RAMALHO LEITE – Minha ficha no SNI

Publicado em quinta-feira, Fevereiro 5, 2015 ·

 

O SNI- Serviço Nacional de Informações foi idealizado pelo “bruxo” do regime de 64, general Golbery do Couto e Silva, que terminaria seus dias como ministro aposentado do Tribunal de Contas da União. Tinha inicial e legalmente o objetivo de supervisionar e coordenar as atividades de informações e contra-informações no Brasil e no exterior. A criação do SNI absorveu outros serviços da mesma natureza mas terminou,ele próprio, depois de uma crescente atividade subterrânea, extinto ou transformado na vigente ABIN, originada do governo Fernando Henrique Cardoso.

Os braços do SNI, qual um polvo gigantesco, fincou seus tentáculos em todas as regiões do País. Seus escritorios eram alimentados por informações repassadas por “cachorros” e “secretas”, agentes voluntários ou remunerados, assim chamados na gíria dos integrantes da própria instituição. A denominação de “cachorros” serve para aferir o “respeito” que conferiam aos seus colaboradores infiltrados em entidades publicas ou privadas, a serviço da denuncia muitas vezes caluniosa ou gratuita. Os “secretas” eram servidores do órgão, contratados não se sabe a que titulo, pois nunca se teve noticia de concurso para “agente secreto”. Eram, porém, treinados na Escola Nacional de Informações, e os melhores alunos aperfeiçoados no exterior, principalmente na escola da CIA americana.

Para colher a informação que lhe interessava, o SNI se utilizava de grampos telefônicos, censura postal e investigações através de seus agentes. Dois chefes do SNI alcançaram a Presidencia da República no regime militar: Garrastazu Medici e João Figueiredo. A potencialidade eleitoral de ambos foi irresistível… A anistia ampla, geral e irrestrita pedida desde Ernesto Geysel, foi concedia sob a regencia de Figueiredo, aquele que gostava mais do cheiro de cavalo, que do cheiro de povo. As cassações de mandatos parlamentares, a aposentadoria de juizes, desembargadores ou ministros, eram sempre precedidas de amplo processo de instrução, fabricado pelo SNI. Nesse tempo, direito de defesa estava abolido…

Pensei que, sendo eu um político bem comportado, nascido na UDN e tendo passado pela ARENA, fosse objeto de esquecimento do SNI. Qual o quê. A Comissao da Verdade me favoreceu com o conhecimento da minha ficha, onde se faz um JUIZO SINTÉTICO de minha vida pública e particular catalogado sob no.077/75.

Começa com  o registro da minha votação na legenda do PMDB e da lembrança de minha passagem pelo Partido Popular de Tancredo Neves, aqui capitaneado por Carneiro Arnaud e onde ingressei sob a liderança de Antonio Mariz. Censura meu comparecimento a um ato publico da Associação do Magistério, realizado em abril de 1981 no Ponto Cem Reis. A oradora principal era Cida Ramos, à época estudante universitária. Quanto à minha TENDÊNCIA IDEOLÓGICA, escreveram: democrata. ATITUDE QUANTO ÀS INSTITUIÇÕES VIGENTES: contrário; ATIVIDADES SUBVERSIVAS: Não registra antecedentes;PROBIDADE ADMINISTRATIVA: Não registra antecedentes; CONDUTA CIVIL: Inexistem registros desabonadores.

Até que foram camaradas comigo. Outros tiveram menos sorte e foram vitimas até de indiossincrasias de vizinhos, transmitidos por “cachorros”.

RAMALHO LEITE

 

Comentários

Tags :

REDES SOCIAIS











ARTICULISTAS
Ramalho Leite
Karlos Thotta
Padre Bosco





INSTAGRAM @focandoanoticia


Focando a Notícia - CNPJ: 11.289.729/0001-46
Proibida reprodução total ou parcial deste site sem aviso prévio
jornalismo@focandoanoticia.com.br
(83) 99301.2627