Prefeitos querem acordo com Dilma para renegociação de dívidas com INSS

Publicado em quinta-feira, Janeiro 24, 2013 ·

Gustavo Miranda / Arquivo O Globo
Gustavo Miranda / Arquivo O Globo

A presidenta Dilma Rousseff se reunirá na próxima semana com os mais de 5 mil prefeitos – 1.510 deles reeleitos, em um evento aguardado com alta expectativa por um pacote de bondades para os Executivos municipais. Embora no Planalto a ordem seja minimizar a questão política – Dilma quer um evento técnico -, ministros têm se reunido com a presidenta para definir a lista de agrados.

 

 

O principal deles pode ser o remodelamento da dívida dos municípios com a Previdência Social. No total, os débitos de 4.900 cidades com o INSS chegam a R$ 33,6 bilhões. A União tem também sua própria dívida com as cidades, decorrente de repasses para a Previdência. O presidente da Confederação Nacional dos Municípios (CMN), Paulo Ziulkoski, diz estimar essa conta em mais R$ 30 bilhões. Ou seja, estaria em jogo no encontro da presidenta com os prefeitos um total de R$ 63,6 bilhões em débitos com o INSS

“Queremos que haja um encontro dessas contas”, disse ao iG o presidente da Confederação Nacional de Municípios (CNM), Paulo Ziulkoski.

O impasse está sendo avaliado pelo Ministério da Fazenda. As contas estão sendo refeitas para que seja proposta uma solução amistosa por Dilma durante a abertura do encontro com prefeitos na próxima segunda-feira (28), em Brasília.

O governo federal editou a medida provisória 589 no ano passado para renegociar essa dívida. De acordo com o arranjo proposto pelo Planalto, Estados e municípios teriam seus débitos com o Instituto Nacional do Seguro Social (INSS) reestruturado com um desconto de 60% nas multas de mora, de 25% nos juros e de 100% nos encargos legais.

 

O prazo de adesão à MP 589 vence em março, mas até agora não se tem muita notícia sobre a quantas anda a aceitação da medida. Isto porque, os municípios querem que a União pague a dívida dela e não apenas cobre a deles. “Se a União deve, ela tem de pagar. Ela não pode apenas cobrar os municípios sem fazer esse encontro de contas”, afirma Ziulkoski.

O modelo de abatimento da dívida também é questionado pelos municípios, em especial os 180 com as maiores cotas no endividamento global de R$ 33,6 bilhões. O governo federal sugere cobrar a dívida retendo parte dos repasses de recursos da União por meio do Fundo de Participação dos Municípios (FPM) e do Fundo de Participação dos Estados (FPE).

Esses fundos, em alguns casos, são fontes vitais de renda de muitas cidades e estados. A expectativa é de que Dilma ofereça uma linha de crédito que não reduza a receita representada pelo FPE e o FPM. O tema está em estudo na Fazenda.

 iG

Comentários

Tags : , , , ,

REDES SOCIAIS











ARTICULISTAS
Ramalho Leite
Karlos Thotta
Padre Bosco





INSTAGRAM @focandoanoticia


Focando a Notícia - CNPJ: 11.289.729/0001-46
Proibida reprodução total ou parcial deste site sem aviso prévio
jornalismo@focandoanoticia.com.br
(83) 99301.2627