Hoje evangélico, Dedé Santana visita Sousa e diz que chegou a fazer macumba para ser feliz

Publicado em segunda-feira, setembro 26, 2011 ·

dedeO comediante Manfried Santana, conhecido por “Dedé Santana” que participou por 30 anos do programa “Os Trapalhões” e atualmente atua no programa “A Turma do Didi” na Rede Globo, visitou a cidade de Sousa no Sertão da Paraíba durante o final de semana.

Dedé contou um pouco de sua história e disse que apesar de faz os outros rirem era um homem infeliz e vazio. ele chegou a procurar respostas para sua vida em cartomantes, centros espíritas e terreiros de macumba.

Para o comediante foi a religião evangélica que deu soluções para as angústias que tinha na sua vida. Veja depoimento:

Testemunho

Meu nome é Manfried Santana, nasci em Niterói e hoje estou aqui , não o Dedé Santana, mas o irmão Manfried Santana. Eu tinha fama, dinheiro, carrões, mas, eu era uma pessoa triste, vazia e sem alegria de viver. Quando eu dizia isso aos outros, ninguém acreditava. Um homem que fazia tantos rirem era infeliz. Fui, então, a cartomantes, tive no kadercismo e, finalmente, fui à macumba, um terreiro de macumba.

Chegando lá, eles derramaram pipoca, mataram uma galinha preta e derramaram aquele sangue todo em cima de mim; jogavam cachaça e farofa e eu saía de lá do mesmo jeito.

E nada dava certo. Um dia voltando de um show, ali em S. Luís do Maranhão, chegamos no aeroporto atrasados pois fizemos três apresentações naquele dia e passamos da hora.

E tivemos que pegar o vôo de 4 horas da manhã.

Já no avião, percebi uma senhorita sentada próximo à porta de emergência e havia uma luz sobre sua cabeça. Curioso cheguei perto e vi que a luz de leitura do avião estava apagada! Não conseguia passar de sua cadeira; parecia que um vidro me impedia.

Aí pedi para sentar ao seu lado e ela me respondeu: Claro, eu estava lhe esperando. Esperando por que ? – perguntei. Sim, lhe esperando, eu tenho um recado de Jesus para você.- Um recado de Jesus pra mim?, a senhorita deve estar enganada; o meu vôo era de 11:45, e eu não vinha neste avião.

Ela respondeu:-Eu também não, o meu vôo era de 8:45. Então perguntei, muito curioso:

– O que Jesus manda me dizer? Ela, então, me disse: – Jesus manda lhe dizer que ele te ama muito e que você esqueceu dele. É verdade, eu fazia 2 filmes por ano, muito trabalho na televisão e não tinha tempo para pensar em nada.

Eu só pensava em mulheres, amantes, amigos e viagens para o exterior, mas não me lembrava de Jesus. E, naquele momento, eu começava a sentir que aquele vazio dentro de mim era a ausência de Jesus na minha vida. Ela me deu um cartão que continha um nome de um pastor de Taubaté, o pastor Roberto Moreira.

E eu não levei a sério e continuei a minha vida, trabalhando, fazendo as mesmas coisas, os mesmos desesperos, o mesmo vazio dentro de mim e, um dia, fiquei doente, fui parar num hospital, no Rio de Janeiro. Eu estava muito mal, eu sabia que estava muito mal.

Eu vi os médicos cochichando, falando, meu filho preocupado e os exames se seguindo. Tiravam meu sangue, tiravam chapas e, três dias depois, o médico voltou a falar comigo dizendo que tinha uma visita para mim, mas, que eu não deveria recebê-la, devido o meu repouso. Perguntei quem era.

Ele me respondeu:- São uns pastores de Taubaté. Quando ele falou isso, tudo voltou na minha cabeça, a senhorita no avião, aí eu disse: – Dr., eu assumo toda a responsabilidade; por favor deixe eles entrarem. Eles entraram e oraram muito por mim.

E o pastor Roberto, o do cartão, me disse: – Dedé, você não vai morrer, Jesus tem uma missão para você cumprir em tua vida! Depois da visita, meu filho, que é atleta de Cristo, ainda conversou muito comigo e, no dia seguinte, os enfermeiros me levaram na cadeira de rodas para fazer novos exames.

Eu estava muito mal: artérias entupidas, pulmão congestionado, água na pleura. Os enfermeiros começaram a telefonar, chamar os médicos e comecei a me preocupar. Os médicos chegaram, olharam as chapas e pediram que tirasse outras. Aí eu tirei outra chapa e os médicos pensaram que havia algum defeito no aparelho. Levaram-me para outra sala para repetir os exames numa outra máquina.

O médico, muito admirado, disse:- Não é possível, não tem nada. A chapa não acusava nada! E o doutor, bastante alegre, me mandou embora. Fui para casa e continuei minha vida normal, gravando os Trapalhões.

Até que um dia fui convidado para um trabalho da ADONEPE e, lá, estava alguém cantando. Alguém que eu conhecia como o maluco dos Paralamas. Ele era Mattos Nascimento que ia falando, e falando, e tudo o que ele dizia vinha direto ao meu coração.

Ele ia falando e se aproximando de mim. Quando chegou perto, gritou \’Glória a Deus\’. Repeti o Glória meio tímido. E ele disse: – Ouvi o teu glória, Dedé. Não te envergonhes de dar glórias a Jesus. O homem que não dá glória a Deus não tem valor.

Olha, Dedé Santana, você é poderoso, é famoso, é da Rede Globo, viaja o mundo, o Brasil todo, mas eu te digo esta noite: você sem Deus é um saco de lixo furado.

Eu vi que encontrar Jesus não era tão complicado. Não era preciso matar galinha, derramar cachaça, tomar banho de pipoca.

Desde aquele dia eu senti que não poderia mais viver sem Jesus.

Hoje sou feliz. Antes eu era o mais mal humorado dos Trapalhões, só vivia resmungando. Hoje eu não tenho medo de nada. Eu poderia perder tudo o que tenho.

Eu só não posso perder o amor de Jesus Cristo e o amor de vocês, meus irmãos. Paz do Senhor!

Confira algumas fotos!

Folha do Sertão

Comentários

Tags :

REDES SOCIAIS


















Focando a Notícia -
Proibida reprodução total ou parcial deste site sem aviso prévio
jornalismo@focandoanoticia.com.br