Paraíba tem 425 mil jovens sem emprego, diz IBGE

Publicado em domingo, setembro 23, 2012 ·

A Paraíba tem 1,9 milhão de paraibanos economicamente ativos e 37,97% (724 mil) deles são adolescentes e jovens de 15 a 29 anos, segundo a última Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (Pnad 2011) do IBGE. Segundo o estudo, 327 mil jovens do sexo masculino têm um trabalho e 13 mil possuem dois ou mais empregos. Já o número de jovens do sexo feminino que trabalha é inferior ao de homens: 198 mil delas têm um trabalho e 10 mil possuem dois ou mais empregos.

Segundo a Pnad, 425 mil jovens não possuem emprego ou nunca trabalharam. A faixa etária com maior número de desempregados é de 15 a 19 anos, com 223 mil pessoas (52,47%), sendo 139 mil (62,33%) mulheres. De acordo com o último Censo Demográfico do IBGE, quase metade dos jovens paraibanos (48,31%) vive em famílias com rendimento mensal de até dois salários mínimos.

Atualmente, existem 7.681 jovens em busca do primeiro emprego, em João Pessoa. A coordenadora do Sistema Nacional de Empregos (Sine) de João Pessoa, Ludmila Carvalho, disse que poucas empresas procuram jovens sem experiência no mercado de trabalho, com exceção de algumas no ramo de fast-food, supermercados e lojas. “As empresas procuram nos jovens pró-ação, dinamismo, empreendedorismo, disciplina e comprometimento. É difícil encaixar um jovem, atualmente que não possua o segundo grau, por exemplo. O Sine atende, diariamente, muito desses jovens que não conseguimos encaminhar por falta de qualificação”, afirmou.

Ludmila explicou que, por seu caráter, o mercado de trabalho exige que os jovens estejam sempre se atualizando, principalmente com as novas tecnologias, e destacou que ter conhecimento de informática, principalmente um curso especializado, é importante para ampliar as chances de um contrato profissional. Ela explicou que algumas vagas não conseguem ser preenchidas, como é o caso das áreas da construção civil e Moda e Beleza.

“Essas áreas buscam novos profissionais constantemente. Sugerimos algumas profissões que as vagas são solicitadas com frequência, como carpinteiro, marceneiro, pedreiro, soldador e serralheiro para a construção civil; e manicure, cabeleireiro, esteticista, depiladora e costureira”, informou.

[B]1º emprego[/B]

Para os jovens, ter um emprego é conquistar sua liberdade econômica. Mesmo morando com os pais, muitos procuram ter um salário para ajudar, inclusive, a sustentar o ensino superior. Com 19 anos, Diego Corte de Oliveira procura seu primeiro emprego e, segundo ele, para apenas ter uma fonte de renda e não para construir uma carreira no momento. Ele não está na universidade, pois trancou duas graduações (Física e Fisioterapia) por não ter se identificado, mas este ano prestará novamente o vestibular. “Para o Curso de Formação de Oficiais (CFO) e Odontologia”, contou.

O emprego, em seu caso, é apenas para ter sua independência econômica enquanto não encontra a graduação que realmente deseja. Já para Ricardo Alexandre de Lima Júnior, o emprego é uma necessidade. Com 17 anos, ele já tem sua família, é casado e tem um filho pequeno, e o salário é para sustentá-los.

“Moro com meus pais e minha esposa começou a trabalhar recentemente. Eu já trabalhei como segurança e numa lanchonete, agora estou procurando outro emprego, um que eu possa conciliar com os estudos”, disse. Ricardo deixou os estudos antes do ensino médio, mas pensa em voltar e tentar entrar numa universidade.

Correio da Paraíba

Comentários

Tags : , , ,

REDES SOCIAIS











ARTICULISTAS
Ramalho Leite
Karlos Thotta
Padre Bosco





INSTAGRAM @focandoanoticia


Focando a Notícia - CNPJ: 11.289.729/0001-46
Proibida reprodução total ou parcial deste site sem aviso prévio
jornalismo@focandoanoticia.com.br
(83) 99301.2627