Estudo aponta que mulheres têm maior risco de infecção pelo Zika

Publicado em segunda-feira, novembro 21, 2016 ·

zikaO novo estudo liderado por cientistas dos Institutos Gladstone, ligados à Universidade da Califórnia em São Francisco, Estados Unidos, constatou que os vírus de RNA, como o presente no Zika, enfraquecem o sistema imunológico vaginal, retardando a resposta das defesas do corpo à infecção e dificultando a detecção do vírus na vagina.

A descoberta mostra que o vírus pode aumentar o risco de infecção do feto durante a gravidez. Os pesquisadores sugerem que as mulheres são mais suscetíveis à transmissão sexual de vírus de RNA e que elas têm mais dificuldade que os homens para eliminar a infecção do organismo.

Para a análise, os cientistas infectaram camundongos de forma sistêmica -generalizada- e também através da vagina. O processo de células infectadas costuma liberar moléculas de interferon. A molécula funciona como uma defesa inicial conta a infecção, alertando as células vizinhas que o corpo está sendo atacado, desencadeando a reação de todo o sistema imunológico.

Após três dias, notou-se que os animais que foram infectados sistemicamente apresentaram uma forte resposta do interferon e começaram a eliminar o vírus do organismo. Porém, aqueles infectados pela vagina ainda tinham níveis altos do vírus e nenhum sinal na molécula no organismo.

“Ficamos muito surpresos com a ausência de resposta de interferon. Essa molécula é liberada como um primeiro passo da resposta imune e o fato de ela não ter sido detectada na vagina é muito alarmante. Sem interferon, o resto do sistema imune não pode ter sua ação desencadeada de forma eficiente, tornando extremamente difícil para o corpo lutar contra infecções virais”, disse o autor do estudo, Shahzada Khan, para revista científica Journal of Experimental Medicine.

O sistema imunológico só começou a responder cerca de uma semana depois da infecção, quando o vírus já havia se espalhado pelo corpo. Os cientistas decidiram aplicar na vagina uma droga anti-inflamatória, fazendo com que os interferons sejam liberados na vagina e os camundongos sendo protegidos do vírus da Zika, eliminando o vírus completamente após dois dias da infecção.

De acordo com os pesquisadores, as drogas anti-inflamatórias podem ser um caminho para a proteção das mulheres contra a Zika transmitida sexualmente, porém novas pesquisas precisam ser realizadas para ver a eficácia.

“Há algo único acontecendo no trato reprodutivo feminino, que faz com que as mulheres sejam particularmente vulneráveis aos vírus de RNA. Nosso próximo objetivo é descobrir por que isso acontece – se é um mecanismo de defesa liberado pelos próprios patógenos, ou uma lacuna imunológica no tecido vaginal”, disse o pesquisador Shomyseh Sanjabi.

minhavida

Acompanhe mais notícias do FN nas redes sociais: FacebookTwitterYoutube e Instagram

Entre em contato com a redação do FN:  WhatsApp (83) 99907-8550. 

E-mail: jornalismo@focandoanoticia.com.br

 

Comentários

Tags : , , ,

REDES SOCIAIS




















Focando a Notícia -
Proibida reprodução total ou parcial deste site sem aviso prévio
jornalismo@focandoanoticia.com.br
(83) 99301.2627