Arquivo da tag: assembleias

Presidentes de Assembleias Legislativas do NE repudiam fala de Bolsonaro: “Exigimos respeito”

“Daqueles governadores de ‘paraíba” o pior de todos é o do Maranhão. Não tem que ter nada com esse cara”. A declaração feita pelo presidente Jair Bolsonaro durante um café da manhã com jornalistas na última sexta-feira (19) não foi bem recebida pelo Colegiado de Presidentes de Assembleias Legislativas dos Estados do Nordeste (ParlaNordeste).

Em nota, os presidentes das assembleias do Maranhão, Othelino Neto; do Piauí, Themístocles Filho; do Ceará, José Sarto; de Sergipe, Luciano Bispo; da Bahia; Nelson Leal; de Alagoas, Marcelo Vitor; e da Paraíba, Adriano Galdino, fizeram questão de destacar a importância da Região Nordeste e os valores de sua população. “A região, terceira maior economia do Brasil, é morada de 53 milhões de brasileiros que têm orgulho de viver não só na Paraíba, mas também, no Maranhão, em Pernambuco, Alagoas, Sergipe, Bahia, Rio Grande do Norte, Ceará e Piauí”, enfatizaram.

Ainda em nota, os chefe dos Legislativos estaduais exigiram respeito e declaram que não abriram mão dos deveres do Governo Federal com a região. “O ParlaNordeste ressalta o importante trabalho desenvolvido pelos nove governadores eleitos e reeleitos democraticamente pelo povo nordestino, os quais não têm medido esforços para promoverem o desenvolvimento dos seus estados e proporcionarem uma vida digna à população. Por isso, lutaremos contra todo tipo retaliação em função de diferenças políticas ou preconceito. Exigimos respeito e não abriremos mão do cumprimento dos deveres do Governo Federal para com a nossa região”, conclui.

 

PB Agora

 

 

Greve: Servidores da UFPB realizam assembleias na próxima terça

reuniaoOs ataques aos direitos dos trabalhadores e as propostas de greve geral e de paralisação no dia 22 de setembro serão os principais assuntos da rodada de assembleias que a Adufpb (Sindicato dos Professores da UFPB) realiza na próxima semana.

Na terça-feira (20), as discussões serão realizadas nos campi de Bananeiras (manhã) e Areia (à tarde), nas respectivas secretarias adjuntas da ADUFPB. Já na quarta-feira (21), haverá assembleia em João Pessoa (9h30, no auditório do CE) e no campus Litoral Norte (16h, na unidade de Mamanguape).

Reação

A convocatória acontece diante dos desdobramentos da conjuntura que apontam a intensificação dos ataques aos direitos dos trabalhadores, contidos em uma série de medidas em trâmite no Congresso Nacional, e das já anunciadas reformas da Previdência e Trabalhista.

A diretoria do Sindicato Nacional dos Docentes das Instituições de Ensino Superior (Andes-SN) encaminhou uma circular a todas as seções sindicais, indicando uma rodada de assembleias docentes, até dia 21 de setembro, para tratar e deliberar sobre a luta contra o PLP 257/2016, a PEC 241/2016, a Construção da greve geral, com a construção dos comitês de mobilização unificados nas Instituições de Ensino Superior (IES) conforme deliberado no 61º Conad, a Jornada de lutas de 12 a 14 de setembro, os atos nos estados no dia 15 de setembro e a paralisação, com ato nos estados no dia 22/9, indicando na pauta o “Fora Temer”.

Adufpb

Acompanhe mais notícias do FN nas redes sociais: FacebookTwitterYoutube e Instagram

Entre em contato com a redação do FN:  WhatsApp (83) 99907-8550. 

E-mail: jornalismo@focandoanoticia.com.br

 

UFPB faz assembléias em três campi e pode pôr fim à greve nesta sexta-feira

Renata Ferreira/ADUFPB Categoria pode decidir pelo fim da greve nesta sexta
Renata Ferreira/ADUFPB
Categoria pode decidir pelo fim da greve nesta sexta

Os professores da Universidade Federal da Paraíba podem encerrar a greve nesta sexta-feira (24). A categoria se reúne em assembleias nos campi de João Pessoa, Areia e Bananeiras, a partir das 9h. Os professores vão avaliar os resultados de negociações que aconteceram nesta semana com representantes dos ministérios do Planejamento e da Educação.

Os professores da UFPB paralisaram as atividades no dia 28 de maio, deixando cerca de 40 mil alunos sem atividades em todo o estado. Na última quinta-feira (16), o Conselho Superior de Ensino, Pesquisa e Extensão (Consepe) da instituição decidiu suspender o calendário letivo. O Comando Local de Greve (CLG) alegou que essa medida serve para proteger os alunos, para que as atividades acadêmicas que ainda eram aplicadas durante a greve sejam interrompidas e só retornem depois do término da paralisação.

ACOMPANHE O FOCANDO A NOTÍCIA NAS REDES SOCIAIS:

FACEBOOK                TWITTER                    INSTAGRAM

Na última segunda-feira (20), representantes do Fórum das Entidades Nacionais dos Servidores Públicos Federais (Fórum dos SPF) reuniram-se com o secretário de Relações de Trabalho do Ministério do Planejamento, Sérgio Mendonça, que insistiu na proposta de reajuste salarial de 21,3% parcelado em quatro anos.

Essa foi a terceira audiência de negociação desde o lançamento da campanha salarial unificada dos SPF, no dia 25 de fevereiro. Nas duas primeiras, a única proposta foi o índice de 21,3% parcelado em quatro vezes – 5,5% em 2016, 5% em 2017, 4,75% em 2018 e 4,5% em 2019. Na última, a negociação apresentou avanços em termos da negociação dos benefícios.

Para os auxílios alimentação e saúde, sem reajuste há três anos, o governo propôs correção de 22,8%, o primeiro passaria a ser R$ 458 e o último proporcional por faixa etária, sendo o mínimo R$ 101 e o máximo R$ 205. Já o auxílio creche, desde 1995 sem correção inflacionária, o acúmulo representa um reajuste de 317%, variando de acordo com os valores praticados em cada estado.

Já nesta quarta-feira, os docentes participaram de uma mesa setorial de negociação, que discutiu especificamente a pauta de reivindicações da educação, mas não trouxe avanços. O Ministério do Planejamento reafirmou a proposta já apresentada ao Fórum dos SPF de reajuste de 21,3%, parcelado em quatro anos.

O Secretário da SRT/Mpog, Sérgio Mendonça, sinalizou que o percentual poderia ser aplicado para a reestruturação da carreira do professor federal ou aplicado de forma linear. Diante de nova recusa das entidades presentes, foi apontada uma nova reunião ainda no mês de julho, para que os representantes do governo apontem onde é possível avançar e quais propostas efetivas têm em relação às pautas apresentadas.

Em João Pessoa, a reunião será no auditório da reitoria. Além dos professores do campus I (incluindo os da unidade Centro de Ciências Jurídicas de Santa Rita), também participam dessa reunião os docentes dos campi IV (Litoral Norte) e V (Mangabeira). Em Areia e Bananeiras, as assembleias acontecerão nas respectivas subsecretarias do Sindicato dos Professores (Adufpb).

 

Portal Correio

Servidores municipais de Campina Grande realizam assembleias nesta sexta-feira

servidoresO Sintab informa que nesta sexta-feira, dia 27 de Março, serão realizadas duas assembleias dos servidores municipais de Campina Grande. No período da manhã, a partir das 9:00H, na Associação Comercial, com os servidores das creches municipais. Já no período da tarde, às 15:00H, será a vez dos servidores de apoio se reunirem na sede do SITUB.

Na última reunião realizada, no dia 20 deste mês, com os servidores das creches municipais, ficou decidido que a categoria aguardaria o período de uma semana para que os problemas fossem solucionados por parte da Secretaria de Educação. Esta nova assembleia é para constatar se os pleitos foram atendidos ou não.

Os servidores de apoio das escolas municipais, por sua vez, cobram da Prefeitura o pagamento de gratificação de 10%, prometido pelo prefeito Romero Rodrigues na época de campanha. Os diretores se reuniram com a secretária de educação, Iolanda Barbosa, que na oportunidade, informou que entraria em contato com o prefeito para que até o dia 27 de Março fosse apresentada alguma proposta para a classe.

ACOMPANHE O FOCANDO A NOTÍCIA NAS REDES SOCIAIS:

FACEBOOK                TWITTER                    INSTAGRAM

Em contrapartida, o sindicato adiantou que se não houver essas soluções por parte do executivo para ambas as categorias, os servidores podem decidir pela paralisação das atividades.

Assessor de Imprensa SINTAB 

Assembleias Legislativas estaduais têm farra de benefícios em todo o Brasil

Assembleia Legislativa do Rio de Janeiro
Assembleia Legislativa do Rio de Janeiro

As Assembleias Legislativas estaduais, que serão renovadas nessas eleições e deveriam ter como parâmetro de comportamento e limite de gastos as regras aplicadas à Câmara dos Deputados, têm benefícios para seus parlamentares que deixam os deputados federais com inveja. Alheias à opinião pública, muitas dessas Casas não divulgam como é gasto o dinheiro recebido do Erário para o exercício do mandato, não tornam públicos os nomes dos seus funcionários ou quanto ganham e encontram meios para que seus eleitos recebam mais do que deveriam. Os deputados estaduais também usufruem de carro oficial com motorista, regalia que não é aceita na Câmara, apenas no Senado. Houve ainda casos de desvio de verbas, o que, no Rio, levou à cassação de parlamentares.

CURTA o FOCANDO A NOTÍCIA no Facebook

Levantamento realizado pelo O GLOBO nas 26 Assembleias Legislativas e na Câmara Distrital revela casos em que os representantes estaduais chegam a ter subsídios mensais acima de R$ 20.042,34 — o teto legal, que corresponde a 75% do que ganha um deputado federal — e recebem diárias que superam, e muito, o que é pago para quem atua na Câmara.

Além disso, nos casos em que foi possível ter acesso à prestação de contas das cotas parlamentares, O GLOBO apurou que os deputados estaduais parecem dedicar uma preocupação muito grande à contabilidade e apresentam gastos no exato valor da verba indenizatória a que têm direito, com diferença de poucos centavos de um mês para o outro.

TODOS OS DEPUTADOS TÊM VERBA EXTRA EM RO

Roraima, que tem 24 deputados, é um céu para quem consegue um assento na Assembleia. Ano passado, os parlamentares editaram a Resolução Legislativa 003/13, que garante uma boa verba extra mensalmente. Além do salário de R$ 20.042, os presidentes e vice-presidentes de comissões permanentes recebem mais R$ 11.014 pela função. Com os descontos do Imposto de Renda e do INSS, o valor líquido que cada um embolsa é de R$ 22.961. Em Roraima, todos os parlamentares exercem a presidência ou vice-presidência de alguma comissão. Na Câmara, deputados que exercem função semelhante têm direito a um adicional de R$ 1.245, não cumulativos.

A verba indenizatória também é superior à dos colegas que estão em Brasília. Enquanto os deputados federais eleitos por Roraima podem receber, no máximo, R$ 41.613 (o maior valor entre todos), no estado os deputados estaduais têm direito a R$ 50 mil. Nessa rubrica, eles podem destinar R$ 6 mil para alugar um imóvel para morar em Boa Vista, e gastar até R$ 20 mil em combustível ou aluguel de carros; na Câmara, esse teto é de R$ 4,5 mil.

Viajar como deputado estadual de Roraima também é muito mais confortável do que como deputado federal em Brasília. Na Região Norte, um eleito que viaje dentro do próprio estado tem direito a R$ 900; se for para outro local, R$ 1.700; e, para o exterior, R$ 2.024. Pela Câmara, esses valores são de R$ 524 em caso de um périplo pelo país, ou de até US$ 428 (cerca de R$ 1 mil) para jornadas internacionais.

No Pará, há vultosos pagamentos aos parlamentares, em parcela única, no início de cada ano. Em janeiro deste ano, por exemplo, cada um recebeu, de uma única vez, mais de R$ 200 mil. Em janeiro de 2013, a fatia do bolo foi ainda maior: R$ 400 mil para cada um dos deputados estaduais, numa única parcela. O site não especifica o motivo dessas pequenas fortunas. Os montantes constam da lista de despesas diárias da Assembleia, acessível pela internet.

SALÁRIOS ACIMA DO TETO

Ainda no Pará, uma consulta à folha de pagamentos, que não fornece os nomes dos servidores e seus salários individuais, aponta funcionários com salários nominais acima do teto constitucional, de R$ 29.462. Um técnico legislativo ganha R$ 34.311. Nesse caso, segundo a folha de pagamento de agosto, não houve o redutor constitucional, e ele recebeu R$ 23.546 líquidos.

No Rio, o Órgão Especial do Tribunal de Justiça deve julgar até o fim do ano os deputados estaduais Édino Fonseca (PEN) e João Peixoto (PSDC), além de três ex-parlamentares (Renata do Posto, Tucalo e Jane Cozzolino), acusados de estelionato e formação de quadrilha. Eles integram um grupo de 12 pessoas, incluindo dois ex-funcionários da Casa, que há seis anos foi denunciado pelo Ministério Público por fraudes no auxílio-educação da Alerj.

O benefício, que equivale a um salário mínimo regional (R$ 763,13, em valores atuais) por dependente, era destinado a ressarcir despesas de servidores com a educação dos filhos. Segundo o Ministério Público, funcionários nomeados eram fantasmas: não recebiam o dinheiro que era embolsado por alguns réus. Segundo investigações feitas em 2008, pelo menos R$ 3,5 milhões foram desviados. Na época Édino Fonseca, João Peixoto e Tucalo (não reeleito) foram absolvidos pelo plenário; Renata e Jane tiveram os mandatos cassados. (colaborou Luiz Ernesto Magalhães).

O Globo

Bispos refletem revitalização das paróquias, Ano da Fé e comunicação nas Assembleias Regionais

Assembleias_RegionaisNos meses de maio e junho, diversos regionais da CNBB realizam Assembleia anual do Conselho Episcopal Regional (CONSER). Temas atuais estão na pauta das discussões apresentadas pelos bispos do Brasil. Os bispos do Regional Sul 1 (São Paulo), durante a 76ª Assembleia, de 10 a 12 de junho, trataram do tema “Ano da Fé – A Transmissão da Fé”. O subsecretário Adjunto de Pastoral da CNBB, Pe. Francisco de Assis Wlock acompanhou os trabalhos. O presidente do regional, cardeal dom Odilo Pedro Scherer apresentou constatações em documento da Igreja sobre a fé e a Nova Evangelização. “Não se pode considerar a Evangelização como algo consumado, mas é necessário evangelizar de novo, evangelizar sempre”, disse o cardeal.

CURTA o FOCANDO A NOTÍCIA no Facebook

O arcebispo de Aparecida e presidente da CNBB, dom Raymundo Damasceno Assis falou da alegria em receber a Assembleia em Aparecida, em especial refletindo um tema tão propício ao momento de renovação em que vive a Igreja. Em uma das intervenções, dom Luis Demétrio Valentini, bispo de Jales (SP) destacou que “a América Latina é o continente que quer ser cristão, o continente que se assume como cristão; somos um povo que quer ser Igreja”.

Nesta mesma perspectiva sobre a evangelização, realizou-se a Assembleia do Conselho Episcopal do Regional Leste 2 (Minas Gerais e Espírito Santo), de 03 a 05 de junho. Cerca de 40 arcebispos, bispos e bispos eméritos participaram do encontro para Análise de Conjuntura. O bispo de Colatina (ES) e vice-presidente do Regional Leste 2, dom Décio Sossai Zandonade presidiu as sessões de trabalho junto com o secretário e bispo de Sete Lagoas (MG), dom Guilherme Porto. Concomitante à Assembleia, o Encontro Regional dos Coordenadores Diocesanos de Pastoral apresentou estudo “Paróquias Revitalizadas à luz de Aparecida: Subsídio para buscar a revitalização das paróquias do Regional Leste 2”.

Já a problemática da situação carcerária em Minas Gerais esteve na pauta da Assembleia do Conselho Regional do Leste 2 (Belo Horizonte). Em 6 de junho, os bispos emitiram nota manifestando preocupação com o sistema penitenciário, onde reafirmaram total apoio à Pastoral Carcerária. O documento foi entregue ao governador do Estado, Antônio Anastasia, em audiência. “A insuficiente atenção para com o sistema penitenciário, sem dúvida, não contribui para essa paz social e é pouco eficaz para realizar um autentico processo de reeducação e reinserção dos detentos na vida da sociedade, embora reconheçamos os esforços inclusive de policiais e agentes penitenciários, no árduo serviço da segurança pública”, conforme nota.

Por outro lado, o Regional Nordeste 5 (São Luís), os bispos foram motivados pelo tema “O papel da comunicação e sua influência na cultura”, onde refletiram os conflitos e confrontos culturais presentes na região. Durante a Assembleia, de 3 e 5 de maio, os bispos acompanharam uma análise da conjuntura social do Maranhão. Entre os desafios levantados pelos participantes, os grupos debateram os grandes projetos que causam graves impactos na região, sobretudo nas terras indígenas e nos territórios dos camponeses e das comunidades tradicionais (quilombolas, pescadores, extrativistas, ribeirinho). Dom Armando Guttierre, bispo de Bacabal, apresentou síntese dos trabalhos de grupos com respostas aos desafios para dioceses, movimentos e pastorais considerando o Plano de Pastoral.

E, motivados pelo Documento de Aparecida, “Paróquia Rede de Comunidades” foi tema da Assembleia do CONSER do Regional Nordeste I (Ceará), de 4 e 5 de maio. Os bispos se reuniram com coordenadores das pastorais, organismos, movimentos da diocese. Uma reflexão pastoral sobre o cenário religioso no Brasil foi apresentada ao episcopado. O presidente do Regional Nordeste I, dom José Haring disse que o CONSER “ajudou a perceber que nós católicos devemos superar nossas falhas de estarmos pouco nas periferias das cidades”.

 

 

cnbb

Deputados da Paraíba discutem em Brasília com ministra do TSE redução de vagas na Câmara e assembleias

Nancy-AndrighiOs deputados estaduais e federais dos oito Estados que poderão perder parlamentares, a partir das eleições de 2014, se reuniram com a ministra do Tribunal Superior Eleitoral (TSE) Nancy Andrighi. O encontro aconteceu em Brasília nessa terça-feira (12).

A reunião foi para discutir o processo que pretende alterar a composição na representação dos parlamentares nas Assembleias Legislativas e na Câmara Federal. Além da Paraíba, as mudanças que estão sendo analisadas pelo TSE deve diminuir o número de deputados em Alagoas, Paraná, Rio de janeiro, Rio Grande do Sul, Maranhão, Goiás e Piauí. O presidente da Assembleia Legislativa da Paraíba (ALPB), deputado Ricardo Marcelo (PEN), participou da reunião acompanhado dos deputados federais Damião Feliciano (PDT), Manoel Júnior (PMDB), Leonardo Gadelha (PSC) e Benjamin Maranhão (PMDB).

CURTA o FOCANDO A NOTÍCIA no Facebook

O parlamentar destacou a importância dos deputados no tocante a representação da população e pediu a união entre as bancadas estadual e federal. “Nós temos que nos unir, pois o que está em jogo é a representatividade da população. O povo passará a ter menos representantes e, no caso dos deputados federais, os Estados que perdem parlamentares também perderão recursos em emendas”, disse Ricardo Marcelo.

A ministra Nancy Andrighi, que é a relatora do processo, disse que já está pronta para votar e afirmou que todos os aspectos serão levados em consideração.

Caso seja aprovado, o Poder Legislativo estadual deve diminuir de 36 para 30 o número de deputados que compõem o seu plenário. Já os parlamentares com representação em Brasília terão eleitos apenas 10 deputados federais ao invés de 12, que atualmente integra a bancada. Os Estados de São Paulo, Espírito Santo, Mato Grosso, Mato Grosso do Sul, Sergipe, Distrito Federal, Rondônia, Tocantins, Acre, Amapá e Roraima mantém-se com as representações inalteradas. O Pará será o mais beneficiado, passando de 17 para 20 deputados federais e de 41 para 44 deputados estaduais.

MaisPB com Agência ALPB

Policiais federais em greve voltarão ao trabalho na segunda após assembleias

O presidente da Federação Nacional dos Policiais Federais (Fenapef), Marcus Wink, afirmou nesta sexta-feira (12) que, segundo sua avaliação, a greve dos policiais federais deve terminar na próxima segunda-feira (15). A paralisação já dura 67 dias e mobiliza cerca de 9 mil profissionais, entre agentes, papiloscopistas e escrivães, nas 27 unidades da federação.

Wink explicou que a Fenapef orientou os sindicatos estaduais a encerrarem a paralisação. Até segunda-feira, haverá assembleias nos estados para decidir sobre o fim do movimento. O sindicalistas diz acreditar que, na tarde de segunda, a maioria dos policiais já deve voltar ao trabalho. Nesta sexta, os policiais federais do Rio Grande do Sul decidiram voltar ao trabalho a partir de segunda.

Até agora, os grevistas da Polícia Federal não tiveram sua reivindicação atendida pelo governo. Eles pedem um plano de reestruturação da carreira dos agentes, escrivães e papiloscopistas. O salário inicial dos três cargos é R$ 7,5 mil, o equivalente a 56,2% da remuneração dos delegados, cujo vencimento inicial é de R$ 13,4 mil. Além disso, querem também melhoria nas condições de trabalho.

“Aprovamos um indicativo para encerrar a greve e orientamos os estados nesse sentido. Claro que respeitaremos as decisões estaduais. Mas pelo que tenho conversado, a grande maioria vai optar pela volta ao trabalho. Assim que a maioria entender pelo fim [da greve], a gente decreta”, afirmou Marcus Wink.

Wink informou que a federação decidiu orientar pelo fim da greve porque entendeu que deveria mudar a estratégia de negociação com o governo. “Decidimos apostar numa reabertura de negociação, sem greve. O balanço da greve é positivo, pela primeira vez envolvemos as 27 unidades da federação, mas ela [a greve] não tem mais para onde avançar”, disse Wink.

G1

Mais de 50 assembleias rejeitaram a proposta do governo, diz sindicato

Professores do DF em greve (Foto: Maiara Dornelles / G1)

Balanço parcial do Sindicato Nacional dos Docentes das Instituições de Ensino Superior (Andes) indica que mais de 50 assembleias rejeitaram a proposta do governo de reajuste dos salários. O resultado total de todas as assembleias ainda não foi computado, segundo o Andes. Do total de 59 universidades, 57 aderiram à paralisação, além dos 37 institutos, centros de educação tecnológica e o Colégio Pedro II. A mobilização começou em 17 de maio.

Ainda, de acordo com a assessoria de imprensa do Andes, o sindicato vai insistir na reivindicação da reestruturação das carreiras. A entidade não informou quando vai levar os resultados finais das assembleias ao governo.

O ministro da Educação, Aloizio Mercadante, disse nesta segunda-feira (30) que o governo não vai fazer nova proposta aos professores das universidades federais em greve. “Essa é a proposta final. Vai ser um montante de R$ 4,3 bi. É o limite do que podemos chegar.” Ele se referia à segunda proposta de aumento apresentada pelo governo no dia 24 de julho, para acabar com a paralisação, que já dura mais de dois meses.

“Nós fizemos uma primeira proposta, não houve contraproposta. Avaliamos que poderíamos melhorar um pouco. Melhoramos. Hoje temos proposta com piso de reajuste para os próximos 3 anos de 25%. Não conheço nenhuma outra categoria que tenha uma proposta como essa num quadro de crise internacional. Tenho muita confiança de que essa proposta está sendo bem analisada […] Espero que a partir de agosto possamos restabelecer as aulas para que os alunos não sejam mais prejudicados”.

As propostas
Nas últimas semanas, o governo apresentou duas propostas aos grevistas. A primeira, que daria reajuste de até 45% aos professores em 3 anos e traria impacto de R$ 3,9 bi aos cofres públicos, foi rejeitada. Na época, Mercadante havia dito que não havia “margem” para um aumento maior, por causa da crise.

A segunda proposta mantém o reajuste máxino de 45% em 3 anos, mas aumenta o piso do reajuste para 25%. Mercadante voltou a afirmar que o momento de crise financeira não permite reajuste maior.

G1