Arquivo da tag: ano

Paraíba registra, em média, 900 novos casos de HIV/Aids por ano

Vírus silencioso, algumas vezes não detectável, mesmo depois de quase quatro décadas do surgimento dos primeiros casos, a pandemia da Aids continua a ser um dos grandes desafios para a saúde mundial. Aproximadamente 35 milhões de pessoas vivem com HIV em todo o mundo. Nesta sexta-feira (5), data alusiva aos 39 anos da descoberta da Aids no mundo, a Secretaria de Estado da Saúde (SES) faz uma análise do cenário do agravo na Paraíba.

Em 2019, a taxa de detecção de HIV no estado foi de 984 pessoas, sendo 756 homens e 228 mulheres. Do total, 36,9% desenvolveram a Aids. Pardos e negros são 70% da população infectada por HIV. Os dados de exposição por categoria mostram que 257 dos diagnosticados se declararam homossexuais e 374 disseram ser heterossexuais.

Pessoas com idade entre 30 e 39 anos apresentaram um maior número de exposição ao HIV, com 112 casos, seguido da faixa-etária de 20 a 29 anos, com 107 pessoas, e 40 a 49 anos, com 73. Em 2019, foram detectados 12 casos de adolescentes positivadas para o HIV com 15 anos de idade.

Estigma

A gerente operacional de IST/HIV/Aids da SES, Ivoneide Lucena, avalia que a percepção e o perfil da doença foram se modificando ao decorrer dos anos. No começo, havia o estigma do grupo de risco e de que só uma determinada população poderia pegar a doença, além do preconceito com as pessoas vivendo com HIV/Aids e da desinformação.

“Embora o preconceito ainda seja grande e focado na população gay, essa percepção está mudando. Hoje não falamos mais em população de risco e sim em situação de risco. Então qualquer pessoa que passou por uma situação assim está sujeita a se contaminar com o HIV, seja ela heterossexual, mulher casada, bebê”, afirma.

Diagnóstico rápido e tratamento

Sobre o cenário atual da Aids na Paraíba, muito se avançou, desde a disponibilidade de tratamento gratuito na Rede Estadual de Saúde, ao diagnóstico rápido e proteção. Ivoneide Lucena pontua que, atualmente, os 223 municípios da Paraíba disponibilizam o teste rápido para a detecção do vírus nos postos de saúde e em 20 minutos é possível receber esse resultado.

Em casos positivados, o usuário é encaminhado para os serviços de referência da Paraíba, orientado a fazer exames laboratoriais e acompanhado por um infectologista. O tratamento é ofertado pelo SUS e pacientes com HIV/Aids têm acesso gratuito aos medicamentos antirretrovirais.

“Com a oferta do teste rápido, estamos conseguindo diagnosticar mais pessoas com HIV do que com Aids, e é isso que a gente quer, mais pessoas ainda sem nenhuma infecção oportunista, sem nenhuma doença e sim pessoas muitas vezes assintomáticas, para começar o tratamento e reduzir a carga viral dessa pessoa, tornando o vírus indetectável”, diz a gerente operacional de IST/HIV/Aids da SES.

Incentivo à prevenção

Como medidas de proteção, os usuários têm a facilidade de acesso aos preservativos nas unidades básicas de saúde em todos os municípios paraibanos, além da disponibilização de forma descentralizada das tecnologias para prevenção e o tratamento que inclui o tratamento antirretroviral como medida de prevenção; a Profilaxia Pós-Exposição ao HIV (PEP), que é o uso de medicamentos diante de uma situação de risco; e a Profilaxia Pré-Exposição ao HIV (PREP), que consiste no uso diário de medicamento antirretroviral para evitar a infecção pelo vírus.

“Outro avanço que estamos conseguindo é a redução da transmissão vertical do HIV, ou seja, transmissão da mãe infectada para o feto. Não dá mais, não se admite mais que uma criança, na hora do parto, possa ser exposta ao HIV, porque essa mãe no pré-natal foi testada no terceiro, no sétimo mês e na hora do parto para que ela não venha a expor esse bebê ao HIV e não venha a amamentar essa criança”, observa Ivoneide Lucena.

Pandemia

Os serviços nos centros de referência continuam funcionando durante a pandemia de coronavírus, porém em horário reduzido. Ivoneide Lucena pede que pacientes em tratamento não parem de tomar a medicação, pessoas que foram expostas a uma situação de risco recorram aos serviços de referência e que todos façam uso do preservativo como prevenção.

“Assim como estamos usando a máscara para proteger do coronavírus, usar camisinha é fundamental para a prevenção do HIV. A Aids também é uma pandemia que está circulando há 39 anos. Do mesmo jeito que existem pessoas que carregam o coronavírus e são assintomáticas, existem os portadores do HIV que não sentem nada. Por isso a importância da prevenção”, destaca.

Combate ao preconceito

Para barrar o preconceito, desde 2017, a SES oferta cursos na metodologia de Ensino à Distância (EAD) para professores e alunos da Rede Estadual com várias temáticas e informações voltadas ao HIV e Aids. Entre os temas estão a educação entre pais, as diversidades sexuais, a identidade de gênero, entre outros.

“Esses cursos servem para derrubar algumas barreiras. Sabemos que os professores não tiveram a oportunidade de estudar muitos desses temas durante a graduação. Já os alunos, é importante discutir essa temática para que eles possam dialogar com seus colegas, dentro e fora da sala de aula”, explica.

 

portalcorreio

 

 

PB confirma mais três casos de malária e já soma 20 no ano

A Paraíba tem 20 casos autóctones de malária em 2019, desses, três registrados na semana passada (de 1º a 7 de setembro). Os casos autóctones são aqueles que têm origem dentro do estado.

A Secretaria Estadual de Saúde disse à produção da Rede Correio Sat que ações de combate estão relacionadas à oferta contínua de capacitações sobre manejo clínico da malária, Teste Rápido Diagnóstico e Coleta de Gota espessa (padrão ouro) para profissionais da assistência à saúde de municípios de todo o estado.

Segundo a Saúde, aos serviços capacitados são distribuídos continuamente Testes Rápidos para diagnóstico da Malária e garantia da leitura das lâminas de Gota Espessa em tempo oportuno pelo Laboratório Central de João Pessoa (Lacen).

“No tocante ao controle do vetor, a vigilância ambiental realiza com periodicidade programado ações de borrifações nas localidades com alta densidade vetorial”, informou a Secretaria.

Diante da exposição das ações de controle e prevenção é importante enfatizar que parte do sucesso das ações dependem da sensibilização da população referente à procura pelos serviços de saúde de forma precoce na apresentação de qualquer sintomatologia da Malária, no uso de repelentes e redes de proteção em portas e janelas das residências.

Sobre a malária

É uma doença infecciosa febril aguda, causada por protozoários transmitidos pela fêmea infectada do mosquito Anopheles. A Secretaria informou que não é uma doença contagiosa. A transmissão é através do vetor, que é a fêmea do mosquito Anopheles, também conhecido como mosquito prego, infectada por Plasmodium, um tipo de protozoário.

Os sintomas incluem mal-estar e calafrios, seguido de suor intenso e prostração. No caso do Plasmodium falciparum, pode ocorrer uma grave anemia, potencialmente fatal.

O tratamento da doença é gratuito e disponibilizado pelo Ministério da Saúde. Em João Pessoa, o hopsital de referência para o tratamento da malária é o HU.

Medidas Preventivas

  • Uso de calças e camisas de manga longa e de cor clara;
  • Aplicação de repelentes;
  • Evitar locais próximos a criadouros naturais dos mosquitos (beira de rios e lagos, áreas alagadas ou coleções hídricas, região de mata nativa), principalmente nos horários da manhã e ao entardecer, por serem os períodos do dia de maior atividade dos vetores da doença, entre 17h e 6h
  • Uso de telas protetoras nas portas.

 

(Foto: Cecília Bastos/USP Imagens)

portalcorreio

 

 

Saúde confirma oito mortes por H1N1 na Paraíba este ano

Oito pessoas morreram vítimas da Influenza A na Paraíba, também conhecida como Gripe A, provocada pelo vírus H1N1, de janeiro de 2019 até esta terça-feira (2). A informação é da Secretaria de Estado da Saúde (SES) e foi obtida pelo Portal Correio.

Os óbitos foram registrados nos municípios de Alagoa Nova (1), Cachoeira dos Índios (1), João Pessoa (1), Santa Rita (1), São João do Rio do Peixe (1), São Bento (1), Sousa (1) e em Coremas (1).

No último dia 11 de junho, um idoso de 60 anos, que estava internado no Hospital Regional de Sousa, no Sertão da Paraíba, a 438 km de João Pessoa, morreu com suspeita da doença, posteriormente confirmada. Outra mulher de 65 anos, da cidade de Coremas, também morreu no mesmo hospital vítima da Influenza A.

Prevenção

O Ministério da Saúde recomenda que, além da vacinação, a população deve adotar medidas de prevenção para evitar a infecção por influenza. Algumas delas são lavar sempre as mãos e evitar locais com aglomeração de pessoas, o que facilita a transmissão de doenças respiratórias.

 

portalcorreio

 

 

Mais de 3 mil já foram presos nos primeiros três meses do ano na PB

Operações e ações realizadas pela Polícia Militar nos três primeiros meses deste ano na Paraíba já renderam um total de 3.414 suspeitos de crimes presos. De acordo com a corporação, esse número é de quase 35 prisões e apreensões por dia.

De acordo com os dados divulgados pela PM, já foram apreendidos 221,7 kg de maconha, crack e cocaína, nas operações realizadas pela Polícia Militar e em conjunto com a Polícia Federal.

Em relação a armas e munições, a Coordenadoria de Estatísticas e Avaliação (EM/7) da PM afirma que foram apreendidas 744 armas de fogo, sendo mais de 10% na Zona Sul da Capital, onde 80 armas foram apreendidas no período.

Operações – O trabalho da corporação contou com a realização das operações Impacto, Nômade, Malhas da Lei, Ônibus Seguro e Cidade Segura, sendo cumpridos 310 mandados nos três primeiros meses do ano.

Ainda de acordo com o balanço divulgado, a PM atendeu 31.364 ocorrências nas 223 cidades paraibanas. Para as próximas semanas, novas operações devem ser desencadeadas, a exemplo de uma específica para reforçar a segurança durante a semana santa.

 

PB Agora
com informações da Secom

 

 

Paraíba contabiliza 4.028 casos de violência contra mulheres este ano

Os dados sobre a violência contra a mulher ainda são alarmantes na Paraíba. Somente em 2017, já foram realizados 4028 boletins de ocorrência nas 13 delegacias especializadas e nos dois núcleos que funcionam em todo o Estado. De janeiro a novembro, 74 mulheres foram assassinadas.

De acordo com dados da violência na Paraíba, foram instaurados 2501 inquéritos policiais e emitidas 2780 medidas protetivas de janeiro até novembro.

Para debater os casos de feminicídio, a Lei Maria da Penha a Polícia Civil da Paraíba promove um seminário nesta quarta (6) e quinta-feira (7) em celebração dos 30 anos de instalação da 1ª Delegacia da Mulher no Estado. O evento acontece na Academia de Polícia Civil (Acadepol) às margens da PB-008, em Jacarapé.

De acordo com a coordenadora das Delegacias da Mulher na Paraíba, delegada Maísa Félix, a Paraíba criou a 3ª Delegacia da Mulher do Brasil, tornando-se pioneira no enfrentamento da violência doméstica e família na Paraíba, rompendo com a cultura de dor, silêncio e medo.

“A vítima de violência é quem sabe a importância de ter onde procurar ajuda e neste lugar ser bem acolhida, receber as condições de iniciar uma nova vida, com a paz que ela merece e tem direito”, argumentou.

MaisPB

Paraíba registra 50º ataque a banco só neste ano

Os ataques a bancos já entraram na rotina dos paraibanos que mês a mês são obrigados a conviverem com a seguinte realidade: bandidos armados invadem as cidades, explodem ou arrombam as agências e fogem deixando para trás um enorme rastro de destruição e prejuízos.

Foto: Reprodução/ Internet

O caso mais recente foi registrado durante a madrugada desta quarta-feira (4), na cidade de Santa Rita, na Grande João Pessoa, elevando para 50 o número de ocorrências de violência contra agências bancárias registradas apenas este ano na Paraíba.

Os dados são do Sindicato dos Bancários da Paraíba, e se comparados com os números de ataques do mesmo período do ano passado, mostram que houve uma redução de 37,5% das ocorrências.

Enquanto que em 2016 foram contabilizados 80 ataques a bancos do dia 1º de janeiro ao dia 4 de outubro, em 2017, nesse mesmo espaço de tempo, o sindicado registrou 30 ocorrências a menos. Ao todo, em 2016, foram 105 ataques a bancos no Estado.

SANTA RITA 

No caso de Santa Rita, a Polícia Militar informou que cerca de sete homens fortemente armados invadiram a agência, quebraram a tranca da porta de entrada e uma porta de vidro com uma marreta e se dirigiram ao cofre do estabelecimento, mas fugiram sem levar nenhuma quantia em dinheiro, pois o cofre não estava abastecido.

Ainda de acordo com a PM, nenhum caixa eletrônico foi violado.

Os policiais ainda perseguiram os suspeitos, só que os grampos espalhados na pista dificultaram a prisão deles. Houve uma intensa troca de tiros, mas ainda assim o grupo conseguiu fugir.

O carro usado pelos suspeitos foi encontrado próximo ao banco com os materiais usados para arrombar o estabelecimento, no entanto ninguém foi preso por envolvimento com essa ação até o início da manhã de hoje.

paraibaonline

Acompanhe mais notícias do FN nas redes sociais: FacebookTwitterYoutube e Instagram

Entre em contato com a redação do FN:  WhatsApp (83) 99907-8550. 

E-mail: jornalismo@focandoanoticia.com.br

Campina Grande registra mais de 1.200 acidentes em cinco meses do ano, diz STTP

(Foto: Reprodução/TV Paraíba)

De janeiro a maio de 2017 a Superintendência de Trânsito e Transportes (STTP) de Campina Grande registrou 1.269 acidentes. O levantamento é elaborado e divulgado pelo departamento de estatísticas do órgão, que já apontou também os 20 corredores mais perigosos para trafegar na cidade.

De acordo com a STTP, o número de acidentes em Campina Grande cresce em média 5% a cada doze meses. Em 2013, foram registradas 4.192 ocorrências, contra 4.438 em 2014; 4.483 em 2015 e 4.642 em 2016. A expectativa, contudo, é de redução nos números para 2017.

Segundo o relatório do órgão, neste ano, cerca de 78% dos acidentes na cidade envolveram motociclistas, o que corresponde a 994 ocorrências de janeiro a maio. O número de vítimas fatais ainda não foi divulgado, mas a STTP espera que o dados não superem os 66 mortos registrados em 2016.

Apesar do alto índice de acidentes com motocicletas, o órgão também espera que o número seja o menor dos últimos 4 anos, que tiveram uma média de mais de 2 mil acidentes. Desde 2013, quando o setor de estatísticas da STTP começou a funcionar, já foram identificados 10.896 ocorrências com motos, com destaque para o ano passado, onde o órgão apontou mais de 2.900 acidentes em apenas 12 meses.

Setor de estatísticas da STTP levanta dados de acidentes em Campina Grande (Foto: Iago Bruno/G1)

Setor de estatísticas da STTP levanta dados de acidentes em Campina Grande (Foto: Iago Bruno/G1)

Para o responsável pelo setor de estatísticas, Erivaldo Araújo, através dos estudos feitos no departamento será possível ter resultados positivos. “Nós mapeamos a cidade, informando os pontos mais críticos e partir disto são tomadas ações efetivas para diminuir o número de acidentes. Esperamos que na próxima avaliação já tenhamos bons indicativos de melhora” explicou.

Com base no levantamento feito pelo setor de estatísticas, a STTP começou no dia 3 de junho a operação ‘Mais Vida’ que visa diminuir o número de acidentes nos pontos considerados mais críticos da cidade. Os agentes de trânsito vão até os locais apontados para fazer trabalhos de fiscalização e educação com os motoristas. O órgão também tem investido em lombadas eletrônicas nas avenidas com maior fluxo de transportes.

*Sob supervisão de Taiguara Rangel

G1

Acompanhe mais notícias do FN nas redes sociais: FacebookTwitterYoutube e Instagram

Entre em contato com a redação do FN:  WhatsApp (83) 99907-8550. 

E-mail: jornalismo@focandoanoticia.com.br

Vereadores de Baía da Traição, na PB, trabalham em média 24 dias por ano

Os nove vereadores de Baía da Traição, no Litoral Norte da Paraíba, trabalham apenas 24 dias por ano, em média, e somam um salário de R$ 42 mil, segundo os dados do sistema Sagres, do Tribunal de Contas do Estado da Paraíba (TCE-PB). A jornada reduzida de trabalho está prevista no regimento interno da Casa, elaborado em 1990. O documento prevê recesso de seis meses nas atividades parlamentares.

De acordo com o calendário de sessões, em 2017 os vereadores trabalharam em fevereiro, março e abril, e ficam em recesso até setembro, quando trabalham novamente até o mês de novembro.

Nos meses de trabalho, há apenas uma sessão por semana, nas sextas-feiras. Para isso, os vereadores de Baía da Traição recebem um salário mensal de R$ 3.500, o que daria o valor de R$ 1.750 por dia de trabalho. O presidente da casa recebe o dobro do valor.

Calendário de sessões da câmara de vereadores de Baía da Traição em 2017 (Foto: Reprodução/TV Cabo Branco)

Calendário de sessões da câmara de vereadores de Baía da Traição em 2017 (Foto: Reprodução/TV Cabo Branco)

A população de Baía da Traição comentou sobre o assunto e alguns moradores disseram, em entrevista à TV Cabo Branco, não estar muito satisfeitos com a situação. “Assim é uma vida boa demais”, comenta o pescador Francisco José Alcântara.

“Eu não ganho isso trabalhando todo dia, porque eles ganham trabalhando só um dia? É justo?”, questiona a agente administrativa Elisabete Falcão.

Na última legislatura, a vereadora Luiza Dantas (DEM) tentou apresentar um projeto para reduzir o tempo de recesso pela metade, mas o projeto não entrou na pauta de votações. Reeleita, a parlamentar disse que vai tentar novamente.

“Nós temos que mostrar o nosso trabalho. Realmente o salário que a gente ganha pelo expediente que a gente dá, por 180 dias de férias, é um absurdo”, disse.

Segundo o 1º secretário da câmara, vereador José Roberto da Silva (PRB), a pauta deve ser debatida quando a Casa voltar do recesso, no dia 1º de setembro. “Desde 1990 que temos este recesso aqui e o presidente da câmara disse que quando voltar do recesso apresentaria o projeto e com certeza aprovaria”, explicou.

G1

Acompanhe mais notícias do FN nas redes sociais: FacebookTwitterYoutube e Instagram

Entre em contato com a redação do FN:  WhatsApp (83) 99907-8550. 

E-mail: jornalismo@focandoanoticia.com.br

 

AVC e embolia pulmonar provocaram 365 mortes na PB nos primeiros cinco meses do ano

O AVC e a embolia pulmonar, juntos, mataram em média dois paraibanos por dia em 2017. No total, desde 2015, já foram registrados 2.445 óbitos no Estado em decorrência destes problemas.

Somente em João Pessoa, 54 pessoas morreram em decorrência de Acidente Vascular Cerebral do tipo isquêmico (AVC) e embolia pulmonar em João Pessoa este ano. Conforme os dados da Secretaria Municipal (SMS), de 2007 até este ano, foram 182 mortes ocasionadas por embolia pulmonar e 1.068 por AVC registradas na cidade. Entre as causas comuns desses dois problemas graves está a formação de coágulos no sangue e, posteriormente, o risco do trombo.

O neurologista e assistente da divisão de clínica neurológica do Hospital das Clinicas da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo, Mauricio Hoshino, lembra que os fatores de risco para a formação de coágulos são principalmente causas genéticas, tabagismo, doenças cardíacas e obesidade. O problema no coágulo acontece quando esse se desprende da parede da veia e passa a circular pela corrente sanguínea. Dependendo do tamanho e forma, ele pode se prender novamente a parede de uma veia ou artéria, causando graves complicações.

Ele lembra que a trombose do tipo venosa é a que mais apresenta sinais físicos que podem indicar uma situação mais grave, como inchaço, dores e vermelhidão em apenas em uma das pernas (na região da panturrilha). Contudo, este tipo ocorre em menos de 30% dos casos. Normalmente, a trombose profunda é a mais comum e, geralmente, a pessoa não apresenta sintomas.

“Essa trombose afeta as veias mais profundas e pode ocorrer em após cirurgias ortopédicas, de prótese, quadril, joelhos, pacientes de UTI, quando a pessoa fica mais tempo em repouso. Por isso, em todas essas situações, são utilizados medicamentos profiláticos e anticoagulantes para que o coágulo não migre para outras partes do corpo e ou vá para o pulmão, causando a embolia pulmonar. O remédio não dissolve o coágulo, mas controla a situação”, explicou Maurício Hoshino.

Sobre a embolia pulmonar, o neurologista alertou que “a doença acontece da mesma forma que a trombose, no entanto a interrupção do fluxo sanguíneo nos vasos do pulmão compromete a oxigenação do sangue e a funcionalidade do órgão, causando tosse e dificuldade para respirar”.

O médico lembrou ainda que as mulheres são mais vulneráveis a desenvolver coágulos. Além dos fatores de risco já mencionados, as pacientes que fazem uso de anticoncepcionais ou tem problemas graves de circulação devem ficar atentas.

“No caso das mulheres, a influência hormonal é um fator a mais que pode influenciar na formação de coágulos. Mas, vai depender do histórico da paciente e da medicação”, explicou o neurologista.

correiodaparaiba

Acompanhe mais notícias do FN nas redes sociais: FacebookTwitterYoutube e Instagram

Entre em contato com a redação do FN:  WhatsApp (83) 99907-8550. 

E-mail: jornalismo@focandoanoticia.com.br

 

Concurso na PB é investigado há um ano e situação de candidatos segue indefinida

Um ano após a realização das provas, a situação do concurso da Prefeitura de Santa Inês, no Sertão, segue indefinida. Em agosto do ano passado, o Ministério Público da Paraíba suspendeu o certame alegando uma série de irregularidades. Enquanto a empresa organizadora, Contemax Consultoria, se defende na Justiça, candidatos lidam com a incerteza e não obtém informações contundentes sobre o andamento do processo. A organizadora disse que o concurso não foi anulado e que não há irregularidades.

“Já liguei muitas vezes para a empresa porque eu gostei da prova e tinha relativamente poucos concorrentes. A funcionária sempre dizia que as provas já tinham sido corrigidas, mas que eles não poderiam divulgar os resultados, nem dizer o motivo que os impedia de fazer isso”, diz um candidato ouvido pelo Portal Correio.

“Dias depois, falaram que o Ministério Público estava investigando o concurso, mas isso já faz quase um ano. Recentemente liguei para a empresa de novo e me disseram que o processo segue em segredo de Justiça. Ou seja, continuo sem saber se vou ter meu dinheiro de volta e quando isso vai acontecer”, completa.

O concurseiro destacou ainda que nem mesmo no edital de abertura do certame havia previsão de divulgação do resultado final: “Depois fiquei me questionando como que eu tive coragem de me inscrever num concurso desses”.

O concurso da Prefeitura de Santa Inês ofertava 103 vagas, com remunerações de até R$ 2.672.

Impasse

Procurado pelo Portal Correio, o prefeito de Santa Inês, João Nildo Leite, contou que a intenção da gestão é manter a oferta de vagas mesmo se o concurso vier a ser anulado. O prefeito ressaltou, no entanto, que acredita na legalidade do certame.

“A situação depende do juiz e do promotor. Aconteceu que o Ministério Público pediu a nulidade do concurso com base em denúncias feitas por candidatos, mas a empresa organizadora fez um contra-argumento e apresentou sua defesa. A Justiça está alisando esse posicionamento e, infelizmente, não recebemos prazo para tomada dessa decisão”, explicou João Nildo.

“Acredito que as acusações contra a empresa organizadora não têm fundamento, nossa intenção é manter o concurso. Porém, caso ele seja anulado, a empresa terá que devolver todo dinheiro arrecadado com inscrições aos candidatos. E a prefeitura vai abrir um novo processo licitatório para contratar uma nova organizadora para o concurso. Iremos ofertar as vagas de todo jeito”, completou o prefeito.

De acordo com o MPPB, foi constatado que provas aplicadas para cargos de nível fundamental estavam com a mesma redação das voltadas para candidatos com nível médio, mesmo havendo no edital a previsão de que elas seriam realizadas em turnos diferentes. Para o juiz Antônio Eugênio Leite Ferreira Neto, isso desrespeita o princípio de isonomia.

Além disso, o Ministério Público alega que embora o edital determinasse que os candidatos apresentassem documento com impressão digital, no dia da realização da prova não foi realizada a colheita de impressões digitais. Outra suposta irregularidade apontada é que os editais e os atos publicados pela prefeitura e pela empresa não revelam os nomes e as respectivas qualificações dos examinadores do concurso.

“Isso impede o exercício do controle de legalidade dos atos praticados. Sem essas informações, não há como saber se há suspeição ou impedimento e as qualificações técnicas exigidas por lei para a execução do concurso”, argumentou, na época, o promotor Osvaldo Lopes.

Organizadora nega irregularidades

A Contemax disse, em nota, que o concurso não foi anulado e não tem irregularidades. Segundo a resposta enviada ao Portal Correio, a empresa aguarda citação para audiência, o que ainda não ocorreu. “Foram aplicadas as provas objetivas, logo após a aplicação recebemos uma recomendação do MPPB nara a não divulgação do resultado em virtude da proximidade das eleições, motivando assim a suspensão (e não cancelamento) de todo o processo seletivo”, disse a organizadora.

“Em conversa com o secretário de Administração do Município, Thayronne Cleberton Leite, dia 30/05/2017 houve uma reunião com o promotor de Justiça Osvaldo Barbosa, no MP da Comarca de Conceição, provocada pela população, sendo representada pela Câmara dos Vereadores, assim como prefeito e secretários, para esclarecimentos de diversos assuntos de interesse do município, inclusive o concurso público. Notadamente, segundo o promotor, a decisão referente ao certame aguarda decisão judicial, sendo próxima a designação de audiência com a empresa e prefeitura”, continuou a Contemax.

Como o concurso não foi anulado, mas somente suspenso, a organizadora explicou que não pode haver reembolso. Quanto a data de publicação dos resultados, que não consta no edital, a empresa disse que o resultado final será divulgado após o resultado preliminar e as demais fases.

“A análise dos títulos (cargos de nível superior), provas práticas (aos cargos que competem) e ainda realização do Curso de Formação Básica para os ACSs (Agentes Comunitários de Saúde), essas constituem a 2ª etapa do certame, sendo assim as datas a cada etapa são divulgadas em editais específicos, conforme previsão em edital regulador: ‘Item XVIII – DISPOSIÇÕES FINAIS/ 13. Todas as convocações das etapas, avisos e resultados oficiais, referentes a este Certame, até a homologação do resultado final, serão comunicados e/ou publicados no Diário Oficial do Estado da Paraíba, no site da Contemax Consultoria www.contemaxconsultoria.com.br e no site da Prefeitura Municipal de Santa Inês www.santaines.pb.gov.br sendo de inteira responsabilidade do candidato o seu acompanhamento, não podendo ser alegada qualquer espécie de desconhecimento'”.

Portal Correio

Acompanhe mais notícias do FN nas redes sociais: FacebookTwitterYoutube e Instagram

Entre em contato com a redação do FN:  WhatsApp (83) 99907-8550. 

E-mail: jornalismo@focandoanoticia.com.br