Estudo analisa violência e desempenho escolar de estudantes

Publicado em sábado, novembro 12, 2011 ·

violencia_escolas“Em aulas com episódios importantes de violência física ou verbal os alunos mostram seus piores desempenhos que em aulas com menor violência”. Esta é uma das conclusões do estudo América Latina: violência entre estudantes e desempenho escolar, publicada em agosto passado, na revista da Comissão Econômica para a América Latina e Caribe (Cepal). Elaborada por Marcela Román, pesquisadora do Centro de Investigação e Desenvolvimento da Educação (Cide) da Universidade Alberto Hurtado, do Chile, e por Javier Murillo, professor da Universidade Autônoma de Madrid, Espanha, a publicação chama a atenção sobre a violência entre estudantes da América Latina.
A investigação trabalha com dados do Segundo Estudo Regional Comparativo e Explicativo (Serce) da Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura (Unesco), que analisou 2.969 escolas, 3.903 aulas e 91.223 estudantes do 6º grau de 16 países latino-americanos: Argentina, Brasil, Colômbia, Costa Rica, Cuba, Chile, Equador, El Salvador, Guatemala, México, Nicarágua, Panamá, Paraguai, Peru, República Dominicana e Uruguai. O estudo utiliza informações de 15 países estudados no Serce (com exceção do México).
Os autores consideram que “aprender sem medo, em um clima confiável e seguro, se constitui em uma das condições fundamentais para que cada estudante fortaleça habilidades de todo tipo e se aproprie daquelas aprendizagens que lhes assegurarão o pleno desenvolvimento e a participação social”.
No entanto, a pesquisa revela que esta não é ainda a situação vivida nas escolas da região. Segundo as análises, 51,1% dos estudantes da 6ª série da educação primária “sofreram roubos, foram insultados, ameaçados ou golpeados por seus companheiros na escola durante o mês anterior ao que se recolheram os dados”. As agressões mais freqüentes foram: roubo (39,4%), violência verbal (26,6%) e violência física (16,5%).
De acordo com a publicação, o problema do roubo é mais preocupante na Colômbia, Equador, Nicarágua, Costa Rica, República Dominicana e Peru. Enquanto que na Colômbia, por exemplo, mais da metade dos estudantes disseram ter sofrido algum tipo de roubo, em Cuba, apenas um em cada dez alunos afirmou o mesmo.
A Argentina se destaca entre os países onde se registram maiores cifras de insultos ou ameaças e de violência física. “Mais de 40% das crianças na Argentina, Costa Rica, Uruguai e Peru dizem conhecer alguém de sua classe que foi insultada ou ameaçada”, afirma-se.
Além disso, o estudo indica que existe relação “significativa” entre o gênero dos alunos e o fato de ter sido vítima de algum tipo de violência. Os meninos sofrem mais insultos, ameaças e agressões físicas que as meninas.
Sobre a relação entre a violência escolar e o desempenho nos estudos, a investigação observa, em geral, que: “um estudante de primária na América Latina que assinala ter sido roubado ou maltratado física ou verbalmente tem um desempenho significativamente inferior, em leitura e matemáticas, que outro estudante que não foi”; e que “os estudantes que assistem aulas com uma maior proporção de atos de roubo ou maltrato físico ou verbal obtém piores desempenhos tanto em linguagem como em matemáticas do que aqueles que assistem aulas onde existe uma menor violência”.
Leia o estudo completo en: http://www.eclac.org/publicaciones/xml/3/44073/RVE104RomanMurillo.pdf

Karol Assunção
Do Adital
Focando a Notícia

Comentários

Tags :

REDES SOCIAIS




















Focando a Notícia -
Proibida reprodução total ou parcial deste site sem aviso prévio
jornalismo@focandoanoticia.com.br
(83) 99301.2627