Presidente da OAB diz que não vai admitir conluio e nem favorecimento ilícito dentro da Ordem

Publicado em sexta-feira, abril 19, 2013 ·

odon-bezerraO presidente da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB) Odon Bezerra esteve na manhã dessa quinta-feira (18) em visita ao superintendente da Polícia Federal para acompanhar de perto o desenrolar da “ Operação Astringere” que apurou prática de crimes de formação de quadrilha, corrupção, apropriação indébita, fraude processual entre outros ilícitos, envolvendo um magistrado do 2º Juizado Especial Misto de Mangabeira, policiais, servidores públicos, advogados e particulares.

Odon Bezerra disse que foi a PF com o objetivo foi se inteirar melhor da operação, saber das acusações que pesam contra o advogado como também colocar a AOB a disposição da Polícia Federal para quaisquer informações ou esclarecimentos sempre norteando pelo Estatuto e pela prerrogativa dos advogados.

O presidente da OAB explicou que designou um grupo de advogados para acompanhar o trabalho de busca e apreensão e veio conversar com o superintendente da Polícia Federal para discutir e definir alguns pontos de como as questões serão tratadas dentro da própria OAB.

Ele disse e que recentemente a OAB tomou conhecimento de que poderia acontecer esse tipo de conduta e de imediato foram enviados ofícios a Corregedoria, ao Ministério Público, ao presidente do Tribunal de Justiça para apurar tal informação. “Nós não pactuamos, de forma alguma, que haja conluio. Eu acho que tem que haver única e exclusivamente uma paridade daqueles que vão a Justiça lutar pelos seus direitos”, finalizou Odon Bezerra.

 

Paulo Cosme

Comentários

Tags :

REDES SOCIAIS











ARTICULISTAS
Ramalho Leite
Karlos Thotta
Padre Bosco





INSTAGRAM @focandoanoticia


Focando a Notícia - CNPJ: 11.289.729/0001-46
Proibida reprodução total ou parcial deste site sem aviso prévio
jornalismo@focandoanoticia.com.br
(83) 99301.2627