Presidente da Aduepb revela que Assembleia de terça-feira decidirá se professores retornam as aulas na UEPB ou recorrerá de decisão do TJ

Publicado em sábado, Abril 27, 2013 ·

andradeNa última quarta-feira, o Pleno do Tribunal de Justiça da Paraíba decletou ilegal a greve dos docentes da Universidade Estadual da Paraíba (UEPB). Por unanimidade, o colegiado determinou o retorno dos professores e servidores às atividades, no prazo de cinco dias, sob pena de multa diária no valor de R$ 10 mil. A Ação Declaratória de Ilegalidade da Greve (999.2013.000766-2/001) foi requerida pelo Ministério Público e teve a relatoria do desembargador Leandro dos Santos. Na manhã deste sábado (26), o presidente da associação dos docentes da Universidade Estadual da Paraíba(Aduepb), professor José Cristovão Andrade, disse que a tendência é que a decisão seja cumprida e os professore retornem as atividades na terça-feira. Em entrevista e uma emissora de rádio de Campina Grande, Andrade revelou que próxima terça-feira(30) haverá uma assembleia para decidir se os professores vão recorrer da decisão do Tribunal de Justiça ou se retornarão as salas de aula.

Segundo Andrade a decisão impetrada pelos estudantes no Ministério Público é justa,mas que os comandos grevistas não foram ouvidas no processo de discussão. ” A nossa entidade foi desrespeitada e não foi ouvida” disse. Andrade também comentou que após o encerramento da greve, o Conselho universitário se reunirá para definir como será a reposição das aulas perdidas durante o período de paralisação, e garantiu que há como essas aulas serem repostas sem prejudicar os estudantes. “Todas as aulas perdidas serão repostas para os estudantes, entendemos que a greve traz essas dificuldades” afirmou Cristovão Andrade.

A greve dos professores da UEPB já ultrapassou os 60 dias, e segundo o reitor Rangel Junior já comprometeu o cumprimento do calendário letivo da instituição. No total, mais de 22 mil alunos matriculados nos 8 Campus da instituição, foram afetados com a paralisação. Rangel Junior garantiu que durante todo o período de greve esteve aberto a negociação recebendo inclusive, várias vezes o comando de greve dos docentes e dos técnicos administrativos. No entanto, reafirmou que a Administração Central não teve condições de conceder o reajuste que a categoria pediu devido a incapacidade financeira da instituição.

Segundo o reitor, todos os cálculos e projeções feitas pela Pró-reitoria de Planejamento e a equipe técnica e econômica da UEPB mostram que o orçamento disponível para o exercício deste ano – R$ 231 milhões – inviabiliza qualquer proposta de reajuste salarial. Ele garantiu que continará negociando com o governo na busca por um novo aporte financiero para a UEPB.

PBAgora

Comentários

Tags :

REDES SOCIAIS




















Focando a Notícia -
Proibida reprodução total ou parcial deste site sem aviso prévio
jornalismo@focandoanoticia.com.br
(83) 99301.2627