Mesmo em greve, servidores da UFPB estariam recebendo salários; MPT diz que é ilegal

Publicado em segunda-feira, setembro 28, 2015 ·

Foto:Alisson Correia Reitora da Universidade Federal da Paraíba, Margareth Diniz
Foto:Alisson Correia
Reitora da Universidade Federal da Paraíba, Margareth Diniz

O Ministério Público do Trabalho na Paraíba (MPT-PB) entrou com uma representação na Procuradoria da República na Paraíba contra a reitora da Universidade Federal da Paraíba (UFPB), Margareth Diniz e o pró-reitor de gestão de pessoas, Francisco Ramalho, para investigar se eles estão mantendo normais vencimentos e o ponto de servidores, mesmo com a greve que já dura quatro meses.

O MPT disse que se baseou em matérias jornalísticas para formatar a representação. De acordo com o procurador Paulo Germano, se os servidores estiverem recebendo remuneração normalmente, mesmo em greve, os gestores estariam violando a Lei de Greve e os Princípios a Administração Pública previstos no art. 37 da Constituição Federal.

ACOMPANHE O FOCANDO A NOTÍCIA NAS REDES SOCIAIS:

FACEBOOK                TWITTER                    INSTAGRAM

Segundo o documento assinado pelos procuradores do Trabalho Paulo Germano e José Caetano dos Santos, a greve implica em suspensão dos efeitos da relação de trabalho, devendo haver também a suspensão do pagamento dos vencimentos dos servidores grevistas, como estabelece o artigo 7º da Lei 7783/1989.

“Em qualquer greve, seja nos serviços públicos ou privados, as leis são as mesmas e quem não trabalha, não pode receber vencimentos, nem marcar ponto”, disse o procurador Paulo Germano.

Conforme a representação, a reitora e o pró-reitor de gestão de pessoas estariam cometimento de infrações penais e político-administrativas. O caso será investigado pela Procuradoria Geral da República, do Ministério Público Federal.

A assessoria de imprensa da reitora Margareth Diniz disse  que ainda não há informações sobre a representação formulada pelo MPT, mas adiantou que não há ilegalidade na greve para que haja corte de pontos.

“Para que o ponto seja cortado, a greve tem que ser decretada ilegal por parte de órgãos federais de Justiça [já que a UFPB é uma instituição federal]. Pelo que eu sei até este momento, não há ilegalidade na paralisação dos servidores”, disse o assessor. Apesar disso, ele deixou claro que a reitora vai ser avisada sobre a representação do MPT e deverá se posicionar acerca do assunto ainda nesta tarde.

 

Portal Correio

Comentários

Tags :

REDES SOCIAIS


















Focando a Notícia -
Proibida reprodução total ou parcial deste site sem aviso prévio
jornalismo@focandoanoticia.com.br