Cerca de 90 mil pessoas são vítimas de intoxicação no Brasil; psicólogo alerta para o problema

Publicado em domingo, novembro 13, 2011 ·

plantas-para-jardimDados do Sistema Nacional de Informações Tóxico-farmacológicas da Fundação Oswaldo Cruz, apontam que no Brasil são notificados anualmente cerca de 90 mil casos de intoxicação humana, sendo a faixa etária de zero a cinco anos de idade a mais acometida. Entre os principais agentes tóxicos que causaram intoxicações em crianças nessa faixa etária, destacam-se os medicamentos, os produtos de higiene e
limpeza, inseticidas e pesticidas, os produtos químicos industriais e as plantas tóxicas.

Para aumentar ainda mais essa estatística esta semana a Paraíba registrou dois casos de mortes de crianças, possivelmente por intoxicação e a principal suspeita da polícia é que a o agente causador foi uma planta tóxica popularmente conhecida por “comigo ninguém pode”. O fato aconteceu no bairro de Mangabeira, em João Pessoa e causou polêmica já que existia também a suspeita de que as duas meninas,  (uma com dois anos e seis meses e  a outra um ano e três meses) tivessem sido violentadas sexualmente pelo pai o que está praticamente descartado por meio de exames.

De acordo com o psicólogo Deusimar Wanderley Guedes, os dados estatísticos demonstram que as intoxicações em crianças ocorrem freqüentemente dentro de casa e por medicamentos ou produtos outros que são deixados ao alcance destas crianças.  “A faixa etária compreendida entre um a cinco anos é a mais atingida por estas intoxicações, pois a partir do primeiro ano de vida a criança já começa a se locomover dentro de casa com certa desenvoltura, e se tais produtos estão ao seu alcance com certeza elas irão pegá-los e levar a boca certamente”, alertou.

Medicamentos em geral, produtos de limpeza doméstica, domissanitários, inseticidas pesticidas, plantas tóxicas dentre outros, segundo o psicólogo, são os itens mais frequentes nas intoxicações de crianças. Deusimar Guedes afirma que é comum às famílias acondicionarem produtos como: medicamentos, soda cáustica, álcool, querosene, detergentes, água sanitária e desinfetante, de forma totalmente inadequada, como em recipientes mal fechados ou em garrafas de refrigerante, por exemplo.

Prevenção
O psicólogo garante que algumas medidas simples podem contribuir para prevenção. São elas:

1-      Guardar todas as substâncias tóxicas e substâncias químicas fora do alcance das crianças;
2-       Acondicioná-las em seus recipientes originais;  nunca oferecer medicamentos de sabor agradável como se fossem guloseimas;
3-      Não pegar nem oferecer remédios no escuro e observar bem o remédio e seu rótulo antes de usá-lo;
4-       Eliminar o remédio fora de uso;
5-      Ler as instruções de qualquer produto químico antes de usar;
6-      Guardar inseticidas em armários com chaves;
7-      Não abandonar soluções de limpeza em lugares baixos;
8-      Eliminar plantas tóxicas dos jardins ou vasos etc.

Deusimar Guedes alerta que sempre é bom lembrar que em todos os estudos realizados em relação a esta temática, os medicamentos sempre
aparecem em primeiro lugar nas intoxicações, sendo os analgésicos e xaropes os mais registrados. Já em relação ao domissanitários, verificou-se maior frequência os “alvejantes”.

Mais dados sobre intoxicações de crianças – As intoxicações exógenas se apresentam como um dos principais acidentes envolvendo crianças, e
respondem por aproximadamente 7% de todos os acidentes em crianças menores de cinco anos e estão implicadas em cerca de 2% de todas as
mortes na infância no mundo. (CEATOX).

O psicólogo lembrou que um estudo sobre as intoxicações medicamentosas em crianças menores de cinco anos de idade identificou os cinco grupos de medicamentos responsáveis pelo maior número de casos: os descongestionantes nasais, os analgésicos, os broncodilatadores, os
anticonvulsivantes e os contraceptivos orais.

A ingestão de medicamentos esteve envolvida em 50% dos casos. Em todos os casos de intoxicação, a via de exposição foi oral. Mais de 80% dos acidentes ocorreram na área interna dos domicílios, sendo a cozinha o principal cômodo de ocorrência (Hospital da Restauração – Recife/PE).

De acordo com Deusimar Guedes, as plantas tóxicas também tem se constituído num dos fatores de risco para as crianças. As principais aqui na região Nordeste são: Saia Branca, também conhecida por Trombeteira e Zabumba, são os conhecidos “vegetais beladonados”.

Casos de intoxicação por ingestão de plantas tóxicas, também são comuns em crianças. Uma destas é a planta denominada “comigo ninguém
pode”, que contém na sua composição o “Oxalato de Cálcio”. A maioria dos intoxicados são crianças do sexo masculino de até cinco anos de idade.

Paulo Cosme

Paraíba.com

Comentários

Tags :

REDES SOCIAIS




















Focando a Notícia -
Proibida reprodução total ou parcial deste site sem aviso prévio
jornalismo@focandoanoticia.com.br
(83) 99301.2627