Ministra Maria do Rosário exige solução sobre pastor Feliciano

Publicado em terça-feira, abril 9, 2013 ·

 

A ministra da Secretaria dos Direitos Humanos, Maria do Rosário, afirmou nessa segunda-feira (8) que a Câmara dos Deputados deve encontrar uma solução para o caso do deputado Marco Feliciano (PSC-SP), que preside a Comissão de Direitos Humanos desde março. De acordo com ela, o pastor incita a violência e o ódio, o que é “ilegal.”


Foto: Carlos Cruz / Agência Brasil

“A Câmara certamente encontrará uma solução, ou o próprio Ministério Publico, porque incitar a violência e o ódio no Brasil é uma atitude ilegal, é uma atitude inconstitucional e as autoridades também estão sujeitas às responsabilidades da lei”, ressaltou Maria do Rosário em discurso feito no lançamento de uma exposição no Congresso Nacional sobre o Holocausto.

CURTA o FOCANDO A NOTÍCIA no Facebook

“Jamais uma etnia, uma religiosidade, uma forma de existência pode perceber-se superior às demais formas de existência humana. Estamos vendo aqui, em uma exposição sobre o Holocausto, o resultado do ódio, da intolerância e do desrespeito humano ao próximo, seja do ponto de vista étnico ou religioso”, disse.

A ministra também afirmou que as declarações do pastor precisam ser pensadas pelas autoridades, apesar de o governo não ter o costume de interferir nesse tipo de situação. “Sem dúvidas, as declarações que motivam a intolerância devem ser pensadas com muita responsabilidade pública por todas as autoridades publicas e por todo o país, porque o Brasil conquistou a convivência entre os diferentes como grande aspecto da democracia brasileira e dos direitos humanos”, garantiu.

“É lamentável que a cada dia nos deparemos com mais um pronunciamento, mais uma intervenção que incita o ódio, a intolerância, o preconceito. Já ultrapassa as barreiras de uma comissão da Câmara dos Deputados, diz respeito a todos nós como brasileiros e brasileiras”, completou.

Desde que assumiu a presidência da comissão, no início de março, Marco Feliciano passou a ser alvo de manifestações devido a comentários considerados racistas, homofóbicos e sexistas. Ativistas de movimentos sociais, principalmente envolvidos com o movimento gay, pedem que ele renuncie. Ele nega que seja preconceituoso e afirma que não vai renunciar.

Vídeo de culto envolve Feliciano em mais uma polêmica

Começou a circular no domingo (7) à noite um vídeo do pastor durante um culto evangélico no qual ele diz que o cantor John Lennon foi morto por “afrontar a Deus”. “Ninguém afronta a Deus e sobrevive para debochar”, declarou.

Feliciano disse que a morte de Lennon foi uma espécie de justiça divina, e que os três tiros que o atingiram teriam sido disparados em nome do “Pai, do Filho e do Espírito Santo”. “Eu queria estar lá no dia em que descobriram o corpo dele. Ia tirar o pano de cima e dizer: ‘me perdoe John, mas esse primeiro tiro é em nome do Pai, esse é em nome do Filho e esse é em nome do Espírito Santo’”, afirmou.

Em seguida, ele citou uma declaração que o músico teria dado, que teria sido o motivo pelo a “vingança divina” caiu sobre Lennon. “John Lennon estava olhando para as câmeras e disse: ‘Nós Beatles somos uma nova religião’. A minha bíblia diz que Deus não recebe esse tipo de afronta e fica impune”, disse.

De acordo com a assessoria de imprensa do deputado, as imagens são de um culto realizado em 2005, mas o vídeo foi postado no Youtube neste domingo.

Fonte: Sul21 com informações do G1, do Terra e do Estadão

Comentários

Tags : , , , , ,

REDES SOCIAIS











ARTICULISTAS
Ramalho Leite
Karlos Thotta
Padre Bosco





INSTAGRAM @focandoanoticia


Focando a Notícia - CNPJ: 11.289.729/0001-46
Proibida reprodução total ou parcial deste site sem aviso prévio
jornalismo@focandoanoticia.com.br
(83) 99301.2627