A partir de outubro, 522 médicos formados no exterior passam a atuar no país

Publicado em quinta-feira, agosto 15, 2013 ·

WILSON DIAS/ABR
WILSON DIAS/ABR

Balanço divulgado nessa quarta (14) pelo Ministério da Saúde (MS), sobre a primeira fase de inscrições do Programa Mais Médicos, revelou que dos 1.618 profissionais selecionado, 522 tem atuação e registro no exterior, ou 32% do total.

Segundo o ministro da Saúde, Alexandre Padilha, estes profissionais devem chegar ao Brasil no final de agosto e terão três semanas de treinamento e adequação à realidade do Sistema Único de Saúde (SUS), sob supervisão de universidades e secretarias estaduais de saúde. Também irão passar por processos de checagem em relação a conhecimentos e língua portuguesa. O atendimento nos municípios deve começar em outubro.

Dos 3.511 municípios que se inscreveram no programa, 703 não foram escolhidos por nenhum médico, incluindo os estrangeiros.

Os participantes do programa correspondem a 10,5% dos 15.460 profissionais necessários, segundo demanda apresentada pelos municípios. Os diplomas estrangeiros são de 32 países. A maioria da Argentina (141), seguida por Espanha (100), Cuba (74), Portugal (45), Venezuela (42), México (26) e Uruguai (25). Cerca de 70% dos médicos, tanto estrangeiros quanto brasileiros, se formaram nos últimos dez anos.

Padilha disse esperar que mais médicos formados no exterior e recém-formados no Brasil se inscrevam no programa na segunda etapa. A prioridade será para as 703 cidades totalmente descobertas.

O próximo edital será lançado na próxima sexta-feira (16), e o sistema para inscrições estará aberto a partir de segunda (19).

“Em agosto temos expectativa de que vários médicos que se formaram em julho aqui no país se inscrevam, já recebemos sinalizações, e profissionais de países do hemisfério norte, em que as férias ocupam julho e agosto.”

Cobertor pequeno

Padilha reforçou que a falta de interesse de atendimento para 703 locais reforça a tese de que não há médicos suficientes no país para atender em saúde básica da família em regiões periféricas e no interior do país, com alta vulnerabilidade social. A afirmação é rejeitada por entidades médicas, que desde o início de julho, quando o programa foi lançado, criticam o Mais Médicos.

“Ficou claro nestes primeiros 15 dias de inscrição que o país não tem número suficiente de médicos para atendermos todas as áreas carentes do país. Nossa estratégia está certa, em apoiar primeiro o médico brasileiro, mas certamente estava correto o diagnóstico do ministério que para cobrir áreas carentes do país o número de médicos do Brasil é insuficiente. O cobertor é curto, ou se cobre só parte do colchão ou se busca colcha em outro lugar para emendar com o cobertor”, afirmou.

De acordo com o ministério, 67,3% dos médicos vão atuar em regiões de extrema pobreza e distritos de saúde indígena.

“Essa foi uma estratégia importante para ocupar postos em região de fronteira”, disse o ministro. Ainda segundo o ministério, 95% dos municípios que receberão médicos do programa já estão executando programas de investimentos em infraestrutura e manutenção de unidades básicas de saúde.

Ele ressaltou também que a atenção básica à saúde é responsável por evitar 80% dos problemas de saúde que tem de ser resolvidos em ambiente hospitalar, e que é necessário que o “paradigma de que saúde só é feita no hospital” tem de acabar.

“Uma das questões que este programa traz é debater o paradigma de que a saúde deve começar fora do hospital, deve haver infraestrutura adequada para atender as pessoas fora do hospital. Deve-se romper com a mentalidade do SUS de ainda hoje, que para atender a pessoa tem que ter equipamento entre você e a pessoa. Isso contribui para debate da formação do médico, de dar mais atenção à saúde básica da família. A pessoa vai lá, o profissional não conversa, não olha, não sabe o que a pessoa faz, o que come, pede 15 exames e todos acham que foi bem atendida.”

Depois da entrevista coletiva que divulgou o balanço do Mais Médicos, o ministro Padilha foi à Comissão de Seguridade Social da Câmara dos Deputados para falar sobre a contratação de médicos estrangeiros para atuarem no país.

Redação, com Agência Brasil.

Comentários

Tags :

REDES SOCIAIS


















Focando a Notícia -
Proibida reprodução total ou parcial deste site sem aviso prévio
jornalismo@focandoanoticia.com.br