Arquivo da tag: avaliação

Nova avaliação do governo mostra o dobro de municípios em bandeira verde, na Paraíba

Uma nova avaliação feita pelo governo da Paraíba, que mostra uma transição de cidades da bandeira amarela para a verde foi divulgada, no início da noite deste sábado (17). Essa é a 10ª avaliação feita pelo Plano Novo Normal do estado e norteia medidas preventivas para impedir o avanço do coronavírus nos municípios.

Sobre as ocupações dos leitos hospitalares de UTI para adultos em todo o estado, uma comparação entre a 9ª e a 10ª avaliação apontam um comportamento de aumento de 2,86% na 1ª Macrorregião de Saúde, que é a área de João Pessoa e região, 0,86% na 2ª Macrorregião, que é a área de Campina Grande e outros 69 municípios, e expressivo aumento de 12,57% na 3ª Macrorregião, que é a região do Sertão.

A avaliação evidencia que subiu de 13 para 26 o número de cidades na bandeira verde, representando 11% com menores restrições em relação às medidas preventivas. Ela leva em consideração indicadores como percentual de novos casos, de mortes, ocupação da rede hospitalar e percentual de isolamento social.

O estudo destaca que municípios classificados em bandeira amarela na 9ª avaliação, feita há duas semanas, permaneceram nessa condição, representando 81% dos municípios paraibanos. Com a transição, seis cidades que estavam em bandeira verde regrediram para a amarela, e outras cidades que estavam na classificação laranja, evoluíram também para a amarela.

De acordo com os dados informados pela Secretaria de Estado da Saúde (SES/PB), não houve regressão da bandeira amarela para a bandeira laranja, apresentando a mesma redução de 8% dos municípios paraibanos. Ao todo, 13 cidades evoluíram para a bandeira amarela.

Mesmo apresentando uma pequena evolução das bandeiras, a SES diz que isso não significa que a população deve se descuidar, mas ao contrário disso, eu mantenha as medidas de prevenção para não haver piora nos casos. Medidas como uso de máscara, higienização das mãos e distanciamento social devem continuar sendo mantidas.

G1

 

8ª avaliação do Plano Novo Normal aponta mudança de bandeira em 28 municípios da Paraíba a partir desta segunda

A 8ª avaliação do Plano Novo Normal indica as recomendações para os 223 municípios paraibanos a partir da próxima segunda-feira (21). O estudo mostra que parte significativa dos municípios que se encontravam em bandeira amarela na 7ª avaliação permaneceram nesta condição, além de apresentar uma pequena diminuição na quantidade de municípios em bandeira laranja e um pequeno aumento no quantitativo das bandeiras verdes. Ao todo, 28 municípios mudaram de classificação. As recomendações quanto à sustentação das medidas preventivas para impedir o aumento do número de casos e de óbitos em todo Estado permanecem vigentes e estão disponíveis na página oficial do Governo do Estado (https://paraiba.pb.gov.br/diretas/saude/coronavirus/novonormalpb).

De acordo com a avaliação, constatam-se transições de algumas bandeiras para a amarela, sendo 10 municípios da verde e quatro municípios da laranja. Outros três territórios transitaram da bandeira amarela para a bandeira laranja, que manteve sua participação em 10% dos municípios paraibanos. Já outros 11 transitaram da bandeira amarela para a verde, que também manteve sua participação estável em 6% do território paraibano. João Pessoa, Campina Grande, Catolé do Rocha, Capim, Pombal, Piancó, São Bento e Serra Branca continuam em bandeira amarela. Dentre os municípios da laranja figuram: Bayeux, Cruz do Espírito Santo, Santa Rita, São Mamede, Gurjão, Uiraúna e Umbuzeiro. Já entre os municípios que estão sob a bandeira verde estão Curral de Cima, Zabelê, Bernardino Batista e Vieirópolis.

Segundo o secretário de Gestão de Redes de Unidades de Saúde da Paraíba, Daniel Beltrammi, é importante ratificar que este é um momento para que as equipes da Atenção Primária dos municípios assumam destacada importância na identificação e acompanhamento dos casos da Covid-19. “É preciso recomendar que os Agentes Comunitários de Saúde e demais membros das Equipes de Saúde da Família possam conhecer todos os domicílios paraibanos com casos ativos da Covid-19, bem como acompanhar os contatos domiciliares destes casos. Este monitoramento próximo será decisivo para que possamos, por meio da propagação das mais efetivas medidas de prevenção e controle da doença, seguir reduzindo a força da pandemia no Estado”, pontua.

O secretário executivo reforça ainda que futuras melhorias da situação da pandemia na Paraíba dependerão da maior adesão de todos os paraibanos às três medidas mais protetoras da saúde e da vida das pessoas. Ele destaca que usar máscaras, lavar as mãos e manter o distanciamento social são gestos que mais representam este “novo normal” que o mundo está vivendo e que precisarão estar cada vez mais presentes no cotidiano dos cidadãos.

 

 

 Secom/PB

 

Com 86% das cidades em bandeira amarela, nova avaliação do Plano Novo Normal faz recomendações às atividades educacionais e começa a vigorar nesta segunda (10)

O Governo da Paraíba divulgou neste sábado (8) a 5ª avaliação do Plano Novo Normal para Paraíba, que passa a vigorar na próxima segunda-feira (10). Dos 223 municípios, 191 (86%) estão na bandeira amarela, incluindo a capital, João Pessoa, Cabedelo, Campina Grande, Patos e Guarabira; 23  municípios (10%)  na bandeira laranja, incluindo Bayeux e Santa Rita e,  9 municípios (4%)  na bandeira verde.  A Avaliação, protocolos e notas técnicas podem ser acessados no link paraiba.pb.gov.br/diretas/saude/coronavirus/novonormalpb

Nesta 5ª avaliação é importante destacar que parte significativa dos municípios que se encontravam em bandeira amarela na 4ª avaliação permanece nesta condição observando-se um discreto crescimento de 83% para 86% dos municípios paraibanos nesta bandeira. Mais uma vez constatou-se transição majoritária das demais bandeiras para bandeira amarela, com crescimento de 3% nesta última avaliação. A bandeira laranja permaneceu estável com 10% dos municípios paraibanos, já a bandeira verde demonstrou ligeiro decréscimo de 7% para 4% dos municípios paraibanos.

A Nota Técnica de avaliação e análise de transição das bandeiras recomenda robusto incentivo e ampla divulgação, com promoção diária das medidas não farmacológicas de combate à Covid-19, por parte das autoridades sanitárias municipais.

O secretário Executivo da Saúde, Daniel Beltrammi, reforçou  que “as mais eficazes medidas protetivas da população são o uso ostensivo de máscaras, a lavagem das mãos e a manutenção do distanciamento social o quanto possível, ante aos diferentes cenários de retomada das atividades produtivas na Paraíba. Tais retomadas devem ocorrer, preferencialmente, em atenção aos protocolos definidos pelas autoridades sanitárias competentes”. Neste sentido, a Secretaria de Estado da Saúde disponibiliza um importante conjunto de protocolos em seu portal destinado à Covid-19 (https://paraiba.pb.gov.br/diretas/saude/coronavirus/protocolos-sanitarios ).

A Nota também traz alterações sobre a recomendação de funcionamento de atividades de Bares, Restaurantes e Academias nos municípios com bandeira amarela, que passam  a funcionar, observada a adoção de novos protocolos.

Beltrammi afirma ainda ser de fundamental importância que todos municípios paraibanos desdobrem os esforços necessários para frenar qualquer tendência de rápido crescimento e acúmulo de casos e óbitos da Covid-19, “o que certamente colaborará para o sucesso do combate e a mais célere atenuação dos efeitos negativos da pandemia da Covid-19 em todo Estado”.

Recomendações relacionadas às atividades educacionais 

A Secretaria de Estado da Saúde também divulgou Nota Técnica sobre as atividades educacionais de forma presencial, recomendando que não sejam retomadas qualquer espécie de atividades de ensino regular nesse momento.  A Nota afirma que “a retomada das atividades educacionais são certamente o maior desafio que todo o mundo tem enfrentado em tempos de Pandemia da Covid-19”. Só na Paraíba, as análises das matrículas realizadas nas redes públicas estaduais e municipais, da educação infantil ao ensino básico, reúnem mais de 575.000 estudantes. A retomada das atividades educacionais, ainda que de forma lenta e gradual e mesmo que realizada com menores frequências semanais de aulas presenciais, certamente mobilizará contingentes significativos de pessoas, que também passarão a ter convívio mais frequente e próximo, posto que o distanciamento social, que é tarefa de difícil adesão e execução mesmo para adultos, torna-se quase inexequível quando se fala em crianças e adolescentes.

Daniel Beltrammi destaca que, “se 30% destas pessoas mais vulneráveis forem infectadas por estas crianças e adolescentes, majoritariamente portadoras assintomáticas do vírus, uma vez retomadas as atividades presenciais, mesmo que em menor frequência diária de aulas, serão necessários, entre os meses de setembro e dezembro de 2020, pelo menos, mais 254 leitos de UTI disponíveis ao mês e mais 332 leitos de enfermaria, também disponíveis em cada mês, considerando que se mantenham estáveis as atuais demandas por internações pela Covid-19, que também podem variar para mais, em função das retomadas mais vigorosas e já vigentes para outras atividades cotidianas”.

A nota também destaca que é pertinente propor que até que se concluam estudos populacionais promovidos pelas Secretarias de Estado da Saúde e da Educação (já em andamento), que reúnam níveis de acurácia aceitáveis para projeção e análise da prevalência e da incidência da Covid-19 no Estado da Paraíba, não sejam retomadas qualquer espécie de atividades de ensino regular. Propõe-se também que, desde já, sejam construídas e disponibilizadas recomendações preparatórias para retomada lenta e gradual das atividades educacionais presenciais, a serem aplicadas assim que as análises citadas estejam disponíveis e apontem níveis de segurança, que permitam tais retomadas.

Esta recomendação técnica complementa o painel de atividades por bandeira do Plano Novo Normal, uma vez que o retorno das atividades educacionais com novos protocolos e nova definição dos calendários escolares, previsto somente na bandeira verde, também demandará a compreensão acurada quanto ao momento mais oportuno e seguro para esta retomada. Logo os municípios que se encontram em bandeira verde não devem retomar atividades educacionais presenciais, sem que se concluam os estudos propostos.

Ainda segundo a Nota Técnica,  será permitida a retomada das atividades práticas presencias dos cursos de graduação das áreas de saúde em fase de conclusão (últimos 4 semestres do cursos de medicina e últimos 2 semestres dos demais cursos), conforme protocolos vigentes, com vistas a garantir a progressão de seus graduandos concluintes, no intuito de preservar a produção contínua de reservas técnicas de capacidades humanas em saúde, fundamentais para a preservação da vida dos indivíduos que venham a padecer da Covid-19.

Daniel conclui que “a jornada de combate ao novo Coronavírus foi intensa e bastante extenuante até aqui, exigindo o empenho de toda população do Estado”. O secretário também recorda que “em momento algum o sistema de saúde do Estado exauriu-se, posto que nenhuma família paraibana ficou em filas de espera por leitos de enfermaria e de UTI. Inúmeras vidas foram salvas ao garantirmos de forma sustentada os níveis de isolamento social em torno de 40% e também o uso de máscaras e a lavagem das mãos, como práticas cotidianas em nossas vidas. Não podemos retroceder, ou colocar a perder tudo que pudemos conquistar com muito esforço pessoal e coletivo na Paraíba”.

 

WSCOM

 

 

Nova avaliação aponta que Bananeiras, Solânea e mais 180 municípios da PB estão com bandeira amarela

Dados apontam que 182 (82%) municípios da Paraíba possuem bandeira amarela; 23 (10%) bandeira verde; e 18 (8%) bandeira laranja, de acordo com o ’Plano Novo Normal’, do Governo da Paraíba. Nenhum município da Paraíba obteve a bandeira vermelha na terceira avaliação, que tem vigência entre os dias 13 e 27 de julho. Estes números foram neste sábado (11) e as novas bandeiras que estabelecem a matriz de orientação para a retomada gradual das atividades no estado estão disponíveis na página oficial do plano.

Na avaliação passada, 136 municípios estavam com a bandeira laranja; 79 com bandeira amarela; oito bandeira vermelha; e nenhum obteve a bandeira verde. Nos municípios classificados com bandeira amarela residem 86,95% da população paraibana. Estão inseridos na bandeira, João Pessoa, Campina Grande, Cabedelo, Guarabira, Bananeiras e Solânea. A classificação permite o funcionamento do comércio varejista e do transporte coletivo municipal, de acordo com os protocolos obedecidos pelas autoridades competentes.

Já Bayeux e Santa Rita, na Grande João Pessoa, se mantiveram com bandeira laranja. Princesa Isabel, Matureia e Bonito de Santa Fé, que antes estavam na bandeira amarela, passaram agora para a bandeira laranja e devem manter apenas o funcionamento de atividades essenciais, sem a necessidade de restrição de circulação de pessoas.

Os municípios de Barra de Santana, Belém do Brejo do Cruz, Matinhas, Santo André e São João do Rio do Peixe estão com sinalização verde, o que permite a retomada de todos os segmentos da atividade econômica, exceto atividades escolares e acadêmicas presenciais, levando em consideração os protocolos recomendados pelas autoridades sanitárias para cada área.

As cores das bandeiras ajudam os gestores municipais na tomada de decisões acertadas para evitar o aumento da propagação do novo coronavírus, permitindo o retorno seguro e paulatino das atividades econômicas, levam em consideração as taxas de obediência ao isolamento, progressão de casos novos da Covid-19 e ocupação hospitalar e são analisadas cumulativamente em intervalos de 15 dias.

Laranja e Vermelha

Nos municípios sinalizados com bandeira laranja e vermelha, podem funcionar atividades essenciais, como agropecuária; cadeia produtiva e atividades acessórias essenciais; bancos, casas lotéricas, correspondentes bancários e seguradoras; empresas de telecomunicação, comunicação e imprensa; distribuidoras e geradoras energia, atividades de extração, produção, siderúrgica e afins; transporte, armazenagem, empresas de logística, Correios e manutenção de veículos automotores; supermercados e afins; serviços de Saúde; tratamento de água e esgoto e coleta de resíduos; administração pública (observada a adoção regimes home office), além dos já sinalizados com adequações para funcionamento.

Amarela

Nos municípios com bandeira amarela, funcionam os já autorizados nas bandeiras vermelha e laranja, além de hotéis, pousadas e afins; comércio; shoppings centers; comércio popular (camelôs) e serviços em geral; escolinhas de esporte sem contato físico (natação e tênis, por exemplo).

Verde

Todos os segmentos da economia e da sociedade podem retomar suas atividades nos municípios que se encontram na bandeira verde, observando a adoção de protocolos operacionais para funcionamento das diversas atividades, que terão como foco a proteção do indivíduo, que deve evitar o contato entre pessoas; ambientes fechados e confinados e aglomerações, mesmo ao ar livre.

Flexibilização

Estão liberados para o funcionamento, em qualquer bandeira, salões de beleza e barbearias, atendendo exclusivamente por agendamento prévio e sem aglomeração de pessoas nas suas dependências e observando todas as normas de distanciamento social; shoppings centers, exclusivamente para entrega de mercadorias por meio de (delivery), inclusive por aplicativos, e como pontos de retirada de mercadorias (drive trhu), vedado, em qualquer caso, o atendimento presencial de clientes dentro das suas dependências; as lojas e estabelecimentos comerciais, exclusivamente para entrega de mercadorias (delivery); missas, cultos e demais cerimônias religiosas poderão ser realizadas online, por meio de sistema de drive-in e nas sedes das igrejas e templos, neste caso com ocupação máxima de 30% da capacidade e observando todas as normas de distanciamento social; hotéis, pousadas e similares, exclusivamente para atendimentos relacionados à pandemia do novo coronavírus; estabelecimentos que trabalham com locação de veículos; e treinamentos de atletas profissionais, observando todas as normas de distanciamento social.

G1

 

Doze municípios caem em avaliação e devem ampliar medidas de isolamento

Doze municípios da Paraíba deverão ampliar as medidas de isolamento social, após nova avaliação realizada pelo Governo da Paraíba.

As novas bandeiras disponibilizadas na página oficial da gestão estadual (paraiba.pb.gov.br/coronavirus) apontam que oito municípios passaram da bandeira amarela para a laranja, três cidades perderam a bandeira laranja e agora figuram na bandeira vermelha e o único que possuía a bandeira verde, aparece agora com a bandeira amarela.

Os dados demonstram a necessidade de reforçar ações propostas pelos órgãos de Saúde para evitar uma maior propagação do coronavírus. De acordo com a Secretaria de Estado da Saúde (SES), a Paraíba registra, até o momento, 44.242 casos confirmados da Covid-19 e 896 óbitos.

A nova avaliação constatou que 136 (61%) municípios possuem bandeira laranja; 79 (35%) bandeira amarela; e oito bandeira vermelha (4%). Nenhum município da Paraíba obteve a bandeira verde.

Na prática, municípios sinalizados na bandeira vermelha, a exemplo de Bayeux, Santa Rita, Cruz do Espírito Santo, Barra de São Miguel e São Domingos do Cariri, devem permanecer com restrição para o funcionamento apenas de atividades essenciais, com restrição de locomoção de pessoas.

Já os municípios que estão em bandeira laranja, como: João Pessoa, Conde, Guarabira, Campina Grande, Mari e Patos podem manter os serviços essenciais, porém sem restrição de locomoção.

Para os municípios que estão em bandeira amarela será permitido o funcionamento de hotéis, pousadas, comércio, shoppings, e serviços em geral, além de ser permitida a prática de esportes sem contato físico (natação, tênis, corrida).

Nos municípios sinalizados com bandeira laranja e vermelha, podem funcionar atividades essenciais, como agropecuária; cadeia produtiva e atividades acessórias essenciais; bancos, casas lotéricas, correspondentes bancários e seguradoras; empresas de telecomunicação, comunicação e imprensa; distribuidoras e geradoras energia, atividades de extração, produção, siderúrgica e afins; transporte, armazenagem, empresas de logística, Correios e manutenção de veículos automotores; supermercados e afins; serviços de Saúde; tratamento de água e esgoto e coleta de resíduos; administração pública (observada a adoção regimes home office), além dos já sinalizados com adequações para funcionamento.

Nos municípios com bandeira amarela, funcionam os já autorizados nas bandeiras vermelha e laranja, além de hotéis, pousadas e afins; comércio; shoppings centers; comércio popular (camelôs) e serviços em geral; escolinhas de esporte sem contato físico (natação e tênis, por exemplo).

Todos os segmentos da economia e da sociedade podem retomar suas atividades nos municípios que se encontram na bandeira verde, observando a adoção de protocolos operacionais para funcionamento das diversas atividades, que terão como foco a proteção do indivíduo, que deve passar a viver o ‘novo normal’, fazendo escolhas e evitando o contato entre pessoas; ambientes fechados e confinados e aglomerações, mesmo ao ar livre.

Estão liberados para o funcionamento, em qualquer bandeira, salões de beleza e barbearias, atendendo exclusivamente por agendamento prévio e sem aglomeração de pessoas nas suas dependências e observando todas as normas de distanciamento social; shoppings centers, exclusivamente para entrega de mercadorias por meio de (delivery), inclusive por aplicativos, e como pontos de retirada de mercadorias (drive trhu), vedado, em qualquer caso, o atendimento presencial de clientes dentro das suas dependências;

as lojas e estabelecimentos comerciais, exclusivamente para entrega de mercadorias (delivery); missas, cultos e demais cerimônias religiosas poderão ser realizadas online, por meio de sistema de drive-in e nas sedes das igrejas e templos, neste caso com ocupação máxima de 30% da capacidade e observando todas as normas de distanciamento social;

hotéis, pousadas e similares, exclusivamente para atendimentos relacionados à pandemia do novo coronavírus; estabelecimentos que trabalham com locação de veículos; e treinamentos de atletas profissionais, observando todas as normas de distanciamento social.

As cores das bandeiras que subsidiam os gestores municipais na tomada de decisões acertadas para evitar o aumento da propagação do novo coronavírus, permitindo o retorno seguro e paulatino das atividades econômicas levam em consideração as taxas de obediência ao isolamento, progressão de casos novos da Covi-19 e ocupação hospitalar e são analisadas cumulativamente em intervalos de 15 dias.

Os dados detalhados podem ser conferidos no link:

https://paraiba.us20.list-manage.com/track/click?u=63cd2f513d25ab116c25e0753&id=417b3fe92c&e=9cfe509c15

 

 Secom/PB

 

 

Inep divulga resultados preliminares da avaliação de alfabetização para escolas

Se descordarem de resultados, escolas terão até o dia 5 de junho para recorrer
Foto: Agência Brasil

As escolas poderão consultar a partir de hoje (22) os resultados preliminares dos estudantes na Avaliação Nacional da Alfabetização (ANA) e, caso discordem, poderão interpor recurso até o dia 5 de junho. A divulgação dos resultados finais será em agosto, quando a imprensa, os gestores públicos e demais interessados terão acesso aos dados da avaliação.

A ANA avalia os níveis de alfabetização e letramento em língua portuguesa, a alfabetização em matemática e as condições de oferta do Ciclo de Alfabetização das redes públicas. Passam pela avaliação todos os estudantes do 3º ano do ensino fundamental matriculados nas escolas públicas no ano da aplicação da avaliação. No ano passado, os testes foram aplicados para 2,5 milhões de estudantes, de 50 mil escolas e 100 mil turmas.

Terão acesso aos resultados apenas as instituições de ensino com, no mínimo, 10 estudantes matriculados no momento da avaliação e que tiveram taxa de participação de 80% dos matriculados no 3º ano, de acordo com os dados do Censo Escolar 2016. As escolas têm de manter atualizado o cadastrono Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep) para receber os resultados.

Últimos resultados

Os últimos resultados da avaliação, de 2014, mostram que pouco mais de 56% dos estudantes do 3º ano do ensino fundamental de escolas públicas não conseguiram superar os dois primeiros níveis do aprendizado de matemática, ou seja, não conseguem, por exemplo, resolver alguns tipos de problemas com número naturais maiores que 20 e ler horas em relógio analógico (de ponteiro).

Em leitura, a maioria dos alunos (55%) ficou nos dois piores níveis, dentre quatro, significando que eles não conseguem localizar informação explícita em textos de maior extensão e identificar a quem se refere um pronome pessoal.

No caso da escrita, que tem cinco níveis, cerca de 65% dos alunos alcançaram os dois melhores patamares da avaliação, o que significa que têm capacidade de escrever palavras com diferentes estruturas silábicas e textos correto e coerentes.

Agência Brasil

Acompanhe mais notícias do FN nas redes sociais: FacebookTwitterYoutube e Instagram

Entre em contato com a redação do FN:  WhatsApp (83) 99907-8550. 

E-mail: jornalismo@focandoanoticia.com.br

Câmara de Bananeiras tem avaliação positiva em todos os itens de transparência

camara-de-bananeirasA Câmara Municipal de Bananeiras teve avaliação positiva em todos os itens de transparência avaliados pelo Tribunal de Contas do Estado (TCE-PB).

Os itens avaliados pelo TCE destacam o Site, Portal Transparência, E-SIC, Transferências Recebidas, Despesas (notas e empenho) e quadro pessoal. Em todos a câmara teve avaliação positiva.

O presidente da Casa Odon Bezerra, Augusto Carlos Bezerra de Aração Filho (Guga Aragão), comemorou o resultado da avaliação e falou da importância dela. “Compartilho com todos, com muita alegria, a avaliação do Tribunal de Contas do Estado da Paraíba quanto a transparência pública, informando que a Câmara Municipal de Bananeiras recebendo a avaliação positiva em todos os itens pesquisados, mostra nosso trabalho feito com responsabilidade e compromisso com a coisa pública.”

nota

Focando a Notícia

Acompanhe mais notícias do FN nas redes sociais: FacebookTwitterYoutube e Instagram

Entre em contato com a redação do FN:  WhatsApp (83) 99907-8550. 

E-mail: jornalismo@focandoanoticia.com.br

 

 

Crianças que participarão da corridinha internacional fazem avaliação médica e teste biométrico

exameCrianças da Rede Municipal que irão participar da Corridinha Internacional no próximo dia 28 de março estão fazendo uma série de exames de avaliação médica, física e biométrico. Os exames estão sendo realizados no Pronto Atendimento (PA) de Remígio. Diariamente grupos de alunos de todas as escolas municipais de Remígio para fazerem medição de altura, peso e consulta com o médico especialista.

Os cuidados com a saúde é de fundamental importância para o bom desenvolvimento das crianças e essa avaliação dará condições para que todas elas participem da corridinha Internacional sem riscos ao seu corpo, já que a prática de exercícios exige muito esforço físico.

A Corridinha Internacional de Remígio ocorre no próximo sábado, dia 28, e terá início às 14 horas com uma palestra, e logo após, as delegações seguem para o local onde serão realizadas as provas na Lagoa Parque. São mais de 400 crianças inscritas da rede pública e particular e os “Atletas mirins” estão recebendo toda orientação técnica para fazerem uma grande festa do atletismo.

ACOMPANHE O FOCANDO A NOTÍCIA NAS REDES SOCIAIS:

FACEBOOK                TWITTER                    INSTAGRAM

Secome-PMR

Queda na avaliação do governo Dilma ‘é momentânea’, diz ministra Ideli Salvatti

Foto: Agência Brasil Ministra da Secretaria de Direitos Humanos, Ideli Salvatti
Foto: Agência Brasil
Ministra da Secretaria de Direitos Humanos, Ideli Salvatti

A queda na avaliação do governo da presidente Dilma Rousseff, apontada pela pesquisa DataFolha, é “momentânea”, disse há pouco a ministra da Secretaria de Direitos Humanos, Ideli Salvatti.

Segundo pesquisa DataFolha divulgada ontem (8), o percentual daqueles que avaliam o governo da presidente Dilma como ótimo ou bom caiu de 42% para 23% e o índice dos que consideram ruim ou péssimo passou de 24% para 44%.

Ao participar de evento no Superior Tribunal Militar, Ideli Salvatti disse estar convencida de que, passada a fase de “ajustes” promovidos pelo governo, a avaliação do governo deve se recuperar ao longo do ano.

“Avaliações são sempre momentâneas e estamos absolutamente convencidos de que vamos recuperar [a confiança do eleitor] com as medidas que vão ser adotadas ao longo deste primeiro ano de segundo mandato da presidenta”, disse a ministra.

CURTA o FOCANDO A NOTÍCIA no Facebook
Para Ideli, “as conjunturas” – como o anúncio da elevação de impostos e as denúncias de corrupção na Petrobras – tiveram impacto nas avaliações da população. “Mas da mesma forma que impactam negativamente, as ações que serão adotadas e praticadas pela governo da presidente Dilma, não tenho a menor dúvida, farão sua avaliação subir novamente”, argumentou a ministra.

Agência Brasil

MEC suspende 3.130 vagas em cursos superiores com avaliação insatisfatória

Foto: Agência Brasil
Foto: Agência Brasil

Ministério da Educação (MEC) suspendeu o ingresso a 27 cursos superiores com resultado insatisfatório pela segunda vez consecutiva na avaliação da pasta. Serão suspensas 3.130 vagas. O ingresso será suspenso mesmo nos casos em que já foram realizados vestibulares para 2015. A lista completa foi divulgada nessa sexta (19) no Diário Oficial da União.

CURTA o FOCANDO A NOTÍCIA no Facebook

Além desses, outros 53, que ofertam 2,4 mil vagas, também foram reincidentes, mas, segundo o MEC, já passavam por medidas de supervisão e punição. No total, 80 cursos ofertados por instituições privadas também são excluídos do Programa Universidade para Todos (ProUni) e do Fundo de Financiamento Estudantil (Fies).

Os estudantes já matriculados não perdem os benefícios. As instituições também não podem utilizar o curso como referencial para adesão ao Programa Nacional de Acesso ao Ensino Técnico e Emprego (Pronatec).

Os cursos deverão apresentar protocolo de compromisso, que é um plano de melhoria para sanear fragilidades apontadas. Eles terão, no máximo, um ano para cumprir o protocolo.

Entre as instituições, estão a Universidade Federal do Acre (educação física), Universidade Federal Fluminense (serviço social), Universidade Federal de Alagoas (educação física), Universidade Federal do Pará (agronomia), Universidade Federal Rural da Amazônia (zootecnia) e Instituto Federal de Educação Ciência e Tecnologia do Paraná (farmácia).

“Além do conjunto de políticas que permitem a expansão, precisamos ter dedicação, energia e vigor em torno da avaliação e do processo de regulação”, disse o ministro da Educação, Henrique Paim. Segundo ele, são necessárias medidas rígidas “para que possamos ter um desempenho mínimo satisfatório”.

Em relação as instituições federais, o ministro revelou que são casos pontuais. “Considerando o número de instituições e cursos das federais, estamos falando de situações pontuais. Teremos de analisar caso a caso e verificar o que ocorreu”.

As medidas são adotadas com base no desempenho dos cursos no Conceito Preliminar de Curso (CPC), que avalia o rendimento dos estudantes, a infraestrutura da instituição, organização didático-pedagógica e o corpo docente. Em uma escala de 1 a 5, são considerados satisfatórios os cursos com conceito 3 ou mais.

Para que os conceitos se consolidem, comissões de avaliadores farão visitas para confirmar ou alterar a avaliação obtida. Cursos que obtiverem CPC 1 e 2 serão automaticamente incluídos no cronograma de visitas dos avaliadores do Inep. Os demais casos podem optar por não receber a visita e transformar o CPC em conceito permanente.

Conforme o ministério, outros 200 cursos tiveram avaliação insatisfatória pela primeira vez em 2013. Eles ainda poderão abrir vagas, mas terão matrículas reduzidas e precisarão apresentar protocolo de compromisso. Entretanto, serão excluídos apenas do Fies. As universidades e centros universitários que ofertam os 280 cursos também perdem a autonomia sobre os cursos. Elas não podem, por exemplo, aumentar a oferta de vagas.

O CPC 2013 avaliou cursos das áreas de saúde, ciências agrárias, ambiente e saúde, produção alimentícia, recursos naturais militar e segurança.

Fonte: Agência Brasil