‘Ministro’ de Aécio, Armínio Fraga defende redução dos bancos públicos

Publicado em quinta-feira, outubro 9, 2014 ·

CC/WIKIMEDIA COMMONS
CC/WIKIMEDIA COMMONS

Já ‘nomeado’ por antecipação ministro da Fazenda em um eventual governo de Aécio Neves (PSDB), Armínio Fraga, ex-presidente do Banco Central, defende a redução do papel dos bancos públicos na economia brasileira. Em áudio divulgado pelo blog O Cafezinho, ele chega a dizer que não sabe bem “o que vai sobrar no final da linha, talvez não muito”.

CURTA o FOCANDO A NOTÍCIA no Facebook

No trecho da apresentação, Armínio afirma que o modelo brasileiro – formado por “três grandes bancos públicos em atuação”, BNDES, Banco do Brasil e Caixa Econômica Federal –, “não é um modelo favorável ao crescimento, ao desenvolvimento” do país.

“Sabemos, da nossa própria história e da história universal dos bancos públicos”, justifica. Em um trecho adiante, Fraga afirma “Não estou advogando aqui fechar o BNDES”, ressalta. “Mas não sei muito bem o que vai sobrar no final da linha, talvez não muito.”

O autor do blog, Miguel do Rosário, escreve em seu post:

“É importante destacar que Fraga mente ao falar da ‘história’ do crescimento. Todos os países desenvolvidos cresceram com enormes investimentos públicos. E hoje, os países que mais crescem, são os que tem bancos públicos fortes, como China. E os bancos privados são justamente os principais responsáveis pelas periódicas crises financeiras que vêm drenando recursos do Estado para mãos de algumas instituições bancárias.

“A acusação de que os bancos públicos são capturados por interesses ‘públicos e privados’ é inconsequente, porque finge ignorar que o mesmo acontece, numa escala infinitamente superior, com os bancos privados.

 

Redação RBA

Comentários

Tags :

REDES SOCIAIS




















Focando a Notícia -
Proibida reprodução total ou parcial deste site sem aviso prévio
jornalismo@focandoanoticia.com.br
(83) 99301.2627