos números: 26 gols na temporada, a um de sua meta anual e do prometido churrasco – e o quinto gol no Alvinegro em quatro duelos. Tudo porque Barcos fez, pasmem, o simples.

Barcos comemora gol do Palmeiras contra o Botafogo (Foto: Marcos Ribolli / Globoesporte.com)Barcos vibra com o gol de empate ainda no primeiro tempo (Marcos Ribolli / Globoesporte.com)

Verdão martela, mas Alvinegro decide

O Botafogo começou o segundo tempo com marcação no campo de ataque, pressionando a saída de bola alviverde. Sempre com seu bloco de quatro jogadores bem definido: Andrezinho, Fellype Gabriel e Lodeiro em linha, e Bruno Mendes mais avançado. O sistema dinâmico deu tão certo que o segundo gol quase saiu logo aos 3 minutos, quando Andrezinho cruzou e Lodeiro exigiu defesa difícil de Bruno.

Mais ligado, o Alvinegro, enfim, descobriu o caminho para irritar um Palmeiras que vive altos e baixos na parte psicológica. Gesticulando muito, Oswaldo pedia para seus jogadores rodarem a bola de um lado a outro do campo. Luan foi o primeiro a ficar nervoso: bateu boca com rivais e foi advertido verbalmente pelo árbitro Elmo Resende Cunha.

Quando o técnico Gilson Kleina mandou Maikon Leite para o aquecimento, a sensação era de que ele sacaria seu jogador mais irritado. No entanto, o palmeirense ousou e tirou Artur, deixando a equipe com três atacantes para tentar retomar as rédeas do jogo. No plano tático, deu certo. O Verdão passou a pressionar, mandar no jogo. O panorama era todo alviverde. O que faltou foi técnica.

De novo, o “simples” não apareceu. Luan, duas vezes, Maikon Leite e Patrick Vieira tiveram a bola do jogo quase na pequena área, em lances semelhantes. Nas quatro vezes, eles tentaram fazer uma jogada mais bonita e perderam suas oportunidades. A torcida, claro, voltou a pegar no pé. Pediu Obina, vaiou o árbitro, pressionou, mas não conseguiu fazer o time mudar o resultado.

O castigo foi duro, quase um nocaute. De novo, Maurício Ramos, em dia para ser esquecido. Aos 18 minutos, ele perdeu uma disputa com Lodeiro, que cruzou na cabeça de Elkeson – o atacante acabara de entrar no lugar de Fellype Gabriel: 2 a 1 para o eficiente Botafogo, único time em campo com os nervos no lugar.

Nos 30 minutos que sucederam o gol de Elkeson, o pesadelo das chances perdidas se repetiu no Palmeiras. E tome bola na trave de Maikon Leite, defesa de Jefferson em chute do mesmo atacante, tropeço de Patrick Vieira com o gol vazio, bola de Barcos que a zaga salva em cima da linha…O Palmeiras tentava, tentava, tentava… Nas finalizações, um verdadeiro massacre. Tinham sido 21 tentativas de gol verde contra apenas sete do Alvinegro. Aos 45 minutos, Barcos, apareceu de novo na sua missão de salvador. o argentino dominou no peito dentro da área, deixou a bola pingar e encheu o pé esquerdo no ângulo de Jefferson.

O placar de 2 a 2, jogando como mandante, ainda pode ser considerado um resultado negativo. Mas pelo que o Palmeiras jogou e se dedicou, o torcedor ainda tenta manter um fio de esperança nas quatro partidas finais. Já o Botafogo, a oito pontos do G-4, vê a vaga na Libertadores ficar cada vez mais complicada.

Na próxima rodada, o Botafogo recebe a Portuguesa, sábado às 19h30m (horário de Brasília), no Engenhão. No domingo, o Palmeiras pega o Fluminense às 17h, no Prudentão, em Presidente Prudente.

Globoesporte.com

Pastores vendiam carros, barcos e até aviões ‘fantasmas’ para fiéis em cinco estados e no DF

Sete pastores evangélicos foram indiciados pela Polícia Civil do Rio Grande do Sul acusados de vender carros, barcos e até aviões “fantasmas” para fiéis. A ação para desarticular a quadrilha foi batizada de “Deus tá vendo”. A mulher apontada como chefe do bando foi presa esta semana. O golpe acontecia desde 2010 em templos de pelo menos cinco estados – além do Rio Grande do Sul, Rio de Janeiro, São Paulo, Santa Catarina e Mato Grosso do Sul – e no Distrito Federal. Segundo a polícia, o lucro da quadrilha nesse período foi de R$ 20 milhões.

O bando aproximava-se do “rebanho” geralmente depois dos cultos e mostrava a eles uma lista com carros de luxo e outros veículos com valores 60% abaixo dos de mercado.

– Eles se aproveitavam do laço de confiança entre pastor e fiel. Aproximavam-se das vítimas com uma lista de veículos que diziam terem sido apreendidos pela Receita Federal e que esta queria esvaziar seu pátio. Por isso os preços tão em conta – disse o delegado do 2º DP (Bento Gonçalves), Álvaro Becker, responsável pelas investigações.

O interessado tinha que fazer o depósito imediatamente e a entrega do veículo era prometida para 30 dias depois. Isso não acontecia e, ao serem pressionados, os pastores pediam mais tempo.

– A situação ficava se arrastando. Eles usavam todo o tipo de desculpa, desde o carnaval até a invasão do Morro do Alemão, para tentar explicar a demora na entrega. Até que, em novembro do ano passado, um pessoal de Veranópolis (município no nordeste do Rio Grande do Sul) procurou a polícia – contou Becker.

A presa é escoltada por uma policial civil
A presa é escoltada por uma policial civil Foto: Davi Trintinaglia / Jornal Gazeta Veranense

Os pastores foram sendo presos ao longo da investigação. A última prisão ocorreu nesta quarta-feira. Apontada como chefe do bando, Andréia Rosângela Marques Pinto, de 49 anos, apresentou-se no 2º DP. Moradora do Rio de Janeiro, ela negou todas as acusações, segundo o delegado:

– Ela diz que, na verdade, é mais uma vítima disso tudo. Eu diria que ela é uma artista. Mas não nos convenceu. Temos provas de seu envolvimento com o golpe.

Brasília tem maior número de vítimas

De acordo com as investigações, o maior número de vítimas da quadrilha foi em Brasília. Lá, teriam sido vendidos 255 veículos – além dos carros, a lista de ofertas oferecia aviões e barcos. No Rio Grande do Sul, teriam sido 40 veículos vendidos.

De acordo com Becker, o golpe foi arquitetado num templo no bairro da Amendoeira, em São Gonçalo, na Região Metropolitana do Rio. De lá, eles foram montando a rede de pastores. O dinheiro dos fiéis para pagar os veículos “fantasmas” era sacado das contas por um homem no Rio. A polícia já sabe quem ele é, mas ainda não reuniu provas suficientes para indiciá-lo.

– Acho que será muito difícil reaver esse dinheiro – disse o delegado Álvaro Becker.

De acordo com ele, responsáveis pela igreja evangélica a qual os pastores eram ligados serão chamados para prestar depoimento:

– Mas desde já posso dizer que acredito que eles não sabiam do golpe.

Extra