Polícia Civil

Rinha internacional de cães ilegal é descoberta em Mairiporã, SP

Publicado em sexta-feira, Janeiro 31, 2020 ·

Mais de 40 pessoas foram detidas e 17 cães resgatados

No fim de 2019, a Polícia Civil de São Paulo prendeu 41 pessoas ao descobrir uma rinha internacional de cães na cidade de Mairiporã, na região metropolitana de São Paulo. 17 cães da raça pitbull foram encontrados no local e resgatados para receberem os cuidados adequados.

O local era reduto de lutas clandestinas entre cães, as chamadas rinhas. Entre as 41 pessoas detidas, estão criadores, apostadores, treinadores de animais e até médicos e veterinários. Alguns dos presos eram estrangeiros.

Segundo os policiais, os cães que morriam durante os eventos eram assados e servidos como churrasco para os participantes da rinha. A carcaça de dois cães foram encontradas.

Como foi a ação?

Os policiais invadiram o local e prenderam todos os participantes do evento em flagrante. Os animais ficaram sob escolta policial até serem levados para um local adequado, todos estavam bastante feridos por conta dos embates.

Além das prisões e da recuperação dos animais, os policiais apreenderam envelopes com anotações das apostas, smartphones, troféus, camisetas com o logo do evento, planilhas com o planejamento de lutas, além de remédios usados nos animais.

A operação foi feita em conjunto com as policiais do Paraná e de São Paulo. As investigações levaram os policiais até o local, onde estava acontecendo uma rinha internacional de cães.

Pelas anotações encontradas no local, os policiais relataram que cerca de 26 lutas entre cães estavam previstas para acontecer no dia.

Desdobramentos do caso

Entre os detidos, 40 pessoas foram soltas dois dias após a batida, depois da audiência de custódia que aconteceu em Guarulhos. Apenas um homem, identificado como o organizador do evento foi mantido preso.

Por conta da soltura, o Ministério Público entrou com o pedido de prisão preventiva contra 22 pessoas que foram detidas no local. A maioria foi identificada como treinadores e criadores dos animais.

Os outros detidos liberados não ficaram com a obrigação de comparecerem em juízo para dar prosseguimento ao processo. Isso porque foram liberados pelo juiz do caso.

Além do organizador do evento, dias depois, a polícia prendeu preventivamente um homem peruano, que estava na lista dos detidos no dia do evento. Posteriormente, a polícia também descobriu que esse homem mantinha cerca de 30 animais em cárcere privado em uma chácara na cidade de Itu, no interior de São Paulo.

Todos os detidos foram autuados pelos crimes de formação de quadrilha, resistência, maus tratos aos animais e contravenção penal pelas apostas em jogo de azar.

Rinha internacional tinha sistema de apostas on-line

A organização da rinha ilegal surpreendeu os policiais. Segundo os PMs, além das apostas físicas, grupos de apostadores on-line também acompanhavam as lutas. O evento era de cunho internacional, o que fazia com que o número de participantes fosse muito grande.

O que diz a Legislação Brasileira sobre rinha de cães?

As rinhas de cães no Brasil se popularizaram no século 20, após o sucesso das já tradicionais rinhas de galos. No fim dos anos 90, com uma nova legislação, o número de rinhas diminuiu bastante no país.

A proibição das rinhas de cães está descrita na Lei de Crimes Ambientais (Lei nº 9.605/98). Mesmo com a proibição, as rinhas continuam acontecendo no país, agindo na clandestinidade.

A rinha de cães é um ato de crueldade com os animais. Além de serem obrigados e treinados para entrarem em brigas físicas, uns com os outros, os cães não recebem os devidos cuidados de saúde.

Na ação realizada em Mairiporã, por exemplo, muitos animais além de bastante feridos, também estavam com fome, desnutridos e com outros problemas de saúde. Não à toa, dois dos cães resgatados no dia do evento, acabaram falecendo posteriormente.

 

Conteúdo Gear Seo

 

 

Comentários

Tags : , , ,

REDES SOCIAIS













ARTICULISTAS
Ramalho Leite
Karlos Thotta
Padre Bosco







Focando a Notícia -
Proibida reprodução total ou parcial deste site sem aviso prévio
jornalismo@focandoanoticia.com.br
(83) 99301.2627