Arquivo da tag: audição

Recuperados da Covid-19 podem ter problemas de audição e tontura, diz pesquisa da UFPB

Dados preliminares de pesquisa da Universidade Federal da Paraíba (UFPB) indicam que recuperados da Covid-19, doença causada pelo novo coronavírus, podem apresentar zumbido, ouvido abafado, tontura e desequilíbrio, além de diminuição do olfato, cefaleia e alterações musculares.

O estudo, realizado por meio de questionário virtual, em todo o território brasileiro, é desenvolvido pelos pesquisadores Hionara Barboza e Rubens Jonatha, sob orientação das professoras Ana Loísa Araújo e Marine Rosa, do curso de Fonoaudiologia da UFPB.

Segundo Marine Rosa, a pesquisa tem o objetivo de investigar a ocorrência de sinais e sintomas auditivos e vestibulares em pacientes recuperados da Covid-19. Além disso, correlacioná-los à gravidade das manifestações da infecção, presença de comorbidades anteriores ao período de recuperação, tratamento farmacológico administrado, idade e gênero dos pacientes.

“Além do contexto de infecções virais serem danosas para a estrutura do ouvido interno, vias auditivas e vestibulares retrococleares, o uso de medicamentos ototóxicos, ou seja, tóxicos para essa região do corpo humano, podem potencializar a ocorrência da perda auditiva e/ou alterações vestibulares. Alguns desses medicamentos são utilizados no tratamento dos sintomas da Covid-19, como antimaláricos, antibióticos, antivirais, entre outros”, explica a professora da UFPB.

De acordo com Marine Rosa, com os dados da pesquisa, haverá a possibilidade de identificar e direcionar ações preventivas, diagnósticas e de reabilitação auditiva, favorecendo a assistência personalizada, precisa, preventiva e pervasiva à saúde da população.

“Com poucos dias de coleta, já recebemos um bom feedback da amostra que participou do estudo, até o presente momento. Almejamos pelo menos 150 participantes para darmos início à análise dos dados e prepará-los para publicação. Nosso intuito é desenvolver e direcionar ações de prevenção, diagnóstico e reabilitação audiológica para esta população”, reforça a docente da UFPB.

 

portalcorreio

 

 

Cantor paraibano sofre choque com fone de ouvido e pode perder parte da audição

O cantor paraibano Totonho sofreu um choque com um fone de ouvido enquanto o celular estava plugado na tomada. O caso aconteceu na última sexta-feira (29) e, conforme relato do artista, que está morando em São Paulo há 4 anos, os médicos informaram que há chances entre 30% e 80% de perda auditiva.

Totonho relata que o fone de ouvido não era original e que já havia comprado há alguns meses, mas nunca tinha utilizado. O telefone estava ligado na tomada, carregando. Quando ele colocou o fone no ouvido, sofreu o choque. “Tomei o choque dentro do ouvido. Bati com a mão na TV e ela virou. Saí gritando na rua”, relata o músico.

O cantor foi imediatamente ao Hospital das Clínicas, em São Paulo, onde foi rapidamente atendido. Ele explicou que os médicos constataram uma lesão interna e, agora, ele está sem ouvir pelo ouvido direito. O ouvido esquerdo foi bem menos afetado e é por ele que o músico consegue escutar. Uma tomografia foi marcada para a próxima quarta-feira (3) para avaliar o nível dos danos.

Para amenizar as dores, Totonho foi medicado com anti-inflamatórios para tentar, também, retirar a necessidade de alguma cirurgia.

Totonho tem 55 anos e é natural de Monteiro. Ele fundou seu arquétipo de composições a partir da rica cena de repentistas locais e ícones da poesia nordestina. Um de seus álbuns, “Samba Luzia Gorda”, esteve entre os 100 melhores discos de 2018 segundo o ranking Melhores da Música Brasileira, do site especializado Embrulhador.

 Foto: Rafael Passos/Divulgação

G1

 

Cássio sofre AVC e perde parte da audição

cassio-cunha-limaO senador Cássio Cunha Lima (PSDB) foi vítima de um Acidente Vascular Cerebral e perdeu parte da audição. A informação foi dada por ele mesmo que está bem, apesar do diagnóstico. Nas rede sociais, Cássio explicou o problema.

“Semana passada recebi, após náuseas, tontura, vomito e sudorese, um diagnóstico de labirintite. Ontem, após a realização de exames mais acurados, o diagnóstico foi mudado para surdez subida. Para mim uma novidade, algo desconhecido. O que é então? No meu caso foi  uma isquemia ou espamo, um acidente vascular, enfim”, relatou.

Cássio tranquilizou os amigos e seus eleitores. “Já estou com a nova medicação e espero recuperar a audição parcialmente afetada. Agradeço penhoradamente ao doutor Marcos Franca e toda a sua equipe, doutor Felipe Gadelha e a doutora Sheila.E Agradeço igualmente ao doutor Giovanni Gomes e toda a equipe da Nova Diagnóstico por Imagem. Nunca é demais repetir Osmar de Aquino: raramente morro. Estou bem, já livre dos desagradáveis sintomas”, falou.

correiodaparaiba

Acompanhe mais notícias do FN nas redes sociais: FacebookTwitterYoutube e Instagram

Entre em contato com a redação do FN:  WhatsApp (83) 99907-8550. 

E-mail: jornalismo@focandoanoticia.com.br

 

 

Fonoaudióloga alerta sobre quais são os primeiros sinais de perda de audição

audição“A perda auditiva é tão gradual que às vezes um leigo não tem certeza se ela está ocorrendo ou não”. A afirmação é da fonoaudióloga Roberta Alves de Oliveira, da Direito de Ouvir – especializada em venda, manutenção e suporte técnico de várias marcas de aparelhos auditivos, pilhas e outros acessórios.

É por essa razão que é preciso estar atento a sinais que podem indicar o início do problema. Afinal, quanto antes forem tomadas providências e iniciado o tratamento, melhor para o paciente. “Dependendo da perda auditiva, ela pode ser recuperada”, explica, informando que algumas perdas auditivas são causadas por infecções no ouvido e podem ser tratadas com medicamento. Em outros casos, o tratamento é cirúrgico e, parte das vezes, há perda de células. “Neste caso, é irreversível. Mas quem define a causa e origem da lesão é o médico otorrinolaringologista e é este quem decide qual é o melhor tratamento”, informa. Por isso, é importante estar alerta para os sinais que mostram que é hora de consultar um especialista.

CURTA o FOCANDO A NOTÍCIA no Facebook

Nos bebês, a observação deve ser feita pelos ruídos que ele produz nos primeiros meses de vida. “É importante verificar se a criança faz ‘barulhinhos’ com a boca e se brinca com os sons, principalmente após os seis meses”, alerta a fonoaudióloga. Nas crianças, o desempenho escolar pode indicar perda auditiva, mas as brincadeiras também podem ser um indicador. “Deve-se prestar atenção se a criança solicita com frequência que algo que foi dito a ela seja repetido”, ressalta Roberta.

Em se tratando de adultos e idosos, eles próprios já têm condições de avaliar o surgimento do problema. Mas, a contribuição dos familiares é fundamental. “Geralmente, as pessoas afirmam que conseguem ouvir tudo, porém têm dificuldade em entender o que foi dito, principalmente quando estão em um ambiente onde há mais de uma pessoa falando. É de fundamental importância a opinião dos familiares que convivem com o paciente”, acredita a especialista. Ver TV ou ouvir música muito alta, pedir com frequência que algo que foi dito seja repetido e olhar para a boca de quem fala são sinais a serem considerados. Mas, explica Roberta, apenas a avaliação audiológica é capaz de detectar e quantificar a perda auditiva.

Sinais de perda auditiva – A seguir, a fonoaudióloga da Direito de Ouvir indica o ponto a ser considerado quando se suspeita de perda auditiva:

· Você sempre pede aos outros para se repetirem?

· Tem amigos ou familiares que dizem que você não ouve bem?

· Deixa a TV ou o rádio em volume mais alto do que os outros?

· Tem dificuldade em entender conversas com ruídos ao fundo?

· Tem dificuldades em acompanhar conversas em grupo?

· Tem dificuldade em identificar de onde os sons estão vindo?

“Se você respondeu sim a mais de três questões, você pode ter perda auditiva. Nesse caso, procure um especialista”, recomenda.

Sobre a Direito de Ouvir

Fundada em 2005, a Direito de Ouvir foi idealizada pela fonoaudióloga Andréa Campos Varalta Abrahão e projetada pelo empresário Frederico Vaz Guimarães Abrahão, já com vasta experiência no segmento. “Ingressei no ramo de aparelhos auditivos montando a primeira assistência técnica da região. Enquanto Andréa adaptava o aparelho auditivo, eu dava manutenção”, revela o empresário.

A empresa comercializa e faz manutenção em aparelhos auditivos de diversas marcas – o que possibilita uma melhor adaptação em cada caso –, além de oferecer acessórios, pilhas e produtos para limpeza e conservação dos aparelhos. Possui um laboratório próprio com técnicos especializados e oferece suporte completo aos clientes e franqueados.


MaisPB com Assessoria