Com empréstimo emperrado há 6 meses, governo injeta recursos do tesouro para bancar estatal

Publicado em segunda-feira, setembro 9, 2013 ·

dinheiro

No último dia 6, o empréstimo solicitado pelo Governo do Estado à Caixa Econômica Federal (CEF), no valor de R$ 150 milhões, para investimento na Companhia de Água e Esgotos da Paraíba (CAGEPA), completou seis meses de aprovação pela Assembleia Legislativa da Paraíba. A operação creditícia, segundo o governador Ricardo Coutinho (PSB), vai possibilitar à estatal se livrar de uma “sangria” de R$ 7 milhões por mês, pagos em forma de juros a bancos por conta de empréstimos contraídos nos governos antereriores.

 

Com uma lentidão que já leva meio ano para a liberação do recurso já aprovado na esfera legislativa, o Governo do Estado decidiu lançar mão dos recursos do tesouro para tentar equilibrar o caixa da Cagepa, que tem uma média de R$ 40 milhões de arrecadação mensal e tem pago juros mensais ao banco no valor de R$ 7 milhões.

CURTA o FOCANDO A NOTÍCIA no Facebook

As suplementações orçamentárias do Governo, no valor até o momento de R$ 15 milhões nos últimos meses, têm sido publicadas no Diário Oficial do Estado (DOE) e, segundo o presidente da Cagepa, Deusdete Queiroga, a contribuição do Executivo para pagar as dívidas da Companhia é também uma forma do Governo aumentar sua participação acionária na empresa, como maior acionista.

 

“A Cagepa é uma empresa de economia mista e o governo estadual é o maior acionista. Então com a Suplementação Orçamentária faz com que o Estado aumente as ações e desta forma colabora para que nós possamos fechar as contas, pois temos uma arrecadação em torno de R$ 40 milhões, onde temos que pagar todos os serviços, limpeza, entre outras coisas. Além do mais, pagamos mensalmente os juros bancários no valor de R$ 7 milhões provienientes dos empréstimos realizados pela Companhia”, ressaltou Deusdete.

 

Sobre o empréstimo no valor de R$ 150 milhões junto à Caixa Econômica, o presidente da Cagepa afirmou que a quantia deve está sendo liberada em um prazo de duas semanas. De acordo com Deusdete, houve uma necessidade de alterar uma resolução no Conselho Monetário Nacional, mas que já foi resolvido. Porém, ele alega que a demora para a liberação ocorre devido a um procedimento interno realizado pela Caixa Econômica Federal, mas que já está sendo solucionado.

 

Governador

 

O governador Ricardo Coutinho (PSB) falou sobre o atraso do dinheiro que tem o objetivo de liquidar as dívidas da empresa. “O Governo tem trabalhado de todas as formas possíveis em busca desse financiamento que nos foi oferecido e que deverá sair, pois não vejo nenhum motivo para que não seja liberado”, destacou.

 

FONTE: ALEXANDRE MOURA E MARCOS ALFREDO

Comentários

Tags :

REDES SOCIAIS


















Focando a Notícia -
Proibida reprodução total ou parcial deste site sem aviso prévio
jornalismo@focandoanoticia.com.br