Estudo diz que trabalhador bonito tem melhor salário

Publicado em segunda-feira, setembro 12, 2011 ·

Ananda Nobre, 27, chegou rapidamente ao posto de gerente do hotel em que trabalha. Além da formação, uma característica que a ajudou, diz, “foi a beleza física”. “No ramo em que atuo, no qual se lida com o público, boa aparência causa impacto positivo. Tenho mais facilidade [na vida profissional] do que se tivesse uma apresentação ruim.”

De acordo com o economista americano Daniel Hamermesh, Nobre não é uma exceção. Ele publicou recentemente o livro “Beauty Pays” (em tradução livre, “A Beleza Remunera”). A obra reúne vários estudos e conclui que pessoas bonitas recebem salários maiores.

Isadora Brant/Folhapress
Ananda Nobre, hoje gerente em um hotel de São Paulo, diz que a beleza física a ajudou no início de carreira
Ananda Nobre, hoje gerente em um hotel de São Paulo, diz que a beleza física a ajudou no início de carreira

CONCEITO
O trabalho de Hamermesh não estabelece padrões para o que é ser bonito –o economista “driblou” essa questão. No estudo mais abrangente do livro, um grupo de avaliadores classificou a beleza do rosto de 2.774 profissionais. “Pessoas olham para fotos ou para indivíduos e [em geral] concordam sobre quem tem boa aparência ou não”, justifica. “Claro, nem sempre há unanimidade.”

O estudo concluiu que os trabalhadores americanos colocados entre os 7% mais feios ganham até 17% menos do que os 33% considerados mais bonitos. Hamermesh afirma ter verificado os efeitos da beleza em todas as profissões que pesquisou, incluindo professores, publicitários e economistas.

Mariá Giuliese, diretora-executiva da consultoria em aconselhamento de carreira Lens & Minarelli, diz que o mercado de trabalho valoriza a beleza física, mas que essa é uma preferência “inconfessável” dos empregadores.

COMPETÊNCIA
“Se beleza pagasse as contas, eu estaria perdido”, diz José Luiz Tejon, 59, executivo que atualmente dá aulas na FGV (Fundação Getulio Vargas) e na ESPM (Escola Superior de Propaganda e Marketing). Ele sofreu um acidente doméstico quando tinha quatro anos. Ficou com o rosto severamente marcado e, mesmo depois de muitas cirurgias plásticas, tem cicatrizes.

“Se [a aparência] atrapalhou a vida profissional, eu não vi. Sempre tive a capacidade de fazer as coisas com o que tinha à mão.” Tejon diz que, por ter sido bem-sucedido, inclusive ao realizar palestras, o acidente “talvez tenha até ajudado”. “Acho que a personalidade é a grande marca das pessoas. Mas se alguém, além de possuir consistência, talento e boa formação, é bonito, pode ter facilidade no arranque.”

Folha

Comentários

Tags :

REDES SOCIAIS


















Focando a Notícia -
Proibida reprodução total ou parcial deste site sem aviso prévio
jornalismo@focandoanoticia.com.br