SETENTÃO: O Rei Roberto Carlos chega aos 70 em plena forma

Publicado em terça-feira, abril 19, 2011 ·

roberto-carlos-ao-vivoNesta terça-feira (19/04), Roberto Carlos faz 70 anos. E ninguém escapa dele. Esteja você onde estiver, vai ser lembrado disso em algum momento do seu dia – pelo rádio, pela TV, pelos jornais, pelo zunzunzum na rua.

O Brasil chama Roberto de Rei desde os anos 1960.

O artista se mantém desde então como o maior vendedor de discos do país. Lota os shows que faz. E, mesmo que não lance um álbum de inéditas há oito anos, é reconhecido como um dos nossos autores mais relevantes.

Gerações que passaram a ouvi-lo depois dos anos 1990 – e seus shows são cheios de adolescentes – devem imaginar que esse prestígio se manteve intacto durante todo esse tempo. Não podem imaginar que, por cerca de dez anos, Roberto Carlos não seduziu a juventude.

O estranhamento com a faixa etária que o alçou à fama começou por volta de 1982, segundo Paulo César de Araújo, autor de “Roberto Carlos em Detalhes”, biografia vetada pelo Rei na Justiça.

Quando o rock Brasil começa a despontar – com bandas como Blitz, RPM, Titãs, Legião Urbana, Ira! e Barão Vermelho -, o discurso de Roberto foi “encaretando”.

“O mesmo artista que já havia cantado que ‘tudo o que eu gosto é ilegal, é imoral ou engorda’ [em 1976] passava a representar o contrário disso”, diz Araújo.

Quem assumia essa postura era Cazuza, por exemplo. “Mais uma dose? É claro que eu tô a fim”, cantava.

Alguma coisa na receita infalível do Rei tinha dado errado, e o público jovem mais antenado se afastou. Roberto não voltaria a se aproximar dele se dependesse só de um impulso artístico seu. Mas a obra trabalhou por ele.

“As pessoas passaram a não se preocupar com o que o Roberto estava fazendo, mas com o que tinha feito no passado”, diz o ex-Ira! Edgard Scandurra. “Aquela obra fantástica dos 60 e 70 não podia ser menosprezada.”

CARACÓIS

O apelo do Rei entre os jovens começa a retornar em 1992. No show “Circuladô”, Caetano Veloso revelava que “Debaixo dos Caracóis dos seus Cabelos” (1971) fora composta para ele quando estava exilado em Londres.

“Ali, o público vê que Roberto tinha tomado uma atitude política que jamais imaginavam”, diz Araújo.

A gravação de “Caracóis” foi para a rádio e colocou a música, então semiesquecida, nas paradas de sucesso.

Mais sucesso ainda faria, no ano seguinte, “As Canções que Você Fez pra Mim” –o álbum inteiro que Bethânia dedicaria às composições de Roberto (e Erasmo).

Mesmo quem insistia em chamar Roberto de brega foi obrigado a assumir suas qualidades como compositor.

Os passos seguintes foram dados por alguns daqueles mesmos artistas que o encobriram na década anterior.

Lançado em 1994, o álbum-tributo “Rei” trazia justamente Barão, Blitz, Kid Abelha e Paulo Miklos (dos Titãs). “É Proibido Fumar”, com Skank, vira hit. De novo.

Segundo Miklos, nenhum dos envolvidos no CD tinha em mente “resgatar” Roberto –até porque ele vendia mais que qualquer roqueiro.

“Queríamos explicitar a influência dele, a importância da música nos primórdios do rock que fazíamos.”

Com os Titãs, Miklos voltaria a contribuir com o retorno de Roberto à juventude em 1998, quando a banda pinçou do baú a filosófica “É Preciso Saber Viver”. Uma das mais tocadas do ano, voltou ao repertório do Rei.

Canções de Roberto entrariam em discos do Jota Quest, do Kid Abelha, de Sandy & Junior e de Luiza Possi.

Seus shows atuais recebem muitos dos mesmos espectadores que o negaram nos 1980. Hoje trintões, choram de emoção quando o Rei surge no palco e canta.

Folha Online

Comentários

Tags :

REDES SOCIAIS











ARTICULISTAS
Ramalho Leite
Karlos Thotta
Padre Bosco





INSTAGRAM @focandoanoticia


Focando a Notícia - CNPJ: 11.289.729/0001-46
Proibida reprodução total ou parcial deste site sem aviso prévio
jornalismo@focandoanoticia.com.br
(83) 99301.2627